A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
64 pág.
Apostila Adm Financeira

Pré-visualização | Página 4 de 19

tem CCL. A maioria das empresas precisa 
operar com um certo montante de CCL, mas a quantidade exata depende muito do 
setor em que atuam. 
A aplicação do CCL (bem como outros índices de liquidez) para determinar a 
liquidez da firma baseia-se num fundamento teórico que estabelece que, quanto maior 
for a margem com a qual os ativos circulantes de uma empresa cobrem as suas 
obrigações a curto prazo (passivos circulantes), maior será sua capacidade de pagar 
suas contas na data de vencimento. 
Embora os ativos circulantes não possam ser convertidos em caixa exatamente 
no momento desejado, quanto maior for o montante de ativos circulantes, será mais 
provável converter-se alguns ativos circulantes em caixa, para se pagar uma dívida na 
data de seu vencimento. 
É necessário um certo nível de CCL, já que quase todas as entradas e saídas de 
caixa não são perfeitamente sincronizadas. As saídas de caixa resultantes do 
pagamento de obrigações correntes são relativamente previsíveis. Em geral, no 
momento em que se incorre numa obrigação, fica-se sabendo quando as contas 
vencem. 
 
2.2 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA E TÍTULOS NEGOCIÁVEIS 
 
A administração de caixa e títulos negociáveis é uma das áreas-chave da 
administração do capital de giro, já que ambos são os ativos mais líquidos da empresa 
e possibilitam pagar as contas no vencimento, reduzindo, assim, a crise de liquidez. 
Caixa é a moeda corrente à qual todos os ativos líquidos podem ser 
convertidos.
Item Jan Fev >>> Nov Dez
Recebimentos
Pagamentos
Fluxo de Caixa Líquido
Saldo de Caixa Inicial
Saldo de Caixa Final
Saldo de Caixa Mínimo
Financiamento Total Necessário
Excesso de Saldo de Caixa
ORÇAMENTO DE CAIXA
 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
13 
Títulos Negociáveis representam investimentos a curto prazo no mercado 
financeiro, que proporcionam juros, feitos pela empresa para obter retornos sobre 
recursos temporariamente ociosos. Quando uma empresa reconhece que um montante 
grande demais de caixa foi acumulado, ela muitas vezes converterá uma parte de caixa 
num título de renda fixa. Há inúmeros títulos de renda fixa altamente líquidos que 
possibilitam à empresa obter um lucro sobre seu caixa ocioso, sem sacrificar sua 
liquidez. 
As estratégias básicas que devem ser empregadas pela empresa na 
administração de seu caixa são: 
a) Retardar, tanto quanto possível, o pagamento de DPL sem prejudicar o 
conceito de crédito da empresa, aproveitando, porém, quaisquer descontos 
financeiros favoráveis; 
b) Girar os estoques com a maior rapidez possível, evitando faltas de estoques 
que podem resultar na interrupção da atividade da empresa; 
c) Receber o mais cedo possível as duplicatas a receber, sem perder vendas 
futuras, devido a técnicas rígidas demais de cobrança. Os descontos 
financeiros, se economicamente justificáveis, podem ser usados para realizar 
esse objetivo. 
COMPRAS VENDAS
ESTOQUES
CTAS A PAGAR CTAS A RECEBER
CICLO DE PRODUÇÃO
CICLO FINANCEIRO
MATÉRIA-PRIMA PROD. EM ELABORAÇÃO PROD. ACABADOS
CICLO FINACEIRO
 
 
Estratégias de Administração de Caixa 
a) Retardar o Pagamento de Duplicatas - Muito dependente da situação que 
envolve a negociação da empresa, esta estratégia só deve ser utilizada 
quando não for prejudicial ao conceito de crédito da empresa, pois embora 
possa parecer financeiramente atraente, ela levanta uma importante questão 
ética, uma vez que pode levar a empresa a violar um acordo com o 
fornecedor. 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
14 
b) Administração eficiente do estoque produção - outra maneira de minimizar a 
necessidade de caixa é aumentar o giro do estoque, podendo ser obtido das 
seguintes maneiras: 
- Aumentando o giro de matérias-primas = através de técnicas mais 
eficientes no controle de estoque, a empresa poderá aumentar seu giro 
de matérias-primas; 
- Diminuindo seu ciclo de produção = introduzindo melhor planejamento, 
programação e técnicas de controle da produção, a empresa pode 
diminuir a extensão do ciclo da produção. A redução no ciclo da 
produção acarretará um aumento no giro do estoque de produtos em 
fabricação; 
- Aumentando o giro de produtos acabados = a empresa pode aumentar 
o giro de seus produtos acabados, aperfeiçoando a previsão da 
demanda e o planejamento da produção, na tentativa de levar esta a 
coincidir com as previsões. Um controle mais eficiente do estoque de 
produtos acabados contribuirá para um giro de estoque mais rápido 
destes produtos. 
c) Aceleração do processo de recebimento - a empresa emprega dinheiro em 
duplicatas a receber, do mesmo modo que em estoque. Duplicatas a receber 
são um custo necessário para a empresa, já que a concessão de crédito a 
clientes é uma “ferramenta” de vendas. As políticas de crédito são os critérios 
da empresa usados para determinar a quem se deve conceder crédito; as 
políticas de cobrança determinam o esforço despendido pela empresa para 
receber prontamente as duplicatas a receber. As mudanças nas condições de 
crédito, nas políticas de crédito e nas políticas de cobrança podem ser 
usadas como recursos para diminuir o prazo médio de cobrança, enquanto 
mantém ou aumentam os lucros globais. 
 
Títulos Negociáveis 
Títulos negociáveis são instrumentos a curto prazo do mercado monetário, que 
podem ser facilmente convertidos em dinheiro. Os títulos negociáveis são muitas vezes 
considerados parte dos ativos líquidos da empresa. 
Motivos para manter Títulos Negociáveis: Uma empresa deve tentar obter um 
retorno sobre recursos temporariamente ociosos. O tipo de título negociável que uma 
empresa compra dependerá muito do motivo da compra. Os motivos básicos incluem o 
motivo de transação, o motivo de precaução e o motivo de especulação. 
a) Motivo de transação - de modo a obter algum retorno sobre tais fundos, 
investe-se num título negociável com uma data de vencimento que coincida 
com a data exigida de pagamento de compromissos. 
b) Motivo de precaução - são usados como um anteparo de conta caixa. Esses 
títulos precisam ser de grande liquidez, já que são comprados com o dinheiro 
que será necessário algum dia. Por isso, protegem a empresa da 
possibilidade de não poder satisfazer as demandas inesperadas de caixa. 
c) Motivo de especulação - às vezes algumas empresas têm caixa em excesso 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
15 
e até que ela ache um destino adequado para esse dinheiro, ela o investe em 
certos tipos mais especulativos de títulos negociáveis. 
 
2.2.2 Fluxo de Caixa 
 
É o conjunto de ingressos e desembolsos de numerário ao longo de um período 
orçamentário. Representa de forma dinâmica a situação financeira de uma empresa, 
considerando todas as fontes de recursos e todas as aplicações efetuadas. 
 
Objetivos do fluxo de caixa: 
a) Facilitar análise e cálculo na seleção das linhas de crédito a obter; 
b) Detectar antecipadamente as carências de recursos; 
c) Planejar desembolsos evitando acúmulo de compromissos vultosos em época de 
pouco encaixe; 
d) Quantificar os recursos próprios disponíveis para investimentos; 
e) Intercambiar os diversos departamentos com área financeira; 
f) Usar eficientemente/eficazmente recursos disponíveis; 
g) Financiar necessidades sazonais ou cíclicas da empresa; 
h) Prover recursos para expansões (planta, operacional, etc.). 
i) Manter determinado nível de caixa em função do capital de giro; 
j) Auxiliar na análise dos valores a receber e estoques, para verificar sua conveniência; 
k) Aplicar os excedentes de caixa 
l) Programar convenientemente empréstimos ou financiamentos 
m) Projetar plano efetivo de resgate de débitos 
n) Integrar os controles financeiros da empresa. 
 
Causas

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.