A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
APOL  sociedade brasileira contemporanea

Pré-visualização | Página 2 de 3

Fausto [...] explica que o sucesso do chamado Milagre Econômico ocorreu graças a um aproveitamento da disponibilidade de recursos no cenário internacional. Era um período em que as nações estáveis — desenvolvidas e sem petróleo — realizavam empréstimos para investimentos internos. A prática fez a dívida externa brasileira subir de US$ 40 bilhões, em 1967, para US$ 97 bilhões, em 1972. [...] O Milagre Econômico também foi alvo de duras críticas por provocar um crescimento desigual na qualidade de vida da população brasileira. Segundo Luna e Klein [...], as políticas salariais restritivas impediam os trabalhadores de desfrutar do crescimento das finanças no país. A ausência de uma prática sindical, que foi proibida pelo governo, assim como a realização de greves e campanhas salariais, anulava a capacidade de as classes trabalhistas lutarem na legalidade por reajustes inflacionários em seus vencimentos. Em resumo, a economia milagreira do Brasil acabou por ampliar o quadro de desigualdade social. Quem se beneficiava da distribuição de renda eram os empresários e os grandes agricultores, que participavam das políticas de investimentos nacionais” (livro-base, p. 137 e 138).
	
	C
	O “Milagre Econômico” teve como um dos seus problemas o aumento da desigualdade social e, em seu lado positivo, obteve maior autonomia da economia brasileira frente ao mercado internacional.
	
	D
	O “Milagre Econômico” gerou um crescimento espetacular da economia brasileira, mas seus problemas relativos ao aumento da dívida externa e da desigualdade social geraram críticas severas, que fizeram o governo recuar em sua política econômica.
	
	E
	As falhas do chamado “Milagre Econômico”, como o aumento da desigualdade social e o crescimento da dívida externa, estimularam a oposição à ditadura civil e militar e potencializou a luta armada no campo e na cidade.
Questão 4/5 - Sociedade Brasileira Contemporânea
Leia o seguinte excerto de texto: 
“Aparentemente, a LOPP [Lei Orgânica dos Partidos Políticos] de 1979 significava um avanço na democratização do sistema político-eleitoral brasileiro, ao liberar a formação dos partidos políticos. Porém, ela expressou a tentativa calculada do governo de fragmentar e enfraquecer a frente de oposição unificada no MDB [...]. Da oposição [...], Leonel Brizola [...] deu origem ao [...] [Partido Democrático Trabalhista] (PDT) [...]. Em 1980, surgiu ainda o [...] [Partido dos Trabalhadores] (PT)”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: BAPTISTA, L. Entre a ilegalidade e a luta institucional: A atuação do PCB no Espírito Santo no contexto de abertura política (1978-1985). Dissertação de Mestrado em História. Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016. p. 167. 
Considerando essas informações e de acordo com os conteúdos do livro-base Sociedade brasileira contemporânea sobre o processo de abertura da ditadura civil e militar, marque a alternativa correta:
Nota: 20.0
	
	A
	Apesar da tentativa de manter o controle sobre a abertura política, a Aliança Renovadora Nacional (Arena) não conseguiu criar um novo partido para seus aliados devido ao desgaste do regime.
	
	B
	A Lei Orgânica dos Partidos de 1979 foi mais um passo na lenta e controlada abertura política, em que os apoiadores do regime estiveram abrigados no novo Partido Democrático Social (PDS).
Você acertou!
A alternativa correta é a letra b), pois, em “novembro de 1979, foi aprovada uma nova legislação partidária pelo governo. Os dois partidos vigentes — Arena [Aliança Renovadora nacional] e MDB [Movimento Democrático Brasileiro] — precisavam se reinventar para as próximas eleições. Segundo Villa [...], as primeiras legendas que surgiram no período reuniram quadros dos dois lados. Foi o que aconteceu com o Partido Progressista (PP) e o Partido Democrático Social (PDS). Grande parte da oposição governista do período foi para o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Antiga legenda getulista, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) se tornou um impasse entre Brizola e Ivete Vargas, filha de uma sobrinha do ex-estadista gaúcho. O registro precisou ser definido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deu ganho de causa para a família do ex-presidente. Brizola, então criou o Partido Democrático Trabalhista (PDT). Dos movimentos grevistas, surgiu o Partido dos Trabalhadores (PT), com Luiz Inácio Lula da Silva como principal expoente. A organização reunia exilados políticos, intelectuais, estudantes e líderes religiosos vinculados à teologia da libertação. Em seus primeiros anos de atuação, esse grupo ‘destacou-se pela defesa de um programa socialista e por uma organização interna que priorizava a participação dos filiados nos órgãos decisórios’ (Vilia, [...])” (livro-base, p. 165).
	
	C
	Além de caminhar para a abertura política, estudiosos dizem que a LOPP serviu para enfraquecer o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), que se dividiu em diversos partidos e deixou de existir.
	
	D
	Durante a criação de novos partidos, houve a reedição do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), e o fato de Brizola criar o Partido Democrático Trabalhista (PDT) mostrava seu rompimento político com o seu legado trabalhista histórico.
	
	E
	O PT, também conhecido como Partido Trabalhista, foi o herdeiro natural do legado de Vargas, João Goulart e Juscelino Kubitschek.
Questão 5/5 - Sociedade Brasileira Contemporânea
Atente para o trecho o texto a seguir: 
“Em artigo publicado na Tribuna da Imprensa [...], Carlos Lacerda propôs uma série de medidas [...]. Entre elas incluíam-se a instituição do parlamentarismo, cabendo a um chefe militar ocupar o primeiro gabinete, o adiamento das eleições presidenciais para ao menos 1º de janeiro de 1956, a dissolução do Congresso e a convocação, em fevereiro de 1956, de uma assembleia constituinte que votaria a nova Constituição”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: PANTOJA, S. Juscelino  Kubitschek de Oliveira (verbete biográfico). <http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/juscelino-kubitschek-de-oliveira>. Acesso em 4 jan. 2018. 
Considerando as informações acima e de acordo com os conteúdos do livro-base Sociedade brasileira contemporânea sobre a eleição de Juscelino Kubitschek, analise as seguintes afirmativas:
I. A oposição antigetulista se organizou para impedir a posse de Juscelino Kubitschek, pois via nele a continuidade do projeto político de Vargas.
II. A UDN (União Democrática Nacional) tentou articular um golpe contra a posse de Juscelino Kubitschek, ainda mais quando este obteve mais de 50% dos votos nas eleições, o que representaria uma força perigosa.
III. A eleição de Juscelino Kubitschek mostrou uma intensa, porém dividida atividade política das Forças Armadas contra e a favor da posse do presidente eleito.
IV. As Forças Armadas chegaram a desencadear o início de um golpe contra a posse do presidente Kubitschek, mas foram impedidas pela unidade de políticos civis. 
São corretas apenas as afirmativas:
Nota: 0.0
	
	A
	I e II
	
	B
	I e III
As afirmativas I e III são corretas, e a II e IV são falsas. “O pleito acabou sendo bem acirrado. Kubitschek conquistou cerca de 3 milhões de sufrágios e levou a disputa com 36% dos votos. Távora ficou logo atrás, com 30% dos votos válidos. O terceiro colocado, Ademar Barros, do PSP, obteve 26% dos votos (Couto, [...]). [...] Após as eleições, Café Filho se afastou do governo por problemas de saúde. O presidente da Câmara dos Deputados, Carlos Luz, assumiu a cadeira de chefe de Estado. Aliado dos udenistas, o presidente interino carregava os temores de sua base com o futuro do país e chegou a ser acusado de favorecer a construção de um golpe militar para impedir a posse de JK (Fausto, [...]). [...] A instabilidade política foi resolvida com um contragolpe, o qual visava garantir que Juscelino assumiria o cargo. O general Henrique Teixeira

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.