A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
simulado civil VI 6ª aula (3)

Pré-visualização | Página 1 de 1

DIREITO CIVIL VI
6a aula
		
	 
	Lupa
	 
	 
	
Vídeo
	
PPT
	
MP3
	 
	
	 
	Exercício: CCJ0147_EX_A6_201408273829_V1 
	11/05/2018 10:22:05 (Finalizada)
	Aluno(a): IRAN BARROS DA SILVA
	2018.1
	Disciplina: CCJ0147 - DIREITO CIVIL VI 
	201408273829
	 
	Ref.: 201408384522
		
	
	 1a Questão
	
	
	
	
	João ab intestato faleceu em maio deste ano, deixando para ser partilhado um apartamento comprado durante o casamento, uma casa herdada de seu tio, um terreno que lhe foi doado e um automóvel que lhe foi dado em pagamento de uma dívida. Sobreviveram a João sua esposa, com quem era casado pelo regime da comunhão parcial, e seus 4 filhos, todos havidos desta relação. Quais são os direitos sucessórios de cada um e como ficará a partilha ?
		
	 
	Seu cônjuge não terá direito à herança porque tem meação sobre bens em sucessão.
	 
	Tocará ao cônjuge 1/4 da casa e do terreno; o restante será sucedido apenas entre os filhos.
	
	Tocará ao cônjuge 1/4 do apartamento e do automóvel; o restante será sucedido apenas entre os filhos.
	
	Todos herdam os bens, cabendo a cada um o mesmo quinhão.
	
	 
	Ref.: 201408384538
		
	
	 2a Questão
	
	
	
	
	João faleceu em maio deste ano, deixando para ser partilhado um patrimônio constituído por uma casa recebida em herança do seu parente, bem como um apartamento que ganhou de seu pai, um automóvel de luxo comprado durante a união estável mantida com Maria, bem como aplicações financeiras feitas pouco antes de sua morte com o dinheiro que recebeu pela execução de um trabalho. A título de parentes sucessíveis, somente havia os seus sobrinhos, com quem mantinha pouco contato, seus tios e alguns primos, além da companheira. Isto posto, quem terá direito de sucedê-lo e como será efetuada a partilha entre os herdeiros, considerando o fato de João ter falecido ab intestato ?
		
	 
	Tudo caberá à companheira, na medida em que o cônjuge não partilha herança com colaterais.
	 
	Maria, sem prejuízo da meação, terá 1/3 sobre o carro e o dinheiro aplicado, sendo o resto dos sobrinhos.
	
	Os tios e os sobrinhos dividirão a herança porque são os parentes mais próximos ¿ terceiro grau.
	
	A companheira terá direito à metade da herança, cabendo o restante aos sobrinhos.
	
	 
	Ref.: 201408382224
		
	
	 3a Questão
	
	
	
	
	(Questão 28 122º Exame OAB-SP) João instituiu como seus herdeiros: Mateus, seu tio. Paulo, seu irmão. Maria, Augusta e Beatriz, filhas de seu irmão Rodrigo e, ainda, Roberto e Eduardo, filhos de sua irmã Salette. Sua herança deverá ser dividida
		
	 
	em 4 porções idênticas, pois as pessoas nomeadas coletivamente equiparam-se às indicadas invidualmente, visto que a divisão da herança operar-se-á, em relação a elas, por estirpe.
	 
	em 3 porções idênticas.
	
	2/7 para Paulo e Mateus; 3/7 para as filhas de Rodrigo e 2/7 para os filhos de Salette.
	
	em 7 porções idênticas.
	
	 
	Ref.: 201409205179
		
	
	 4a Questão
	
	
	
	
	(Técnico Judiciário. TJMT. 2016 adaptada). Endel Flôres do Mato Grosso, médico, pecuarista, solteiro, faleceu e deixou 4 filhos adotivos, maiores, solteiros, seus únicos herdeiros. Em relação às dívidas deixadas pelo falecido, cada herdeiro:
		
	
	responderá com cinquenta por cento do seu patrimônio mais a proporção que lhe coube, considerando que a herança foi deixada somente para filhos adotivos.
	 
	só responderá em proporção que na herança lhe coube, excluído o seu patrimônio.
	
	só responderá com dez por cento da herança mais vinte por cento do seu patrimônio.
	
	não responderá por nenhum valor valor de dívidas do de cujos, ainda que tenha herdado bens do falecido.
	
	responderá com cem por cento do seu patrimônio, uma vez já tendo sido realizada a partilha.
	
Explicação:
Os herdeiros jamais possuem obrigação de pagar, eles próprios, as dívidas do de cujus (pessoa falecida); É o patrimônio da pessoa falecida que será responsável pelo pagamento das dívidas, não importando que seja insuficiente. 
	
	 
	Ref.: 201408384537
		
	
	 5a Questão
	
	
	
	
	João, falecido em outubro de 2003, deixou muitos bens a serem sucedidos por seus pais e por sua companheira, já que não há descendentes. Ocorre que, segundo seu testamento, toda a herança deverá ser gravada com cláusula de inalienabilidade. Diante disso, indique a alternativa correta:
		
	
	O cumprimento da disposição dependerá da data em que o testamento foi escrito.
	 
	Como não herdeiros necessários, a inalienabilidade deverá ser imposta.
	
	De acordo com o art. 1.848, CC, não se pode gravar a herança sem justo motivo.
	 
	Como ainda havia tempo para aditamento, a restrição deve ser cumprida.
	
	 
	Ref.: 201408382217
		
	
	 6a Questão
	
	
	
	
	(Questão 30 124º Exame OAB-SP) Estão legitimados a suceder, na sucessão legítima:
		
	 
	as pessoas físicas e jurídicas existentes ao tempo da abertura da sucessão.
	
	as pessoas nascidas ou já concebidas no momento da abertura da sucessão.
	 
	apenas as pessoas já nascidas com vida ao tempo da abertura da sucessão.
	
	os já nascidos, os concebidos e a prole eventual de pessoas já existentes.
	
	 
	Ref.: 201409323722
		
	
	 7a Questão
	
	
	
	
	O inventário do patrimônio hereditário em regra deve ser requerido no foro do (a):
		
	
	domicílio do testamenteíro
	
	localização do patrimônio do falecido.
	 
	último domicílio do autor da herança.
	
	domicílio do herdeiro.
	
	domicilio do inventariante.
	
Explicação:
A lei processual adota como o foro competente para processamento do inventário e partilha aquele de último domicílio do falecido, conforme o art. 48 do CPC/15 (corresponde ao 96 do CPC/73), e caso tenha mais de um domicílio, poderá ser aberto em qualquer um deles. E se não haja domicílio certo, será o foro da situação dos bens imóveis, e sendo em locais diferentes, poderá ser aberta em qualquer um deles, incorrendo a mesma regra se possuir somente bens moveis.
	
	 
	Ref.: 201408908597
		
	
	 8a Questão
	
	
	
	
	(TCM/BA 2011 - FCC - Procurador) Para a cessão de quinhão hereditário a terceiro que não seja herdeiro:
		
	
	Não é necessária escritura pública, ainda que a herança seja constituída de bens móveis e imóveis.
	
	É necessária escritura pública apenas se a herança se constituir de bens imóveis.
	 
	É necessária escritura pública, ainda que a herança se constitua apenas de bens móveis.
	 
	É necessária escritura pública no tocante aos bens imóveis, podendo a parte correspondente aos bens móveis ceder-se por instrumento particular.
	
	É necessário termo nos autos, para ratificar a escritura pública ou o instrumento particular pelo qual o negócio foi realizado.
	
Explicação:
É necessária escritura pública, ainda que a herança se constitua apenas de bens móveis.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.