A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
96 pág.
APOSTILA DIR. CONSTITUCIONAL II   PROF. RENATA VELO

Pré-visualização | Página 7 de 17

causa em que seja interessada entidades da adm. Pública ou 
concessionárias do serviço público (advogados); 
 
4) Ser titular de mais de um cargo ou mandato eletivo. 
 
- Perda do mandato de parlamentares: 
 
Art. 55 da CF 
- Perda não automática: arts. 55, incisos I, II e VI da CF: 
1) que infringir qualquer das proibições estabelecidas no artigo anterior; 
2) cujo procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar 
- Decoro parlamentar: conjunto de normas éticas e morais que devem nortear a 
conduta dos parlamentares no exercício da função pública. (art. 55 § 1º: casos 
definidos no Regimento interno; o abuso de suas prerrogativas ou a percepção de 
vantagens indevidas). 
3) que sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado. 
	 36	
 
- A perda do cargo não será automática, mas dependerá de juízo político de 
conveniência da casa legislativa: voto aberto (Alterado pela EC 76/2013) e maioria 
absoluta mediante provocação da mesa ou do partido político representado no CN, 
assegurada a ampla defesa (55, § 2º da CF). 
 
- Perda automática: arts, 55, incisos III, IV e V da CF: 
 
1) que deixar de comparecer, em cada sessão legislativa, à terça parte das sessões 
ordinárias da Casa a que pertencer, salvo licença ou missão por esta autorizada; 
2) que perder ou tiver suspensos os direitos políticos; 
3) quando o decretar a Justiça eleitoral nos casos previstos nesta CF. 
 
- A perda do cargo será automática e será declarada de ofício pela mesa da 
respectiva casa ou mediante provocação de qualquer dos seus membros ou de 
partido político representado no CN, assegurada a ampla defesa (55, § 3º da CF). 
 
- Vereadores e Deputados Estaduais se aplicam os mesmos impedimentos. 
- Aos Vereadores se forem condenados por sentença penal condenatória TJ perdem 
o cargo. 
 
- Renúncia: 55, § 4º da CF: 
 
- Depois de iniciado o processo a renúncia do parlamentar fica com seus efeitos 
suspensos: 
a) Se perder o mandato: a renúncia não produzirá efeitos; 
b) Se não perder: a renúncia produzirá seus efeitos. 
 
- Exceções: 56 CF: Não perdem o cargo: 
 
1) Mandato de Ministro de Estado, Governador de TF, Secretário de Estado, DF ou 
	 37	
de TF, Secretário de Prefeitura de Capital ou Chefe de missão diplomática 
temporária; (opta pela remuneração). 
2) Licenciado por motivo de doença; 
3) Licenciado sem remuneração para tratar de assuntos particulares desde que não 
ultrapasse 120 dias por sessão legislativa. 
 
Caso concreto: 
 
Parlamentar, membro de um CPI, vai realizar diligência investigatória fora do DF, 
em um Estado da Federação. Lá chegando, suas ações estão protegidas pela 
imunidade parlamentar? 
 
 
Leitura recomendada: 
 
Ler capítulo correspondente do Livro Didático Direito Constitucional.
 
 
Artigo científico: SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL: UMA PROPOSTA DE ANÁLISE 
JURISPRUDENCIAL- A IGUALDADE JURÍDICA E A IMUNIDADE PARLAMENTAR 
(Fernanda Duarte e Rafael Mario Iorio Filho). Disponível em: 
http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/bh/fernanda_dua 
te.pdf 
 
 
 
Plano de aula 9: Processo Legislativo: Fases do processo 
legislativo: 
 
 
Resumo: 
 
 
- Processo legislativo são regras procedimentais, constitucionalmente previstas 
para a elaboração das espécies normativas. 
 
- O artigo 59 da CF: Espécies normativas: 
1) Emenda à CF, 
2) Leis complementares, 
3) Leis ordinárias, 
	 38	
4) Leis delegadas, 
5) Medidas provisórias, 
6) Decretos Legislativos, 
7) Resoluções. 
 
- Consequências da inobservância destas regras: vício formal de 
constitucionalidade. 
 
- Vício formal X vício material. 
 
- Medidas para vícios de constitucionalidade: 
1) Controle prévio ou preventivo: 
a) Poder Legislativo: Comissões de Constituição e Justiça 
b) Poder Executivo: veto 
 
2) Controle repressivo: 
- No Brasil ele é jurisdicional misto (difuso e concentrado). 
 
- Classificação dos processos legislativos quanto ao rito: 
 
1) Ordinário: Destina-se a elaboração de leis ordinárias e complementares e 
caracteriza-se pela inexistência de prazos rígidos 
 
2) Sumário: Segue o mesmo rito do ordinário, mas com prazos rígidos para que o 
legislativo delibere. (artigo 64, § 1º da CF: o PR pode solicitar urgência para a 
apreciação dos projetos de sua iniciativa). 
 
- Requisitos: 
a) Projeto de lei apresentado pelo chefe do executivo mesmo que sua iniciativa não 
seja exclusiva, 
b) Solicitação de urgência pelo chefe do executivo. 
	 39	
 
3) Especiais: Seguem rito diverso da elaboração para leis ordinárias: Emendas a 
CF, Leis delegadas, MP, Decretos legislativos e Resoluções. 
 
- Processo Legislativo Ordinário: 
 
- Desdobra-se em três fases: 
 
1) Fase introdutória: compreende a iniciativa da lei: ato que desencadeia o 
processo legislativo. 
 
2) Fase constitutiva: compreende a discussão e votação do projeto de lei nas duas 
casas do CN e também a sanção ou veto do PR e a apreciação do veto pelo CN. 
 
3) Fase complementar: abrange a promulgação e a publicação da lei. 
 
 
1) Fase introdutória: 
- Fase da iniciativa. 
 
- Iniciativa de leis complementares e ordinárias: faculdade atribuída: 61 da CF 
a) Qualquer membro ou comissão da CD, SF, CN; 
b) Presidente da República; 
c) STF, Tribunais superiores; 
d) Procurador Geral da República; 
e) Cidadãos. 
 
- Iniciativa e casa iniciadora: 
 
- A iniciativa do PR, do STF, Tribunais Superiores, PGR e cidadãos: exercida 
perante a CD. 
	 40	
 
- A iniciativa de cada parlamentar ou comissão é exercida perante a sua casa. 
 
- Quando apresentado na CD terá início nesta casa e a casa revisora será o SF. 
 
- Só quando apresentado pela comissão mista do CN ou por Senador ou comissão 
do Senado é que será apresentado perante o SF. 
 
- iniciativa popular: 
 
- Cidadão: capacidade eleitoral ativa (capacidade de votar; possuidor de título 
eleitoral e pleno gozo dos direitos políticos). 
 
- Além disso: 
a) Lei Federal: 1% do eleitorado, distribuído por 5 Estados cada um com não menos 
de 0,3% de eleitores; 
b) Lei Municipal: 5% do eleitorado; 
c) Estadual: Lei disporá: 27, § 4º da CF. (CE: 1% do Estado distribuído por 5 
Municípios cada um com 2% de eleitores de cada Município). 
 
- Lei de iniciativa popular deve limitar-se a um só assunto. 
 
- Não pode ter vício de iniciativa: caso tenha a CD deve providenciar a correção. 
 
- Iniciativa privativa do Chefe do Executivo: 
 
- artigo 61, § 1º da CF 
1) criação de cargos, funções, empregos na administração direta, autárquica ou 
aumento de sua remuneração; 
2) Criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública; 
3) Servidores públicos da União; 
	 41	
4) Organização do MPU e Defensoria Pública Federal e normas gerais para a 
organização dos MPs dos E, DF e Territórios. 
 
Cuidado: Para a organização do MP, a CF fala em competência privativa, mas 
é competência concorrente nos termos do art. 128, § 5º da CF. 
- Não se confunde: 
a) criação de cargos e serviços auxiliares e política remuneratória: MP 
b) Normas gerais sobre organização dos MP da U dos E, DF e T: concorrente: do 
PR e Procurador Geral da República: artigo 61, §1º, II, d da CF e 128, § 5º da CF. 
 
5) Organização administrativa e judiciária, matéria tributária, serviços públicos, 
servidores dos Territórios, 
Note: Matéria Tributária não é de iniciativa privativa (iniciativa concorrente: 
Poder Executivo, Legislativo e cidadãos. Quando o artigo 61, § 1º, II, b da CF: 
iniciativa privativa do PR: Matéria Tributária relacionada aos territórios. 
 
6) Militares das Forças armadas. 
 
 
Note: Aplica-se a Simetria