A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
93 pág.
Áreas de Atuação da  Radiologia  Prof Natan de Almeida

Pré-visualização | Página 4 de 6

pode variar de R$ 1.700,00 a R$ 2.300,00
HEMODINÂMICA
Hemôdinamica
Hemodinâmica é a parte da fisiologia que trata dos fenômenos mecânicos da circulação sanguínea. 
O Serviço de Hemodinâmica é o local onde se realizam diagnósticos e procedimentos terapêuticos em 
cardiologia, neurologia e angiologia, utilizando a técnica do cateterismo, nas seguintes modalidades:
Cardiologia: cineangiocoronariografia (cateterismo cardíaco), angioplastia coronária com balão, implante 
de stent, aterectomias, valvoplastias, atrioseptostomia, estudo eletrofisiológico, ablação de arritmias, etc.
Neurologia: embolização de aneurisma cerebral, angioplastia de vasos cerebrais, angiografia cerebral, 
angioplastia de artérias (carótidas e vertebrais), tromboembolectomia mecânica e medicamentosa, entre 
outros.
Angiologia: Angiografia diagnóstica, angiografia de artérias de membros inferiores e outros.
Hemôdinamica
RADIOTERAPIA
Radioterapia
A radioterapia é um método capaz de destruir células tumorais, empregando feixe de radiações ionizantes. 
Uma dose pré-calculada de radiação é aplicada, em um determinado tempo, a um volume de tecido que 
engloba o tumor, buscando erradicar todas as células tumorais, com o menor dano possível às células 
normais circunvizinhas, à custa das quais se fará a regeneração da área irradiada.
As radiações ionizantes são eletromagnéticas ou corpusculares e carregam energia. Ao interagirem com 
os tecidos, dão origem a elétrons rápidos que ionizam o meio e criam efeitos químicos como a hidrólise da 
água e a ruptura das cadeias de ADN. A morte celular pode ocorrer então por variados mecanismos, desde 
a inativação de sistemas vitais para a célula até sua incapacidade de reprodução.
A resposta dos tecidos às radiações depende de diversos fatores, tais como a sensibilidade do tumor à 
radiação, sua localização e oxigenação, assim como a qualidade e a quantidade da radiação e o tempo 
total em que ela é administrada. 
Radioterapia
Para que o efeito biológico atinja maior número de células neoplásicas e a tolerância dos tecidos normais 
seja respeitada, a dose total de radiação a ser administrada é habitualmente fracionada em doses diárias 
iguais, quando se usa a terapia externa.
Radiossensibilidade e radiocurabilidade
A velocidade da regressão tumoral representa o grau de sensibilidade que o tumor apresenta às radiações. 
Depende fundamentalmente da sua origem celular, do seu grau de diferenciação, da oxigenação e da 
forma clínica de apresentação. A maioria dos tumores radiossensíveis são radiocuráveis. Entretanto, 
alguns se disseminam independentemente do controle local; outros apresentam sensibilidade tão próxima 
à dos tecidos normais, que esta impede a aplicação da dose de erradicação. A curabilidade local só é 
atingida quando a dose de radiação aplicada é letal para todas as células tumorais, mas não ultrapassa a 
tolerância dos tecidos normais. 
Radioterapia
Radioterapia
Indicações da radioterapia
Como a radioterapia é um método de tratamento local e/ou regional, pode ser indicada de forma exclusiva 
ou associada aos outros métodos terapêuticos. Em combinação com a cirurgia, poderá ser pré-, per- ou 
pós-operatória. Também pode ser indicada antes, durante ou logo após a quimioterapia.
A radioterapia pode ser radical (ou curativa), quando se busca a cura total do tumor; remissiva, quando o 
objetivo é apenas a redução tumoral; profilática, quando se trata a doença em fase subclínica, isto é, não 
há volume tumoral presente, mas possíveis células neoplásicas dispersas; paliativa, quando se busca a 
remissão de sintomas tais como dor intensa, sangramento e compressão de órgãos; e ablativa, quando se 
administra a radiação para suprimir a função de um órgão, como, por exemplo, o ovário, para se obter a 
castração actínica. 
Radioterapia
Como fazer para se tornar Técnico em Radioterapia?
Procurar um curso de extensão para profissionais que possuam formação técnica em radiologia, em busca 
de uma preparação abrangente e sólida no uso de técnicas e práticas do cotidiano de um serviço de 
radioterapia.
Que tenha como objetivo preparar técnicos em Radioterapia com uma visão transdisciplinar, apoiados por 
uma base sólida de conhecimentos teóricos e práticos relacionados com a física das radiações ionizantes, 
com a utilização apropriada dos equipamentos de radioterapia e com as técnicas de tratamento e 
princípios de proteção radiológica; sendo capazes de exercer todas as suas funções dentro de um serviço 
de radioterapia e assumir suas responsabilidades legais junto aos órgãos de licenciamento e fiscalização 
sanitária.
Radioterapia
O salário médio para Técnico em Radioterapia é de R$ 3.661/mensal. O salário pode variar de R$ 1.998 a 
R$ 6.780.
MEDICINA
NUCLEAR
E
RADIOISOTOPIA
Medicina Nuclear
A medicina nuclear é uma especialidade médica que emprega materiais radioativos com finalidade 
diagnóstica e terapêutica. As quantidades de materiais radioativos empregados (radiofármacos) são 
mínimas e seu uso é bastante seguro.
No caso da medicina nuclear diagnóstica, os radiofármacos são introduzidos no corpo do paciente por 
ingestão, inalação ou injeção. Estes radiofármacos (emissores de raios gama ou pósitrons) produzem raios 
gama com energias suficientes para atravessar o corpo do paciente e chegar a um conjunto de detectores 
externos ao paciente (como por exemplo a câmara gama). O radiofármaco é processado por algum órgão 
ou tecido específico e, portanto, fornece informação sobre a função do órgão, e não especificamente sobre 
sua anatomia. 
Além disso, os radiofármacos possuem meias-vidas física e biológica curtas, de forma a serem 
rapidamente eliminados do corpo do paciente.
Já na medicina nuclear terapêutica, os radiofármacos utilizados possuem uma atividade maior e são 
usados para tratar algum órgão específico. A mais importante aplicação terapêutica da medicina nuclear é 
o uso do radioisótopo Iodo-131, para tratar tumores de tireoide.
Medicina Nuclear
Tipos de Radiação Utilizados
Partícula beta: consiste num elétron, podendo portanto ser utilizado em terapia como por exemplo no 
tratamento de hipertiroidismo e do cancro da tireoide, doença de Plummer, através do uso do Iodo-131 
(terapêutica com Iodo radioativo).
Posítron: é a antipartícula do elétron. Consiste num "elétron" de carga positiva. É o tipo de radiação 
utilizada nos exames de PET (Positron Emission Tomography - Tomografia por Emissão de Pósitrons). O 
principal radiofármaco utilizado nesse tipo de exame é o FDG (Glicose marcada com Fluor-18).
Radiação Gama: é um fóton, ou seja, energia (onda eletromagnética). Os raios gama têm origem nos 
núcleos atómicos, e são utilizados na grande maioria dos exames em medicina nuclear. Os raios gama são 
detectados por um equipamento apropriado, a Câmara Gama. O principal radionuclídeo emissor de 
radiação gama utilizado em medicina nuclear é o tecnécio.
Medicina Nuclear
Tipos de Radioisótopos
Um radiofármaco incorpora dois componentes: um radionuclídeo, ou seja, uma substância com 
propriedades físicas adequadas ao procedimento desejado (partícula emissora de radiação beta, para 
terapêutica; ou partícula emissora de radiação gama, para diagnóstico) e uma vector fisiológico, isto é, 
uma molécula orgânica com fixação preferencial em determinado tecido ou órgão. Essencialmente, os 
radionuclídeos são a parte radioativa dos radiofármacos. Mas estes também possuem uma molécula (não 
radioativa) que se liga ao radionuclídeo (marcação radioativa) e o conduz para esse órgão ou estrutura que 
se pretende estudar.[2] 
Tecnécio-99-metaestável: é um radionuclídeo artificial, criado pelo homem. Tem meia-vida de 
aproximadamente 6

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.