Metálicas   Ligações em estruturas metálicas
87 pág.

Metálicas Ligações em estruturas metálicas


Disciplina<strong>steel</strong> Frame19 materiais39 seguidores
Pré-visualização18 páginas
BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O 
DESENVOLVIMENTO DA 
CONSTRUÇÃO METÁLICA 
 
 
 
 
VOLUME \u2013 II 
 
 
LIGAÇÕES EM 
ESTRUTURAS 
METÁLICAS
 Apresentação 
 
 
 
 
 
O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA , tem a 
satisfação de reeditar, para atender ao universo de profissionais envolvidos com o emprego do 
aço na construção civil, o presente manual, projeto elaborado originalmente pela Cobrapi \u2013 
Companhia Brasileira de Projetos Industriais (1987), a pedido da Siderbrás. 
 
 Segundo de uma série relacionada à Construção em Aço, este manual insere-se nos 
objetivos do CBCA, centro dinâmico de serviços com foco exclusivamente técnico, de contribuir 
para a promoção do uso do aço na construção, atendendo às necessidades de projetistas, 
fabricantes de estruturas em aço, construtoras, profissionais liberais, arquitetos, engenheiros, 
professores universitários, estudantes e entidades de classe que se relacionam com a 
construção em aço. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Reedição impressa em outubro de 2003
 ÍNDICE 
 
 3 
 
1. Introdução .........................................................................................................5 
2. Ligações ............................................................................................................7 
3. Classificação das Ligações ...........................................................................11 
3.1 - SEGUNDO À RIGIDEZ .................................................................................................................12 
3.2 - SEGUNDO OS MEIOS DE LIGAÇÃO..........................................................................................13 
3.3 - SEGUNDO OS ESFORÇOS SOLICITANTES .............................................................................14 
3.4 - LIGAÇÕES DE FÁBRICA E DE CAMPO ....................................................................................16 
4. Considerações Sobre Soldas ........................................................................17 
4.1 \u2013 TIPOS DE SOLDA .......................................................................................................................18 
4.2 \u2013 SOLDAS DE FILETE ...................................................................................................................18 
4.3 \u2013 SOLDAS DE ENTALHE ..............................................................................................................19 
4.4 \u2013 TABELAS PARA ESPECIFICAÇÃO DE SOLDA .......................................................................20 
5. Considerações Sobre Parafusos...................................................................21 
5.1 \u2013 PARAFUSOS COMUM E DE ALTA RESISTÊNCIA...................................................................22 
5.2 \u2013 TRANSMISSÃO DOS ESFORÇOS ATRAVÉS DOS PARAFUSOS ..........................................22 
5.3 \u2013 MÉTODO DE APERTO: ..............................................................................................................24 
5.4 \u2013 FUROS PARA PARAFUSOS ......................................................................................................24 
5.5 \u2013 RESISTÊNCIAS DE CÁLCULO ..................................................................................................24 
6. Exemplos de Cálculo......................................................................................25 
6.1 \u2013 LIGAÇÃO DE PEÇA TRACIONADA...........................................................................................26 
6.1.1 - CONSIDERAÇÕES .......................................................................................................................26 
6.1.2 - VERIFICAÇÃO DAS CANTONEIRAS À TRAÇÃO........................................................................28 
6.1.3 - VERIFICAÇÃO DA CHAPA DE GUSSET À TRAÇÃO ..................................................................28 
6.1.4 - VERIFICAÇÃO DOS PARAFUSOS ..............................................................................................28 
6.1.5 - SOLDA DA CHAPA DE GUSSET NA VIGA ..................................................................................30 
6.1.6 - COLAPSO POR RASGAMENTO (NBR 8800, 7.5.3.2) .................................................................30 
6.1.7 - SOLDA DA ALMA NA VIGA NA REGIÃO PRÓXIMA À CHAPA DE GUSSET. ............................31 
6.2 \u2013 LIGAÇÃO APARAFUSADA COM CISALHAMENTO EXCÊNTRICO .....................................31 
6.2.1 - CONSIDERAÇÕES .......................................................................................................................31 
6.2.2 - SOLICITAÇÃO DE PARAFUSOS .................................................................................................33 
6.2.3 - VERIFICAÇÃO DOS PARAFUSOS ..............................................................................................34 
6.2.4 - VERIFICAÇÃO DA CHAPA DE CONEXÃO ..................................................................................34 
6.2.5 - VERIFICAÇÃO À FORÇA CORTANTE (NBR 8800, 7.5.3)...........................................................36 
6.3 \u2013 LIGAÇÃO COM PARAFUSOS TRACIONADOS .....................................................................36 
6.3.1 - CONSIDERAÇÃO DO EFEITO DE ALAVANCA ...........................................................................37 
6.3.2 - EXEMPLO NUMÉRICO DE LIGAÇÃO COM EFEITO DE ALAVANCA ........................................39 
 
 
4 
6.3.3 - ESFORÇOS NAS MESAS DA VIGA ............................................................................................ 39 
6.3.4 - SOLDA DA VIGA COM A CHAPA DE EXTREMIDADE ............................................................... 40 
6.3.5 - ESFORÇOS NOS PARAFUSOS .................................................................................................. 42 
6.3.6 - VERIFICAÇÃO DA CHAPA DE EXTREMIDADE ......................................................................... 43 
6.3.7 - VERIFICAÇÃO DOS PARAFUSOS.............................................................................................. 44 
6.3.8 - VERIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DE ENRIJECEDORES JUNTO À MESA COMPRIMIDA DA 
VIGA .............................................................................................................................................. 44 
6.3.9 - VERIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DE ENRIJECEDORES NA COLUNA, JUNTO À MESA 
TRACIONADA DA VIGA .......................................................................................................................... 45 
6.3.10 - VERIFICAÇÃO DA ALMA DA COLUNA AO CISALHAMENTO ................................................. 46 
6.3.11 - SOLDA DE COMPOSIÇÃO DA COLUNA .................................................................................. 46 
6.4 \u2013 LIGAÇÕES FLEXÍVEIS .............................................................................................................. 47 
6.4.1 - CONSIDERAÇÕES ...................................................................................................................... 47 
6.4.2 - EXEMPLO NUMÉRICO: LIGAÇÃO FLEXÍVEL COM CANTONEIRAS DE EXTREMIDADE: ...... 50 
6.4.3 - EXEMPLO NUMÉRICO: LIGAÇÃO FLEXÍVEL COM CHAPA DE EXTREMIDADE:.................... 51 
6.5 \u2013 LIGAÇÕES RÍGIDAS COM GRUPO DE PARAFUSOS TRACIONADOS ................................. 52 
6.5.1 - LIGAÇÕES COM PARAFUSOS A-345 E A-490........................................................................... 55 
6.5.2 \u2013 LIGAÇÕES COM PARAFUSOS A-307........................................................................................ 55 
6.5.3 \u2013 CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS ................................................................................................ 55 
6.5.4 \u2013 EXEMPLO NUMÉRICO ...............................................................................................................