A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
53 pág.
Arquitetura Hospitalar

Pré-visualização | Página 7 de 19

Programa Físico Funcional (apresenta a programação dos
setores a serem construídos ou reformados) e Setorização ou Zoneamento (apresenta a proposta de ampliação, execução
ou reforma).
Diagnóstico (apresenta o nível de obsolescência e potenciais construtivos da edificação), Prognóstico (apresenta a proposta
de ampliação, execução ou reforma), Programa Físico Funcional (apresenta a programação dos setores a serem construídos
ou reformados) e Setorização ou Zoneamento (apresenta a estratégia de ocupação e organização do território hospitalar).
Diagnóstico (apresenta a proposta de ampliação, execução ou reforma), Prognóstico (apresenta o nível de obsolescência e
potenciais construtivos da edificação), Programa Físico Funcional (apresenta a estratégia de ocupação e organização do
território hospitalar) e Setorização ou Zoneamento (apresenta a programação dos setores a serem construídos ou
reformado).
 
 
 
7.
o projeto de concepção a partir do Programa de Necessidades com o objetivo de fornecer ideia que motive discussão mais
ampla em todos os elementos fundamentais do projeto.
o conceito que tem como objetivo que a rede municipal receba investimentos para o seu aparelhamento no atendimento de
ações básicas de saúde, evitando a transferência de pacientes que não estejam em grau complexo de enfermidade para as
sedes regionais, ocasionando assim a sobrecarga da rede estadual.
um conjunto de informações técnicas necessárias e suficientes para caracterizar os serviços e obras, elaborado com base
no estudo preliminar, e que apresente o detalhamento necessário para a definição e quantificação dos materiais,
equipamentos e serviços relativos ao empreendimento.
um conjunto de informações técnicas necessárias e suficientes para realização do empreendimento, contendo de forma
clara, precisa e completa todas as indicações e detalhes construtivos para a perfeita instalação, montagem e execução dos
serviços e obras.
a interrelação funcional entre os ambientes, definindo a disposição das circulações e as relações espaciais de todo o
estabelecimento. É a divisão de cada espaço que recebe uma caracterização específica formando os elementos que servirão
de parâmetros para o projeto do edifício e a determinação de sua disposição no terreno.
 
 
 
8.
a escolha do público que utilizará a unidade de saúde.
a escolha do projeto de um posto de saúde.
a escolha do local da implantação de uma nova unidade de saúde.
a escolha do dimensionamento do posto de saúde.
a escolha da tecnologia a ser utilizada na unidade de saúde.
Os critérios de escolha do local da implantação de uma nova unidade de saúde levam em conta características do uso das
edificações na região (comercial, residencial, industrial), tais como:
É fundamental observarmos certos aspectos para a implantação de um edifício de saúde. Nesse sentido, não prescinde que sua
localização:
Considerando as constantes mutações dentro do espaço físico, ao elaborar o Partido Arquitetônico da sua unidade de saúde, o
arquiteto deverá considerar a possibilidade futura de:
Mauricio é o novo gestor de um hospital geral. Na sua primeira semana de trabalho, ele verifica a existência de um Plano Diretor
prestes a ser colocado em prática. Ao se reunir com o Escritório de Arquitetura para maiores esclarecimentos, Mauricio percebe
que os parâmetros do Plano Diretor foram praticamente definidos somente pelo Escritório de Arquitetura. Qual é a melhor
atitude que Mauricio deve tomar?
 
1.
disponibilidade de infraestrutura (água, luz, esgoto, telefone), taxa de financiamento da construção civil, gabarito das
edificações, nível de poluição do solo e morfologia.
informações epidemiológicas, valor CUB (Custo Unitário Básico da Construção Civil), morfologia, informações cartográficas
e tipo de ocupação (urbana ou rural).
tipo de ocupação (urbana ou rural), nível de poluição do solo, morfologia, densidade demográfica e condições
socioeconômicas da população.
densidade demográfica, condições socioeconômicas da população, tipo de ocupação (urbana ou rural), disponibilidade de
infraestrutura (água, luz, esgoto, telefone) e informações epidemiológicas.
condições socioeconômicas da população, gabarito das edificações, disponibilidade de infraestrutura (água, luz, esgoto,
telefone), informações cartográficas e taxa de financiamento da construção civil.
 
 
 
2.
esteja afastada de casas, praças e zona comercial.
esteja afastada de depósitos de produtos inflamáveis ou explosivos, vazadouros de lixo e locais produtores de fumaça,
poeira ou odores fortes.
esteja próxima a depósitos de produtos inflamáveis ou explosivos, vazadouros de lixo e locais produtores de fumaça,
poeira ou odores fortes.
esteja próxima a zona residencial, área verde, porém afastada de centro de comércio.
esteja próxima de indústrias e cemitérios.
 
 
 
3.
adaptação de zonas "mortas" para apoio logístico, cada vez mais necessário no ambiente hospitalar.
flexibilização e readaptação da forma do edifício a fim de garantir o atendimento das demandas exigidas por este, de forma
a garantir sua expansão e retardar sua obsolescência.
flexibilização dos fluxos internos do edifício, principalmente do setor de apoio técnico, que tem apresentado demandas
crescentes.
redução dos custos de manutenção predial por meio do isolamento de áreas com pouca demanda de pacientes.
construção de setores de ensino e pesquisa, pois estes estão cada vez mais escassos no ambiente hospitalar.
 
 
 
4.
Propor o não aproveitamento do Plano Diretor existente, já que os funcionários participaram muito pouco do processo, e
fazendo, apenas, a manutenção da estrutura de acordo com a necessidade de cada setor, de forma criteriosa quanto ao
aspecto custo.
Propor ajustes ao Plano Diretor convocando funcionários que deverão expor as suas necessidades e alinhá-lo às estratégias
da empresa, de forma criteriosa quanto aos aspectos de custo, tempo e qualidade.
Propor a contratação de um segundo Escritório de Arquitetura para auditar o Plano Diretor existente e estipular as sanções
necessárias em caso de desvios de finalidade.
Propor a continuidade do processo, já que o Escritório de Arquitetura possui os profissionais tecnicamente gabaritados para
esse tipo de trabalho.
Propor o rompimento do contrato com o Escritório de Arquitetura que foi arbitrário no processo.
 
O Plano Diretor, documento flexível que deve ser reavaliado constantemente, é comandado pelos gestores e tem a finalidade de:
Setorização é:
Informações como densidade demográfica, condições socioeconômicas da população, tipo de ocupação (urbana ou rural),
disponibilidade de infraestrutura (água, luz, esgoto, telefone) e informações epidemiológicas são utilizadas para:
Podemos afirmar que a Setorização é:
 
 
5.
estabelecer estratégias de implantação progressiva de obras no edifício hospitalar em busca de seus objetivos
institucionais.
direcionar a instituição para a conquista de metas traçadas no cronograma de obras.
estabelecer diretrizes e objetivos de longo prazo por meio de uma equipe multiprofissional de trabalho.
estabelecer estratégias de longo prazo para revitalização do edifício de saúde, alinhado a engenharia financeira da
entidade.
implantar conceitos de arquitetura hospitalar que permitam que o edifício acompanhe as técnicas modernas de construção
e retarde seu processo de obsolescência.
 
 
 
6.
a interrelação funcional entre os ambientes, definindo a necessidade da infraestrutura predial em cada zona de risco.
a interrelação funcional entre os ambientes, definindo a disposição das circulações e relações espaciais que servirão de
parâmetros para o projeto do edifício.
a subdivisão dos espaços em áreas homogêneas tendo em vista as características do edifício e da população que nele está
inserida.
a organização dos ambientes dentro de um espaço hospitalar segundo o critério

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.