Astrologia Vedica Dean Dominic DeLucia
142 pág.

Astrologia Vedica Dean Dominic DeLucia


DisciplinaAstrologia656 materiais2.257 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Um Livro Escrito na língua Portuguesa por 
Dean Dominic De Lucia 
TRADUÇÃO DE: VANIA MARIA JORGE DE CASTRO 
Desvendando os Mistérios do Zodíaco Védico 
Direito de Autor, 1997. 
 
 1
 2
Introdução 
OM AJNANA-TIMIRANDHASYA 
JNANANJANA-SALAKAYA 
CAKSUR UNMILITAM YENA 
TASMAI SRI-GURAVE NAMAHA 
\u201cNasci na ignorância mais obscura, e meu mestre espiritual abriu meus olhos com a 
tocha do conhecimento. Ofereço minha respeitosa obediência a ele.\u201d 
Existem muitos livros de "como se faz\u201d, recentemente escrito para o mercado de astrologia 
Védica (Hindu), e pode-se questionar acerca da necessidade de outro mais. Existem 
diversas razões para isto. Primeiro, eu não acho que os modernos escritores indianos de 
astrologia, que levaram esta ciência para o mundo ocidental, puderam prever exatamente 
como ela seria aceita. Escrever para uma audiência ocidental é diferente de escrever para 
uma audiência indiana. Os hindus estão acostumados a receber o conhecimento da própria 
cultura passivamente, eles já aceitam sua cultura e são muito tradicionais. Mas no Ocidente, 
a norma é uma abordagem experimental muito mais desafiadora ao conhecimento. Assim, 
embora os escritores hindus tenham feito um trabalho considerável e amplo da 
apresentação da ciência ao publico leitor de inglês, não souberam prepará-lo para recebê-la. 
Neste sentido, o presente esforço é realmente único. Os capítulos iniciais dão ao leitor o 
conceito do sistema Parampara, um sistema de sucessão por discípulos. O conhecimento 
recebido pelos discípulos nesta sucessão não se sujeita aos defeitos empíricos sensoriais. 
Chega-nos através dos rishis e sábios, cuja fonte de conhecimento era a Super-Alma 
interna. O problema é que este conhecimento pode ser recebido literalmente, sem adição 
nem subtração, num contraste total do que acontece realmente á Astrologia Védica no 
Ocidente hoje em dia, que está sendo fatiada como legumes para um cozido. 
Este livro não apenas apresenta o conceito do Parampara, como logo dá ao leitor os 
principais componentes da astrologia védica, dando a tudo seu peso e consideração 
proporcional. Desta forma, faz-se um esforço para apoiar os princípios e conceitos 
astrológicos com lógica e declarações dos escritos astrológicos antigo. E, assim, uma linha 
constante percorre este livro, de maneira que as justificativas, a cada passo, não são 
perdidas de vista. 
Pode-se perguntar, então, por que são apresentadas tantas citações de escritores indianos 
modernos, uma vez que estes têm a tendência de misturar padrões a se desviar do padrão 
dos antigos. As citações dos escritores modernos foram feitas, na sua maioria, no capítulo 
que apresenta os signos do zodíaco. A resposta é dupla: primeiro que tudo, os escritores 
antigos normalmente não se aprofundavam muito nos signos zodiacais, embora 
apresentassem o resto da ciência previsiva em grande detalhe. Isto deve ter sido devido a 
parâmetros de composição, de forma que a informação tinha que caber numa abertura 
determinada pela métrica e pela rima em sânscrito. Parece que os escritores antigos de 
sânscrito compunham em mais de uma forma poética e agradável, em vez de uma única 
forma lógica e moderna. 
 
Uma razão que está, possivelmente, mais próxima da causa verdadeira seria a de que os 
escritores antigos não precisavam ensinar as noções básicas. Um estudante simplesmente 
aprendia as características dos signos (o que era do conhecimento comum dos brâmanes 
astrólogos) com um astrólogo da aldeia. O tema das características dos signos era, talvez, 
 3
simples demais para justificar-lhes a inclusão em obras literárias, algo como explicar o 
óbvio. Alguns livros tiveram um enfoque mais estreito do que a apresentação completa da 
ciência; eles pretendiam preservar simplesmente os elementos da ciência que, por alguma 
razão, acreditavam que deviam ser delineados. 
De qualquer maneira, uma descrição ampla dos signos é difícil de ser encontrada nos 
escritos antigos, a os escritores modernos fizeram um bom trabalho expressando as 
características dos signos. Por isso, foi dado um reconhecimento apropriado aos seus 
comentários, muito embora o reconhecimento não seja necessário no caso das 
observações que não são originais. Entretanto, isso de nenhuma forma os eleva a um 
pedestal de autoridade, nem implica uma aceitação automática de quaisquer outros 
comentários que possam ter feito. Apesar de certas boas perspectivas, a maioria dos 
modernos escritores hindus não consegue transmitir a contento, ou se desvia de alguma 
coisa fundamental, e seus escritos têm de ser lidos com uma pitada de sal. Assim, esta é 
uma justificativa para o presente livro que, em contraste, mantém o enfoque na versão dos 
escritores mais antigos, a sucessão por discípulos. 
Além da perspectiva "literal", este livro lança a ciência astrológica dando o peso e a cota 
adequados a todos os fatores principais que a compõem, o que leva a julgamentos 
equilibrados. 
INDICE. 
PARTE I - COMPREENSÃO E DISPOSIÇÃO MENTAL ADEQUADAS 
CAPÍTULO UM - O Sistema de Sucessão por Discípulos 
CAPÍTULO DOIS - Deixe-o Suficientemente Sozinho 
CAPÍTULO TRÊS - As Perspectivas do Determinismo Astrológico 
CAPÍTULO QUATRO - Como Lidar com o Destino 
CAPÍTULO CINCO - Intuição e Sadhana (Pratica Religiosa) 
 
PARTE II - FATORES COMPONENTES 
CAPÍTULO SEIS - O Zodíaco 
CAPÍTULO SETE - Indicações das Casas 
CAPÍTULO OITO - Regras para Ocupação das Casas e Regências 
CAPÍTULO NOVE - Os Planetas 
CAPÍTULO DEZ - Posição dos Planetas nos Signos 
CAPÍTULO ONZE - Os Planetas nas Casas 
CAPÍTULO DOZE - Os Asterismos 
 
PARTE III - JULGAMENTO GLOBAL 
CAPÍTULO TREZE - Incorporando os Asterismos 
CAPÍTULO QUATORZE - O Conceito de Regência 
CAPÍTULO QUINZE - Predição dos Eventos 
CAPÍTULO DEZESSEIS - Aspectos 
CAPÍTULO DEZESSETE - Mapas Divisionais e Navamshas 
CAPÍTULO DEZOITO - O Horóscopo de John Lennon (Juntando Todos os Fatores) 
 
 
PARTE I - COMPREENSÃO E DISPOSIÇÃO MENTAL ADEQUADAS 
 
CAPÍTULO UM - O Sistema de Sucessão por Discípulos 
 
No "Bhagavad-Gita", Sri Krishna estabelece o conceito de sucessão por discípulos, ou seja, 
de Parampara. Na verdade, o segundo verso do capítulo quatro é um verso-chave para a 
compreensão de todo o conhecimento Védico, e não apenas da astrologia. 
 4
 
Evam Param Para Praptam 
Imam Rajarshayo Vidu 
Sa Kaleneha Mahata 
Yoga Nashta Paramtapa 
 
"Esta ciência suprema foi assim recebida através da cadeia de sucessão por discípulos, e os 
reis santos a compreenderam desta forma. Mas ao longo do tempo a sucessão foi quebrada, 
e agora aquela ciência, como se vê, parece estar perdida." 
 
Através destas palavras, o Senhor Krishna indica que se devia compreender o 
conhecimento védico pela sucessão por discípulos, isto é, pelos sábios védicos. Por quê? 
Porque o conhecimento que "desce" em sucessão por discípulos pelos sábios puros, que 
mantinham contato com a Super-Alma, tem sua origem numa fonte divina e é livre dos 
defeitos da percepção sensorial mundana. 
 
E quais são estes defeitos? De acordo com o Jiva Goswami, estes defeitos são de quatro 
tipos básicos: "como brahma ou erro devido à percepção incorreta de um objeto pelo 
outro, pramada ou erro devido a negligencia, Vipralipsa ou erro devido à propensão de 
engano e karanapatava ou erro devido à incapacidade dos sentidos. Assim, ele aceita 
apenas shabda (evidencia oral da sucessão por discípulos) e nenhuma outra evidencia; o 
resto, ele trata como puramente complementares". Shabda Brahman significa a vibração do 
som transcendental tal como é encontrada nos Vedas. 
 
Neste ponto, vamos definir os ensinamentos da astrologia védica. Estamos basicamente 
falando de Parashara Muni. Ele nos legou um sistema completo de astrologia no seu tratado 
"Brihat Parashara Hora Shastra". Ele não disse que era incompleto