A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
1 Relatório de Fluidez e Polia

Pré-visualização | Página 1 de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ 
INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E ENGENHARIAS 
FACULDADE DE ENGENHARIA DE MATERIAIS 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ARIELY MOREIRA DA SILVA 
HANNA BARROS DA COSTA 
HELLEN HÁGATA ARAÚJO OLIVEIRA 
NOELE MALAQUIAS MARINHO 
 
 
 
 
 
 
“ENSAIO DE FLUIDEZ APATIR DA FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO” 
 E 
“CONFECÇÃO DE UMA POLIA PELO PROCESSO DE FUNDIÇÃO EM AREIA 
VERDE APATIR DA FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO” 
 
 
 
 
 
 
 
MARABÁ-PA 
2018 
 
 
 
ARIELY MOREIRA DA SILVA 
HANNA BARROS DA COSTA 
HELLEN HÁGATA ARAÚJO OLIVEIRA 
NOELE MALAQUIAS MARINHO 
 
 
 
 
 
“ENSAIO DE FLUIDEZ APATIR DA FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO” 
 E 
“CONFECÇÃO DE UMA POLIA PELO PROCESSO DE FUNDIÇÃO EM AREIA 
VERDE APATIR DA FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO” 
 
 
 
 
 
Relatório apresentado à Faculdade de 
Engenharia de Materiais da Universidade 
Federal do Sul e Sudeste do Pará, como forma 
de obtenção de nota parcial na disciplina de 
Fundição. 
 
 
Professor Orientador: 
Prof.º Msc. Márcio Paulo de Araújo Mafra. 
 
 
 
 
 
MARABÁ-PA 
2018 
 
 
 
LISTA DE FIGURAS 
 
Figura 1: Modelo esquemático da espiral para o teste de fluidez. .......................................... 12 
Figura 2: Projeto polia, em A vista superior em B vista lateral, em mm. ............................... 15 
Figura 3: (A) espiral vazada a 760°C; (B) espiral vazada a 730°C; (C) espiral vazada a 
700°C. ....................................................................................................................................... 17 
Figura 4: Polia obtida pelo processo de fundição em areia verde (vista superior). ................. 18 
Figura 5: Em B vista inferior; em C vista lateral..................................................................... 19 
Figura 6: Polia após usinagem (vista inferior). ....................................................................... 20 
Figura 7: Em A vista superior; em B vista inferior; em C vista lateral. .................................. 21 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SUMÁRIO 
1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 6 
2. OBJETIVOS ......................................................................................................................... 6 
2.1 OBJETIVO GERAL .......................................................................................................... 6 
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ............................................................................................. 6 
3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ....................................................................................... 7 
3.1 PROCESSOS DE FUNDIÇÃO ......................................................................................... 7 
3.1.1 Fundição Sob Pressão (Injeção) ................................................................................. 7 
3.1.2 Molde Permanente ...................................................................................................... 7 
3.1.3 Moldagem em Casca (Shell Molding) ....................................................................... 8 
3.1.4 Fundição por Cera Perdida ....................................................................................... 8 
3.1.5. Moldagem em Areia Verde ....................................................................................... 9 
3.1.5.1 Areias de Fundição ............................................................................................... 10 
3.2 ALUMÍNIO ...................................................................................................................... 11 
3.3 FLUIDEZ ......................................................................................................................... 12 
3.3.1 Fatores que Interferem na Fluidez .......................................................................... 12 
3.4. DEFEITOS DE PEÇAS FUNDIDAS ............................................................................. 13 
4. PROJETO POLIA .............................................................................................................. 15 
5. MATERIAIS E MÉTODOS .............................................................................................. 15 
5.1 MATERIAIS .................................................................................................................... 15 
5.2 MÉTODOS ...................................................................................................................... 16 
6. RESULTADOS E DISCUSSÃO ....................................................................................... 16 
6.1 ENSAIO DE FLUIDEZ ................................................................................................... 16 
6.2 CONFECÇÃO DE UMA POLIA PELO PROCESSO DE FUNDIÇÃO EM AREIA 
VERDE ..................................................................................................................................... 18 
7. CONCLUSÃO ..................................................................................................................... 22 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................. 23 
 
 
 
 
RESUMO 
 
Dentre os processos como: fundição por cera perdida, fundição em molde permanente, 
fundição por moldagem em casca e por injeção, o processo escolhido para esse trabalho 
(ensaio de fluidez e confecção de uma polia), foi o processo de fundição em areia verde, por 
se tratar de um processo com bom custo/benefício. As temperaturas escolhidas para o ensaio 
de fluidez foram 700 °C, 730 °C e 760 °C. Pretende-se com esse ensaio, definir em qual 
temperatura o metal líquido apresenta melhor fluidez. Para a confecção da polia foi necessário 
a produção de um modelo de madeira da peça escolhida, antes disso, o modelo foi projetado 
em um software, indicando todas as dimensões necessárias. Com modelo em mãos foi 
efetuado e etapa de confecção do molde em areia e vazamento do metal, e para isso escolheu-
se a temperatura de 720 °C. Após o vazamento e solidificação, a polia foi desmoldada e 
posteriormente usinada. 
 
Palavras-chave: Fundição. Alumínio. Areia.
6 
 
 
1. INTRODUÇÃO 
 
Fundição é o processo de fabricação de peças metálicas que consiste essencialmente em 
encher com metal líquido a cavidade de um molde com formato e medidas correspondentes 
aos da peça a ser fabricada. Dentre os processos de fabricação, a fundição se destaca por 
permitir a produção de peças com grande variedade de formas e tamanhos (sinos, âncoras, 
tubulações, implantes ortopédicos, bloco de motor, miniaturas, etc.), peças de extrema 
responsabilidade como as que se destinam à indústria aeronáutica e aeroespacial (palhetas de 
turbina, por exemplo) e peças banais (bueiros, bancos de jardim). A produção pode ser 
unitária (joias, implantes e peças artísticas) ou seriada, voltada principalmente para as 
indústrias mecânica e automobilística (SOARES, 2000). 
A transformação de metais e de ligas em peças de uso industrial pode ser realizada por 
inúmeros processos, a maiorias dos quais tendo como ponto de partida o metal liquido ou 
fundido, que é derramado no interior de um molde, cuja cavidade do molde é conformada de 
acordo com a peça que se se deseja produzir (CAMPBELL, 1991). 
Para a fundição, o metal deve preencher todas as cavidades internas de um molde, e essa 
habilidade é denominada de fluidez, não devendo ser confundida com viscosidade.