138 UMA ANÁLISE DAS DIMENSÕES DA QUALIDADE DE DADOS EM PROJETOS DE DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS
22 pág.

138 UMA ANÁLISE DAS DIMENSÕES DA QUALIDADE DE DADOS EM PROJETOS DE DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS


DisciplinaQualidade de Dados2 materiais8 seguidores
Pré-visualização6 páginas
Centro de Convenções Ulysses Guimarães 
Brasília/DF \u2013 4, 5 e 6 de junho de 2012 
 
 
 
 
 
 
 
UMA ANÁLISE DAS DIMENSÕES DA 
QUALIDADE DE DADOS EM PROJETOS 
DE DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS 
 
 
 
Edson Carlos Germano 
Hiroo Takaoka 
 
 
 
 
 
Painel 38/138 Novas tecnologias e aplicações de governo eletrônico 
 
UMA ANÁLISE DAS DIMENSÕES DA QUALIDADE DE DADOS 
EM PROJETOS DE DADOS GOVERNAMENTAIS ABERTOS 
 
Edson Carlos Germano 
Hiroo Takaoka 
 
 
RESUMO 
 
 
Este artigo apresenta o resultado parcial de um trabalho de pesquisa que tem como 
objetivo analisar quais aspectos da Qualidade de Informação (QI) são contemplados 
na literatura que discute os princípios dos dados governamentais abertos e destacar 
as dimensões da QI que devem receber uma maior atenção em projetos de Dados 
Governamentais Abertos (DGA). Para construção desta análise adotou-se uma 
abordagem metodológica bibliográfica, realizando uma revisão da literatura de QI e 
da literatura de DGA e em seguida realizou-se uma análise para o cruzamento de 
cada dimensão da QI com cada principio dos DGA, a fim de fundamentar a 
avaliação das dimensões de Qualidade de Informação empreendida neste estudo e 
ainda a teoria de Dados Governamentais Abertos. Os resultados preliminares desta 
investigação científica produziram uma matriz que mostra a interação dos princípios 
dos DGA com as dimensões de QI. A analise mostrou que o princípio de DGA 
Completos possui o maior numero de dimensões da QI inter-relacionada, e ainda 
que o princípio de DGA Atuais possui a menor quantidade de dimensão da QI inter-
relacionada. 
 
Palavras-chave: Dados Governamentais Abertos. Qualidade da Informação. 
Governo Eletrônico. 
 
 
2 
 
1 INTRODUÇÃO 
Hoje, a Sociedade da Informação tem pressionado não apenas o setor 
empresarial, mas também os governos de todo o mundo para melhorarem seu 
funcionamento, a fim de tornarem-se mais eficientes e eficazes. Modernas 
Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) ampliam os impactos e moldam 
as atividades de Governo a fim de permitir que os governos cooperem com a 
sociedade, cidadãos, empresas e com outras agências governamentais dentro dos 
países e através das fronteiras de uma forma mais eficiente e eficaz. 
No mundo moderno as mudanças são absolutamente necessárias e os 
problemas se tornam cada vez mais complexos e imunes a modelos ultrapassados 
de governabilidade. Exigem soluções inovadoras e quando tratados de forma 
burocrática, afastam o governo da cidadania e agravaram os problemas. O governo, 
como qualquer organização, só se torna efetivo quando reinventado para a era do 
conhecimento e da colaboração acessível (AGUNE et al., 2009). 
A inovação em governo deve integrar os serviços, a gestão, os poderes 
em todas as esferas de governo através de um modelo participativo, com 
comunicação em múltiplas vias e participação da população nas decisões de 
governo e na webcidadania. A web 2.0, as redes sociais e o crowdsourcing são 
partes fundamentais de uma estrutura de governo aberto. 
As TICs promoveram uma revolução nos meios de informação, construindo 
uma nova relação entre governo e cidadãos. Esta nova relação deu origem ao 
chamado e-Government, ou Governo Eletrônico, que possibilita uma administração 
pública mais acessível, eficiente, democrática e transparente. Dentro deste contexto, o 
conceito de Dados Governamentais Abertos surge para ampliar esta relação, 
promovendo a disponibilização das informações governamentais em formatos abertos 
e acessíveis a fim de possibilitar a reutilização e a interligação com informações de 
outras fontes, gerando novos significados. (W3C Escritório Brasil, 2010). 
Diversos documentos estratégicos e iniciativas vêm sendo divulgadas e 
incentivadas no cenário mundial, principalmente na comunidade Europeia e na 
América do Norte, com objetivo de construir um governo mais eficiente e 
participativo. Além disso, existe hoje uma grande quantidade de pesquisas 
3 
 
relacionadas a e-Government em andamento. Nesse contexto se fortalece o 
conceito de Governo Aberto ou Open Data Gov, que é a disponibilização, por meio 
da Internet, de bases de dados governamentais de domínio público para livre 
utilização da sociedade, de forma a garantir acesso a dados primários, em formato 
aberto, de forma que o interessado possa combiná-los, cruzá-los e produzir novas 
informações e aplicativos. 
Atualmente no Brasil muitos dados governamentais estão disponíveis na 
Web, mas estas informações, na maioria das vezes, são oferecidas sem a utilização 
de padrões, em formatos proprietários ou apenas para a visualização, dificultando a 
reutilização. Para bem aproveitar o potencial representado pelo acervo de 
informações do governo, essas informações precisam ser disponibilizadas em 
formato padronizado, aberto e acessível (AGUNE et al., 2009). 
Porém entendemos que a qualidade do retorno que os dados abertos 
propiciarão estão diretamente ligadas a Qualidade da Informação que é transmitida 
por eles. Uma pobre qualidade da informação tem um forte impacto na efetividade 
geral de uma organização (WAND; WANG, 1996); o conhecimento e os critérios de 
decisão utilizados nesses sistemas devem ser altamente estruturados, e aliados a 
informações de alta qualidade para proporcionar a tomada de decisão 
(DAVENPORT; HARRIS, 2005). 
O tema Qualidade da Informação (QI) tem sido abordado com maior 
atenção desde a década passada, especialmente com os trabalhos de Strong, Lee e 
Wang (1997a, 1997b) e Wang (1998). Desde então, esforços têm sido realizados 
para solucionar os problemas da QI pelos pesquisadores nas universidades e por 
profissionais nas organizações, pois há a necessidade crítica de uma metodologia 
que meça o quanto as organizações desenvolvem produtos e serviços de 
informação com qualidade aos seus usuários (KAHN; STRONG; WANG, 2002). 
Problemas de Qualidade da Informação vão muito além de valores 
incorretos. Podem também incluir problemas e erros de produção, problemas 
técnicos com armazenamento e acesso a dados, e aqueles causados pelas 
mudanças das necessidades informacionais dos consumidores (STRONG; LEE; 
WANG, 1997b). 
4 
 
Em sistemas de informação em rede, os processos de negócio estão 
envolvidos na troca de informações complexas e que frequentemente operam a 
partir da entrada de dados obtidos de fontes externas, que podem ser 
desconhecidas a priori. Como consequência, a qualidade geral dos dados que flui 
através de sistemas de informação podem rapidamente degradar ao longo do tempo 
se a qualidade de ambos os processos e insumos de informação não é controlado. 
Por outro lado, os sistemas de informação em rede, oferecem novas oportunidades 
para os dados de gestão da qualidade, incluindo a disponibilidade de uma ampla 
gama de fontes de dados e a capacidade de selecionar e comparar dados de 
diferentes fontes para detectar e corrigir erros, e, assim, melhorar a eficiência global 
qualidade dos dados (BATINI et al, 2009). 
No contexto de Dados Governamentais Abertos a definição das 
qualidades, dimensões e métricas para avaliação dos dados é uma atividade crítica. 
Em geral, diversas métricas podem ser associados a cada dimensão de qualidade. 
Em alguns casos, a métrica é única e a definição teórica de uma dimensão coincide 
com a definição operacional da métrica correspondente. Dimensões da qualidade 
podem dizer a respeito tanto para a extensão de dados, como os valores de dados, 
quanto para a sua intensão, como seu esquema. Embora a qualidade dos esquemas 
conceitual e lógico de dados é reconhecida como uma área de pesquisa relevante 
(IWCMQ 2003)(14), a maioria das definições de dimensões de qualidade de