Aula 4   Sus e Atuação do Psicólogo
33 pág.

Aula 4 Sus e Atuação do Psicólogo


Disciplina<strong>hospitalar</strong>4 materiais6 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Sistema único de saúde (sus)
Psicologia hospitalar
Constituição de 1988
Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes:
	I - descentralização, com direção única em cada esfera de governo;
	II - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais;
	III - participação da comunidade.
2
O Sistema Único de Saúde - SUS
\u201cA saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais; os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do País.\u201d 	 		(Art. 3º, Lei 8.080/1990)
3
Lei nº 8080/1990 \u2013 lei orgânica da saúde
Art. 4º O conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais, da Administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público, constitui o Sistema Único de Saúde (SUS).
	§ 1º Estão incluídas no disposto neste artigo as instituições públicas federais, estaduais e municipais de controle de qualidade, pesquisa e produção de insumos, medicamentos, inclusive de sangue e hemoderivados, e de equipamentos para saúde.
	§ 2º A iniciativa privada poderá participar do Sistema Único de Saúde (SUS), em caráter complementar.
4
Princípios e diretrizes do sus
5
Princípios doutrinários
Universalidade
	todas as pessoas têm direito à saúde
Equidade
	tratar desigualmente os desiguais 			
Integralidade
	ações de saúde visando a prevenção, a promoção, a cura e a reabilitação \uf0e0 todo indivisível
6
Princípios de Organização
Regionalização e Hierarquização 	
rede de serviços regionalizada; acesso à rede pelo nível primário
Resolutividade 	
o serviço deve estar apto a resolver o problema de seu nível de complexidade e pela região em que está inserido
7
Princípios de Organização
Descentralização 			 	 
quanto mais perto do fato, mais chance de acerto
Participação social 
entidades representativas da população participam dos conselhos de saúde
Complementaridade do setor privado 
na insuficiência do setor público, respeitando-se os princípios do SUS 
8
ORGANIZAÇÃO HIERÁRQUICA do sus
9
Atenção Básica (AB)
 Primeiro nível de atenção à saúde
\u201cPorta de entrada\u201d do sistema de saúde
 A população tem acesso a especialidades básicas
Clínica geral
Pediatria
Obstetrícia e ginecologia
10
Estudos demonstram que a atenção básica é capaz de resolver 80% das necessidades e problemas de saúde
Atenção secundária (AS)
Média complexidade
Objetivo: principais agravos de saúde da população, com procedimentos e atendimentos especializados
 consultas hospitalares e ambulatoriais (sem regime de internação)
 exames
 alguns procedimentos cirúrgicos
Problemas (Paim et al., 2011)
Altamente dependente de contratos com o setor privado
24,1% dos tomógrafos e 13,4% dos aparelhos de ressonância magnética são públicos
11
Atenção terciária (AT)
Alta Complexidade: procedimentos que envolvem alta tecnologia e/ou alto custo
Traumatoortopedia, cardiologia, terapia renal substitutiva e oncologia \uf0e0 atenção em rede
Uma em cada cinco internações hospitalares no SUS ocorre em hospitais de municípios diferentes de onde o paciente vive \uf0e0 desenvolver políticas de regionalização e equidade
Desafios
controle de custos
aumento da eficiência
garantia da qualidade da atenção e da segurança do paciente
provisão de acesso a cuidados abrangentes
coordenação com a atenção básica
inclusão de médicos na resolução de problemas
12
(Paim et al., 2011)
Rede hospitalar
Hospitais de Pequeno Porte 
 Entre 5 a 30 leitos
Hospitais de Médio Porte
Entre 50 a 150 leitos
Hospitais de Grande Porte
Entre 151 a 500 leitos
Hospitais de Ensino e Pesquisa
Credenciados pelo MS e MEC
Formação de estudantes de graduação e pós-graduação
13
Unidades de Pronto Atendimento
Estruturas de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde e as portas de urgência hospitalares
Rede organizada de Atenção às Urgências. 
Componente pré-hospitalar fixo
Implantadas em locais/unidades estratégicos para a configuração das redes de atenção à urgência
Acolhimento e classificação de risco
Diretamente relacionada ao trabalho do Serviço Móvel de Urgência \u2013 SAMU
14
15
(Paim et al., 2011)
Gestão do sus
Municípios: secretarias municipais de saúde/prefeituras
programar, executar e avaliar as ações de promoção, proteção e recuperação da saúde
Estados \uf0e0 secretarias estaduais de saúde
corrigir distorções e induzir os municípios ao desenvolvimento das ações
Federal \uf0e0 ministério da saúde
formulação, coordenação e controle da política nacional de saúde
planejamento, financiamento, cooperação técnica o controle do SUS
16
população
CONSELHOS DE SAÚDE
AVANÇOS no sus \u2013 20 anos (Paim et al., 2011)
Aumento do acesso aos cuidados de saúde para grande parte da população brasileira
Cobertura universal para a vacinação e a assistência pré-natal
Aumento da conscientização da população sobre o direito à saúde vinculado à cidadania
Expansão dos recursos humanos e da tecnologia em saúde, incluindo a produção da maior parte dos insumos e produtos farmacêuticos do país
17
Desafios futuros (Paim et al., 2011)
Garantir a cobertura universal e equitativa
Aumento do setor privado - acesso universal vs. segmentação do mercado
Aumentar o investimento financeiro governamental na saúde \uf0e0 questões políticas
Transição do modelo de atenção centrado nas doenças agudas para um modelo baseado na promoção intersetorial da saúde e na integração dos serviços de saúde
18
A atuação do Psicólogo no SUS
19
Promoção da Saúde
Ações que visam promover comportamentos e condições favoráveis à manutenção da saúde dos indivíduos, grupos, comunidades ou populações 
Capacitar a comunidade para atuar na melhoria da qualidade de vida e ter maior controle sobre o processo
\u2191 Saúde e bem-estar \uf0e0 geral
			
			Alimentação saudável
			Atividade física
			Prevenção/controle tabagismo
			Trânsito
			Cultura da paz
			
20
Principais fatores para um ciclo de vida com boa saúde
21
Interfaces psicologia - SUS
Preocupação social e politização da prática do psicólogo (versus alienação)
Subjetividade plural e polifônica (Individuo-sociedade, clínico-político, saúde individual \u2013 saúde populacional, clínica \u2013 saúde coletiva)
Princípios:
Inserparabilidade \u2013 micro e macro política
Autonomia e co-responsabilidade \u2013 comprometimento com o mundo e com as condições de vida da população (emancipação e protagonismo social)
Transversalidade \u2013 intercessão com outros saberes
22
Atuação do psicólogo
Construção das redes, das grupalidades, de dispositivos de co-gestão, de aumento do índice de transversalidade, de investimento em projetos que aumentem o grau de democracia e participação institucional
Participação na construção de políticas públicas
23
Prevenção de doenças
Ações que visam evitar o surgimento de doenças específicas
		 
 Doenças infecciosas
 Doenças degenerativas
		 Vacinação
24
reabilitação
Necessidade de auxiliar o retorno à rotina, frente a dificuldades/limitações específicas relacionadas com a saúde
Autocuidado
Produtividade
Recreação
Socialização
Facilitar a elaboração de um novo projeto de vida
Ajudar reduzir os níveis de ansiedade
Identificar demandas para acompanhamento psicológico específico
25
Intervenções Primárias
Foco de atuação \uf0e0 prevenção/promoção \u2013 ações educativas
Mudanças de comportamentos