CIVIL ASFALTO
1 pág.

CIVIL ASFALTO


DisciplinaPavimentação Asfáltica172 materiais522 seguidores
Pré-visualização1 página
Educação e Responsabilidade social 
Reciclag
Danilo Brugger Nakamura1, Cláud
Matheu
1 - In trodução 
O pavimento é uma es trutura
res is tir aos es forços gerados 
garantindo durabilidade à superfície
proporcionando conforto e segur
usuário. 
 Mas , com o passar do tempo p
devido às exigências de trá fego, pe
carga sobre a pis ta , ou a inda pe las 
sa tis fa tórias da base da es trada , com
imperfe ições ao longo do pavimento
de manutenção. 
O aumento do cus to de obten
materia is , a lém da preocupaç
preservação do meio ambiente ca
levou a uma es tra tégia de r
reves timentos as fá lticos . A reciclage
fresado, mis turado a novos agreg
novo ligante as fá ltico, ge ra a po
reaprove itamento des tes materia is 
de uma nova pavimentaçã o. 
 O obje tivo desse traba lho é
conhecimentos sobre a reciclagem 
e a utilização de materia is fresad
des tacando a sus tentabilidade , 
utilização de matérias primas a lém
financeira na execução do proje to. 
 
2 - Des envolvimen
A técnica da reciclagem de
rodoviários tem por obje tivo trans f
mais camadas de um pavimento d
uma camada homogênea e adapta
que irá suportar. 
O serviço cons is te na reutilização
exis tentes e sua aplicação na cons
nova camada, mediante a fresage
uma de te rminada profundidade . Te
adição de um ligante , por exempl
emulsão be tuminosa ; água se nece
hidra tação e compactação; 
agregados para correções granu
a lgum aditivo, com uma dosagem o
ensaios [1]. 
A fresagem é uma técnica qu
corte de uma camada do pavim
processo de us inagem mecâni
ferramentas chamadas fresas ou fre
s ido uma boa a lte rna tiva em vários 
VII ENTEC \u2013 Encontro de T
16 a 18
Campu
gem de pavimentos asfálticos
 
dio Fidalgo2, Larissa Martins Rodrigues3, Luiz Gu
us Alves Ferreira5, Fernando Melo Borges6. 
1, 2, 3, 4, 5, 6 Universidade de Uberaba 
danilo.nakamura@hotmail.com 
Fernando.lopes@uniube.br 
 
a des tinada a 
pe lo trá fego, 
e de rolamento 
rança para o 
percebe-se que 
e lo excesso de 
condições não 
meçam a surgir 
o, necess itando 
nção de novos 
ção com a 
ada vez maior 
reciclagem de 
em do materia l 
gados e a um 
oss ibilidade do 
na confecção 
é amplia r os 
de pavimentos 
dos de as fa lto 
minimizar a 
m de economia 
to 
e pavimentos 
formar uma ou 
degradado em 
ado ao trá fego 
o dos materia is 
trução de uma 
em des tes a té 
em-se então a 
lo, cimento ou 
essário, para a 
eventua lmente 
ulométricas ; e 
obtida mediante 
ue cons is te no 
mento por um 
ica fe ita por 
esadoras e tem 
tipos de obras , 
como nas pis tas dos a
indús trias , vias urbanas e , 
rodoviárias . Muito se tem
equipamentos e componen
tem se mos trado pr
modernização tecnológi
fresadoras é poss íve l que
reciclagem, um exemplo s
fresadores que tornaram p
fresagem fina e microfres
dispe nsar o recapeamento 
Algumas das vantagens
são as reduções da exp
minera is , uma fonte não 
consumo de derivados do
não são renováve is e tam
em centros urbanos e a te rr
Além da sé rie de v
podem-se des tacar outras 
da fresagem de pavimento
remendos sem desníve l, m
pis ta e nive lamento dos 
reves timento e correção ou
das pis tas . Pode se r emp
defe itos superficia is dos re
como solução definitiva . N
poss ibilita a inte rvenção a
necessário o reparo, po
perfe ito da nova camada de
 
3 - Cons ide ra
Es ta pesquisa demons tr
as fa lto é uma a lte rna tiva q
a lta tecnologia para racio
danos ao meio-ambie
recompos ição do reves
conce ito de sus tentabilidad
 
4 - Refe rê
[1] Momm, Le to; Domingue
de Pavimentos à Frio 
Profunda". In: Reunião A
29a, Cuiabá , 1995. 
 
[2] Departamento Nacio
Roda gem DNER, Manu
Pavimentos Asfá lticos , R
 
Tecnologia da UNIUBE 
8 de novembro de 2011 
us Aeroporto \u2013 Ubera ba 
s 
ustavo O. Marcacine4, 
eroportos , ga lpões de 
recentemente , nas vias 
m inves tido em novos 
ntes , já que o mercado 
romissor. Graças à 
ica das máquinas 
 os pavimentos sofram 
são os novos cilindros 
poss íve l a execução de 
sagem, onde se pode 
[2]. 
s para o meio ambiente 
ploração de agregados 
renováve l; um menor 
 pe tróleo, que também 
mbém se evita bota-fora 
ros sanitá rios . 
vantagens ambienta is , 
vantagens da utilização 
os , como a execução de 
manutenção do gre ide da 
e lementos s ituados no 
u a lte ração da inclinação 
regada na correção de 
eves timentos e também 
No aspecto econômico 
apenas no loca l que é 
oss ibilitando o reparo 
e reves timento [2]. 
ções fina is 
rou que a reciclagem de 
que as socia inovação e 
na lizar gas tos e evita r 
ente , adequando a 
s timento as fá ltico ao 
de . 
ênc ias 
e s , F. A. A.,"Reciclagem 
"in s itu" Superficia l e 
Anual de Pavimentação, 
na l de Es tradas de 
ua l de Reabilitação de 
Rio de Jane iro, 1998.