slides sombras
26 pág.

slides sombras


DisciplinaGeometria Descritiva I1.223 materiais40.061 seguidores
Pré-visualização1 página
UFCD 6716 - Sombras de figuras planas e de sólidos
1. TEORIA DAS SOMBRAS 
Formadora: Carla Cardoso
SOMBRA| meio envolvente
 A sombra é o resultado de um fenómeno físico que nos acompanha no dia-a-dia, inerente e dissociável do fator luminosidade. 
 Verifica-se sempre que existe uma fonte luminosa: Sol, Lua, candeeiro, lanterna, vela\u2026
1. TEORIA DAS SOMBRAS 
SOMBRA| meio envolvente
 A existência de sombra melhora a perceção de tridimensionalidade. 
SOMBRA| na arte
 O efeito Luz/Sombra é explorado em muitas manifestações artísticas. 
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Pretende-se uma representação rigorosa do efeito luz e sombra. 
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Numa situação de luz/sombra há que considerar os seguintes elementos:
	- fonte luminosa
	- feixe de raios luminosos provenientes da fonte luminosa
	- objeto exposto à situação luminosa considerada
	- superfície onde se projeta a sombra do objeto 
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Na exposição de um objeto a uma situação luminosa, podemos observar três tipos de sombra:
	- Sombra projetada
	- Sombra própria
	- Sombra espacial
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Sombra projetada é o fenómeno que acontece quando um objeto opaco constitui um obstáculo aos raios luminosos e forma num plano ou outro objeto uma zona de sombra. 
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Sombra própria é o fenómeno que acontece quando um objeto opaco exposto a uma fonte luminosa forma em si mesmo uma sombra. 
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Sombra própria é o fenómeno que acontece quando um objeto opaco exposto a uma fonte luminosa forma em si mesmo uma sombra. 
SOMBRA PROJETADA de Pontos, segmentos de reta e retas
 O fator luminosidade é indissociável de fenómeno físico de sombra, como tal, consideramos dois tipos de fonte luminosa: 
2. SOMBRAS DE FIGURAS PLANAS 
Foco luminoso: é uma fonte de luz situada a distância finita, em que os seus raios luminosos são concorrentes num ponto.
Direção luminosa é uma situação em que a fonte luminosa está situada a uma distância infinita, em que os seus raios luminosos são paralelos.
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Direção luminosa convencional (d.l.c.) é:
	
- Considerada a direção luminosa para as pessoas dextras escreverem, por não produzir sombras sobre a escrita,
- Paralela à diagonal de um cubo com faces paralelas aos planos de projeção.
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 As projeções da direção luminosa convencional representam-se ambas com ângulos de 45o (a.e.):
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Sombra real é quando um raio luminoso que passa por um ponto opaco cruza uma superfície plana \u2013 AS
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Sombra virtual é quando um raio luminoso que passa por um ponto opaco cruza uma segunda superfície plana \u2013 AV
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Sombra real de um segmento de reta é a sombra que este produz nas faces dos planos projetantes frontal ou horizontal no 1º diedro. Encontra-se na linha quebrada [ASBS]. 
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Porque razão a sombra [ASBS] é uma linha quebrada? Porque a sombra do segmento [AB] encontra-se em dois planos projetantes.
O ponto Q é o ponto de quebra, onde as duas projeções de sombra frontal e horizontal se encontram.
SOMBRA| em Geometria Descritiva
 Pretende-se uma representação rigorosa do efeito luz e sombra. 
 Uma figura plana opaca exposta a uma fonte luminosa, terá dois tipos de sombra a considerar:
	- A sombra própria que se situa numa das suas faces não iluminada.
	- A sombra projetada que se situa nos planos de projeção.
SOMBRA DE FIGURAS PLANAS
SOMBRA PROJETADA DE UM CÍRCULO
 Na sombra projetada de um círculo contido num plano paralelo a um dos planos de projeção, podemos considerar três situações:
SOMBRA PROJETADA DE UM CÍRCULO
 Na sombra projetada de um círculo contido num plano paralelo a um dos planos de projeção, podemos considerar três situações:
SOMBRA PROJETADA DE UM CÍRCULO
 Na sombra projetada de um círculo contido num plano paralelo a um dos planos de projeção, podemos considerar três situações:
SOMBRA DE PIRÂMIDES
 Uma Pirâmide exposta a uma fonte luminosa\u2026
	- Apresenta uma zona de sombra própria sendo para isso necessário determinar as suas faces iluminadas.
	- Apresenta uma zona de sombra projetada, definida pela linha separatriz de luz/sombra.
SOMBRA DE PRISMAS
 Uma Pirâmide exposta a uma fonte luminosa\u2026
	- Apresenta uma zona de sombra própria sendo para isso necessário determinar as suas faces iluminadas.
	- Apresenta uma zona de sombra projetada, definida pela linha separatriz de luz/sombra.
SOMBRA PROJETADA DE UM CÍRCULO
 Na sombra projetada de um círculo contido num plano paralelo a um dos planos de projeção, podemos considerar três situações:
SOMBRA PROJETADA DE UM CÍRCULO
 Na sombra projetada de um círculo contido num plano paralelo a um dos planos de projeção, podemos considerar três situações: