A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
43 pág.
Apicultura Básica aula 5  - ASF

Pré-visualização | Página 1 de 1

Apicultura Básica 
Meliponicultura 
Abelhas indígenas sem ferrão 
 
Meliponicultura 
Meliponicultores – O QUE SÃO? 
Prazer no manejo - não representa qualquer risco de acidentes. 
Além do lazer - renda extra (venda do mel, comercialização dos 
enxames). 
Meliponicultura 
Mel das ASF é bastante apreciado. 
Por serem razoavelmente mansas e muitas vezes inofensivas, as 
ASF são vítimas frequentes da inconsciência humana, que 
destroem seus ninhos e matam as árvores para alcançarem seus 
potes de mel. 
Meliponicultura 
São fundamentais na produção de sementes de hortaliças, 
condimentos, ervas medicinais e flores, 
Possibilidades de pesquisa sobre a ação medicamentosa dos 
produtos das ASF. 
Ocorrem na América do Sul, América Central, Ásia, Ilhas do 
Pacífico, Austrália, Nova Guiné e África. 
No Brasil existem cerca de 450 espécies de abelhas 
Se dividem em castas. 
São responsáveis por 40 a 90% da 
polinização das árvores nativas. 
as ASF Meliponicultura 
Meliponicultura – as ASF 
As células de cria na maioria das espécies de Meliponinae são 
horizontais e algumas espécies de Trigonini constroem favos em 
forma de cacho. 
Meliponicultura – as ASF 
A rainha. 
Meliponicultura – as ASF 
Em grande parte das espécies os favos de cria são envolvidos por 
um invólucro, constituído por camadas de cerume. 
Meliponicultura – as ASF 
Os ninhos apresentam arquitetura complexa com diferenças 
marcantes entre os gêneros. 
Mel e pólen são armazenados em potes separados. 
 
Meliponicultura – as ASF 
Entrada característica para cada espécie ou gênero. 
Meliponicultura – as ASF 
Meliponicultura – as ASF 
Em Trigonini as rainhas são normalmente produzidas em células 
especiais, geralmente localizadas na periferia do favo de cria, 
denominadas realeiras ou células reais; já em Melipona não existem 
realeiras. 
Meliponicultura – as ASF 
Podemos encontrar, em Meliponinae, rainhas virgens convivendo nas 
colmeias durante todo o ano. Já, muitas Trigonini, aprisionam 
rainhas virgens em uma construção de cera conhecida como célula 
de aprisionamento de rainha. 
Meliponicultura – as ASF 
Mecanismos de Defesa 
Ninhos em locais de difícil acesso; 
Sentinelas atentas; 
Adornam as entradas dos ninhos com resina; 
Enrolam-se nos cabelo ou pelos, 
tentam entrar nos ouvidos, 
nariz e olhos, grudam resina nos 
pelos e mordiscam a pele 
com suas mandíbulas cortantes; 
 
Meliponicultura – as ASF 
Jataí - Tetragonisca angustula 
É dourada, mede aproximadamente 5mm, 
Distribuição geográfica vai do Rio Grande do Sul até o México. 
Colônias populosas (2.000 e 5.000 indivíduos). 
 Nidificam em oco de árvores, muros de pedra, tijolos vazados, 
cabaças e seus ninhos, perenes, podem ser encontrados por mais de 
35 anos no mesmo local. 
 
Meliponicultura – as ASF 
Jataí - Tetragonisca angustula – Tubo de Entrada 
 
Meliponicultura – as ASF 
Jataí - Tetragonisca angustula – Interior da Colmeia 
 
Meliponicultura – as ASF 
Análise do mel de Jataí comparada a Apis 
Meliponicultura – as ASF 
Características organoléticas do mel de Jataí 
Liquido, com espuma superficial, aroma e sabor fortes; 
Acidez 31,66 miliequivalente/kg; 
Umidade 25,1%; 
Sólidos solúveis: 74,728%; 
Sólidos insolúveis: 0,172%; 
Açúcar invertido (frutose, dextrose, glicose): 61,807% (o mel 
da Apis tem no mínimo 72%). 
 
Meliponicultura – as ASF 
Flora Apícola para Jataí 
04:10 minutos 
Meliponicultura – as ASF 
Mandaçaia - Melipona quadrifasciata 
Abelha grande que mede aproximadamente 11 mm 
Pode ser encontrada no interior do Nordeste, Brasil Central e sul do 
Brasil. 
As colônias são pouco populosas contendo uma média de 300 a 400 
indivíduos. 
Os locais de nidificação são principalmente ocos de árvore.. 
 
Meliponicultura – as ASF 
Mandaçaia - Melipona quadrifasciata – Entrada da colmeia 
 
Meliponicultura – as ASF 
Mandaçaia - Melipona quadrifasciata – Interior da colmeia 
 
Meliponicultura – as ASF 
Flora Apícola para Mandaçaia 
07:43 minutos 
Meliponicultura – as ASF 
Jataí da terra ou Mirim sem brilho - Paratrigona subnuda 
Seus ninhos são subterrâneos mostrando, discretamente, entre as 
folhas, o seu tubo de entrada 
Meliponicultura – as ASF 
Jataí da terra ou Mirim - Entrada da colmeia 
 Interior da colmeia: As células 
de cria são construídas em favos 
sempre de formato espiral 
 
 
Meliponicultura – as ASF 
Tubuna - Scaptotrigona bipunctata 
Esta espécie é muito agressiva quando há manipulação do ninho. 
Os ninhos podem ser encontrados em ocos de árvores. 
Meliponicultura – as ASF 
Uruçú nordestina - Melipona scutellaris 
 
 
 
 
Jandaíra nordestina - Melipona subnitida 
 
Meliponicultura – as ASF 
Flora Apícola para Uruçu 
Meliponicultura – as ASF 
Mirim preguiça - Friesella schrottkyi 
 
 
 
Iratim, limão - Lestrimelitta limão 
 
01:20 minutos 
Meliponicultura – as ASF 
Flora Apícola para Iraí 
Meliponicultura – as ASF 
Flora Apícola para Abelha cachorro 
Meliponicultura – as ASF 
Caga-fogo - Oxytrigona tataira tataira 
Tem a cabeça muito grande e o espaço entre os olhos muito 
maior que o comprimento do olho. 
A superfície do seu corpo é lisa e polida e suas mandíbulas são bidentadas. 
É uma das espécies mais agressivas que deposita sobre a pele, com suas 
mandíbulas, uma secreção cáustica. 
Possui hábitos anti-higiênicos. 
01:55 minutos 
Meliponicultura – as ASF 
Porque criar abelhas indígenas? 
Ainda pouco criadas racionalmente; 
O mel, apesar de pouco em quantidade, valem muito; 
A meliponicultura é uma atividade sustentável e 
ecologicamente correta. 
 
Meliponicultura – as ASF 
Como criar abelhas indígenas? 
Antes de iniciar a criação: 
Aprender a transferir uma colônia de um tronco para uma 
colmeia racional, sem destruir o vegetal; 
Aprender a manter, alimentar e combater o forídeo 
Pseudohypocera kerstezi e evitar o saque por outras abelhas; 
Aprender a dividir; 
Entrar em contato com outros 
meliponicultores para promover 
a troca de rainhas e informações; 
Meliponicultura – as ASF 
Regulamentação 
Por serem abelhas nativas, existe todo um cuidado dos órgãos 
competentes no sentido de preservar e conservar. O Ministério do Meio 
Ambiente, na voz do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, em 
sua resolução n° 346, de 06 de julho de 2004: 
Art. 3° É permitida a utilização e o comércio de abelhas e seus 
produtos, procedentes dos criadouros autorizados pelo órgão 
ambiental competente, na forma de meliponários, bem como a 
captura de colônias e espécimes a eles destinados por meio da 
utilização de ninhos-isca. 
Art. 4° Será permitida a comercialização de colônias ou parte 
delas desde que sejam resultado de métodos de multiplicação 
artificial ou de captura por meio da utilização de ninhos-isca. 
Recordando 
Características Melipona Trigona 
Tipo de entrada Barro Cerume 
Tamanho do corpo Maior Menor 
Abelhas na colônia 500 a 1000 abelhas Mais de 3000 abelhas 
Tamanho do favo da rainha Iguais ao das operárias Maior que o das operárias 
Exemplos Mandaçaia 
Uruçu 
Jandaíra 
Jataí 
Mirim 
Iraí 
 
Visita ao meliponário-escola