Slide DRIS
83 pág.

Slide DRIS


DisciplinaNutrição nos Ciclos de Vida66 materiais614 seguidores
Pré-visualização4 páginas
INGESTÃO DIETÉTICA DE 
REFERÊNCIA
Prof Marília Tokiko 
Recife-2018
CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES ATUAIS
\u27a4 Inclusão da redução de riscos de DCNT; 
\u27a4 Utilização dos conceitos de probabilidade e de risco; 
\u27a4 Níveis superiores de ingestão foram estabelecidos para nutrientes 
que possuíam dados sobre os riscos de efeitos adversos a saúde; 
\u27a4 Dados sobre alguns componentes alimentares que não se enquadram 
no conceito tradicional de nutrientes mas que oferecem possíveis 
benefícios.
As Dietary Reference Intakes (DRIs) são um conjunto de 
valores de referência determinado para substituir as antigas 
Recommended Dietary Allowances (RDAs) dos EUA e as antigas 
Recommended Nutrients Intakes (RNIs) do Canadá.
Cozzolino, 2005 
CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES ATUAIS
\u27a4 planejar dietas individuais; 
\u27a4 elaborar planos nutricionais; 
\u27a4 aquisição de alimentos para grupos institucionalizados; 
\u27a4 rotulagem nutricional; 
\u27a4 marketing nutricional; 
\u27a4 fortificação de alimentos; 
\u27a4 desenvolvimento ou melhoramento de produtos alimentícios; 
\u27a4 avaliação da qualidade de alimentos. 
De maneira geral, as DRIs podem ser utilizadas para:
Cozzolino, 2005 
CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES ATUAIS
\u27a4 a informação disponível sobre o balanço do nutriente no 
organismo; 
\u27a4 o metabolismo nas diferentes faixas etárias; 
\u27a4 a diminuição do risco de doenças, levando-se em consideração 
as variações individuais nas necessidades de cada nutriente; 
\u27a4 a biodisponibilidade; 
\u27a4 os erros associados aos métodos de avaliação do consumo 
dietético.
Para a determinação se considerou:
Cozzolino, 2005 
CONJUNTO DAS DRIS
\u27a4 EAR (Estimated Average 
Requirement); 
\u27a4 RDA (Recommended Dietary 
Allowance); 
\u27a4 AI (Adequate Intake); 
\u27a4 UL (Tolerable Upper Intake 
Level).
Cozzolino, 2005 
EAR - ESTIMATED AVERAGE REQUIREMENT
É o nível de ingestão habitual que se estima que alcance as 
necessidades de 50% dos indivíduos saudáveis em um grupo, de 
acordo com o gênero e idade. 
Neste nível de ingestão, a outra metade do grupo não alcançaria 
suas necessidades.
Cozzolino, 2005 
RDA - RECOMMENDED DIETARY ALLOWANCE
É o nível de ingestão habitual que é suficiente para alcançar as 
recomendações nutricionais de aproximadamente todos (97% a 
98%) os indivíduos saudáveis em um grupo, de acordo com o 
estágio de vida e o sexo.
RDA = EAR +2DP(necessidade)
ou
RDA = 1,2 EAR
Cozzolino, 2005 
AI - ADEQUATE INTAKE
É um valor baseado em níveis de ingestão obtidos 
experimentalmente ou na média de ingestão de um nutriente por 
um determinado grupo de indivíduos saudáveis.
Cozzolino, 2005 
UL - TOLERABLE UPPER INTAKE LEVEL 
É o nível mais alto de ingestão diária continuada de um nutriente 
que provavelmente não expõe a maioria dos indivíduos 
pertencentes a um determinado grupo de mesmo sexo e estágio de 
vida a risco de efeitos adversos à saúde.
Cozzolino, 2005 
EXEMPLO DE SUPLEMENTAÇÃO E FORTIFICAÇÃO DE NUTRIENTES
\u27a4 Fortificação das farinhas de trigo e milho com ferro e ácido 
fólico: 
- 100g -> 4,2mg de Fe e 150\ud835\udf07g de ácido fólico.
Fe Ácido fólico
RDA 
(mg/dia)
Ul 
(mg/dia)
RDA 
(\ud835\udf07g/dia) UL (\ud835\udf07g/dia)
Crianças 7-10 40 150-200 300-400
Adultos 8-18 45 400 1000
Gestação 27 45 600 1000
Lactação 9-10 45 500 1000
EXEMPLO DE SUPLEMENTAÇÃO E FORTIFICAÇÃO DE NUTRIENTES
\u27a4 Programa Vitamina A mais: 
- Puérperas: 200.000UI; 
- Crianças até 6 meses: 100.000UI; 
- Crianças >6 meses até 2 anos: 200.000UI;
Vitamina A
RDA 
(UI/dia)
UL 
(UI/dia)
Crianças 1.000-1.333 2.000-3.000
Adultos 2.333-3.000 10.000
Gestação 2.500-2.567 10.000
Lactação 4.000-4.333 10.000
EXEMPLO DE SUPLEMENTAÇÃO E FORTIFICAÇÃO DE NUTRIENTES
\u27a4 Suplementos de Vitamina C: 
- 500-1000mg
Vitamina C
RDA 
(mg/dia)
Ul 
(mg/dia)
Crianças 15-25 400-650
Adultos 75-90 2000
Gestação 85 2000
Lactação 120 2000
caracterização da natureza e probabilidade de resultados danosos pela 
exposição humana a agentes do meio ambiente.
MEDIDAS DE RISCO E SEGURANÇA ALIMENTAR
Medida de risco
Nutrientes Alimentos e água Suplementos 
Avaliação de risco
Exposição a um agente Efeitos adversos à saúde
Probabilidade
Cozzolino, 2005 
LIMIARES
A principal característica do processo da avaliação do risco para não-
carcinogênico é a aceitação duradoura de que nenhum risco de efeito adverso é 
esperado a menos que os limiares da dose (ingestão) sejam excedidos.
Quando possível a UL é baseado:
(No Observed Adverse Effect Level) que é o maior nível de ingestão (ou dose oral 
experimental) de um nutriente que não resultou em efeito adverso observado no 
indivíduos.
NOAEL
(Lowest Observed Adverse Effect Level) é determinado pela ingestão mais baixa 
(ou dose oral experimental) na qual um efeito adverso tenha sido identificado.
LOAEL
Cozzolino, 2005 
LIMIARES
\u27a4 Avaliar a ingestão ou exposição; e 
\u27a4 Verificar a proporção da população cuja ingestão exceda o 
valor da UL.
A UL não é, por si só, uma descrição de risco para o ser humano. 
Para determinar se uma população está em risco, será necessário:
Cozzolino, 2005 
ATENÇÃO!
PASSOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA UL
Identificação do Risco Componentes da avaliação dose-resposta
- Evidências do efeito adverso para 
o ser humano; 
- Causalidade; 
- Relevância dos dados 
experimentais; 
- Mecanismos da ação tóxica; 
- Qualidade e abrangência dos 
dados; 
- Identificação de subpopulações 
distintas e altamente sensíveis.
- Seleção dos dados; 
- Identificação do NOAEL ou 
LOAEL e ponto crítico final; 
- Avaliação das incertezas; 
- Derivação das ULs; 
- Caracterização da estimativa e 
considerações especiais.
Cozzolino, 2005 
APLICAÇÃO 
DAS DRIS PARA 
INDIVÍDUOS 
INGESTÃO USUAL PARA INDIVÍDUOS 
\u27a4 Utilizando a EAR para indivíduos:
Ingestão média usual EARvs
Coeficiente de variação (CV) = 10%
Se distribuição normal, um CV de 10% significa que cerca de 95% 
dos indivíduos deverão ter suas recomendações preenchidas entre 
80-120% da EAR
Cozzolino, 2005 
INGESTÃO USUAL PARA INDIVÍDUOS 
\u27a4 Utilizando a RDA para indivíduos:
Ingestão média usual RDA>
Ingestão adequada
A RDA por definição excede a recomendação verdadeira de quase todos os 
indivíduos, com excessão de 2-3%. Portanto, muitos indivíduos com 
ingestão usual abaixo da RDA ainda podem obter suas necessidades 
individuais.
Ingestão média usual RDA<
não pode ser considerada sempre inadequada
Cozzolino, 2005 
INGESTÃO USUAL PARA INDIVÍDUOS 
\u27a4 Utilizando a AI para indivíduos:
Ingestão média usual AI>
Ingestão adequada
Ingestão média usual AI<
não pode ser considerada sempre inadequada
Cozzolino, 2005 
INGESTÃO USUAL PARA INDIVÍDUOS 
\u27a4 Utilizando a UL para indivíduos:
Ingestão média usual UL>
Risco potencial para efeitos adversos
Ingestão média usual UL<
Provavelmente será segura
Cozzolino, 2005 
APLICAÇÃO DAS DRIS PARA INDIVIDUOS
\u27a4 EAR: 
- Examina a possibilidade de inadequação. 
\u27a4 RDA: 
- Ingestão usual acima deste nível tem baixa probabilidade de 
inadequação. 
\u27a4 AI: 
- Ingestão usual igual ou acima deste valor tem baixa probabilidade 
de inadequação. 
\u27a4 UL: 
- Ingestão usual acima deste nível coloca o indivíduo em risco de 
efeito adverso à saúde.
Cozzolino, 2005 
APLICAÇÃO 
DAS DRIS PARA 
GRUPOS
APLICAÇÃO DAS DRIS PARA GRUPOS
\u27a4 EAR: 
- Utilizada para estimar a prevalência de ingestão inadequada 
dentro do grupo. 
\u27a4 RDA: 
- Não deve ser utilizada para avaliar ingestão de grupos. 
\u27a4 AI: 
- Ingestão usual média igual ou superior ao valor proposto implica 
baixa prevalência de ingestão inadequada. 
\u27a4 UL: 
- Utilizado para estimar a porcentagem da população em risco de 
efeitos adverso