A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
177 pág.
Roteiro de Auditoria de Obras TCU 2011

Pré-visualização | Página 18 de 50

de cada caso. A taxa de 
encargos sociais é fortemente influenciada, por exemplo, pelo prazo de execução dos serviços ou 
pelas condições de mercado. Por fim, empresa que contrata trabalhadores informais incorre em 
custos com mão de obra consideravelmente inferiores em virtude de não cumprir a legislação 
previdenciária e trabalhista. 
160. O Quadro 2, a seguir, apresenta os encargos sociais sobre preços da mão de obra horista e 
mensalista extraídos do Sinapi para o Distrito Federal. 
161. Também existe diferença entre os critérios adotados pelos diferentes sistemas referenciais. O 
Quadro 3 apresenta, na sequência, os encargos sociais para trabalhadores horistas extraídos de três 
sistemas referenciais de preços. 
TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO 39 
Segedam – Secretaria-Geral de Administração BTCU ESPECIAL Brasília Ano xliv n. 19 22/ nov. 2011 
 
 
\\_sarq_prod\Sistemas\Btcu (Sede) - \\_sarq_an\Sistemas\Btcu (Asa Norte) - \\srv-UF\Sistemas\Btcu (Estaduais) 
Quadro 2 – Encargos sociais (horista e mensalista) 
 
TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO 40 
Segedam – Secretaria-Geral de Administração BTCU ESPECIAL Brasília Ano xliv n. 19 22/ nov. 2011 
 
 
\\_sarq_prod\Sistemas\Btcu (Sede) - \\_sarq_an\Sistemas\Btcu (Asa Norte) - \\srv-UF\Sistemas\Btcu (Estaduais) 
Quadro 3 – Comparação de encargos sociais horistas 
SICRO PINI SCO
GRUPO I - Encargos Básicos GRUPO A GRUPO A GRUPO I
IAPAS / INSS / PREVIDÊNCIA 20,00% 20,00% 20,00%
SESI 1,50% 1,50% 1,50%
SENAI 1,00% 1,00% 1,00%
INCRA 0,20% 0,20% 0,20%
SALÁRIO EDUCAÇÃO 2,50% 2,50% 2,50%
SEGURO CONTRA ACIDENTES 3,00% 3,00% 3,00%
FGTS 8,00% 8,00% 8,00%
SEBRAE 0,60% 0,60% 0,60%
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL (ART. 2º DA LEI COMPLEMENTAR 110/01) 0,50%
SECONCI 1,00% 1,00%
TOTAL DO GRUPO I 36,80% 37,80% 38,30%
GRUPO II GRUPO B GRUPO B GRUPO II
REPOUSO SEMANAL REMUNERADO 17,80% 19,35%
FERIADOS 4,09% 4,45%
FÉRIAS 14,87% 8,78%
FALTAS ABONADAS / JUSTIFICADAS 0,56% 0,65%
AUXÍLIO ENFERMIDADE E ACIDENTES DE TRABALHO 1,86% 0,79% 1,22%
0,22%
LICENÇA PATERNIDADE 0,10% 0,34% 0,07%
13º SALÁRIO 11,16% 10,57%
ACIDENTE DE TRABALHO 0,17% 4,57%
AVISO PRÉVIO TRABALHADO 0,49%
TOTAL DO GRUPO II 50,61% 39,17% 35,23%
GRUPO III GRUPO C GRUPO C GRUPO III E IV
AVISO PRÉVIO INDENIZADO 14,13% 13,12% 8,10%
FÉRIAS PROPORCIONAIS RELATIVAS AO AVISO PRÉVIO 14,06% 2,93%
13º PROPORCIONAL RELATIVO AO AVISO PRÉVIO 9,28%
AVISO PRÉVIO PAGO EM DOBRO 1,67%
INDENIZAÇÃO POR DEMISSÃO SEM JUSTA CAUSA 4,13% 5,57% 4,95%
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL (ART. 2º DA LEI COMPLEMENTAR 110/01) 1,24%
REFLEXO DO AVISO PRÉVIO INDENIZADO SOBRE FÉRIAS E 13º SALÁRIO 1,58%
INDENIZAÇÃO ADICIONAL 0,07%
TOTAL DO GRUPO III 19,93% 32,74% 28,15%
GRUPO IV - Reincidência: Grupo I X Grupo II 18,62% 14,81% 18,17%
INCIDÊNCIA DA MULTA FGTS SOBRE 13º SALÁRIO 0,34%
INCIDÊNCIA DO GRUPO A SOBRE LICENÇA MATERNIDADE 0,00%
INCIDENCIA DO FGTS SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO (>15 DIAS) 0,01%
INCIDÊNCIA DO FGTS SOBRE AVISO PRÉCIO INDENIZADO 0,65%
INCIDÊNCIA DO FGTS SOBRE REFLEXO DO AVISO PRÉVIO INDENIZADO DO 13º SALÁRIO 0,05%
ABONO PECUNIÁRIO 0,52%
REINCIDÊNCIA DE FGTS SOBRE AVISO PRÉVIO INDENIZADO 1,05%
 TOTAL ENCARGOS S/ BENEFÍCIOS 126,30% 125,58% 121,08%
COMPARATIVO ENCARGOS SOBRE HORA NORMAL
22,90%
 
162. Ao se deparar com encargos sociais elevados, a equipe de auditoria deve identificar as rubricas que 
estão com valores indevidos, para apurar o sobrepreço nos valores de mão de obra. Essa análise só 
pode ser realizada por meio de um detalhado estudo sobre cada uma das alíquotas que compõem o 
percentual de encargos sociais. 
163. A título de exemplificação, o Anexo II deste Roteiro de Auditoria apresenta estudo que embasou o 
Acórdão 1.753/2008-TCU-Plenário, o qual apresenta uma análise detalhada de percentual de 
encargos sociais aplicáveis aos serviços de vigilância e limpeza. 
TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO 41 
Segedam – Secretaria-Geral de Administração BTCU ESPECIAL Brasília Ano xliv n. 19 22/ nov. 2011 
 
 
\\_sarq_prod\Sistemas\Btcu (Sede) - \\_sarq_an\Sistemas\Btcu (Asa Norte) - \\srv-UF\Sistemas\Btcu (Estaduais) 
I.2.3.7 – BDI paradigma 
164. O estabelecimento de um BDI paradigma mostra-se necessário, pois a maioria dos sistemas 
referenciais oficiais de preços, à exceção do Sicro, apresenta apenas o custo direto de execução dos 
serviços. Faz-se necessária a adoção de um BDI paradigma para que a análise dos preços unitários 
possa ser efetuada. 
165. A exigência de apresentação da composição do BDI, tanto dos órgãos licitantes quanto das 
empresas contratadas, facilita a análise da adequação de seus valores e parcelas. Nesse aspecto, 
cabe citar a recente Súmula-TCU 258/2010, a qual estabelece que o detalhamento do BDI deve 
integrar tanto o orçamento do projeto básico quanto as propostas de preços ofertadas pelos 
licitantes. 
166. A determinação de um BDI paradigma depende da análise de cada caso concreto, sendo a 
jurisprudência do TCU um importante balizador. 
167. Com o advento do Acórdão 2.369/2011-Plenário, o Tribunal decidiu que devem ser observados os 
percentuais a seguir apresentados, para a definição de valores aceitáveis de BDI para cada tipo de 
obra de engenharia. 
168. Para obras de linhas de transmissão de energia elétrica e de subestações, continuam válidos os 
parâmetros para taxas de BDI contidos no item 9.2 do Acórdão n. 325/2007-Plenário. 
Quadro 4 – Percentual de BDI para Obras de Linhas de Transmissão de Energia e Subestações 
(Acórdão 325/2007-TCU-Plenário) 
DESCRIÇÃO MÍNIMO MÁXIMO MÉDIA 
Garantia - 0,42 0,21 
Risco - 2,05 0,97 
Despesas Financeiras - 1,20 0,59 
Administração Central 0,11 8,03 4,07 
Lucro 3,83 9,96 6,90 
Tributos: 6,03 9,03 7,65 
COFINS 3,00 3,00 3,00 
PIS 0,65 0,65 0,65 
ISS 2,00 5,00 3,62 
CMPF 0,38 0,38 0,38 
Total 16,36 28,87 22,61 
TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO 42 
Segedam – Secretaria-Geral de Administração BTCU ESPECIAL Brasília Ano xliv n. 19 22/ nov. 2011 
 
 
\\_sarq_prod\Sistemas\Btcu (Sede) - \\_sarq_an\Sistemas\Btcu (Asa Norte) - \\srv-UF\Sistemas\Btcu (Estaduais) 
Quadro 5 – Percentual de BDI para Obras de Edificações – Construção 
(Acórdão 2.409/2011-Plenário) 
ADMINISTRAÇÃO CENTRAL - LUCRO A.CENTRAL LUCRO A.CENTRAL LUCRO A.CENTRAL LUCRO
Até R$ 150.000,00 4,00% 7,50% 8,15% 11,35% 5,75% 9,65%
De R$ 150.000,01 até R$ 1.500.000,00 3,50% 7,00% 7,65% 10,85% 5,25% 9,15%
De R$ 1.500.000,01 até R$ 75.000.000,00 3,00% 6,50% 7,15% 10,35% 4,75% 8,65%
De R$ 75.000.000,01 até R$ 150.000.000,00 2,50% 6,00% 6,65% 9,85% 4,25% 8,15%
Acima de R$ 150.000.000,00 2,00% 5,50% 6,15% 9,35% 3,75% 7,65%
DESPESAS FINANCEIRAS
SEGUROS, RISCOS E GARANTIAS
Seguros
Garantias
Riscos
Obras simples, em condições favoráveis, com 
execução em rítmo adequado
Obras medianas em área e/ou prazo, em 
condições normais de execução 
Obras complexas, em condições adversas, com 
execução em rítmo acelerado, em áreas restritas
TRIBUTOS
ISS*
PIS
COFINS
BDI 
Até R$ 150.000,00
De R$ 150.000,01 até R$ 1.500.000,00
De R$ 1.500.000,01 até R$ 75.000.000,00
De R$ 75.000.000,01 até R$ 150.000.000,00
Acima de R$ 150.000.000,00
Obs: (*) % de ISS considerando 2%, 3,5% e 5% sobre 50% do Preço de Venda - Observar a legislação do Município.
16,30% 25,30% 20,50%
18,60% 27,60% 22,80%
17,40% 26,50% 21,60%
20,80% 30,00% 25,10%
19,70% 28,80% 23,90%
3,00% 3,00% 3,00%
1,00% até 2,50% 1,75%
0,65% 0,65% 0,65%
0,35% 0,78% 0,60%
4,65% 6,15% 5,40%
0,25% 0,57% 0,43%
0,29% 0,65% 0,50%
0,00% 0,42% 0,21%
0,25% 2,01% 1,07%
0,00% 0,81% 0,36%
0,50% 1,50% 1,00%
BDI PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES - CONSTRUÇÃO
DESCRIÇÃO MÍNIMO MÁXIMO MÉDIA
 
Quadro 6 – Percentual