A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
02 Manejo Reprodutivo de Ovinos e Caprinos

Pré-visualização | Página 1 de 2

Manejo Reprodutivo de 
Caprinos e Ovinos 
Introdução 
 O sucesso dos sistemas de produção de caprinos e ovinos 
depende, dentre outros fatores, da taxa de reprodução do rebanho. 
Entretanto, para se aumentar a eficiência reprodutiva de um 
rebanho é necessário o uso de práticas adequadas de manejo 
reprodutivo. 
 
 O manejo reprodutivo está inserido em aspectos diversos 
como, por exemplo, a alimentação, o sistema de acasalamento, as 
biotécnicas a serem utilizadas no processo de evolução genética, o 
estabelecimento de critérios para a seleção de reprodutores e 
matrizes e o controle de doenças da esfera reprodutiva. 
 Uma vez que a eficiência de um rebanho pode ser avaliada 
pelo número de crias desmamadas por fêmea/ano, algumas 
diretrizes devem ser buscadas para que haja promoção dos índices 
produtivos: 
 
 Elevação da taxa de fertilidade; 
 Elevação da taxa de prolificidade; 
 Redução da taxa de mortalidade de jovens; 
 Redução do intervalo entre partos; 
Puberdade do Macho 
Puberdade fisiológica 
 
 Caprinos 
 Idade → 4 a 5 meses; 
 Peso → 12 a 15 kg de peso vivo; 
 
 Ovinos 
 Idade → 4 a 6 meses; 
 Peso → 22 a 28 kg de peso vivo; 
 
 
Puberdade zootécnica 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A partir dos 10 meses 
de idade; 
Puberdade da Fêmea 
Puberdade fisiológica 
 
 Caprinos 
 Idade → 6 a 8 meses; 
 
 
 Ovinos 
 Idade → 7 a 10 meses; 
 
 
 
Puberdade zootécnica 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
65-70% do peso adulto; 
Ciclo Estral 
 Cabras → 21 dias; 
 Variações de 17 a 24 dias; 
 Dura em torno de um dia e meio a dois dias (36 a 48 horas); 
Ciclo Estral 
 Ovelhas → 18 dias; 
 variações de 14 a 19 dias; 
 Dura em torno de um dia a um dia e meio (24 a 36 horas); 
Sinais do Cio 
 A vulva apresenta-se inchada e avermelhada; 
 
 Presença de muco na vulva; 
 
 Procura o macho com muito interesse; 
 
 Monta e deixa ser montada por outras fêmeas ou pelo macho; 
 
 Fica inquieta e agitada e berra com muita freqüência; 
 
 A cauda apresenta movimentos laterais rápidos. 
 
Escolha de Reprodutores 
 Verificar se o animal apresenta padrão racial característico da raça 
escolhida; 
 
 Observar se os dois testículos são do mesmo tamanho; 
 
 Se têm forma ovóide e consistência e tamanho normais; 
 
 Verificar se o animal apresenta boa atividade sexual e boa fertilidade; 
 
 No caso de reprodutores adultos procure conhecer a descendência; 
 
 Comprar animais entre a primeira e a terceira muda dentária; 
 
 Não comprar animal que apresente qualquer tipo de defeito ou doença. 
Avaliação testicular do reprodutor 
Descarte de Reprodutores 
 Ausência de um testículo e testículos pequenos; 
 
 Testículos duros ou muito moles (degeneração testicular); 
 
 Presença de hérnia; 
 
 Queixo curto (agnata); 
 
 Queixo comprido (prognata); 
 
 Baixa atividade sexual; 
 
 Animais muito velhos e com defeitos graves nos cascos. 
Escolha de Matrizes 
 Verificar se a fêmea se enquadra no padrão racial da raça escolhida; 
 
 Não comprar fêmea que apresente qualquer tipo de defeito ou doença; 
 
 Observar se a fêmea apresenta bom desenvolvimento corporal, úbere 
normal, bem formado e bem inserido; 
 
 Verificar se a fêmea tem boa fertilidade e boa produção de leite, boa 
aptidão para criar e se teve gestação e parto normais; 
 
 Comprar fêmeas jovens e em idade compatível para reprodução; 
 
 Recomenda-se comprar fêmeas que tenham feito no máximo, a terceira 
muda dentária. 
Descarte de Matrizes 
 Abortos freqüentes; 
 
 Baixa fertilidade (pare pouco); 
 
 Queixo curto (agnata); 
 
 Queixo longo (prognata); 
 
 Baixa capacidade para criar; 
 
 Doenças crônicas (“mal-do-caroço”, mamite, etc.); 
 
 Úbere “perdido”. 
Estação de Monta 
 É uma prática de fácil uso e de baixo custo; 
 
 Permite planejar épocas adequadas para o nascimento das crias, 
visando maior sobrevivência; 
 
 Facilita a execução dos programas de melhoramento genético do 
rebanho; 
 
 Aumenta a produção de cordeiros e cabritos; 
 
 Facilita o sistema de comercialização. 
 Sistema de um Parto por Ano 
 
Sistema de Três 
Partos em dois Anos 
 
Monta Natural não 
Controlada 
 
 Nos sistemas de criação extensivos de caprinos e ovinos é muito 
usada a monta ou a cobrição natural não controlada, que acarreta 
bastante problemas no controle zootécnico do rebanho; 
Monta Natural Controlada 
A monta ou a cobrição pode ser feita a campo ou no centro de manejo; 
 
 Cobrição a campo com controle de paternidade; 
 
 Dividir os lotes; 
 
 Deixe o reprodutor 25 a 30 dias juntos com as fêmeas; 
 
 
 
 
Inseminação Artificial 
• A inseminação artificial é um método artificial de reprodução em que 
as fêmeas emprenham sem terem sido cruzadas com o macho. 
 
• Introduz-se na vagina do animal no cio uma vareta contendo o 
sêmen (líquido que contém os espermas) retirado anteriormente do 
macho, geralmente de um reprodutor de alto padrão genético. 
 
• O sêmen retirado dos machos é congelado e armazenado, em 
botijões especiais, onde podem durar vários anos. 
 
 
 
Inseminação Artificial 
 
 
 
 Cobrição no centro de manejo; 
 
 Faça a marcação do rufião na região do esterno (peito) com uma 
mistura de tinta xadrez em pó e graxa; 
 
 Coloque um rufião para 30 matrizes; 
 
 Faça inspeção do rebanho duas vezes ao dia, para observar as fêmeas 
marcadas pelo rufião; 
 
 Retire as matrizes marcadas pelo rufião e coloque com o reprodutor 
nos currais ou baias. 
 
 
Horário de Cobrição 
 
Prenhez ou gestação 
 É o período que vai da fertilização (enxerto), após a cobertura, até a 
ocorrência do parto. 
 
 O período médio da prenhez da cabra e da ovelha é de 
aproximadamente 150 dias, apresentando variações de 146 a 154 
dias. 
 
 Os principais sinais observados nas cabras e ovelhas durante a 
prenhez são: 
 
 Ausência de cio; 
 Falta de interesse pelo macho; 
 Aumento da barriga e do úbere; 
 Fica mais calma e engorda com facilidade. 
Cuidados durante a prenhez 
 Manter as cabras e as ovelhas em boas condições de saúde e bem 
alimentadas; 
 
 Evitar mudança brusca na alimentação; 
 
 Evitar transporte por período longo; 
 
 Evitar traumatismo; 
 
 Colocar as cabras e ovelhas que estejam perto de parir em piquete 
maternidade. 
Parto 
 Bem próximo ao parto as cabras e as ovelhas podem apresentar os 
seguintes sinais: 
 Depressão marcante em cada lado da cauda; 
 Depressão nos “vazios” (flancos); 
 Inquietação; 
 Presença de corrimento opaco na genitália externa (vulva). 
 
 Em condições normais, o parto dura em média 30 minutos. 
 
 Os partos devem ocorrer em instalações limpas e bem arejadas ou 
no piquete maternidade. 
 
 Havendo necessidade, a assistência ao parto deve-se resumir em: 
 
 Ajuda no ato de expulsão da cria; 
 
 Limpeza da cria, retirando-se os restos do parto (placenta) e as secreções das 
ventas (narinas) da cria; 
 
 Estímulo da respiração. Neste caso pega-se a cria pelas pernas e coloca de 
cabeça para baixo por alguns segundos. 
Cuidados com as crias 
• Logo após o parto, deve-se observar se a mãe limpou a cria e iniciou a 
amamentação da cria. 
 
• O primeiro leite da cabra ou da ovelha é chamado de colostro e é geralmente

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.