A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
Anatomia Geral  Odontologia

Pré-visualização | Página 5 de 7

mas sem preenche-lo completamente 
 Limite cranial: bulbo do tronco encefálico na altura do forame magno 
 Limite caudal: geralmente na L2 
 Forma: cilindro achatado no sentido antero-posterior 
 Calibre: não uniforme, intumescência cervical (C4 e T1) e Lombar (T2 e L1) 
 SUBSTÂNCIA CINZENTA: no centro, H medular 
 SUBSTÂNCIA BRANCA: na periferia 
TOPOGRAFIA DA MEDULA ESPINAL: 
 Abaixo da L2 encontram-se apenas as meninges e as raízes nervosas dos últimos 
nervos espinais 
o Cauda Equina: filamento terminal e cone medular 
 É a consequência da diferença de crescimento entre a coluna vertebral 
e a coluna espinal, o afastamento dos segmentos medulares das 
vértebras correspondentes 
ENVOLTÓRIOS DA MEDULA ESPINAL: 
 Dura-máter 
 Aracnoide contém líquor circulando 
 Pia-máter 
 
 NERVOS ESPINAIS 
 São todos mistos 
 31 pares de nervos espinais para 31 segmentos medulares 
o 8 pares de nervos cervicais 
o 12 pares de nervos torácicos 
o 5 pares lombares 
o 5 pares sacrais 
o 1 par coccígeno 
 RAIZ DORSAL: Sensitiva 
 RAIZ CENTRAL: Motora 
 RAIZ ESPINAL: Fica na raiz dorsal 
 NERVO ESPINAL: União das raízes ventral e dorsal 
ARCO REFLEXO: 
 Quando tenho a possibilidade de injuria ao meu corpo, sendo potencialmente mais 
agressiva (morte), tenho que interromper o mais rápido possível 
 Sensibilidade geral 
Paola Luiz Casteler - 18200193 
 
Anatomia Geral – Odontologia - UFSC 
PLEXOS DA COLUNA VERTEBRAL: 
 Rede de comunicação dos nervos/ vasos 
 Plexo cervical 
 Plexo bronquial 
 Plexo lombar 
 Plexo sacral 
 
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO 
 Regula a atividade do musculo liso, estriado cardíaco e de certas glândulas 
 Inclui tanto neurônios sensoriais quanto motores 
 Em geral, funciona em controle consciente 
 Regulados por centros encefálicos que recebem entradas do sistema límbico 
 Neurônios sensoriais autônomos associados a interceptores (quimiorreceptores, 
mecanorreceptores) 
 Neurônios motores autônomos regulam as atividades 
o Viscerais 
o Excitação 
o Inibição 
 Vias motoras consistem em dos neurônios em série 
o 1º neurônio tem o corpo celular dentro do SNC e o axônio mielinizado se 
estende até o gânglio autônomo 
o O corpo celular do 2º neurônio fica no gânglio autônomo e o axônio 
mielinizado se estende até o efetor 
 A parte de saída do SNA apresenta 2 divisões 
o Divisão Simpática = maior – amplificação da resposta 
o Divisão Parassimpática 
o Essas divisões NÃO são antagônicas, pois NÃO atuam no mesmo tempo 
 A maioria dos órgãos apresenta dupla inervação 
COMPONENTES AUTÔMICOS: 
 Neurônios pré-ganglionares 
 Gânglios autonômicos 
 Plexos autonômicos 
 Neurônios pós-ganglionares 
 
 
 
 
Paola Luiz Casteler - 18200193 
 
Anatomia Geral – Odontologia - UFSC 
 SIMPÁTICA PARASSIMPÁTICA 
DISTRIBUIÇÃO Todo o corpo: pele, 
glândulas, tecido adiposo 
Cabeça e vísceras do tórax, 
abdômen e pelve, alguns 
vasos sanguíneos 
SAÍDA Tóraco-lombar Craniossacral (n. cranianos III, 
VII, IX, X, S2 e S4 
LOCAL DOS GÂNGLIOS Perto do SNC e longe dos 
efetores viscerais 
Próximos ou na parede dos 
efetores viscerais 
COMPRIMENTO DAS 
FIBRAS E DIVERGENCIA 
- Fibras pré-gang. = curtas 
- Fibras pós-gang. = longas 
- Fibras pré-gang. = longas 
- Fibras pós-gang. = curtas 
 
NEUROTRANSMISSORES: 
 Neurônios colinérgicos – acetilcolina (ACh) 
o Neurônios pré-ganglionares simpáticos e parassimpáticos 
o Neurônios pós-ganglionares simpáticos que inervam a maioria das glândulas 
salivares 
o Neurônios pós-ganglionares parassimpáticos 
 Neurônios adrenérgicos – norepinefrina (NE) – adrenalina 
o Excitador para divisão simpática 
o Maioria dos neurônios pós-ganglionares simpáticos 
EFEITOS FISIOLÓGICOS DO SNA 
 Balanço entre as atividades é regulado pelo hipotálamo 
 As duas divisões afetam os órgãos de maneira maior 
 Glândulas sudoríparas, rins, maior parte dos vasos sanguíneos, músculos pilo-eretores 
e medula adrenal receber apenas inervação simpática 
 
RESPOSTAS SIMPÁTICAS 
 Estresse físico e/ou emocional 
 Domínio da divisão simpática 
 Rápida produção de ATP 
 Situações “E” 
o Estimulo da divisão simpática – resposta de fuga ou luta 
 Dilatação das pupilas 
 Frequência e força de contração muscular 
 Pressão arterial aumenta 
 Vias aéreas dilatam-se 
 Consumo de glicose na glicólise 
 Vasos sanguíneos de efeitos não essenciais contraem-se 
 Vasos sanguíneos de músculos de exercícios dilatam-se 
 Processos não essenciais para enfrentar a situação são inibidos 
 
Paola Luiz Casteler - 18200193 
 
Anatomia Geral – Odontologia - UFSC 
o Efeitos mais longos e dispersos: 
 Fibras pós ganglionares simpáticas divergem de forma mais acentuada 
– ativação simultânea de muitos órgãos 
 A NE permanece por mais tempo 
 Epinefrina e NE secretadas pela medula adrenal intensificam e 
prolongam as respostas 
 
RESPOSTAS PARASSIMPÁTICAS 
 Sustentação das funções corporais 
o Divisão parassimpática 
o Conservação e restauração das energias 
 Intervalos de calma 
o Ação da divisão parassimpática 
o Respostas de repouso – digestão 
 Reduções: 
o Frequência cardíaca 
o Diâmetro das vias aéreas (bronco-constrição) 
o Diâmetro das pupilas 
 Efeitos menos perceptíveis 
Salivação 
Lacrimejamento 
Urinação 
Digestão 
Defecação 
 
 
NERVOS CRANIANOS (12 PARES) 
o Sensitivos 
 Sensibilidade somática (Geral) 
 Sensibilidade especial (5 sentidos) 
o Motores 
 
I. NERVO OFTÁLMICO 
- Sensibilidade especial 
 
II. NERVO ÓPTICO 
- Sensibilidade especial 
 
Paola Luiz Casteler - 18200193 
 
Anatomia Geral – Odontologia - UFSC 
III. NERVO OCULOMOTOR 
- Motricidade do globo ocular 
- Não faz sensibilidade 
 
IV. NERVO TROCLEAR 
- Motricidade 
 
V. NERVO TRIGÊMIO 
- Inerva toda a face 
- Nervo misto – sensibilidade geral e motricidade 
- Se ramifica em 3 
 
VI. NERVO ABDUCENTE 
- Motricidade 
 
VII. NERVO FACIAL 
- Nervo intermédio 
- Nervo misto – sensibilidade geral, especial e motricidade 
 - gustação – inerva a língua 
 
VIII. NERVO VESTIBULOCOCLEAR 
- Audição e equilíbro 
- Sensibilidade especial 
 
IX. NERVO GLOSSOFARÍNGEO 
- Sensibilidade geral e especial e motricidade 
- Glosso = língua – gustação 
 
X. NERVO VAGO 
- Nervo misto – sensibilidade geral e motricidade 
- Vagueia pelo corpo inteiro 
 
XI. NERVO ACESSÓRIO 
- Motricidade a 2 músculos do pescoço 
 - esternocleinomastoideo e trapézio 
 
XII. NERVO HIPOGLOSSO 
- Motricidade a todos os músculos da língua, com exceção de 1. 
 
 
 
Paola Luiz Casteler - 18200193 
 
Anatomia Geral – Odontologia - UFSC 
NERVO TRIGÊMIO 
 É o V par craniano, responsável pela sensibilidade de estruturas da face e a 
motricidade dos músculos da mastigação e outros 
 Origens: 
o Aparentemente: face antero-lateral da ponte e tronco encefálico fora do SNC 
 Mais gordinha: porção sensorial 
 Mais magrinha: porção motora 
o Real: núcleos do tronco encefálico 
 Núcleo mesencéfalo do n. trigemio 
 Núcleo sensitivo pontino (principal) do n. trigemio 
 Trato e núcleo espinal do n. trigemio 
 Núcleo motor do n. trigemio 
 Gânglio trigeminal 
o Formado logo na origem aparente do n. trigemio 
o Maior massa ganglionar do corpo humano 
 Único gânglio localizado no interior do crânio 
 Localizado na fossa craniana média, na porção petrosa – impressão 
trigeminal 
o Protegido por um recesso formado por camada dupla de dura-máter, além de 
pia-máter e aracnoide – 4 camadas de meninge 
o Banhado por liquido cerebroespinal (proteção adicional) 
 Neurônios responsáveis por sensibilidade exteroceptiva 
 Neurônios responsáveis