Aula 15 Direito do Trabalho I

Aula 15 Direito do Trabalho I


DisciplinaDireito do Trabalho I27.554 materiais482.625 seguidores
Pré-visualização2 páginas
DIREITO DO TRABALHO I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
1
Direito do Trabalho I
Conteúdo desta Aula
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Duração do trabalho
1
Horário de trabalho
3
PRÓXIMOS PASSOS
Jornada de trabalho
2
Jornadas especiais
4
HORAS EXTRAS
5
2
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornada de trabalho
Tempo em que o empregado fica à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens;
Artigo 4º da CLT: considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado esteja à disposição do empregador, aguardando ou executando ordens, salvo disposição expressamente consignada.
Jornada de Trabalho e Horário de Trabalho
3
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Horário de Trabalho
Abrange o período que vai do início ao término da jornada, como também os intervalos que existem durante o seu cumprimento (BARROS, 2014).
Jornada de Trabalho e Horário de Trabalho
4
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornada de Trabalho e Horário de Trabalho
A Constituição Federal, em seu artigo 7º, dispõe sobre a jornada de trabalho, nos seguintes termos:
8 horas diárias e 44 semanais, facultada a compensação de horas e a redução da jornada mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho (art. 7º, XIII da CF);
jornada normal de 6 horas para o trabalho em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva; (art. 7º, XIV);
elevação do adicional de horas extraordinárias para 50% no mínimo (art. 7º, XVI);
remuneração do trabalho noturno superior ao diurno (art. 7º, IX).
5
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornadas Especiais: Bancário, Telefonista, Cabineiro de Elevador, Turnos Ininterruptos de Revezamento, Aprendiz
Bancário
Jornada de 6 (seis) horas contínuas nos dias úteis, com exceção dos sábados \u2013 30 (trinta) horas semanais (art. 224, CLT);
Intervalo de 15 (quinze) minutos para alimentação;
Exceção: poderá ser excepcionalmente prorrogada até 8 (oito) horas diárias, não excedendo 40 (quarenta) horas semanais, observados os preceitos gerais sobre a duração do trabalho (art. 225, CLT).
6
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornadas Especiais: Bancário, Telefonista, Cabineiro de Elevador, Turnos Ininterruptos de Revezamento, Aprendiz
Bancário
Estas regras de jornada de trabalho não se aplicam aos que exercem funções de direção, gerência, fiscalização, chefia e equivalentes, ou que desempenhem outros cargos de confiança, desde que o valor da gratificação não seja inferior a 1/3 (um terço) do salário do cargo efetivo (art. 224, parágrafo 2º). 
7
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornadas Especiais: Bancário, Telefonista, Cabineiro de Elevador, Turnos Ininterruptos de Revezamento, Aprendiz
Telefonista
Empresas que explorem o serviço de telefonia, telegrafia submarina ou subfluvial, de radiotelegrafia ou de radiotelefonia: duração máxima de seis horas contínuas de trabalho por dia ou 36 (trinta e seis) horas semanais para seus operadores (art. 227, CLT);
Indeclinável necessidade de prorrogação da jornada: pagamento de horas extras com acréscimo de 50% (cinquenta por cento) sobre o seu salário-hora normal (art. 227,§ 1º -, CLT).
8
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornadas Especiais: Bancário, Telefonista, Cabineiro de Elevador, Turnos Ininterruptos de Revezamento, Aprendiz
Telefonista
Exceção: Não se aplica a tutela especial em questão ao empregado que se limita a manter contato com possíveis clientes, realizando vendas por telefone (operadores de telemarketing), sendo sua a iniciativa nas chamadas telefônicas. 
9
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornadas Especiais: Bancário, Telefonista, Cabineiro de Elevador, Turnos Ininterruptos de Revezamento, Aprendiz
Turnos ininterruptos de revezamento
A Constituição de 1988 assegura jornada de seis horas aos empregados que trabalham em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociações coletivas, que poderão fixá-la em número superior (art. 7º, XIV, da Constituição da República de 1988 \u2013 Orientação Jurisprudencial n. 169, da SDI-1 do TST). 
10
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornadas Especiais: Bancário, Telefonista, Cabineiro de Elevador, Turnos Ininterruptos de Revezamento, Aprendiz
Turnos ininterruptos de revezamento
Peculiaridade:
Segundo a orientação do Tribunal Superior do Trabalho (OJ n. 275, da SDI-1 do TST), inexistindo instrumento coletivo fixando jornada diversa, o empregado horista submetido a turno ininterrupto de revezamento faz jus ao pagamento das horas extraordinárias laboradas além da 6ª hora, bem como ao respectivo adicional.
11
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Jornadas Especiais: Bancário, Telefonista, Cabineiro de Elevador, Turnos Ininterruptos de Revezamento, Aprendiz
Aprendiz
Jornada de 6 (seis) horas diárias;
Proibição: trabalho em ambientes insalubres e perigosos, bem como no período noturno.
12
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Horas Extras e Variações de Horário
Acordo de prorrogação de horas
Conceito:
Ajuste de vontade feito pelas partes para que a jornada de trabalho possa ser prorrogada além do limite legal, mediante o pagamento de adicional de horas extras. O acordo pode ser feito por prazo determinado ou indeterminado (MARTINS, 2010).
13
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Acordo de prorrogação de horas
Segundo o artigo 59 da CLT, a duração normal do trabalho poderá ser acrescida de horas suplementares, em número não excedente de 02 (duas), mediante acordo escrito entre empregador e empregado, ou mediante contrato coletivo de trabalho;
Horas extraordinárias \u2013 adicional de no mínimo 50% (cinquenta por cento) sobre a hora normal;
CCT/ACT \u2013 possibilidade de adicionais superiores. 
Horas Extras e Variações de Horário
14
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Peculiaridade:
Súmula 340 do TST:
O empregado remunerado à base de comissões (comissionista puro), não fará jus ao pagamento da hora extra trabalhada, mas, tão somente do adicional de hora extra. 
Acordo de prorrogação de horas
Horas Extras e Variações de Horário
15
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Peculiaridade:
Não existindo instrumento coletivo fixando jornada diversa, o empregado horista subme­tido a turno ininterrupto de revezamento faz jus ao pagamento das horas extraordinárias laboradas além da sexta, bem como ao respectivo adicional (SDI 1 275). 
Acordo de prorrogação de horas
Horas Extras e Variações de Horário
16
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Peculiaridade:
Necessariamente por escrito, ou ainda, por meio de convenção ou acordo coletivo de trabalho.
Acordo de prorrogação de horas
Horas Extras e Variações de Horário
17
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Peculiaridade:
Cartões de Ponto:
Nas empresas com mais de 10 (dez) funcionários é obrigatório a existência de cartões de ponto, que poderão ser manuais, mecânicos ou eletrônicos, e deverão assinalar a entrada e saído do empregado na empresa;
Jornada \u201cbritânica\u201d. 
Acordo de prorrogação de horas
Horas Extras e Variações de Horário
18
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Peculiaridade:
Cartões de Ponto:
Súmula 366 do TST: não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário de registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários.
Acordo de prorrogação de horas
Horas Extras e Variações de Horário
19
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO DO TRABALHO
Acordo de prorrogação de horas
Proibição:
Menor de 18 anos;
Empregado cabineiro de elevadores;
Empregado bancário;
Empregado em tempo parcial;
Empregados em atividades insalubres ou perigosos: somente será possível com autorização prévia do Ministério do Trabalho.
Horas Extras e Variações de Horário
20
Direito do Trabalho I
AULA 15: DURAÇÃO