Aula 1 AF Sistemas e Dimensionamento PB
30 pág.

Aula 1 AF Sistemas e Dimensionamento PB


DisciplinaProjeto Hidro-sanitário30 materiais206 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 1
Sistemas Prediais de Suprimento de 
Água Fria \u2013 Sistemas e 
Componentes
Introdução
Uma instalação predial de água fria (temperatura ambiente) constitui-se no
conjunto de tubulações, equipamentos, reservatórios e dispositivos,
destinados ao abastecimento dos aparelhos e pontos de utilização de água da
edificação, em quantidade suficiente, mantendo a qualidade da água
fornecida pelo sistema de abastecimento.
A norma que fixa as exigências e recomendações relativas a projeto, execução
e manutenção da instalação predial de água fria é a NBR 5626, da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 2
Introdução
De acordo com a norma, as instalações prediais de água fria devem ser
projetadas de modo que, durante a vida útil do edifício que as contém,
atendam aos seguintes requisitos:
\u2022 preservar a potabilidade da água.
\u2022 garantir o fornecimento de água de forma contínua, em quantidade
adequada e com pressões e velocidades compatíveis com o perfeito
funcionamento dos aparelhos sanitários, peças de utilização e demais
componentes.
\u2022 promover economia de água e energia.
\u2022 possibilitar manutenção fácil e econômica.
\u2022 evitar níveis de ruído inadequados à ocupação do ambiente.
\u2022 proporcionar conforto aos usuários, prevendo peças de utilização
adequadamente localizadas, de fácil operação, com vazões satisfatórias e
atendendo às demais exigências do usuário.
Introdução
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 3
Sistemas de alimentação
Uma instalação predial de água fria pode ser alimentada de duas formas: pela
rede pública de abastecimento ou por um sistema privado, quando a
primeira não estiver disponível.
PÚBLICO
A alimentação da edificação é feita através de rede de água da
concessionária.
PARTICULAR
A alimentação é feita através de fontes como poços artesianos, etc.
Sistemas de alimentação
Quando a instalação for alimentada pela rede pública, a entrada de água no
prédio será feita por meio do ramal predial, executado pela concessionária
pública responsável pelo abastecimento, que interliga a rede pública de
distribuição de água à instalação predial.
Antes de solicitar o fornecimento de água, porém, o projetista deve fazer uma
consulta prévia à concessionária, visando a obter informações sobre as
características da oferta de água no local de execução da obra. É importante
obter informações a respeito de eventuais limitações de vazão, do regime de
variação de pressões, das características da água, da constância de
abastecimento, e outros que julgar relevantes.
Quando for prevista utilização de água proveniente de poços, o órgão público
responsável pelo gerenciamento dos recursos hídricos deverá ser consultado
previamente.
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 4
Sistemas de alimentação
Existem três sistemas de abastecimento da rede predial de distribuição.
SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DIRETO 
A alimentação da rede predial de distribuição é feita diretamente da rede
pública de abastecimento. Não existe reservatório domiciliar, e a distribuição
é feita de forma ascendente, ou seja, as peças de utilização de água são
abastecidas diretamente da rede pública.
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 5
Sistemas de distribuição
Vantagens:
\u2022 Água de melhor qualidade devido a presença de cloro residual na rede de
distribuição
\u2022 Menor custo da instalação, não havendo necessidade de reservatórios,
bombas, registros de bóia, etc.
Desvantagens:
\u2022 Falta de água no caso de interrupção no sistema de abastecimento ou de
distribuição;
\u2022 Grandes variações de pressão ao longo do dia devido aos picos de maior
ou de menor consumo na rede pública;
\u2022 Pressões elevadas em prédios situados nos pontos baixos da cidade;
Sistemas de distribuição
SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO INDIRETO
No sistema indireto, adotam-se reservatórios para minimizar os problemas
referentes à intermitência ou a irregularidades no abastecimento de água e a
variações de pressões da rede pública. No sistema indireto, consideram-se
três situações: sem bombeamento, com bombeamento e hidropneumático.
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 6
Sistemas de distribuição
Indireto sem bombeamento
Esse sistema é adotado quando a pressão na rede pública é suficiente para
alimentar o reservatório superior. O reservatório interno da edificação ou do
conjunto de edificações alimenta os diversos pontos de consumo por
gravidade; portanto, ele deve estar sempre a uma altura superior a qualquer
ponto de consumo. É o caso comum em residências de até dois pavimentos.
Sistemas de distribuição
Indireto com bombeamento
No sistema indireto a rede de distribuição do edifício é alimentada a partir de
um reservatório elevado. Usado se a pressão na rede que abastece o edifício
é insuficiente para alimentar o reservatório superior. Nesse caso, adota-se um
reservatório inferior, de onde a água é bombeada até o reservatório elevado,
por meio de um sistema de recalque. É o caso mais comum nos grandes
edifícios.
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 7
Sistemas de distribuição
Hidropneumático
Esse sistema de abastecimento requer um equipamento para pressurização
da água a partir de um reservatório inferior. Ele é adotado sempre que há
necessidade de pressão em determinado ponto da rede, que não pode ser
obtida pelo sistema indireto por gravidade, ou quando, por razões técnicas e
econômicas, se deixa de construir um reservatório elevado. Além do custo
adicional, exige manutenção periódica. Além disso, caso falte energia elétrica
na edificação, ele fica inoperante, necessitando de gerador alternativo para
funcionar.
Sistemas de distribuição
Hidropneumático
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 8
Sistemas de distribuição
SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO INDIRETO
Vantagens:
\u2022 Fornecimento de água de forma contínua, pois em caso de interrupções
no fornecimento, tem-se um volume de água assegurado no reservatório;
\u2022 Pequenas variações de pressão nos aparelhos ao longo do dia;
Desvantagens:
\u2022 Possível contaminação da água reservada devido à deposição de lodo no
fundo dos reservatórios e à introdução de materiais indesejáveis nos
mesmos;
\u2022 Menores pressões, no caso da impossibilidade de elevar o reservatório;
\u2022 Maior custo da instalação devido a necessidade de reservatórios, registros
de bóia e outros acessórios.
Sistemas de distribuição
MISTO
No sistema de distribuição mista, parte da alimentação da rede de
distribuição predial é feita diretamente pela rede pública de abastecimento e
parte pelo reservatório superior.
Instalações Prediais Hidrossanitárias
Prof. Gabriela Schneider de Sousa Bottega 9
Sistemas de distribuição
Recomenda-se como mais conveniente, para as condições médias brasileiras,
o sistema de distribuição indireta por gravidade, admitindo o sistema misto
desde que apenas alguns pontos de utilização, como torneira de jardim,
torneiras de pias de cozinha e de tanques, situados no pavimento térreo,
sejam abastecidos no sistema direto. A utilização dos sistemas de distribuição
direta ou indireta hidropneumática deve ser convenientemente justificada.
Sistema Predial de Água Fria
Subsistema de alimentação:
\u2022 ramal predial;
\u2022 cavalete / hidrômetro;
\u2022 alimentador predial.
Subsistema de reservação:
\u2022 reservatório inferior;
\u2022 estação elevatória;
\u2022 reservatório superior.
Subsistema de distribuição interna:
\u2022 barrilete;
\u2022 coluna;
\u2022 ramal;
\u2022 sub-ramal.