Fmu   DP.ADAP   DIREITO CONSTITUCIONAL   PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO
3 pág.

Fmu DP.ADAP DIREITO CONSTITUCIONAL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO


DisciplinaDireito Constitucional I47.732 materiais1.329.997 seguidores
Pré-visualização1 página
1) Unidade 03 \u2013 Princípios Constitucionais de Processo: 
 
Obs: Os Princípios são considerados \u201csupernormas\u201d em razão de serem normas gerais 
que exprimem valores do ordenamento jurídico, sendo, portanto, o ponto de 
referência para as demais regras que compõem o ordenamento jurídico, como explica 
Celso Antônio Bandeira de Mello ao definir os princípios como sendo mandamentos 
nucleares de um sistema, verdadeiros alicerces dele, e ainda disposições fundamentais 
que se irradiam sobre diferentes normas, compondo-lhes o espírito e servindo de 
critério para a sua exata compreensão e inteligência, exatamente por definirem a 
lógica e a racionalidade do sistema normativo, no que lhe confere a tônica e lhe dá 
sentido harmônico. É o conhecimento dos princípios que preside a intelecção das 
diferentes partes componentes do todo unitário que é o sistema jurídico positivo. 
Obs: Os princípios processuais constitucionais, conforme admitido pela doutrina 
majoritária, genericamente são os presentes no artigo 5º da Constituição, dentro do 
Título Dos Direitos e Garantias Fundamentais, dentre os quais analisaremos abaixo 
apenas aqueles considerados mais importantes: 
a) Princípio do Devido processo legal: 
\u201cNinguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal\u201d Art. 
5º, LIV, CF 
Considerado para a maioria da doutrina o Principio principal do qual irradiam os 
demais princípios, uma vez que a partir dele é possível garantir e serem observados 
direitos como: a citação e conhecimento do teor da acusação, o de provar por todos os 
meios a sua tese de defesa, direito ao contraditório e ampla defesa, à assistência 
judiciária e acesso gratuito à justiça, etc. 
b) Princípio da Isonomia 
\u201cTodos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos 
brasileiros e os estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à 
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade(...)\u201d Art. 5º, caput, CF 
Por este princípio verifica-se que as partes de um processo devem receber um 
tratamento idêntico pelo órgão jurisdicional, sendo oferecidos a ambas as partes as 
mesmas faculdades e oportunidades processuais para apresentarem os seus direitos. 
c) Princípio do Juiz natural 
\u201cNinguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente\u201d Art. 
5º, LIII, CF 
Por este princípio, apenas um órgão competente, conforme estabelecido pela 
Constituição Federal, pode processar e julgar o autor de um delito, vedando a criação 
de um Juízo ou Tribunal de exceção. 
d) Princípio do Contraditório e da Ampla defesa 
\u201cAos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são 
assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela 
inerentes.\u201d Art. 5º, LV, CF 
Este princípio também é considerado um dos basilares dos demais, tendo em vista a 
sua importância para o alcance dos direitos e garantias fundamentais, consistindo o 
contraditório no direito a informação e também no direito a participação, enquanto 
que a ampla defesa refere-se a oportunidade que deve ser dada a parte de um 
processo de provar os fatos alegados por todos os meios de provas 
e) Princípio da Publicidade dos Atos processuais 
\u201cA lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais quando a defesa da 
intimidade ou o interesse social o exigirem\u201d. Art. 5º, LX, CF 
Este princípio objetiva dar transparência aos procedimentos processuais, evitando 
abusos, podendo ser restringido em casos previstos em lei, como nas hipóteses dos 
artigos 792, § 1º, 476, 481, 482 e 272 do Código de Processo Penal, e nos casos 
descritos pelo artigo 155 do Código de Processo Civil. 
f) Princípio do Duplo grau de jurisdição 
Apesar de não haver nenhuma menção explícita deste princípio no texto 
constitucional, razão pela qual a doutrina diverge em considerá-lo ou não um princípio 
de processo constitucional, observa-se que este princípio é uma garantia que dá ao 
litigante de poder submeter a sua pretensão à um reexame a fim de que a decisão 
proferida em instância inferior seja analisada e julgada por instância ou grau superior, 
desde que cumpridos os requisitos estabelecidos em lei e na constituição. 
 
Questões de fixação: 
1) Cite três princípios constitucionais do processo e explique. 
2) Explique a diferença entre os princípios da ampla defesa e do contraditório. 
3) Explique o que significa o princípio do devido processo legal e a sua 
importância. 
4) Qual princípio constitucional do processo dá a oportunidade aos litigantes de 
terem suas pretensões analisadas novamente após decisão de primeira 
instância. 
Bibliografia: 
* SIQUEIRA JR., Paulo Hamilton. Direito Processual Constitucional. São Paulo: Saraiva, 
6ª edição, 2012. 
* CORREIA, Marcus Orione Gonçalves. Direito Processual Constitucional. 4ª ed. São 
Paulo : Saraiva, 2011. 
* MEDINA, Paulo Roberto de Gouvêa. Direito Processual Constitucional. Rio de Janeiro: 
Forense, 5ª edição, 2012. 
* BARROSO, Luis Roberto. Curso de Direito Constitucional contemporâneo. São Paulo: 
Saraiva, 5 edição, 2015. 
* MENDES, Gilmar Ferreira, COELHO, Inocêncio Mártires e BRANCO, Paulo Gustavo 
Gonet. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 10ª edição, 2015. 
* MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil interpretada e legislação 
constitucional. São Paulo: Atlas, 9ª edição, 2013.