EST180   02   Conceitos em Estatística
37 pág.

EST180 02 Conceitos em Estatística


DisciplinaEstatística I16.977 materiais104.051 seguidores
Pré-visualização3 páginas
CONCEITOS EM 
ESTATÍSTICA
PROF. DRA. PAULA DE CAMPOS OLIVEIRA
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 2
ESTATÍSTICA - CONCEITO
\u2022 Estatística (ou ciência Estatística) é um conjunto de técnicas
e métodos de pesquisa que entre outros tópicos envolve o
planejamento do experimento a ser realizado, a coleta
qualificada dos dados, a inferência, o processamento, a
análise e a disseminação das informações. (Portal Action)
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 3
ESTATÍSTICA
DESCRITIVA
\u2022 Parte que se ocupa com as técnicas de planejamento, coleta,
organização e resumo dos dados, utilizadas para interpretar as
características importantes de uma determinada situação.
INFERENCIAL
\u2022 Parte que se ocupa com as técnicas que generalizam os resultados
obtidos para um todo com base em apenas uma parte. Estas técnicas
também viabilizam a estimação ou previsão de eventos futuros, o que é
possível através do tratamento da variabilidade e da incerteza, com
técnicas e métodos da Teoria da Probabilidade.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 4
EVOLUÇÃO HISTÓRICA
\u2022 5000 a.C. e 3000 a.C., onde foram listados os presos de guerra e feita uma averiguação da
disponibilidade de recursos econômicos e humanos para a construção de pirâmides.Antiguidade
\u2022 Objetivo principal era fazer um balanço dos recursos do Estado, em especial, o que dizia respeito
aos tributos, armas e munições.Idade Média
\u2022 A Estatística era limitada a assuntos relacionados ao Estado, onde as autoridades políticas a
utilizavam para enumerar os recursos disponíveis. Foi chamada de - fase da Estatística Descritiva.Século XVI
\u2022 Surgimento do cálculo de probabilidade e a identificação da sua ligação com os conhecimentos
estatísticos, começou uma nova fase onde se procurava descobrir regularidades.Século XVII
\u2022 Surgimento da palavra Estatística. Desenvolvimento das primeiras representações gráficas e da
Estatística InferencialSéculo XVII
\u2022 A Estatística começou a ser usada, oficialmente, no Brasil. Em 1872 foi realizado o primeiro censo
populacional sob a coordenação do Visconde do Rio Branco (1819-1880).Século XIX
\u2022 No Brasil, em 1936, criado o IBGE. Desenvolvimento das áreas de planejamento de experimentos 
e controle de qualidade.Século XX
\u2022 No Brasil, já são mais de 30 cursos de graduação em Estatística. A Estatística não se limita mais às 
atividade ligadas ao Estado, e atinge às mais diversas áreas do conhecimento.Atualidade
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 5
CONCEITOS
\uf0d8Fenômeno Estatístico
\uf071É qualquer evento que se pretenda analisar.
\uf0d8Dado Estatístico
\uf071É um dado numérico e é considerado a matéria-prima sobre a qual iremos
aplicar os métodos estatísticos.
\uf0d8Rol de Dados
\uf071Conjunto dos dados brutos, sem qualquer organização, obtidos através da
realização de uma pesquisa estatística.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 6
CONCEITOS
\uf0d8População
\uf071Conjunto total de elementos portadores de, pelo menos, uma característica
comum. Estes elementos podem ser pessoas, animais, objetos, etc.
\uf0d8Amostra
\uf071Uma parcela representativa da população que é examinada com o propósito
de tirarmos conclusões sobre essa população.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 7
CONCEITOS
\uf0d8Censo
\uf071Técnica de pesquisa onde o conjunto total de elementos são analisados para
se obter conclusões de acordo com a variável de interesse.
\uf0d8Amostragem
\uf071Técnica de pesquisa onde uma parcela representativa do conjunto de
elementos são analisados afim de obter conclusões sobre a variável de
interesse.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 8
CONCEITOS
\uf0d8Parâmetros
\uf071São valores numéricos que existem na população e que servem para
caracterizá-la. Para definirmos um parâmetro devemos examinar toda a
população.
\uf0d8Estimativa (estatística)
\uf071É um valor aproximado do parâmetro e é calculado com o uso da amostra.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 9
CONCEITOS
\uf0d8Margem de Erro
\uf0d8Valor que representa a diferença máxima provável entre uma estimativa
(valor observado) e um parâmetro (valor verdadeiro), quando a pesquisa é
realizada utilizando técnicas de amostragem.
\uf0d8O tamanho da amostra é inversamente proporcional à margem de erro,
quanto maior o tamanho da amostra, menor a margem de erro possível.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 10
CENSO E AMOSTRAGEM
VANTAGENS
X
DESVANTAGENS
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 11
Por que utilizar amostragem?
\uf0d8Economia - em geral, torna-se bem mais econômico o levantamento de somente
uma parte da população;
\uf0d8Tempo - numa pesquisa pode não haver tempo suficiente para pesquisar toda a
população, mesmo que houvessem recursos financeiros abundantes;
\uf0d8Confiabilidade dos dados - quando se pesquisa um número reduzido de
elementos, pode-se dar mais atenção aos casos individuais, evitando erros nas
respostas;
\uf0d8Operacionalidade - é mais fácil realizar operações de pequena escala. Um dos
problemas típicos nos grandes censos é o controle dos entrevistadores.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 12
Quando é melhor o censo?
\uf0d8População pequena. Para termos uma amostra capaz de gerar resultados
precisos para os parâmetros da população, necessitamos de uma amostra
relativamente grande;
\uf0d8Características de fácil mensuração. Se a população não for tão pequena, mas a
variável que se quer observar é de tão fácil mensuração, não compensa investir
num plano de amostragem;
\uf0d8Necessidade de alta precisão.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 13
VARIÁVEL
\uf0d8É uma característica qualquer de interesse, que diz respeito à
população que será avaliada. Pode ser observada, contada ou
medida, em cada elemento.
\uf0d8Se divide em:
\uf071Qualitativa
\u2022 Nominal
\u2022 Ordinal
\uf071Quantitativa
\u2022 Discreta
\u2022 Contínua
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 14
VARIÁVEL QUALITATIVA NOMINAL
\uf0d8São características provenientes de uma nomeação, rotulação ou
classificação, podendo ser pessoas, objetos ou alguma qualidade em
especial. Esta variável pode assumir duas ou mais categorias, sendo
estas independentes uma da outra. Basicamente as características,
deste tipo de variável, não podem ser ordenadas.
\uf0d8Exemplos: gênero, religião, filiação partidária, profissões, estado civil,
raça, etc.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 15
VARIÁVEL QUALITATIVA ORDINAL
\uf0d8As características desta variável podem assumir várias categorias,
sendo que estas podem ser ordenadas da menor à maior, ou
simplesmente haver uma hierarquização pré-existente.
\uf0d8Exemplos: classe social, grau de escolaridade, hierarquização de um
conjunto de afirmações, atitudes de pessoas em relação a um
determinado fato, grau de satisfação, confiança, etc.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 16
VARIÁVEL QUANTITATIVA DISCRETA
\uf0d8Características normalmente resultantes de contagens, podendo
assumir valores em um conjunto finito ou infinito enumerável, e
assim, normalmente assumirá valores inteiros não negativos.
\uf0d8Exemplos: idade, salário, nº de faltas, nº de imóveis, nº de bens, etc.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 17
VARIÁVEL QUANTITATIVA CONTÍNUA
\uf0d8Características normalmente resultantes de uma mensuração, sendo
a escala numérica de seus possíveis valores correspondente ao
conjunto dos números reais, ou seja, esta variável pode assumir,
teoricamente, qualquer valor entre dois limites.
\uf0d8Exemplos: altura, peso, velocidade, pressão, temperatura, distância,
etc.
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 18
VARIÁVEL
QUALITATIVA
características e qualidades
NOMINAL 
categorias independentes
gênero, profissões
ORDINAL
categorias ordenadas
classe social, escolaridade
QUANTITATIVA 
quantidades numéricas
DISCRETA
contagens
número de filhos, renda familiar
CONTÍNUA
medições
altura, temperatura
Prof. Dra. Paula de Campos Oliveira 19
PARA PRATICAR
Como se classificam as variáveis abaixo:
a) Cor dos olhos dos alunos