A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Avaliação 3 Objetiva Final - Uniasselvi - Prova 5597652 - Disciplina - Gestão de Projetos (EPR20) - Aplicada em 12/06/2017

Pré-visualização|Página 1 de 4

D is cipl ina :
Gestão d e Proje tos ( EP R20)
Avalia ção:
A va liação F ina l (O bje t iva ) - Ind ivid ua l e se m Cons ult a ( Cod. :387182) (
peso. :3,00)
Prova:
5597652
N ota da
Prova:
9,00
Le ge nda : Re spo sta Ce rta Su a Re spo sta Erra da Que stã o Ca nce l a d a
1.
De acordo co m Va r gas (2003 ), pro jeto é um e mp ree nd ime nto ca ract er izado por uma
sequê nc ia gica de a t ividades co m ic io, me io e fi m, e de ve inc id ir por c r it ér io s de
ava liação p ara ver if icação dos e le me ntos de um pro jeto. Ass im, es tes c r it ér io s de ve m
no p la no de F ina nça s respo nde r a a lgumas q ue stões, co mo : A e mp resa terá ac esso a
fina nc ia me nto para se d ese nvo lve r e la nçar o prod uto? Qua l o re tor no sob re o
invest ime nto? Qua nto d inhe iro pode rá se pe rder se o s dese vo lvime ntos não fore m
pla nejados ? E stas q ue stões corre spo nde m a q ue c r itér ios d e a va lião,
respect iva me nte?
I- C ritér io d e Viab ilidade.
II- C ritér io de Ace itab ilidade
III- C r ité r io de V ulne rab ilidade.
A gora, as s ina le a a lter na t iva q ue aprese nta a seq uê nc ia CO R RET A :
FO N TE: VA RGAS, R ica rdo V ia na. Ge re nc ia me nto de proj etos : est abe le ce ndo
difere nc ia is co mpe t it ivos. 5. ed. R io de Ja ne iro : Br aspor t, 2003.
a)
II - I - III.
b)
III - II - I.
c)
I - III - II.
d)
I - II - III.
O gere nc ia me nto de pro jeto nec ess ita q ue as p essoas e ste ja m p reparada s para
dese mpe nhar s uas a t ivid ades e m eq uipe, co m funções e respo nsab ilidades b e m
definida s. De ntro des te co nte xto, as p r inc ipa is fer ra me ntas e téc nic as para ge re nc iar
a equipe do pro jeto são :
a)
A va liação da eq uipe de t raba lho, tre ina me nto da eq uipe, gere nc ia me nto das
at ivid ades e a ná lise d e prob le mas.
b)
O bserv ão e co nvers as, a va lião de de se mpe nho do p roje to, gere nc ia me nto de
conflit os e r e gis tro de prob le mas.
c)
Monta ge m da eq uipe de traba lho, a va lião pro fis s io na l e gere nc ia me nto das
at ivid ades.
d)
Capacitação da eq uipe, a va liação d e dese mp e nho e acer to de d ive r gê nc ias e
conflit os.
*
Obs e rvação: A q ue s tão núme ro 2 foi Ca nce lada.
3.
O va lor d e um pro jeto e stá d ire ta me nte re lac io nado aos se us c ustos co mo os rec urso s
e a mão de obra ut ilizada, este s de ve m s er ass e gurados pa ra a rea liza ção do pro jeto.

Para prepara r a es t imat iva de c us tos, q ua is são as infor mações impo rta ntes q ue te mos
que ter?
a)
b)
c)
d)
4.
É funda me nta l o p la ne ja me nto dos rec urso s huma nos e m pro je to s para q ue s e te nha
suce sso co m re la ção à e xec ução do p roje to, be m co mo a q ua lidade dos ser viços
rea lizados e e ntre gues. Ass im, pa ra se e vita r prob le mas, os rec ur sos huma no s do
projeto, de ve m se r obser vado s sob a lguns aspec tos impor ta nte s. De ntro des te
conte xto, c lass ifiq ue V pa ra as se nte nças ve rdade iras e F pa ra as fa lsas :
I- Ded icação adeq uada do te mpo.
II- Esco lha do gere nte de pro jeto.
III- Uso de um mode lo da or ga nização do pro jeto.
IV- Tre ina me nto par a apre nd izado das a tr ib uições e s uas ap licaçõe s.
Ass ina le a a lte r nat iva q ue apre se nta a seq uê nc ia CO RR ETA:
a)
V - F - F - F.
b)
F - V - F - V.
c)
V - V - V - V.
d)
V - V - V - F.
5.
A ná lise fina nce ira é a capa c idade de se a va liar a re ntab il idade e mp resa r ia l. A
ava liação e a interpre tação da s it uação eco nô mico - fina nce ira de uma e mpresa
centra liza- se e m a lgumas q ues tões funda me nta is, pa ra a or ga nização pode r pro mo ve r
a sobre vivê nc ia e o des e nvo lvime nto p rete nd ido pe la e mpr esa. De ntro d este
conte xto, c lass ifiq ue V pa ra as opções verdade iras e F pa ra as fa lsa s :
( ) Aná lis e de va lo r a gre gado.
( ) Eq uil íbr io fina nce iro.
( ) Cresc ime nto.
( ) Re ntab ilidad e dos cap ita is.
( ) Custos de inves t ime ntos.
Ass ina le a a lte r nat iva q ue apre se nta a seq uê nc ia C O RRE TA :
a)
F - V - V - V - V.
b)
V - V - V - V - F.
c)
F - V - V - V - F.
d)
V - F - F - F - V.
Em todas as a reas e xist e ntes, um dos ma ior es desa fios é d ife re nc ia r os rec ursos
huma nos e nvo lvidos e m dete r minado tr aba lho. N ão poder ia ser d ife re nte na área de
ges tão de pro jeto s, e m q ue a s tar e fas p ro gra madas para sere m e xec ut adas são
divid ida s e seq ue nc iadas de uma ma ne ira gic a para as p essoas q ue e xec uta rão
at inj a m o obj et ivo fina l. A c ha mada pa ra uma co munic ação infor ma l é de s uma

impor nc ia p ara q ue se gere nc ie uma eq uipe, pode ndo ver if icar o e stado de e sp ír ito
das pessoas e ob ser var s uas a t it ud es no d ia a d ia. Es t a fer ra me nta para gere nc iar a
equipe pode ser d e finida co mo :
I- O bservação e co nversas.
II- Gere nc ia me nto de co nflit os.
III- A va liações d e dese mp e nho.
IV- Re gistro d e prob le mas.
A gora, as s ina le a a lter na t iva C O R RETA :
a)
Some nte a opção IV e stá co rret a.
b)
Some nte a opção I est á corre ta.
c)
As opções I, II e III e stão co rre tas.
d)
As opções II e I V es tão cor retas.
*
Obs e rvação: A q ue s tão núme ro 6 foi Ca nce lada.
7.
O gere nc ia me nto da inte graç ão é s ubd ivid ido e m se te proces sos, e m q ue um de les
trata d a e xec ução do traba lho de finido no p la no d e gere nc ia me nto do pro jeto pa ra
at ingir os req uis itos do p roje to de finidos na de c lar ação do escopo do p roje to
(Var ga s, 2003). Co mo pode mos c ha mar es te proc esso?
FO N TE: VA RGAS, R ica rdo V ia na. Ge re nc ia me nto de Proje tos : estab e lece ndo
difere nc ia is co mpe t it ivos. 5. ed. R io de Ja ne iro : Br aspor t, 2003.
a)
O rie ntar e gere nc iar a e xec ução do projeto.
b)
Dese nvo lver a dec laração do escopo pre li mina r do proje to.
c)
Monitor ar e co ntro la r o traba lho do p roje to.
d)
Contro le inte grado d e muda nça s.
8.
U ma ve z a t ingido o obje t ivo fina l do proj eto, o u se ja, s ua co nc lusão, de ve- se fa zer
um e ncerr a me nto or ga nizado do proj eto, q ue pode s e re flet ir e m a lgumas t are fa s,
co mo arq uiva me nto de doc ume ntos, me mór ia viva do proje to, a va liação do p roje to,
lições ap re nd ida s. Fa z par te da me lhor ia co nt ínua do dese mpe nho da or g a nização, e
ser ve m pa ra a pre stação de co ntas pa ra o pro jeto e pa ra a ná lise do s acer tos e fa lhas
do própr io pro jeto, a q ua l pode ser de no minada :
I- Memó r ia viva do pro jeto.
II- Arq uiva me nto d e doc ume ntos.
III- A va liação do p roje to
IV- Book de lições ap re nd ida s.
A gora, as s ina le a a lter na t iva C O R RETA :
a)
Some nte a opção IV e stá co rreta.
b)
Some nte a opção III e stá co rre ta.
c)
Some nte a opção II es tá cor reta.
d)
Some nte a opção I est á corre ta.
9.
Q uatro at it udes s ão e nvo lvidas para funda me ntar a respos ta aos r isco s ao pro jeto, a