Assunto para estudo na área da administração
45 pág.

Assunto para estudo na área da administração


DisciplinaAdministração159.648 materiais1.141.172 seguidores
Pré-visualização5 páginas
WEB-AULA 1
COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM
RUMO À PRODUÇÃO DE TEXTOS
Objetivos de aprendizagem: o objetivo desta unidade é fornecer recursos e estratégias para a produção de textos. Vamos iniciar nosso estudo com as unidades menores, as frases e orações, passando pelo período, até chegar ao estudo do parágrafo. Trataremos da coesão e da clareza como requisitos fundamentais para a qualidade dos textos. Analisaremos como se processam as relações de sentido que estabelecem entre as partes do texto e os diversos fatores que contribuem para sua unidade. Por fim, passaremos a estudar duas modalidades de texto bastante utilizadas na vida acadêmica e profissional: o relatório e a monografia.
Imagine uma situação corriqueira. Você sai para passear com o seu cachorro e encontra um vizinho:
- E aí, beleza?
- Tudo em paz.
Vocês trocam duas frases e cada um segue o seu caminho.
As frases podem ser limitadas, na escrita, pelo ponto final, ponto de interrogação ou ponto de exclamação. Para interpretarmos corretamente as frases, precisamos conhecer as situações de comunicação e os interlocutores. Vamos a outros exemplos. Imagine agora o contexto de cada uma das seguintes frases:
Chega de saudade.
Que pena!
Como assim?
Goooool!
Sei lá!
Parabéns!
Pois é.
Tal pai, tal filho.
As frases são ricas de inflexões, emoções e sentidos implícitos, e dependem de um contexto para serem interpretadas.
As menores unidades linguísticas que podemos analisar (decompor) são as orações.
Geralmente as orações compõem-se de sujeito e predicado, é assim que são analisadas gramaticalmente. Vejamos alguns exemplos de orações:
A água / ferve a 100°C.
sujeito                predicado
Meus filhos / adoram comer cereais com banana amassada.
sujeito             predicado
Quem tudo quer / tudo perde.
sujeito                    predicado
Quando temos apenas uma oração, dizemos que estamos diante de um período simples. No entanto, quando várias orações estão entrelaçadas num mesmo período, estamos diante de um período composto.
COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO
Observe o seguinte período:
Amanda chegou, abriu o envelope e deu um grito de alegria.
Temos três orações, todas independentes entre si. Dizemos que as orações são coordenadas.
Observe agora este outro período:
Ela descobriu / que tinha tirado o primeiro lugar no concurso.
Neste caso, temos duas orações, mas a segunda depende da primeira, ou seja, ela é subordinada à primeira.
Podemos construir o período de duas formas:
Por coordenação: As orações são independentes e têm valor sintático idêntico.
Por subordinação: A oração subordinada depende de uma outra oração, que chamamos de oração principal.
Para construir os períodos por coordenação, usamos conectivos, como as conjunções, e, mas, porém, todavia e assim por diante.
Exemplo: Gosto de escrever,/ mas ainda tenho muito o que aprender.
orações coordenadas
Para construir os períodos por subordinação, também usamos conectivos, como o pronome relativo que, e muitos outros como onde, quando, o qual, conforme, enquanto, embora, ainda que e assim por diante.
Exemplo: Não sabia / que você já tinha chegado.
oração principal       oração subordinada
Para construir os períodos por subordinação, também podemos usar o verbo nas formas reduzidas:
Exemplo: Detesto /esperar o ônibus. (infinitivo)
Vou levando a vida, cantando. (gerúndio)
Afobada, chegou em cima da hora. (particípio)
A coordenação e a subordinação são dois procedimentos básicos na construção de textos, seja em orações, períodos ou em parágrafos. O procedimento de coordenar ou subordinar ajuda também a organizar textos do ponto de vista semântico, isto é, da organização do sentido. Coordenar significa colocar lado a lado, criar um paralelismo entre elementos que apresentam alguma semelhança. Subordinar, por sua vez, significa criar uma hierarquia, mostrar diferenças entre elementos. Observe o parágrafo seguinte, escrito por um aluno e publicado no Banco de Redações do site UOL Educação:
Seria muito melhor se o Brasil se preocupasse mais em otimizar a utilização da energia e fontes de energia já disponíveis, evitando desperdícios, do que gastar em algo que a princípio é inviável e que de qualquer forma não resolveria os problemas energéticos brasileiros.
Disponível em: ).
O trecho apresenta um problema de paralelismo sintático, não é mesmo? Uma possível solução para colocar os dois elementos em paralelismo seria a seguinte:
Seria melhor otimizar a utilização das fontes de energia já disponíveis, evitando desperdícios, do que gastar com fontes de energia que a princípio são inviáveis e que de qualquer forma não resolveriam os problemas energéticos brasileiros.
Observe agora como o texto reescrito estabeleceu uma comparação entre os dois elementos e deixou clara uma hierarquia entre eles:
otimizar a utilização de fontes de energia já disponíveis (mais importante)
gastar com fontes de energia que a princípio são inviáveis (menos importante)
Parágrafo
Para construir textos, organizamos os períodos em parágrafos.
De modo geral, pode-se imaginar que uma redação simples contenha um parágrafo inicial para introduzir o assunto de que se vai tratar, de dois a quatro parágrafos para desenvolver o tema ou expor a argumentação e um parágrafo para a conclusão.
Conforme a extensão do texto, o número de parágrafos para cada uma dessas partes também aumentará proporcionalmente, é claro.
Não há, também, um número fixo de linhas para cada parágrafo, embora parágrafos de apenas uma linha ou de mais de dez ou doze linhas não sejam muito usuais.
O que determina a extensão do parágrafo é o assunto que está sendo tratado. De maneira geral, cada parágrafo apresenta um único núcleo ou tópico frasal. De acordo com Othon Moacir Garcia, que estudou o tema no livro Comunicação em prosa moderna (1983), o parágrafo é uma unidade de composição em que se desenvolve uma ideia central, em que se agregam outras, secundárias mas intimamente relacionadas pelo sentido.
O parágrafo permite isolar as ideias principais do texto e faz o leitor acompanhar o texto nos seus diferentes estágios.
De modo geral, o parágrafo-padrão possui duas partes: a introdução, representada na maioria dos casos por um ou dois períodos curtos iniciais, em que se expressa de maneira sucinta a ideia-núcleo e um desenvolvimento.
A QUALIDADE DO TEXTO
O texto de qualidade não obedece a um padrão único. O que chamamos de qualidade do texto deriva de uma série de fatores que, juntos, contribuem para torná-lo eficaz e adequado. Vamos estudar alguns destes fatores.
A coesão textual
A relação harmoniosa entre as diversas partes de um texto, essencial para a boa redação, chama-se coesão. E são os conectivos os responsáveis por estabelecerem relações de sentido entre as ideias. Por isso são tão importantes. Apresentamos, então, o Quadro 7.1, com os principais conectivos e suas relações de sentido.
Quadro 7.1 Os principais conectivos e seus significados
A clareza
Precisamos também conhecer outros elementos que conferem qualidade ao texto. Entre eles está a clareza, que torna a comunicação altamente eficaz, ao atingir seus objetivos junto ao receptor.
Como obter clareza
Nossos textos, até meados da década de 80, valorizavam construções prolixas e rebuscadas, com vocabulário sofisticado.
A partir de 1990, o ritmo acelerado da vida moderna e a sobrecarga de processos direcionaram o estilo para uma maior facilidade de leitura, o que se refletiu em vocabulário simples e frases mais curtas e diretas.
Assim, a diretriz contemporânea é a simplicidade. Mas atenção! A simplicidade textual moderna não é a da pobreza de vocabulário nem a da supressão de informações que irão subsidiar análises complexas. É uma forma de expressão linguística em que o conteúdo da informação possa advir sem maiores dificuldades para o destinatário.
Evite ser prolixo
É fácil encontrarmos exemplos de mensagens prolixas em que a forma ilude o que realmente importa \u2014 o conteúdo. É comum observarmos a ida e vinda de assuntos, apontando para