Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
Microfone

Pré-visualização | Página 1 de 1

Microfone 
Aparelhos de Amplificação Sonora Individual
INTRODUÇÃO
Para compreender a fala é necessária a integridade anatomofuncional do sistema auditivo periférico e central.
2
Fig. da via auditiva para explicar o primeiro paragrafo
INTRODUÇÃO
3
Fig. da via auditiva para explicar o primeiro paragrafo
Figa da 
INTRODUÇÃO
Controle do ruído
Compreensão de fala
Desempenho geral na compreensão
4
Fig. da via auditiva para explicar o primeiro paragrafo
Figa da 
INTRODUÇÃO
Os AASI atuais são classificados, segundo a tecnologia do circuito eletrônico, em:
Analógicos 
Digitais
Magni C, Freiberger F, Tonn Kl. 2005
5
APARELHOS AUDITIVOS
Os AASIs são pequenos aparelhos eletrônicos compostos por um microfone e um alto falante.
O usuário ouve os sons que o rodeiam de forma amplificada e em intensidade adequada ao seu tipo de perda auditiva. 
Entretanto, a amplificação do aparelho não pode superar o limiar de desconforto, que é o momento em que se determina o limite de tolerância ao som em cada frequência.
Gonçalves MS, Tochetto TM, Gambini C. 2007
6
6
APARELHOS AUDITIVOS
7
APARELHOS AUDITIVOS
8
MICROFONE
Os microfones são transdutores eletroacústicos responsáveis pela transformação da onda sonora em energia elétrica.
Teixeira AR, Garcez V. 2015
9
MICROFONE
Vantagens x Desvantagens
10
Makiyama DAA. 2011
Teixeira AR, Garcez V. 2015
MICROFONE
11
Teixeira AR, Garcez V. 2015
MICROFONE
12
12
MICROFONE
Considerações básicas que devem ser observadas na escolha de um microfone:
Impedância;
Princípio de operação;
Resposta em frequências;
Direcionalidade. 
Teixeira AR, Garcez V. 2015
13
13
MICROFONE
Quanto a resposta à direcionalidade da fonte sonora, os microfones podem ser divididos em:
Omnidirecionais: captam a incidência da onda sonora igualmente em todos os ângulos, a entrada do som é por uma única abertura.
Direcionais:captam de forma variável a onda sonora vinda de diferentes ângulos e possui duas aberturas para entrada do som.
Makiyama DAA. 2011
Teixeira AR, Garcez V. 2015
14
14
MICROFONE
A direcionalidade dos microfones pode ser obtida por três formas:
Microfone com duas aberturas para a entrada da onda sonora, sendo uma delas na frente e a outra atrás do diafragma.
A onda sonora pode entrar em qualquer uma das aberturas que, normalmente, estão localizadas em posição anterior e posterior e no plano horizontal do ASSI.
O som vindo da direção traseira atinge primeiro a abertura posterior do microfone
Teixeira AR, Garcez V. 2015
15
15
MICROFONE
Dual composto por dois microfones omnidirecionais combinados, um localizado na região anterior e outro na região posterior do AASI.
A mudança de ominidirecional para direcional é feita pelo próprio paciente de forma manual ou de forma automática a partir da programação feita pelo fonoaudiólogo e pelas características acústicas do ambiente.
Teixeira AR, Garcez V. 2015
16
16
MICROFONE
Uso combinado de três microfones para obtenção da direcionalidade e para melhoria da relação sinal/ruído.
O sinal pode ser processado em duas etapas de subtração entre os microfones existentes. Os microfones podem ser colocados perpendicularmente ou paralelamente em relação a direção do som.
Teixeira AR, Garcez V. 2015
17
17
MICROFONE
Além dos microfones direcionais fixos, existem microfones direcionais adaptativos:
Considerados superiores aos direcionais fixos em condições específicas, permitindo que sejam feitas modificações no sinal de ruído que não se encontram com localização fixa.
18
18
MICROFONE
Direcionalidade adaptativa multibanda:
Os algoritmos definem automaticamente o modo de uso, omnidirecional ou direcional, de forma independente e em várias regiões de frequências. Assim, para diferentes faixas de frequência podem existir diferentes padrões de polaridade.
19
19
MICROFONE
O posicionamento do microfone direcional sempre deve ser observado pelo fonoaudiólogo.
As aberturas devem ficar paralelas ao solo, devem ser de forma que o usuário continue recebendo o som, mesmo quando movimenta a cabeça.
20
20
RUÍDO
Os algoritmos de redução de ruído têm como objetivos melhorar a inteligibilidade de fala, aumentar o conforto e reduzir o esforço auditivo do usuário de AASI quando na presença de situações onde a relação S/R é desfavorável.
Quintino et. al 2010
21
21
RUÍDO
Os microfones direcionais apresentam sensibilidade diferente de acordo com o ângulo de incidência da onda sonora. 
Estes microfones, geralmente, são mais sensíveis aos sons vindos da frente do usuário. 
Quintino et. al 2010
22
22
RUÍDO
23
23
RUÍDO
Uma condição importante para que a direcionalidade seja obtida é a existência de espaço suficiente para que haja uma distância entre as diferentes aberturas do microfone, em um design convencional, ou entre os diferentes microfones, em um design dual.
Quintino et. al 2010
24
24
RUÍDO
Tal fato, muita vezes, pode impedir a utilização de microfones direcionais em casos onde o tamanho do AASI, isto é, o aspecto estético é o fator de maior importância a ser considerado. 
Quintino et. al 2010
25
25
RUÍDO
Além do benefício estético, uma das principais vantagens dos AASI intra-aurais, em particular os intra-canais e microcanais, é a utilização das características acústicas da orelha externa, gerando, entre outros fatores, maior ênfase na amplificação de alta frequência e a melhora significativa na direcionalidade. Tais fatores podem favorecer o desempenho do usuário em ambientes ruidosos.
Quintino et. al 2010
26
26
CONCLUSÃO
Os microfones presentes nos aparelhos auditivos são importantes componentes que contribuem para o reconhecimento da fala do usuário. 
Muitos são os fatores que contribuem para o uso bem sucedido da amplificação e sabe-se que enquanto não ocorrer aceitação quanto à perda auditiva e o uso do AASI nunca haverá satisfação, assim como nem toda aceitação e benefício com relação ao aparelho não são parâmetros suficientes para garantir a satisfação
27
27
CONCLUSÃO
Atualmente, diversos fatores que podem interferir no uso do AASI pelos pacientes protetizados podem ser avaliados por meio de protocolos validados. A autoavaliação é um procedimento simples, rápido e eficaz que possibilita a avaliação do indivíduo no seu processo de adaptação do AASI. Este procedimento permite fazer a comparação entre diferentes aparelhos e/ou regulagens, assim como a avaliação do benefício do uso do AASI no decorrer de um tempo, o que possibilita ao usuário reconhecer as vantagens oferecidas com a adaptação do AASI em relação às dificuldades auditivas e desvantagens psicossociais.
28
28