Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Questões de química do solo

Pré-visualização | Página 1 de 2

1. Do que depende a composição mineralógica do solo?
R: A composição mineralógica do solo depende do material de origem e do grau de intemperização a que esteve submetido
2. Por que os solos das regiões tropicais têm composição mineralógica diferente de solos originados 
R: Porque as rochas, que são o material de origem dos solos e fonte primária dos nutrientes das plantas, são vulneráveis a processos físicos, químicos e biológicos (intemperismo), que resultam na alteração e desintegração dos minerais originalmente presentes, formando novos minerais e liberando íons. Nas regiões tropicais predominam temperaturas elevadas e alternância entre estações secas e úmidas, enquanto que as regiões temperadas são caracterizadas pelas quatro estações do ano bem demarcadas e temperaturas mais amenas. Dessa forma, devido aos diferentes processos aos quais as rochas são submetidas, encontramos solos com composições mineralógicas distintas. em condições temperadas?
3. O que caracteriza um mineral primário? E um mineral secundário? Dê um exemplo de cada.
	R: Os minerais primários são formados em temperaturas elevadas e, emgeral, são derivados de rochas ígneas ou metamórficas, mas podem também ser herdados de rochas sedimentares. Exemplo de minerais primários comuns em solos são o quartzo e os feldspatos em menores quantidades são piroxênios, olivinas, micas e anfibólios.
Minerais secundários (ou pedogênicos): são originados da alteração dos minerais primários. E predominam na fração argila. Os minerais formados são aluminossilicatos: como a caulinita, a vermiculita, as esmectitas óxidos, hidróxidos e oxihidróxitos.
4. Em que frações do solo ocorrem, principalmente, os minerais primários? E os minerais secundários?
	R: Primario na fração granulométrica mais grosseira do solo (> 2mm) e secundário na fração argila ( < 0,002mm)
5. Quais são os minerais secundários comuns em solos?
R: Aluminossilicatos: como a caulinita, a vermiculita, as esmectitas óxidos, hidróxidos e oxihidróxitos.
6. O que diferencie minerais não silicatados de minerais silicatados?
R: Não silicatados: denominados por não apresentar atmos de solicios na sua estrutura. Os principais são aletos, sulfatos, carbonatos, sulfetos, óxidos, hidróxidos, oxihidróxido e fosfato.
Minerais silicatados: denominados por os minerais mais comuns devem conter silícios r oxigênio na estrutura cristalina, constituindo o grupo mineral denominados silicatos. Os principais minerais silicatados são nesossolicatos, sorrossilicatos, inossilicatos, ciclossilicatos, tectossilicatos e filossilicatos
7. Relacione três minerais não silicatados com a influência dos mesmos no solo.
Sulfetos: a pirita (FeS2) é o principal mineral dessa classe ocorre em solos tiomórficos, solo constituído por carvão ou naqueles formados de sedimentos marinhoso, a pirita causa problemas de acidificação quando oxida, devido a formação do ácido sulfúrico, qual provoca uma diminuição de pH nos valores incontáveis com o desenvolvimento das plantas 
Haletos, Sulfatos e carbonatos são classes de minerais com estruturas relativamente simples. As ligações entre os cátions e ânions que compõe sua estrutura são predominantes iônicas. Os principais representantes são a halita (NaCl), o gesso (CaSO4.2H2o) e a Calcita (CaCO3) e a dolomítica (Ca Mg) CO3. São encontrados em regiões semiáridas, que tem baixa disponibilidade de água para intemperizá-la 
8. Qual a unidade fundamental de formação de um mineral silicatado? Faça um desenho esquemático de sua estrutura.
A unidade de formação é um tetraedro de silício com composição Si44- onde o átomo de silício está coordenado a quatro átomos de oxigênios 
9. Descreva sinteticamente as características e estrutura dos filossilicatos.
	Devido a sua maior importância no solo, os minerais da classe dos filossilicatos, também denominados argilominerais. Minerais da fração argila do solo, apenas parte dos minerais primários constituintes das rochas ocorrem nos solos; a sua porção depende do seu teor no material de origem, da sua estabilidade à alteração, bem como do estádio de intemperização do solo; os mais estáveis são concentrados na fração areia e silte do solo. Argilominerais tem este nome pelo fato de ocorrer dominantemente na fração argila dos solos. São silicatos com estrutura em camadas, formadas por lâminas tetraedrais de silício ou alumínio unidas a lâmina octaedrais 
10.Quais as principais características estruturais da caulinita? Por que ela confere boas propriedades físicas nos solos onde ela ocorre?
É um argilomineral do tipo 1:1 não-expansivo, a ligação entre as camadas é forte e por isso, o espaço entre elas é muito reduzido para a penetração de água ou íons; as cargas positivas estão em equilíbrio com as negativas, resultando numa estrutura neutra. Pode ser formada a partir de diferentes minerais, em solos onde ocorra a remoção parcial de cátions básicos e de sílica, por isso é dominante na maioria dos solos de regiões tropicais e subtropicais. Por ser não-expansiva confere boas características físicas aos solos, como boa agregação, aeração e permeabilidade à água. 
11.Por que a caulinita apresenta baixa capacidade de troca de cátions? 
Porque as cargas negativas (pH maior) atraem cátions da solução do solo para manter o equilíbrio eletrostático mineral.
12.A mica é um filossilicato do tipo 2:1. O que isso significa? Qual a sua importância para a nutrição das plantas?
Sim, a mica é um argilomineral do tipo 2:1 não expansivos, apresenta uma distancia basal de 1 nm. A sua rigidez das ligações dentre as camadas deve-se à presença de íons potássio entre as mesmas impedindo a penetração de moléculas de água ou íons, e consequentemente expansão das micas. A presença da mica no solo faz com que seja liberado o potássio paras a plantas, cerca de 7 a 14%. O potássio liberado durante a alteração das micas pelo intemperismo, transformando-os em outros argilominerais como a vermiculita, esmectita ou interestratificados com esses minerais 
13.Quais as principais características estruturais das esmectitas? Por que elas não conferem boas propriedades físicas nos solos onde ela ocorre?
As esmectitas compreendem um grupo de argilominerais 2:1 expansivo, dos quais o mais comum é a montmorilonita. As características estruturais são semelhantes à vermiculita, porém as substituições isomórficas são predominantes na lâmina octaedral, onde o Mg2+ ocupa o lugar do Al3+. Assim a distancia basal é maior e varia 1 e 2 nm. Não conferem boas propriedades físicas por conta de sua alta capacidade de expansão e contração, as esmectitas conferem uma alta plasticidade e pegajosidade aos solos quando úmidos e fendilhamentos e consistência dura a muito dura quando seco, diante disso acaba tornando o manejo de solo esmectíticos em condições extremas de umidade e secamento muito difícil.
14.Qual a principal diferença entre uma vermiculita e uma esmectita?
A vermiculita apresentam um espaçamento basal que pode variar de 1 nm a 1,5nm, já a esmectita possui uma distância basal maior (entre 1 nm e 2 nm) e a capacidade de troca é de 50 a 160 cmolc kg-1 devido as substituições isomórficas serem predominantes na lâmina octaedral, onde o Mg2+ ocupa o lugar do Al3+
15.Que condições favorecem a formação da goethita? Que cor este mineral confere aos solos? Em que regiões do PR esse mineral ocorre com maior frequência?
	A goethita tende a ser o único óxido de ferro presente em solos de regiões frias e úmidas, com teores elevados de matéria orgânica e pH ácido, que imprimem cores amarelados e vermelhas aos solos. Se expressa em Palmas, General Carneiro e União da Vitória 
16.Que condições favorecem a formação da hematita? Que cor este mineral confere aos solos? Em que regiões do PR esse mineral ocorre com maior frequência?
 A hematita está presente em maior porção do que a goethita em solos de regiões quentes em maior proporção do que a goethita em solos de regiões mais quentes. Se expressa no Sudoeste (Pato Branco), oeste (Palotina, Santa Helena)
17.Cite
Página12