Um guia de sobrevivência para estudantes de engenharia
2 pág.

Um guia de sobrevivência para estudantes de engenharia


DisciplinaAlta Ajuda274 materiais201 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Um guia de sobrevivência para os estudantes
de engenharia

By Richard M. Felder (North Carolina State University)
Tradução e adaptação: Marcelo S. Rabello (DEMa / UFCG)
As reclamações de um estudante de engenharia são comuns:
\u201cEu não estou indo bem nesse semestre. No próximo será diferente\u201d.
\u201cNunca consigo chegar no horário certo, especialmente na aula das 8 da manhã\u201d.
\u201cO professor enche o quadro com fórmulas e deduções e não consigo acompanhar

tudo!\u201d.
\u201cOs livros nunca vem com exemplos claros, que todos possam entender\u201d.
\u201cNa prova o professor nunca pede exatamente como mostrou em sala\u201d.
\u201cO final de semestre é estafante demais: tem 3° estágio, reposição, final, tudo junto.

Os professores deveriam facilitar um pouco mais...\u201d
Todas essas reclamações e comentários são comuns. No meu tempo de estudante
também era assim \u2013 e eu reclamava quase do mesmo jeito. Infelizmente as suas
reclamações não irão resolver nada. Neste artigo irei propor algumas maneiras para
você aumentar sua produtividade e os seus resultados acadêmicos.
Antes de qualquer coisa, é preciso ter consciência de que não é o seu professor que
faz a sua vida universitária um inferno. O problema real é que na sua vida inteira
você recebeu uma mensagem assim: \u201cMeus professores sabem tudo e detém toda a
verdade. A função deles é transmitir todo o conteúdo nas aulas e a minha função é
absorver e repetir o conteúdo nos trabalhos e provas. Se eu consigo fazer isso eu
provei que aprendi... e isso é tudo o que eu preciso.\u201d

ERRADO!!!
Esse pensamento poder até ter funcionado no colégio, mas na universidade a coisa
começa a mudar de figura. Por que? Porque a universidade tem a obrigação de lhe
preparar para a vida profissional. Veja só como será diferente no ambiente de
trabalho:
Não existem professores, aulas, trabalhos ou provas. Existem apenas problemas \u2013
muitas vezes pouco definidos \u2013 e soluções que podem ser viáveis ou não. Os
caminhos para solucioná-los devem passar necessariamente por fatores econômicos,
realidade de mercado, treinamento e envolvimento de pessoal, etc. Aspectos, diga-se
de passagem, raramente observados nos cursos de engenharia. Para tornar o
problema ainda maior, você não mais terá um crédito parcial se problema não for
totalmente resolvido \u2013 mesmo que você utilize as fórmulas corretas. Se você projeta

10 reatores e um deles explode, acredite, eles não vão te dar nota 9,0 e te
parabenizar!
Se você observar a realidade lá fora, notará que existem centenas ou milhares de
engenheiros \u2013 a maioria nem tão inteligente quanto você \u2013 que está sobrevivendo
no mercado de trabalho. Decidindo o que precisa ser feito e resolvendo problemas.
Essas pessoas, curiosamente, tiveram as mesmas dificuldades que você teve na
universidade e provavelmente nunca chegaram a entender completamente o
conceito de entropia, por exemplo.
Como eles conseguem? Ora, eles sabem algumas poucas coisas que você ainda não
aprendeu!
Logo no início da vida profissional eles aprenderam que não podem contar sempre
com alguém para dizer tudo o que eles precisam saber para resolver os problemas.
Eles aprenderam como encontrar sozinhos e o que eles precisam saber e que existe
muita ajuda disponível se eles souberem onde buscá-la.
Eles aprenderam que na vida profissional não pode deixar os problemas para a
\u201creposição\u201d, como você sempre faz com suas provas!
Esses engenheiros aprenderam a partir da necessidade. A partir da pressão por
resultados. O que gostaria de atingir com essa contribuição é ajudá-lo nesse bate-
cabeça de início e até mesmo auxiliá-lo no restante da sua vida universitária. Dê
uma chance a essas idéias. Você não terá nada (absolutamente nada!) a perder. E
poderá ganhar muito na sua carreira.
Descubra o que você precisa para o conteúdo do curso ficar mais claro
Os alunos têm estilos de aprendizagem diferentes. Isto é, a maneira como cada um
percebe e processa a informação varia muito. Isto gera um problema quando o seu
estilo de aprender não combina com o estilo de ensino do professor. Os estudantes
de engenharia reclamam muito desse problema. Veja alguns exemplos:
\u2022 Para entender direito eu preciso de aplicações práticas, do mundo real. Mas tudo

que eu vejo nas aulas é teoria, teoria, teoria \u2013 que não tem nada a ver com a
realidade.

\u2022 Eu preciso exercitar com exemplos para entender as fórmulas e teorias
matemáticas, mas o professor só mostra exemplos triviais ou não mostra
exemplo nenhum.

\u2022 Eu preciso entender por que e como as coisas funcionam, mas nas aulas só tem
fórmulas e teorias para decorar.

\u2022 Eu entendo melhor o que eu vejo \u2013 figuras, gráficos, esquemas \u2013 muito mais do
que eu escuto ou leio, mas nas aulas só se tem textos e fórmulas.

\u2022 Eu só aprendo fazendo! Cadê as aulas práticas?

Identificar o seu problema nas aulas é a primeira etapa para solucioná-lo. Uma vez
que você identifica o que está faltando, você poderá buscar procedimentos adicionais
para suprir deficiências.
Peça ajuda ao seu professor, dentro e fora da sala de aula
Ao contrário das conversas de corredores, a maioria dos professores realmente se
esforça para que os alunos aprendam. A propósito, uma reclamação comum dos
professores é que os alunos quase nunca participam das aulas, a não ser quando
têm certeza que um determinado assunto vai \u201ccair\u201d na prova!
Se você não entende um ponto, solicite complementação que poderá lhe auxiliar.
Baseado na seção anterior, você poderia perguntar ao professor: \u201cvocê poderia dar
um exemplo prático?\u201d, \u201cessa fórmula poderá ser utilizada em todas as situações?\u201d,
\u201cvocê poderia desenhar um esquema desse processo?\u201d. Mesmo que você tenha receio
da pergunta ser idiota, faça-a de qualquer jeito. Eu lhe garanto que muitos outros
colegas seus também estarão confusos e darão graças a Deus por você ter tido a
coragem de perguntar! Acabe com aquela idéia de \u201cdepois eu me viro\u201d! Tire as suas
dúvidas na hora, evitando acumular conteúdo sem entender. Isso só irá lhe
prejudicar.
Muitos professores irão encarar essas questões positivamente. Outros não.
Certamente você saberá logo qual o estilo do seu professor. Se você se deparar com
professores hostis a perguntas desse tipo, não pressione. Busque fontes
alternativas. Mesmo com os professores mais cooperativos, se você não se sentir
muito à vontade para perguntar durante a aula, vá à sala do professor em outro
horário. Lembre-se: a grande maioria dos professores apreciam os alunos que se
interessam verdadeiramente pelo conteúdo. Se preferir, junte um grupo de colegas
para tirar dúvidas.
Um alerta: o professor percebe quando você vai tirar dúvida apenas para que ele lhe
diga exatamente como fazer determinados exercícios. Adote a regra de nunca pedir
ajuda para um problema a menos que tenha realmente se esforçado para resolvê-lo
sozinho. Quando for perguntar, esteja preparado para mostrar em detalhes o que
você tentou e o quanto conseguiu.
Leia, de fato, o conteúdo da sua disciplina
Alguns livros que enfocam a teoria tentam explicar sua importância, descrevendo
comportamentos da vida real e como resolvê-los. Os alunos geralmente ignoram
essas partes do livro, buscando apenas por exemplos e dicas para resolver os

exercícios da lista. Pode acontecer, entretanto, que as partes que você pula contém
justamente explicações que fazem a teoria e a prática mais claras para você.
E você, como se situa em relação ao parágrafo anterior? Você é o tipo que lê o
conteúdo inteiro ou o que busca apenas o macete para resolver a questão?
Honestamente, você chega a consultar a literatura recomendada????
AH! Você é do tipo que estuda apenas por apostilas e pelo (famigerado) caderninho?
Entendi! Se esse for o seu caso, desculpe a sinceridade, você está sendo treinado
para a MEDIOCRIDADE!
Você quer aprender de fato e crescer profissionalmente ou simplesmente obter
aprovação na disciplina? Faça uma análise das pessoas que