ATIVIDADE 2 FILOSOFIA
1 pág.

ATIVIDADE 2 FILOSOFIA


DisciplinaRacionalidade e Ética4 materiais85 seguidores
Pré-visualização1 página
Com base no Discurso de Método de Descartes, explique as noções de prevenção e precipitação.
Prevenção e precipitação fazem parte da primeira regra de Descartes, que resumidamente citando era a de nunca aceita nenhuma coisa como verdadeira se não soubesse com evidência, que não tivesse nenhuma oportunidade de duvidar, evita a precipitação e a prevenção.
Precipitação: julgar mais rápido que o recomendado, incapacidade de ordenar nosso juízo em um todo coerente, ou seja, julgar ante de chegar à evidência.
Prevenção: é a opinião pré-fabricada, ou que não tenha passado pelo crivo de uma investigação, mas é aceita como verdadeira da parte de quem investiga.
Com base no texto de Kant, Resposta à questão \u2013 o que é esclarecimento? Explique a distinção entre uso público e uso privado da razão.
Esclarecimento é à saída do homem da menoridade. A conquista de autonomia racional/intelectual pelo ser humano, ou seja, alcançar a maioridade quanto a sua liberdade de pensamento e ideia. 
O uso público é aquele que qualquer homem, enquanto sábio, faz da sua razão diante do grande público do mundo letrado. O uso privado é aquele que o sábio pode fazer de sua razão em certo cargo público ou função a ele confiada.
Com base no texto de Rodrigo Brandão, Nietzsche e a crítica da civilização, explique a concepção nietzschiana de razão.
A perspectiva nietzschiana implica em mudança de foco, ao invés de meramente discutir sobre o significado das noções, buscando para elas outras definições e característica, é preciso antes investigar como ocuparam o centro do debate, e entende-las. Questionar sua validade, perscrutar sua origem e compreender seu funcionamento.
Com base no texto de Nietzsche, Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral, explique a noção de \u201chomem intuitivo\u201d.
O homem intuitivo deseja dominar a vida. O homem intuitivo, em meio a uma civilização, colhe desde logo, já de suas intuições, fora a defesa contra o mal, um constante e torrencial contentamento, entusiasmo, redenção. Ele sofre com mais veemência pois não sabe aprender da experiência e sempre torna a cair no mesmo buraco em que caiu uma vez. O homem intuitivo, é irracional na felicidade e no sofrimento, assim como frequentemente não aprende com a experiência do sofrimento.