A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Anatomia - Caso 6 - 2ºP

Pré-visualização | Página 1 de 3

Júlia Malta Braga 
Faculdade de Ciências Médicas de Três Rios 
Medicina - turma 01 
Caso 6 - PBL - “Denise Alves” 
Anatomia: 
 Vias Aéreas Superiores:​ parte do sist. respiratório que conduz o ar até os pulmões. 
☆ Nariz: 
● Está situado acima do palato duro. 
● Contém o órgão periférico do olfato. 
● Funções do nariz ​→​ olfato, respiração, filtração de poeira, umidificação do ar 
inspirado, além de recepção e eliminação de secreções dos seios paranasais e 
ductos lacrimonasais. 
● Parte externa do nariz​: é a parte visível que se projeta da face. 
○ Seu esqueleto é principalmente cartilagíneo. 
○ Dorso do nariz ​→​ da raiz até o ápice (ponta) do nariz. 
○ Face inferior ​→​ perfurada por duas aberturas piriformes, as narinas, que são 
limitadas lateralmente pelas asas do nariz. 
● Pele​: 
➢ Parte óssea superior ​→​ pele fina. 
➢ Parte cartilagínea ​→​ pele mais espessa com muitas glândulas 
sebáceas. 
➢ Vestíbulo do nariz ​→​ tem um número variável de pêlos rígidos 
(vibrissas) que geralmente estão úmidos. 
↳ esses pelos filtram partículas de poeira do ar que entra na 
cavidade nasal. 
● Esqueleto​: formado por osso e cartilagem hialina. 
○ Parte óssea do nariz ​→​ ossos nasais, processos frontais das maxilas, parte 
nasal do frontal e sua espinha nasal, e partes ósseas do septo nasal. 
○ Parte cartilagínea ​→​ cinco cartilagens principais: duas cartilagens laterais, 
duas cartilagens alares e uma cartilagem do septo. 
➢ Cartilagens alares ​→​ em forma de U, são livres e móveis. 
↳ Dilatam ou estreitam as narinas quando há contração dos 
músculos que atuam sobre o nariz. 
● Septo Nasal​: divide a câmara do nariz em duas cavidades nasais. 
○ Tem uma parte óssea e uma parte cartilagínea móvel flexível. 
○ Principais componentes do septo nasal ​→​ lâmina perpendicular do etmóide, 
vômer e cartilagem do septo. 
➢ Lâmina perpendicular do etmóide ​→​ forma a parte superior do septo 
nasal, desce a partir da lâmina cribriforme e continua superiormente 
a essa lâmina como a crista etmoidal. 
➢ Vômer ​→ ​ osso fino e plano, forma a parte póstero inferior do septo 
nasal, com alguma contribuição das cristas nasal da maxila e do 
palatino. 
➢ Cartilagem do septo ​→ ​ tem uma articulação do tipo macho e fêmea 
com as margens do septo ósseo. 
● Cavidades Nasais​: refere-se a toda a cavidade ou à metade direita ou esquerda. 
○ A entrada da cavidade nasal é anterior, através das narinas. Abre-se 
posteriormente na parte nasal da faringe através dos cóanos 
○ É revestida por túnica mucosa, com exceção do vestíbulo nasal, que é 
revestido por pele. 
○ Túnica mucosa do nariz ​→ ​ firmemente unida ao periósteo e pericôndrio dos 
ossos e às cartilagens que sustentam o nariz. 
Júlia Malta Braga 
Faculdade de Ciências Médicas de Três Rios 
Medicina - turma 01 
 ​↳​ É contínua com o revestimento de todas as câmaras com as quais as 
cavidades nasais se comunicam: 
➢ Parte nasal da faringe na parte posterior. 
➢ Seios paranasais nas partes superior e lateral. 
➢ Saco lacrimal e a túnica conjuntiva na parte superior. 
 ​↳​ ⅔ inferiores da túnica mucosa do nariz correspondem à área respiratória 
e ⅓ superior é a área olfatória 
➢ O ar que passa sobre a área respiratória é aquecido e umedecido 
antes de atravessar o restante das vias respiratórias superiores até os 
pulmões. 
➢ Área olfatória contém o órgão periférico do olfato. 
○ Limites das Cavidades Nasais: 
➢ Teto das cavidades nasais ​→ ​ curvo e estreito, com exceção da 
extremidade posterior, onde o corpo do esfenoide, que é oco, forma 
o teto. 
↳ É dividido em três partes (frontonasal, etmoidal e esfenoidal), 
nomeadas de acordo com os ossos que formam cada parte. 
➢ Assoalho das cavidades nasais ​→ ​ mais largo do que o teto. 
↳ Formado pelos processos palatinos da maxila e pelas lâminas 
horizontais do palatino. 
➢ Parede Medial ​→​ Septo Nasal. 
➢ Paredes Laterais ​→​ irregulares em razão de três lâminas ósseas, as 
conchas nasais, que se projetam inferiormente, como persianas. 
○ Características: 
➢ As conchas nasais (superior, média e inferior) curvam-se em sentido 
inferomedial, pendendo da parede lateral como persianas ou 
cortinas curtas. 
➢ Há um recesso ou meato nasal (passagem na cavidade nasal) sob 
cada formação óssea. 
➢ É dividida em cinco passagens: um recesso esfenoetmoidal póstero 
superior, três meatos nasais laterais (superior, médio e inferior) e um 
meato nasal comum medial, no qual se abrem as quatro passagens 
laterais. 
➢ Concha nasal inferior ​→​ mais longa e mais larga das conchas ​→ 
formada por um osso independente (concha nasal inferior) coberto 
por uma túnica mucosa que contém grandes espaços vasculares que 
aumentam e controlam o calibre da cavidade nasal. 
➢ Conchas nasais média e superior ​→ ​ processos mediais do etmóide. 
↳ A infecção ou irritação da túnica mucosa pode ocasionar o 
rápido surgimento de edema, com obstrução de uma ou mais 
vias nasais daquele lado. e o seio frontal. 
● Irrigação​: 
○ Das paredes medial e lateral da cavidade nasal: 
➢ Artéria etmoidal anterior (da artéria oftálmica) 
➢ Artéria etmoidal posterior (da artéria oftálmica) 
➢ Artéria esfenopalatina (da artéria maxilar) 
➢ Artéria palatina maior (da artéria maxilar) 
➢ Ramo septal da artéria labial superior (da artéria facial) 
 
 
 
Júlia Malta Braga 
Faculdade de Ciências Médicas de Três Rios 
Medicina - turma 01 
● Drenagem​ ​Venosa​: 
○ Rico plexo venoso submucoso situado profundamente à túnica mucosa do 
nariz. 
➢ Veia esfenopalatina. 
➢ Veia facial. 
➢ Veia oftálmica. 
○ Esse plexo venoso é uma parte importante do sistema termorregulador do 
corpo, trocando calor e aquecendo o ar antes de entrar nos pulmões. 
○ O plexo está localizado no “triângulo perigoso” da face em razão das 
comunicações com o seio cavernoso (venoso da dura-máter). 
● Inervação​: 
○ Região Póstero Inferior ​→ ​ Nervo Maxilar, através do nervo nasopalatino 
para o septo nasal, e os Ramos Nasal Lateral Superior Posterior e Nasal 
Lateral Inferior do nervo palatino maior. 
○ Porção anterossuperior ​→​ Nervo Oftálmico (NC V1) através dos Nervos 
Etmoidales Anterior e Posterior, ramos do Nervo Nasociliar. 
○ NC VI e NC VII. 
○ Nervos Olfatórios ​→​ associados ao olfato, originam-se de células no epitélio 
olfatório na parte superior das paredes lateral e septal da cavidade nasal. Os 
processos centrais dessas células atravessam a lâmina cribriforme e 
terminam no bulbo olfatório, a expansão rostral do trato olfatório. 
�​ Seios Paranasais: 
● São extensões, cheias de ar, da parte respiratória da cavidade nasal para os 
seguintes ossos do crânio: 
 
○ frontal 
○ etmóide 
○ esfenoide 
○ maxila 
● São nomeados de acordo com os ossos nos quais estão localizados. 
○ Seios Frontais: 
➢ Estão entre as lâminas externa e interna do frontal, posteriormente 
aos arcos superciliares e à raiz do nariz. 
➢ São detectáveis em crianças até os 7 anos. 
➢ Cada seio drena através de um ducto frontonasal para o infundíbulo 
etmoidal, que se abre no hiato semilunar do meato nasal médio. 
➢ Inervação​ ​→​ Nervos Supraorbitais (NC VI). 
➢ Raramente têm tamanhos iguais e o septo entre eles não está 
totalmente situado no plano mediano. 
➢ Podem chegar até as asas maiores do esfenoide. 
➢ Normalmente tem duas partes: uma parte vertical na escama frontal 
e uma parte horizontal na parte orbital do frontal. 
↳ Uma ou ambas as partes podem ser grandes ou pequenas. 
↳ Quando a parte supraorbital é grande, o teto forma o 
assoalho da fossa anterior do crânio e o assoalho forma o 
teto da órbita. 
○ Células Etmoidais: 
➢ São pequenas invaginações da túnica mucosa dos meatos nasais 
médio e superior para o etmóide entre a cavidade nasal e a órbita. 
➢ Em geral, as células etmoidais não são visíveis