A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
POP 06 Aferição da Frequência respiratória

Pré-visualização | Página 1 de 1

POP Nº006/CTENF – AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA 1 
 
ESCOLA TÉCNICA POTIGUAR – SAÚDE 
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM 
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 
 
TÍTULO: AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA (FR) Nº006/CTENF 
Elaborador por: Professores e Preceptores do Curso Técnico em Enfermagem. Versão nº001 
Aprovado por: Coordenação do Curso Técnico em Enfermagem. Criação: 07/2017 
FINALIDADE: Verificar número de movimentos respiratórios, ritmo, profundidade e sons 
emitidos, avaliando a frequência respiratória e fornecendo dados para determinar o estado de saúde 
do paciente. 
 
ORIENTAÇÕES GERAIS 
 
• O movimento respiratório consiste de uma inspiração e uma expiração. 
• Como a respiração está parcialmente sujeita ao controle voluntário, deve ser contada sem 
que o paciente perceba. 
• Não há uma orientação a dar ao paciente, pois a comunicação da verificação da frequência 
respiratória poderá causar alteração no valor. 
• Pedir ao paciente que se sente ou deite no leito para que possa avaliá-lo, sem comunica-lo 
que está contando sua frequência respiratória e sem repousar a mão em seu tórax ou 
abdome. 
• Aproveite a aferição da frequência cardíaca para realizar a aferição da frequência 
respiratória. 
 
MATERIAIS NECESSÁRIOS 
 
1) Relógio com ponteiro de segundos; 
2) Caneta e papel. 
 
TÉCNICA 
 
1) Realizar a higienização das mãos; 
2) Colocar o paciente em posição confortável, de preferência sentado ou deitado; 
3) Simular a aferição da frequência cardíaca através da artéria radial e observar os movimentos 
respiratórios; 
4) Contar o número de movimentos respiratórios (inspiração e expiração = 1 movimento) durante 
1 minuto; 
5) Realizar a higienização das mãos; 
6) Anotar os valores, o membro onde foi verificado e assinar. 
 
ANEXOS 
 
TERMINOLOGIAS E TIPOS DE RESPIRAÇÃO 
Apneia: ausência de movimentos respiratórios. 
Eupneia: movimentos respiratórios normais. 
Dispneia: dificuldade de respirar. 
Bradpneia: frequência reduzida dos movimentos respiratórios. 
Taquipneia: frequência acelerada dos movimentos respiratórios. 
 POP Nº006/CTENF – AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA 2 
Ortopneia: dificuldade de respirar sem estar com o tórax ereto. 
Hiperventilação ou Hiperpneia: frequência e/ou amplitude aumentada dos movimentos 
respiratórios. 
Hipoventilação: frequência e/ou amplitude diminuída dos movimentos respiratórios. 
Cheyne-stoke: Caracteriza-se por uma fase de apneia seguida de incursões inspiratórias cada vez 
mais profundas e rápidas até atingir um máximo, para depois vir descendo até nova apneia. 
Kusmaul: Respiração rápida, sem pausas, em adultos mais de 20 mrpm, a respiração em geral 
soa forçada, parecendo suspiros. 
Biot: Apneia seguida de movimentos inspiratórios e expiratórios uniforme quanto ao ritmo e 
amplitude. 
 
VALORES DE REFERÊNCIA 
IDADE FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA (Movimentos Respiratórios por Minuto) 
Recém-nascido 30 a 60 mrpm 
Lactentes (6 meses) 30 a 50 mrpm 
Crianças pequenas (2 anos) 25 a 32 mrpm 
Crianças 20 a 30 mrpm 
Adolescente 16 a 19 mrpm 
Adulto 12 a 20 mrpm 
 
MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS 
INSPIRAÇÃO EXPIRAÇÃO