A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
22 pág.
Atuação Fonoaudiológica em câncer de cabeça de pescoço

Pré-visualização | Página 1 de 3

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER 
DE CABEÇA E PESCOÇO 
 
Introdução 
A atuação da Fonoaudiológica veio a preencher uma importante lacuna no campo 
hospitalar. Principalmente na área oncológica ela é relativamente recente e compreende todos 
os pacientes em tratamento, bem como os que estão internados no leito, unidade de terapia 
semi-intensiva e intensiva, atuando com os objetivos de prevenção, diagnóstico e reabilitação 
propriamente dita, sendo que o objetivo primordial é a redução e prevenção de complicações e 
o restabelecimento da alimentação via oral e da comunicação, que são aspectos importantes 
para a reabilitação do paciente, ou seja, é encontrar meios de minimizar as seqüelas 
relacionada à patologia ou seu tratamento que venham a interferir na comunicação oral e 
deglutição, para melhorar a qualidade de vida dos pacientes. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Conceitos 
Oncologia – é a área da medicina que estuda o câncer, ou seja, as neoplasias malignas, 
do ponto de vista de sua origem, quadro clínico, evolução e cura. 
Lesões Cancerizáveis- Segundo a Organização Mundial de Saúde, são alterações que 
podem sofrer transformação neoplásica com maior freqüência que o tecido normal, mas que 
podem regredir ou estabilizar se o fator que originou for afastado. 
Câncer – É o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o 
crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo 
ocasionar metástase para outras regiões do corpo. 
Tumor – É o acúmulo de células cancerosas. Temos como exemplo os Sarcomas que 
são tumores que têm início em tecido ósseo, muscular ou cartilaginoso e os Carcinomas que 
são os tumores que têm início em tecidos epiteliais e têm moderada radiossensibilidade. 
Metástase – É um processo de transferência da neoplasia de um órgão para outro ou 
de um órgão para outra parte dele. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Etiologia 
Fatores Externos – Estão relacionados geralmente ao consumo de tabaco, bebidas 
alcoólicas, exposições prolongada ao sol, substâncias químicas, radiações ionizantes, vírus, 
fatores ocupacionais, etilismo. 
Fatores Internos – Na maioria das vezes é geneticamente pré-determinado, como 
hormônios, mutações genéticas, casos de câncer na família, deficiência nutricionais, 
condições imunológicas. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Classificação 
 Tumor Benigno - Pode-se dizer que é uma massa localizada em uma célula envolvida 
por uma membrana que impede que elas se desenvolvam e espalhem tanto, raramente corre 
risco de vida, podendo ser removido cirurgicamente. 
 Tumor Maligno – Maligno é a capacidade que o tumor apresenta de produzir 
metástase e se não for erradicado pode ocorrer a morte do paciente. Cresce muito rápido, 
porque as suas células de multiplicam de forma rápida e desordenada. É de dificil localização 
emais dificil ainda sua retirada cirurgica. Além do que são recidivantes depois de uma 
extirpação cirúrgica e apresenta capacidade de crescimento. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Diagnóstico 
É realizada com muito cuidado, observando os sinais e sintomas clínicos e são 
realizados alguns exames, como: 
• Histopatológico; 
• Biópsia; 
• Ultra-Som ou TC; 
• Raio-x,TC, RM, Arteriografia; 
• Endoscopia; 
• Rino-Faringo-Laringoscopia; 
• Microlaringoscopia; 
• Anatomopatológico por Congelamento 
Mas pode ocorrer um atraso para esse diagnóstico devido o paciente não ter percebido os 
sinais da doença e tem também a dificuldade ao acesso do Sistema de Saúde. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sintomas 
• Irritação constante da garganta; 
• Dor ao engolir; 
• Caroço, inchaço ou ferida no pescoço; 
• Mudança na qualidade da voz; 
• Imprecisão articulatória; 
• Sialorréia; 
• Disfonia que não melhora em até 15 dias; 
• Dispnéia; 
• Dor de garganta; 
• Dores de ouvido constantes; 
• Caroço, inchaço ou ferida na boca que não melhora em até 15 dias; 
• Aumento, mudanças na cor ou sangramento de verrugas; 
• Escarro sanguinolento; 
• Alterações de pele com pintas, feridas ou ulcerações; 
• Abaulamento de alguma estrutura da região; 
• Limitação da mobilidade da estrutura da região; 
 
Apesar de não necessariamente serem sinônimo de câncer, quando tais sinais forem 
observados, procure um médico. 
 
 
 
 
 
 
 
Avaliação do Câncer 
Estadiamento Geral do Câncer 
• Estágio 1 – Localizado geralmente confinado ao órgão de origem. Geralmente curável 
com medidas locais, como cirurgia ou irradiação. 
• Estágio 2 - Localizado, mas extenso. Pode se estende para fora do órgão de origem, 
mas mantém a proximidade. É às vezes curável com medidas locais (cirurgia e irradiação), às 
vezes em conjunto com a quimioterapia. 
• Estágio 3 - Disseminado Regionalmente. Estende-se para fora do órgão de origem, 
atravessando vários tecidos. Pode atingir linfonodos (gânglios) na região do tumor. Tem ainda 
o potencial de ser curado, embora as recidivas sejam mais freqüentes. O tratamento local ou 
sistêmico depende das características do tumor. 
• Estágio 4 - Disseminado difusamente. Geralmente envolve múltiplos órgãos distantes 
e é raramente curável. 
Graduação Histológica 
Baseia-se na diferenciação citológica das células tumorais e no número de mitoses. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Prognóstico 
Depende da dimensão e do local do tumor primário e de outros fatores relacionados 
coma metástases. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tratamento 
O tratamento para o câncer varia com o tipo e gravidade da doença. Estes tumores 
podem ser tratados com cirurgia, radioterapia, ou quimioterapia, ou combinação destas 
técnicas. Recentemente novas técnicas cirúrgicas tem sido desenvolvidas, permitindo ao 
paciente viver mais tempo e em melhores condições. A cura é possível mesmo que o câncer 
não tenha sido encontrado no início. 
Além do tratamento medicamentoso a reabilitação do doente necessita de uma 
abordagem multidisciplinar A melhor forma de combater o câncer é o trabalho preventivo, 
afastando o indivíduo dos fatores predisponentes. 
Quando o tumor já estiver instalado, o diagnóstico e tratamento devem ser realizados 
de forma mais precoce possível. 
A prevenção e o diagnóstico precoce do câncer são fatores fundamentais na 
reabilitação do paciente. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Abordagem Clínica e Cirúrgica 
Estas abordagens podem ser usadas isoladas ou em combinação entre si. O 
determinante do tratamento que o paciente receberá depende do local, tamanho e fase do 
tumor, bem como o estado de saúde global do paciente. Muitos tratamentos novos, inclusive 
vacinas para o câncer e terapia de gênica, estão sendo estudados. 
• Cirurgia – É a forma mais antiga de tratamento do câncer. Aproximadamente 60% 
dos pacientes de câncer serão submetidos à cirurgia isoladamente ou em combinação com 
outras terapias. 
• Quimioterapia - É a terapia que utiliza drogas (quimioterápicos) para destruir e 
controlar o crescimento de células cancerígenas e também aliviar os sintomas da dor. A 
quimioterapia pode envolver uma única droga ou a combinação de duas ou mais drogas, 
dependendo do tipo de câncer e sua taxa de progressão. A QT pode ser usada em combinação 
com outros tratamentos como cirurgia ou radioterapia para ter certeza de que todas as células 
do câncer foram eliminadas. Pode ser administrada de três modos: Intravenoso, Cateter e Via 
Oral. 
• Radioterapia - Este tratamento usa doses grandes de raios de alta-energia ou