Buscar

Fundamentos da Economia- Tecnologia em Hotelaria - Livro

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

fundamentos de
economia
TECNOLOGIA EM
HOTELARIA
T
E
C
N
O
L
O
G
IA
 E
M
 H
O
T
E
L
A
R
IA
 - F
U
N
D
A
M
E
N
T
O
S
 D
E
 E
C
O
N
O
M
IA
U
A
B
 / IF
C
E
S
E
M
E
S
T
R
E
 1
Ministério da Educação - MEC
Coordenação de Aperfeiçoamento 
de Pessoal de Nível Superior
Universidade Aberta do Brasi l
Instituto Federal de Educação, 
Ciência e Tecnologia do Ceará
C
M
Y
CM
MY
CY
CMY
K
Fundamentos de Economia.pdf 1 23/09/2013 12:25:54
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
Universidade Aberta do Brasil
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará
Diretoria de Educação a Distância
Fortaleza, CE
2013 
Tecnologia em Hotelaria 
Fundamentos de Economia
Antônio Valdson dos Santos Alencar
Fabiano Porto de Aguiar
2ª edição
Créditos
Presidente
Dilma Vana Rousseff
Ministro da Educação
Aloízio Mercadante Oliva
Presidente da CAPES
José Almeida Guimarães
Diretor de EaD - CAPES
João Carlos Teatini Clímaco
Reitor do IFCE
Virgílio Augusto Sales Araripe
Pró-Reitor de Ensino
Reuber Saraiva de Santiago
Diretora de EAD/IFCE e Coordenadora 
UAB/IFCE
Cassandra Ribeiro Joye
Coordenadora Adjunta UAB 
Cristiane Borges Braga
Coordenadora do Curso de Tecnologia em 
Hotelaria
Fabíola Silveira Jorge Holanda
Elaboração do conteúdo
Antônio Valdson dos Santos Alencar
Fabiano Porto de Aguiar
Colaboradora
Jane Fontes Guedes
Equipe Pedagógica e Design Instrucional
Daniele Luciano Marques
Iraci de Oliveira Moraes Schmidlin
Isabel Cristina Pereira da Costa
Jane Fontes Guedes
Karine Nascimento Portela
Lívia Maria de Lima Santiago
Luciana Andrade Rodrigues
Maria Cleide da Silva Barroso
Márcia Roxana da Silva Regis
Marília Maia Moreira
Saskia Natália Brígido Batista
Virgínia Ferreira Moreira
Equipe Arte, Criação e Produção Visual
Benghson da Silveira Dantas
Camila Ferreira Mendes
Denis Rainer Gomes Batista
Érica Andrade Figueirêdo
Luana Cavalcante Crisóstomo
Lucas de Brito Arruda
Lucas Diego Rebouças Rocha
Marco Augusto M. Oliveira Júnior 
Quezia Brandão Souto
Rafael Bezerra de Oliveira
Suzan Pagani Maranhão
Equipe Web
Aline Mariana Bispo de Lima
Benghson da Silveira Dantas 
Corneli Gomes Furtado Júnior
Fabrice Marc Joye
Germano José Barros Pinheiro
Herculano Gonçalves Santos
Lucas do Amaral Saboya
Pedro Raphael Carneiro Vasconcelos
Samantha Onofre Lóssio
Tibério Bezerra Soares
Áudio
Lucas Diego Rebouças Rocha
Revisão 
Antônio Carlos Marques Júnior
Aurea Suely Zavam
Débora Liberato Arruda Hissa
Nukácia Meyre Araújo de Almeida
Saulo Garcia
Logística
Francisco Roberto Dias de Aguiar
Secretários
Breno Giovanni Silva Araújo
Laide Ane de Oliveira Ferreira
Auxiliar
Charlene Oliveira da Silveira
Daniel Oliveira Veiga
Nathália Rodrigues Moreira
Yara de Almeida Barreto 
Alencar, Antônio Valdson dos Santos.
 Fundamentos de economia / Antônio Valdson dos Santos Alencar; 
Fabiano Porto de Aguiar (coautor); Coordenação Cassandra Ribeiro Joye. 
- 2. ed. - Fortaleza: UAB/IFCE, 2013. 
78p. : il. ; 27cm.
ISBN 978-85-475-0024-5
 1. ECONOMIA-HISTÓRIA. 2. BENS ECONÔMICOS. 3. MACRO-
ECONOMIA. 4. SISTEMAS ECONÔMICOS. I. Joye, Cassandra Ribeiro 
(coordenação). II. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFCE. 
III. UAB IV.Título. 
CDD 330
A368f 
Catalogação na Fonte: Tatiana Apolinário Camurça (CRB 3 – Nº 1045)
SUMÁRIOApresentação 7Referências 77
AULA 1
Tópico 1 A economia como ciência social e a origem 
do pensamento econômico 9
Origem da economia e as correntes de 
pensamento econômico 8
Os mercantilistas e os fisiocratas 13Tópico 2
A escola clássica16Tópico 3
O pensamento marxista 21Tópico 4
A escola neoclássica e a revolução 
keynesiana 24
Tópico 5
AULA 2 Introdução aos problemas e sistemas 
econômicos 28
Tópico 1 Os problemas econômicos fundamentais 29
Bens e Serviços 33Tópico 2
Sistemas econômicos e curva FPP 36Tópico 3
AULA 3 Introdução à microeconomia 44
Tópico 1 O mercado: estruturas e mecanismos básicos 45
Elasticidade 53Tópico 2
Comportamento do consumidor 58Tópico 3
Currículo 78
AULA 4 Introdução à macroeconomia 62
Tópico 1 Políticas macroeconômicas e indicadores de 
desempenho 63
Inflação 68Tópico 2
Crescimento e desenvolvimento econômico 72Tópico 3
Políticas macroeconômicas e indicadores de 
desempenho75
Tópico 4
7
APRESENTAÇÃO
Caro(a) aluno(a),
Tradicionalmente, o setor turístico tem se apresentado como um dos setores de 
maior destaque e em processo de evolução na economia brasileira, e em especial 
do nordeste. Nos últimos anos, o setor tem registrado crescimentos significativos, 
tanto na quantidade de visitantes quanto no volume de investimentos.
Nossa disciplina de Fundamentos de Economia ajudará você a entender como a 
economia está presente em ações que realizamos diariamente. Além disso, você 
vai visualizá-la e compreendê-la de maneira que possamos ter uma visão crítica e, 
futuramente, tomarmos medidas e decisões baseadas nos conceitos econômicos 
abordados.
O turismo, como não poderia deixar de ser, está inserido diretamente em nossa 
economia e sem dúvida trata-se de um dos negócios mais rentáveis e em franco 
processo de crescimento. Esse segmento é classificado como uma atividade 
eminentemente de prestação de serviços, enquadrando-se, portanto, no setor 
terciário de nossa economia, interagindo também com os setores primário e 
secundário.
Com certeza, você já ouviu falar nos conceitos econômicos que serão abordados 
por nós nesta disciplina: demanda, oferta, inflação, desenvolvimento econômico, 
dentre outros. Agora vamos nos aprofundar um pouco mais e saber como podemos 
trazer esses conhecimentos para as atividades relacionadas com o turismo.
Desejo a você um ótimo estudo e que sirva como uma boa base para o seu 
desenvolvimento pessoal e profissional.
Prof. Fabiano Porto
APRESENTAÇÃO
8 Fundamentos de Economia
AULA 1 Origem da economia e as correntes de pensamento 
econômico
Nesta aula, estudaremos um pouco de história econômica, dedicaremo-nos a 
conhecer as ciências econômicas, o que significa, qual a origem de sua palavra 
e sua classificação como ciências sociais. Destacaremos, também, os principais 
pensadores econômicos, aqueles que influenciaram e até hoje são seguidos em 
suas linhas de pensamento. Além disso, analisaremos as escolas de pensamento 
econômico, seus principais defensores e os diferentes pontos de vista, o que faz 
da economia objeto de discussões e debates de correntes distintas.
Para a elaboração desta aula, tomamos como base o livro História do 
Pensamento Econômico do HUNT, podendo ser usado para um maior 
aprofundamento, caso seja de interesse do aluno.
Objetivos
• Conhecer a economia como ciência social
• Estudar sobre a origem do pensamento econômico e sua importância no 
ramo comercial
• Conhecer a influência do Mercantilismo e da Fisiocracia no fortalecimento da 
economia
• Conhecer os principais influenciadores da escolha Clássica
• Discutir sobre a importância da obra do economista Karl Marx na economia 
capitalista
• Conhecer as contribuições da Escola Neoclássica para as teorias 
microeconômicas
• Estudar a Revolução Keynesiana na teoria econômica
9
Neste tópico, estudaremos a economia como ciência social, sua origem, sua relação com o indivíduo e sua importância para o comércio e para a organização das formas de negociações entre 
as pessoas. Ainda neste tópico, discutiremos a origem do pensamento econômico, 
que serve como base de estudo para todo assunto relacionado com as linhas de 
pensamento seguidopelos economistas.
1. A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL
As Ciências Sociais estudam os fenômenos sociais e o desenvolvimento, a 
organização e o funcionamento da sociedade. O objeto de estudo dessa ciência é o 
homem e sua interação entre si, no seio da sociedade; sua relação com a natureza, 
a formação de poder político e econômico, as relações entre raças, gêneros, etnias, 
etc. Essa ciência realiza, ainda, a investigação acadêmica com vistas à compreensão 
científica do mundo atual.
Tal qual a Antropologia, as Ciências Políticas 
e a Sociologia, a Economia é também considerada 
uma ciência social, pois se ocupa do comportamento 
humano e estuda como as pessoas e as organizações na 
sociedade se empenham na produção, distribuição, 
troca e consumo de bens e serviços. Ela tem por 
objetivo a análise dos problemas econômicos e a 
apresentação de soluções para resolvê-los, de forma 
TÓPICO 1 A economia como ciência social e a origem do pensamento econômico
ObjetivOs
• Conhecer a econômica como ciência social
• Estudar a origem do pensamento econômico e sua 
importância no ramo comercial
AULA 1 TÓPICO 1
V O C Ê S A B I A?
O desenvolvimento das Ciências Sociais 
data do século XIX, a partir de ideias 
filosóficas de então, mas experimentou 
grande crescimento no século XX em diante.
Matemát ica Bás ica I I1010 Fundamentos de Economia
a melhorar a qualidade de vida dos agentes envolvidos (famílias, governos e empresas) 
e a forma como esses agentes econômicos interagem entre si. Resumindo, isso forma a 
atividade econômica, que é exercida pelo homem dentro dessa sociedade.
Existe outro conceito importante para tratarmos 
brevemente: a Organização Econômica, que é a forma como 
a sociedade está organizada para desenvolver as atividades 
que envolvem a economia. Ela está dividida, basicamente, 
em dois tipos de organizações: Economia de Mercado 
(descentralizada - capitalista) e Economia Planificada 
(centralizada - socialista).
Ainda na análise do estudo das Ciências Econômicas, 
no intuito de entender o funcionamento do mundo 
econômico, os economistas fazem distinção entre dois tipos 
de afirmações: o que é afirmação positiva (e o que deveria 
ser) afirmação normativa. Na afirmação positiva, a economia 
se comporta como cientista, pois esse tipo de informação 
deve ser coerente com o ambiente econômico, baseada em 
um processo de investigação cientifica, que é dividida em 
três fases: observação e mensuração, construção de modelos 
e o teste desses modelos econômicos. Portanto, trata-se 
de declarações que descrevem o mundo econômico exatamente como ele é. Por 
exemplo, para se ter um sistema de saúde eficiente e com ótima qualidade, necessita 
de investimentos no setor.
Na informação normativa, as declarações lançadas não podem ser checadas e 
validadas, podemos recorrer apenas aos dados por elas apresentados. Por exemplo, 
deve ser garantido acesso igualitário e universal a um sistema de saúde de qualidade, 
ou seja, faz afirmações de como a economia deveria ser, nesse caso, o economista se 
comporta como político.
A maior parte do curso de fundamentos de economia procura explicar como 
a economia funciona (economia positiva), mas isso tendo em mente que o objetivo 
é usar os conceitos para melhorar a qualidade de vida das pessoas.
2. A ORIGEM DO PENSAMENTO ECONÔMICO 
A economia, como uma teoria social, é baseada em eventos e circunstâncias 
sociais em constante processo de transformação no decorrer do tempo, então 
V o c ê S a b i a?
A palavra economia tem sua 
origem na língua grega, a 
partir da palavra oikonomía, 
onde oikos significa casa, 
moradia; e nomos – lei, 
costume, administrar, ou 
seja, algo como “regras da 
casa” ou “administração 
da casa”. Também deriva 
do latim oeconomìa, que 
significa ordem, arranjo, 
disposição.
11
podemos dizer que as teorias sociais são produtos das circunstâncias econômicas 
e sociais em que são concebidas, ou seja, dentro de um contexto social, político e 
cultural que estão inseridas. 
Também é correto afirmar que o ser humano pode agir, criar, alterar as 
circunstâncias econômicas e sociais com ideias que tem sobre elas. Portanto, quando 
falamos no pensamento econômico em suas diversas linhas de tempo, analisamos 
também todo o contexto histórico da época em que ele está inserido.
Na antiguidade, desenvolviam-se organizações 
econômicas em civilizações consideradas bastante 
evoluídas para a época, como na Grécia, onde as atividades 
econômicas baseavam-se em uma economia doméstica a 
base de trocas, as ideias tinham cunho filosófico, não 
tendo pensamento econômico independente, podemos 
destacar como autores, Aristóteles e Platão.
 Outra civilização destacada em atividade 
econômica é a romana, nela, as ideias econômicas 
estavam completamente subordinadas à política. Assim 
como na Grécia, a troca de mercadorias era intensa, com 
fatores favoráveis à expansão, como a navegação pelo 
Mediterrâneo e as companhias mercantis.
Na Idade Média (séculos V ou XI), vimos o surgimento do feudalismo, 
principalmente na Europa Ocidental, em consequência do surgimento de cidades 
urbanas que dependiam da agricultura para a obtenção do alimento e de matérias-
primas. No feudalismo, o senhor feudal era o dono da terra (feudo) e os servos 
trabalhavam para pagar pela utilização dela. Nesse período da história, a maior 
parte das terras pertencia ao clero.
Com o declínio do sistema feudal, em meados dos 
séculos XIV e XV, e com a libertação dos trabalhadores 
do senhor feudal, o comércio entre cidades e o 
surgimento das feiras começaram a ganhar força, 
isso exigia melhores vias de comunicação, moedas, 
produtos, etc. Nessa época, surgiram As Cruzadas, que 
serviram para colocar a Europa em contato com a Ásia, 
impulsionando o comércio pelo Mediterrâneo. 
V O C Ê S A B I A?
Nas sociedades pré-históricas, já havia 
atividade econômica, pois o homem se 
relacionava com seus pares e utilizava 
os recursos naturais para suprir suas 
necessidades básicas. Sempre em 
evolução, com o surgimento da era 
neolítica, já utilizava ferramentas 
rudimentares para caça, pesca e 
praticava, também, a agricultura.
V O C Ê S A B I A?
Para conhecer mais As Cruzadas, consulte 
o Portal BrasilEscola.com no link: https://
brasilescola.uol.com.br/historiag/
cruzadas.htm.
AULA 1 TÓPICO 1
Matemát ica Bás ica I I1212 Fundamentos de Economia
Neste tópico, vimos que a Economia é considerada uma ciência social, uma 
vez que estuda o comportamento das pessoas e das organizações, desde produção 
até o consumo de bens e produtos. Estudamos, também, a origem do pensamento 
econômico. No próximo tópico, conheceremos um pouco sobre dois fatos históricos 
que influenciaram no fortalecimento da Economia: os mercantilistas e os fisiocratas.
13AULA 1 TÓPICO 2
TÓPICO 2 Os mercantilistas e os fisiocratas
• Conhecer a influência do Mercantilismo e 
da Fisiocracia no fortalecimento da econo-
mia
ObjetivO
Após termos estudado a Economia como ciência social, bem como a sua origem, estudaremos, neste tópico, os mercantilistas e os fisiocratas no contexto do surgimento da economia como ciência.
1. O SURGIMENTO DO MERCANTILISMO E DA FIOSIOCRACIA
Após esse momento histórico (entre os 
séculos XV a XVI), a economia começa a engatinhar 
e ganhar força por toda Europa. Nessa época, os 
pensadores econômicos começavam a entender 
que a política econômica do estado era baseada no 
acumulo de capitais, ou seja, eram os estoques dos 
metais preciosos que constituíam a riqueza de uma 
nação, assim, surgia o mercantilismo.
Na prática mercantilista, para que o estado 
conseguisse o esperado acúmulo de capitais,a 
Balança Comercial tinha que se manter favorável 
e evitar a evasão monetária. Era preciso, ainda, 
auxiliar e manter as reservas de ouro, visto 
que se exportava mais do que importava mercadoria, o que tornava o comércio 
internacional um poderoso instrumento da política econômica da época.
No mercantilismo, adotava-se uma política estatal absolutista e nacionalista. 
Foto 1: quadro de Claude Lorrain, representação de um porto 
francês em 1638..
Fo
nt
e:
 h
tt
p:
//
w
w
w
.c
la
ud
el
or
ra
in
.o
rg
/H
ar
bo
ur
-w
ith
-V
ill
a-
M
ed
ic
i,-
16
37
.h
tm
l
Matemát ica Bás ica I I1414 Fundamentos de Economia
Na primeira, o poder era centralizado no rei com o apoio da burguesia; a segunda, 
tinha uma grande intervenção do estado sobre todas as atividades produtivas, com 
o intuito de promover a prosperidade nacional e, consequentemente, fortalecimento 
do Estado.
A partir do século XVIII, surgiu a Fisiocracia, uma corrente que criticava 
o modelo mercantilista defendendo que não havia necessidade da regulação e 
consequente controle do governo nas atividades econômicas do estado. No modelo 
fisiocrata, a riqueza consistia em bens produzidos pela natureza em atividades 
como agricultura, pesca, mineração; nesse caso, a própria natureza era reguladora 
das atividades econômicas, portanto, o rei tinha a função de ser o intermediário 
para que as leis da natureza fossem realmente cumpridas. 
Os pensadores fisiocratas dividiam a sociedade em três classes: a classe 
produtiva, formada pelos agricultores; a classe dos proprietários das terras, nobreza 
/ burguesia; e os denominados estéreis, classe composta por comerciantes, artesãos 
ou grupos não envolvidos no trabalho agrícola.
Portanto, os fisiocratas foram os primeiros pensadores que se mostraram 
contrários à intervenção estatal na economia. Era a política do “laissez faire, laissez 
passer, lê monde va de lui même” (“deixe fazer, deixe passar, o mundo vai por si 
mesmo”), frase originada do pensador fisiocrata Vincent de Gournay.
As ideias fisiocratas formularam, pela primeira vez, uma ideia sistemática e 
lógica do pensamento econômico, formaram a base do liberalismo econômico, daí 
sua importante contribuição no cenário das ciências econômicas.
O mais importante representante da fisiocracia era o médico da corte de Luis 
XV e pensador François Quenay, que, em 1758, publicou a obra Tableau Économique 
(Quadro Econômico), marcando o início da Escola Fisiocrática. Segundo Quenay, 
existe uma ordem natural e essencial das sociedades humanas e é inútil contrariar 
com leis, regulamentos ou sistemas econômicos. 
Para entendermos melhor a ordem cronológica e suas respectivas linhas de 
pensamento, temos a seguinte diagramação
15
Chegamos ao final deste tópico, por meio dele, conhecemos o Mercantilismo 
e a Fisiocracia, dois fatos históricos que influenciaram e fortaleceram o pensamento 
econômico ao longo dos tempos. No próximo tópico, daremos continuidade 
estudando mais um marco na história do pensamento econômico: a Escola Clássica.
AULA 1 TÓPICO 2
Fo
nt
e:
 d
ea
d/
if
ce
16 Fundamentos de Economia
TÓPICO 3 A escola clássica
ObjetivOs
• Conhecer a Escola Clássica como um marco do pensa-
mento econômico
• Conhecer os principais influenciadores da Escola 
Clássica
No tópico anterior, estudamos que o Mercantilismo adotava uma centralização da economia, ou seja, o rei e a burguesia tinham grande influência em todas as atividades produtivas. Vimos 
também que a Fisiocracia surgiu criticando esse modelo de economia e propondo 
três classes: a classe produtiva, a classe dos proprietários e a classe dos comerciantes. 
Neste tópico, estudaremos o surgimento da escola clássica e o que esse momento 
acrescentou ao pensamento econômico.
1. A ESCOLA CLÁSSICA
A economia clássica foi um grande marco para o pensamento econômico, assim 
como os fisiocratas, defendia o liberalismo econômico. Entretanto, propõe alterações 
aos pensamentos elaborados por seus precursores mercantilistas e fisiocratas.
Os clássicos defendiam a concorrência como uma ideia central do modelo. O 
mercado em que vigora esse sistema funciona de maneira espontânea, garantindo a 
alocação mais eficiente dos recursos e da produção, sem que haja lucros em demasia 
e que isso seja reinvestido e não apropriado. Por essa razão, o único papel econômico 
do governo (além do básico, que é garantir a lei e a ordem) é a intervenção na 
economia quando o mercado não existe ou quando deixa de funcionar em condições 
satisfatórias, ou seja, quando não há livre concorrência. Segundo a teoria clássica, 
na economia concorrencial, a oferta de cada bem e de cada fator de produção tende 
sempre a igualar a procura. 
17
Os economistas desta corrente eram predominantemente da escola inglesa, 
podemos destacar como pensadores clássicos o escocês Adam Smith, David Ricardo, 
Robert Malthus, entre outros.
AdAm Smith
Filho de um fiscal da alfândega, Adam Smith começou o 
estudo em economia em Kirkcaldy, sua cidade natal e, aos 14 
anos, ingressou na universidade de Glasgow, onde se graduou 
em 1740. Smith também adquiriu conhecimentos de filosofia na 
famosa universidade de Oxford, Inglaterra.
Em 1767, Adam Smith iniciou a elaboração daquela 
que viria a ser sua obra mais famosa, “A Riqueza das Nações” 
publicada em 1776, com ela, lançou as bases para a formação do 
liberalismo, a teoria da livre concorrência e o conceito do livre 
mercado. Smith morreu no ano de 1790, sua obra é discutida 
e estudada pelos economistas do mundo todo. Essa obra trata 
a Teoria Econômica de forma sistematizada, cria um modelo 
abstrato totalmente coerente com a realidade econômica da época. Smith elaborou 
teorias nunca antes descritas pelos pensadores como: a teoria do valor, do lucro, 
entre outras alterações; esse autor modelava ligações entre as classes sociais, o 
sistema de produção, o comércio, a circulação de moeda, a distribuição da riqueza, 
entre outros. 
Adam Smith concordava em muitos aspectos com os ideais fisiocratas, mas 
discordava com o conceito de riqueza originada somente pelo setor agrícola. Ele 
acreditava que a natureza não é a única responsável pela produtividade, já que 
outros instrumentos como tratores, ferramentas agrícolas, fertilizantes e a própria 
genética também podem ajudar no desenvolvimento das colheitas. Para os clássicos, 
esses instrumentos eram denominados de fatores tecnológicos, os quais não foram 
objeto de estudo dos fisiocratas. Além disso, existia outra discordância entre 
fisiocratas e clássicos, para estes, não só a agricultura, mas também a indústria era 
criadora da riqueza.
Os clássicos preocupavam-se com o crescimento econômico a longo prazo 
(devido ao acúmulo de capital); com o destino do excedente produzido e pelo 
modo de como esse excedente era distribuído entre as classes sociais, pois uma 
má distribuição poderia afetar o crescimento econômico. Smith, por exemplo, 
AULA 1 TÓPICO 3
Foto 2: Adam Smith – economista e 
filosofo escocês (1723-1790)
ht
tp
s:
//
bi
t.l
y/
2r
K
So
8u
Matemát ica Bás ica I I1818 Fundamentos de Economia
“Malthus viveu em uma época tumultuada, de intensos conflitos de classes 
e suas obras refletem sua posição com relação a esses conflitos. Primeiro 
a Revolução Industrial que só foi possível com sacrifícios e sofrimentos 
principalmente da classe operária. Em segundo, em fins do século XVIII e 
inicio do século XIX, a antiga classe de proprietários das terras, que tinha 
o controle do parlamento inglês, travou um intenso conflito com a nova 
classe capitalista industrial, pelo controledo parlamento e pela decisão por 
uma economia agrícola ou baseada em uma produção industrial” – História 
do Pensamento Econômico, E. K. Hunt, Editora Campus.
preocupava-se com o nível de vida das pessoas.
Os pensamentos abordados por Adam Smith serviram como base de estudo 
para dois economistas importantes do pensamento histórico econômico: Thomas 
Robert Malthus e David Ricardo. Vamos conhecê-los!
RobeRt mAlthuS
Thomas Robert Malthus foi um economista britânico, 
filho de um culto e rico proprietário de terras, estudou em 
um conceituado colégio de Cambridge, Inglaterra, a partir 
de 1784. Em 1799 iniciou uma longa viagem de estudos 
pela Europa.
V o c ê S a b i a?
A Teoria malthusiana baseia-se no Princípio da Escassez, ou seja, a população 
tende a crescer mais rapidamente que a produção de alimentos, o que torna o 
conceito de escassez determinante para a manutenção do equilíbrio da Economia. 
Dentro desse conceito, existiam dois grandes obstáculos para o desenvolvimento 
econômico da época: os obstáculos primitivos e os obstáculos preventivos. 
Foto 3: Tomas Malthus – economista 
britânico (1766-1834)
Fo
nt
e:
 h
tt
p:
//
pt
.w
ik
ip
ed
ia
.o
rg
/w
ik
i/F
ic
he
ir
o:
T
ho
m
as
_M
al
th
us
.jp
g
19
No primeiro caso, guerra, epidemia, fome e desnutrição aumentavam a taxa de 
mortalidade; no segundo, a difusão de práticas anticoncepcionais visava à redução 
da taxa de crescimento populacional, que freava o desenvolvimento econômico da 
época.
Portanto, para o modelo malthusiano, o nível de atividade econômica 
depende da demanda efetiva, ou seja, para ele, a humanidade não consumiria 
exatamente o que produzia, o desequilíbrio é inevitável devido ao crescimento 
da população ser superior à produção dos alimentos. Foi um economista clássico 
que recomendava a intervenção do estado, com o intuído de reduzir as taxas de 
desemprego na Europa.
Malthus suscitou muitas controvérsias em seus pensamentos econômicos, 
mas trouxe contribuições relevantes, como o incentivo da produção para 
acompanhar o crescimento populacional, que deve ser ordenado de modo a não 
trazer um desequilíbrio nas taxas de emprego e do nível de vida da população.
dAvid RicARdo
David Ricardo foi um dos principais pensadores clássicos 
de sua época. Nascido na cidade de Londres, em 1772, é 
considerado seguidor dos pensamentos de Adam Smith. Suas 
principais obras seguem linhas de pensamentos evoluídas para 
sua época, tais como: teoria dos lucros, política monetária, teoria 
do valor, comércio internacional, teoria da renda fundiária e 
distribuição. É importante destacar que muitos desses temas 
ainda são objetos de discussão nos dias de hoje.
Ricardo viveu na mesma época de turbulência e de 
inquietação social que viveu Malthus, inclusive aceitando 
a teoria malthusiana quanto à natureza e causas da pobreza 
dos trabalhadores, mas em algumas questões teóricas, suas 
ideias econômicas diferiam das de Malthus. 
O ponto de partida do pensamento de Ricardo foi a conceituação de valor 
e riqueza, para ele, a riqueza constituía-se na soma da quantidade de bens que a 
pessoa possuía, bens denominados por Ricardo como necessários, úteis e agradáveis. 
Valor difere da riqueza, pois não depende da abundância, mas da dificuldade ou 
facilidade de produção do bem, ou seja, era medido pela quantidade de trabalho 
suficiente para a produção de um bem.
AULA 1 TÓPICO 3
Foto 4: David Ricardo – filosofo e 
economista inglês (1772-1823)
Fo
nt
e:
 h
tt
p:
//
pt
.w
ik
ip
ed
ia
.o
rg
/w
ik
i/F
ic
he
ir
o:
D
av
id
_r
ic
ar
do
.jp
g
Matemát ica Bás ica I I2020 Fundamentos de Economia
Ricardo centrou suas ideias na taxa de lucros condicionada ao comportamento 
das atividades agrícolas, enfocando os conflitos distributivos, separa o capital 
agrário do industrial, incentiva a importação de cereais, que estava proibida na 
época, a livre concorrência e o barateamento da força de trabalho. Evolui para 
um pensamento das análises comparativas movida pela extensão do comércio 
internacional de mercadorias. Foi reconhecido como um dos principais pensadores 
econômicos, com ideias consideradas atuais para sua época.
Neste tópico, estudamos a Escola Clássica e os pensadores seguidores dessa 
corrente: Adam Smith, David Ricardo, Robert Malthus. No próximo tópico, 
conheceremos a obra do economista alemão Karl Marx.
21AULA 1 TÓPICO 4
TÓPICO 4 O pensamento marxista
• Conhecer a importância da obra do econo-
mista Karl Marx na economia capitalista
ObjetivO
Neste tópico, conheceremos um pouco mais sobre a obra de Karl Marx, economista alemão (1818 – 1883) que deu uma grande importância às análises econômicas, sociais, políticas e às relações 
entre o homem e sua inserção no modelo econômico capitalista como um todo.
CARL MARX
Marx, em sua obra intitulada “O Capital”, aborda 
a questão do trabalho como essencial para a sociedade e é 
dessa relação homem versus trabalho que se forma o lucro 
no sistema capitalista.
Primeiramente, Marx descreve a distinção entre 
trabalho e força de trabalho. Na verdade, o trabalhador 
vende ao capitalista ou proprietário dos meios de produção 
não o seu trabalho em si, mas a sua força de trabalho. A 
partir desse principio, a força de trabalho é tratada como 
uma mercadoria qualquer, que é devidamente vendida para 
o patrão.
O valor pago ao trabalhador é controlado pelo capitalista e ele paga apenas 
o necessário para a sobrevivência do empregado. Portanto, segundo Marx, 
não era pago ao trabalhador o equivalente ao total produzido por ele em uma 
determinada quantidade de tempo. Essa “diferença” entre o real valor produzido e 
Foto 5: Karl Marx – Economista e 
filosofo alemão (1818-1883)
Fo
nt
e:
 h
tt
p:
//
pt
.w
ik
ip
ed
ia
.o
rg
/w
ik
i/F
ic
he
ir
o:
M
ar
x_
co
lo
r2
.jp
g
Matemát ica Bás ica I I2222 Fundamentos de Economia
o efetivamente pago pela força de trabalho, que era apropriada pelo capitalista, foi 
denominada de mais valia pelo pensamento marxista.
Nascia, então, uma luta de classes, ou seja, para que os capitalistas 
aumentassem seus ganhos ou lucros, seria necessário o aumento da produção e o 
pagamento de um salário de subsistência, portanto, havia uma exploração da força 
de trabalho, que caminhava para uma revolução social.
Na continuidade de suas teorias, Marx chega à conclusão de que trabalho era 
a essência de todo valor, chocando com as ideias classistas de que forças naturais 
equilibram a oferta e a procura do mercado. No contexto marxista, existia um 
valor de uso, que era definido como “as características físicas particulares de uma 
mercadoria, que tinham utilidade para as pessoas” (HUNT, P. 222). Isso seria a 
serventia de um bem e um valor de troca, que era a qualidade que faz de um bem 
equivalente a outro para ser trocado.
Dentro dessa definição, os bens poderiam ter diferentes valores de uso, 
mas o mesmo valor de troca para serem efetivamente trocados. Para definirmos 
tal igualdade, seria necessário medirmos a quantidade de trabalho incorporada 
às mercadorias através do tempo de produção das mesmas, ou seja, era o trabalho 
socialmente necessário para sua produção.
Na teoria de Marx, vimos uma discordância com as leis clássicas de “ajustes 
naturais” da oferta e da procura. Para ele, o mercado gira em torno da quantidade 
produzida. Portanto, se o preço de venda ficar abaixo do preço de custo, o produtor 
não sobrevive no mercado, se o preço de venda excede o custo de produção, os 
lucros aumentam, o que atrai a concorrência, e pode levar a umasuperprodução, 
fazendo com que os preços caiam. Sob essa perspectiva, a produção determina o 
equilíbrio e o desajuste do mercado.
Marx descobriu, ainda, que o objetivo do capitalista era conseguir a mais-
valia do trabalhador através da exploração da mão de obra e aumentá-la através de 
uma maior produção. Sem a diferença entre o valor de troca do trabalho – salário 
de subsistência - e o seu valor de uso (resultado final, fruto de seu trabalho), o 
capitalista não teria nenhum interesse em comprar a mão de obra, pois sua 
mercadoria não teria preços competitivos no mercado.
Chegamos ao final deste tópico e vimos que a fase científica pode ser dividida 
em Fisiocracia, Escola Clássica e Pensamento Marxista. A primeira pregava a 
existência de uma “ordem natural”, onde o Estado não deveria intervir (laissez-faire, 
laissez-passer) nas relações econômicas. Os doutrinadores clássicos acreditavam que 
23
o Estado deveria intervir para equilibrar o mercado (oferta e demanda), através do 
ajuste de preços (“mão-invisível”). Já o marxismo criticava a “ordem natural” e 
a “harmonia de interesses” (defendida pelos clássicos), afirmando que tanto um 
como outro resultavam na concentração de renda e na exploração do trabalho.
No próximo tópico, estudaremos a escola neoclássica e seus principais 
influenciadores, que deram grandes contribuições ao pensamento neoclássico.
AULA 1 TÓPICO 4
24 Fundamentos de Economia
TÓPICO 5 A escola neoclássica e a revolução keynesiana
ObjetivOs
• Conhecer as contribuições da Escola Neoclássica 
para as teorias microeconômicas
• Estudar a Revolução Keynesiana na teoria 
econômica
Nos tópicos anteriores, conhecemos a influência de vários pensadores, estudiosos e economistas na evolução do pensamento econômico. Neste tópico, estudaremos a escola Neoclássica, que 
surgiu no final do século XIX e tem como principais nomes Carl Menger (1840-1921), 
o inglês William Stanley Jevons (1835-1882) e o francês Léon Walras (1834-1910). 
Entretanto, na segunda metade do século XIX, destacamos o inglês Alfred Marshall 
(1842-1924), que deu importantes contribuições ao pensamento neoclássico, com 
destaque para as teorias microeconômicas.
A ESCOLA NEOCLÁSSICA
Os neoclássicos defendiam que o valor de um produto é uma grandeza 
subjetiva e relaciona-se com a utilidade que esse produto tem para quem o consume. 
Essa utilidade, por sua vez, está diretamente ligada à quantidade que o indivíduo 
dispõe, nos desertos, por exemplo, a água é um produto valioso, ao passo que, em 
regiões chuvosas, o valor cai consideravelmente. Portanto, para os neoclássicos, o 
preço das mercadorias e dos serviços passa a ser definido pelo equilíbrio entre a 
oferta e a procura, essa lei do mercado conduz à estabilidade econômica.
Dessa forma, os neoclássicos baseiam seus estudos exatamente no conceito 
de escassez e acréscimos marginais, sendo que os bens econômicos terão maior 
valor devido à sua escassez. Eles demonstram que a utilidade diminui à medida que 
aumenta a quantidade consumida. 
25AULA 1 TÓPICO 5
Podemos explicitar essa teoria com o exemplo do copo d’água. Suponha 
que estamos em um deserto com muita sede, o primeiro copo d’água é de muita 
utilidade e valor, o segundo terá maior valor que o terceiro e menos que o primeiro 
e assim sucessivamente. Com os outros copos perdendo sua utilidade, à medida que 
a água vai sendo consumida, cada quantidade de água bebida trará uma satisfação 
adicional chamada “marginal”, que vai caindo à proporção que a água vai sendo 
ingerida em determinado momento de tempo considerado.
Os neoclássicos, principalmente através de Alfred Marshall, trouxeram 
grandes contribuições ao pensamento econômico. Dotados de uma linguagem 
fácil e acessível, não romperam com a escola clássica, pelo contrário, estudaram os 
clássicos e acrescentaram teorias que enriqueceram o estudo econômico.
A obra de Marshall, por exemplo, diferencia-se dos clássicos em algumas 
teorias por ele defendidas, tais como: a preocupação com a quantidade demandada 
em relação às variações de preços, preços relativos, lucros, oferta e procura; a 
inexistência de acumulação de capital. Quanto ao setor de serviços, ele também é 
produtivo para Marshall; para os clássicos, apenas os bens tangíveis geram valor.
A REVOLUÇÃO KEYNESIANA
John Maynard Keynes nasceu em Cambridge, na Inglaterra, sua obra surgiu 
em um período de grande recessão com alto desemprego de mão de obra e dos 
fatores de produção. Para muitos, a obra de Keynes apresentou uma revolução na 
teoria econômica e, com a intervenção do Estado na economia (teoria defendida 
pelo economista), também houve uma revolução na política econômica.
Keynes destaca dois problemas que 
desequilibram a economia: o desemprego e a 
má distribuição de renda. Para ele, seria de 
fundamental importância determinar os fatores 
responsáveis pelo emprego para que haja 
equilíbrio no sistema econômico.
Em sua teoria, Keynes destaca que o 
nível de emprego é determinado pelo nível de 
produção, este é determinado pela demanda 
efetiva, esta, por sua vez, é determinada por 
vários componentes, são eles: bens de consumo 
(C) e bens de investimentos (I), sendo que o 
Foto 6: Filas de desempregados durante a Grande Depressão, 1929..
Fo
nt
e:
 h
ttp
s:/
/b
it.
ly
/2
Ip
XF
0r
g
Matemát ica Bás ica I I2626 Fundamentos de Economia
consumo é em função da renda (Y), ou seja, C=f(Y). O investimento (I) vai depender 
da expectativa dos empresários quanto aos futuros lucros (E) e também da taxa 
de juros (i), ou seja, I=f(E,i). Portanto, Y = C + I, esse modelo se aplica em uma 
economia sem comércio exterior e sem governo (suposição para simplificar o 
modelo).
Vale ressaltar que a renda é determinada pelos gastos em consumos e em 
investimentos. Como o consumo é estável, o nível de renda passa a ser determinado 
pelo investimento, portanto, investimento é a chave para se compreender a 
instabilidade do sistema capitalista como um todo.
Keynes defende em seu modelo que, se o desemprego é provocado por 
deficiência de demanda, a baixa no salário dos trabalhadores desestimularia o 
consumo, diminuindo a propensão a investir e até mesmo o nível de produção, 
portanto não seria interessante para o modelo.
Para Keynes, não existia força de autoajuste na economia como defendiam 
os clássicos, mas sim uma combinação de investimento e consumo, que levaria a 
demanda a igualar-se à oferta no pleno emprego.
O autor considerou, ainda, que toda população consume uma parte e poupa 
a outra parte da renda. Assim, um trabalhador que ganha R$ 1.000,00 (hum mil 
reais) e consome R$ 700,00 (setecentos reais), poupa R$ 300,00 (trezentos reais). 
Nesse caso, sua Propensão Marginal a Consumir (PMaC) seria 0,7 e sua Propensão 
Marginal a Poupar seria (PMaP) 0,3. Portanto, a soma da PMaC e PMaP deve 
corresponder a 1. Segundo Keynes, quanto mais pobre a sociedade, maior será sua 
propensão marginal a consumir, se a nação for rica e desenvolvida, significa que ela 
tem uma propensão a poupar mais, gastando menos com consumo.
É importante salientar que não é interessante para a economia apenas 
poupança, ou seja, se todas as pessoas resolvessem poupar, haveria uma redução 
nos níveis de investimento e, consequentemente, da renda nacional. Nesse sentido, 
o consumo é também importante no modelo keynesiano. 
Outra ideia relevante defendida por Keynes é o conceito multiplicador de 
emprego, que consiste na abertura de vagas de trabalho em um determinado setor. 
Na perspectiva de tal conceito, o salário recebido pelos trabalhadores será gasto 
com bens de consumo; em vista disso, mais pessoas serão contratadas para suprir 
essa demandae, assim, sucessivamente. Isso gera mais mão de obra e elimina o 
desemprego e a capacidade ociosa.
O modelo keynesiano influenciou a política econômica de muitos países 
27
capitalistas que buscavam o pleno emprego e visavam sempre o bem estar da 
população. “Com o passar do tempo, a economia começou a apresentar problemas 
de dívidas interna e externa, desemprego, inflação e de dificuldades de crescimento 
econômico” (LAJE, 2009, p. 34).
Bom pessoal, chegamos ao final dessa aula. Em nossa próxima aula, 
estudaremos os conceitos considerados fundamentais, como o conceito de produção, 
escassez e necessidade, e o conceito denominado Fronteira de Possibilidade de 
Produção (FPP), entre outros.
Bons estudos!
‘
1. Por que a economia pode ser considerada uma ciência social e qual seu objetivo 
como ciências econômicas?
2. Descreva as principais características do mercantilismo e dos fisiocratas como 
doutrinas econômicas.
3. Quais os principais pontos de discordância entre a Teoria Clássica e as ideias 
defendidas pelos Fisiocratas?
4. Descreva o princípio da escassez defendido por Malthus.
5. Segundo o pensamento marxista, o que significa mais valia e qual era o objetivo 
do capitalista dentro do sistema?
6. Keynes viveu em uma época de crise econômica com elevados níveis de 
desemprego, como a economia poderia reagir, segundo a teoria keynesiana, 
para que os níveis de emprego fossem elevados?
AT I V I D A D E S D E A P R O F U N D A M E N T O
AULA 1 TÓPICO 5
28 Fundamentos de Economia
AULA 2 Introdução aos problemas e sistemas econômicos 
Agora estudaremos os problemas considerados fundamentais para a teoria 
econômica. Primeiro, definiremos quatro perguntas básicas, a partir delas, 
entenderemos melhor o conceito de produção, para quem ela se destina e 
em que quantidade e a forma que devemos produzir para alcançar o equilíbrio 
econômico.
Conceitos como escassez e necessidade, bens e serviços serão introduzidos e 
também analisaremos as formas de sistemas econômicos adotadas.
Ainda nesta aula, simularemos um exemplo para acompanhamento do gráfico de 
um famoso conceito econômico denominado de Fronteira de Possibilidade de 
Produção (FPP); veremos como esse conceito pode ser adequado e interpretado 
dentro da área turística.
Para a elaboração desta aula, tomamos como base o livro “Introdução à 
Economia”, do ROSSETTI (2007), aproveito para indicar, também, a leitura dessa 
obra caso você queira aprofundar os seus conhecimentos nesse assunto, vale à 
pena conferir!
Objetivos
• Conhecer os problemas econômicos fundamentais
• Discutir sobre escassez e necessidade na economia
• Analisar os problemas econômicos e a classificação dos bens
• Conhecer os sistemas econômicos e a curva de fronteira de possibilidade de 
produção
• Analisar os conceitos de microeconomia e discutir a demanda
• Discutir a oferta e o ponto de equilíbrio
29AULA 2 TÓPICO 1
TÓPICO 1 Os problemas econômicos fundamentais
• Conhecer os problemas econômicos fundamentais e a 
classificação dos bens
• Estudar a escassez e a necessidade na economia
ObjetivOs
É possível observar que, como as necessidades humanas são ilimitadas e os recursos econômicos não, a economia deve realizar opções entre os bens ou serviços a serem produzidos, as quantidades colocadas 
à disposição dos consumidores, os processos técnicos a serem utilizados e a quem 
se destinará a produção.
Essas “escolhas”, opções, que existem na economia, são conhecidas 
como problemas econômicos fundamentais que consistem em: o que produzir? 
Quanto produzir? Como produzir? Para quem produzir? As respostas para tais 
questionamentos serão estudadas neste tópico.
1.1 OS PROBLEMAS ECONÔMICOS FUNDAMENTAIS 
o que pRoduziR?
Quais produtos deverão ser produzidos e colocados à disposição dos consumidores? 
Em determinados períodos de tempo, as pessoas experimentam mudanças 
de costumes e hábitos; nesse processo, podemos considerar, ainda, a adesão por 
modismos, que também é muito forte entre os consumidores. É importante pontuar 
as modernizações tecnológicas, que permitem a produção de novos tipos de bens, 
criando necessidades ainda não existentes. Há ainda, os acontecimentos conjunturais, 
como menor ou maior oferta de um produto ou de variações em seu preço. Todos esses 
fatores levam a alterações nas necessidades de consumo, o que torna necessário o 
acompanhamento das tendências e o planejamento do objeto a ser produzido.
Matemát ica Bás ica I I3030 Fundamentos de Economia
Claro que o empresário, além da expectativa de obter lucro, depende do 
conhecimento que ele tem do mercado que deve atuar, do acesso a uma tecnologia, ou 
mesmo da tradição familiar no negócio. Portanto, não se trata de uma decisão aleatória, são 
considerados diversos fatores determinantes na escolha. Além desses aspectos, é levada em 
consideração, também, a política econômica favorável no estado em que o capitalista vive.
o quAnto pRoduziR?
Em que quantidade os bens deverão ser produzidos? 
Está intrinsecamente ligado ao fator do que produzir. Também sofre mudanças 
com o aumento do número da população a ser atendida, com a estratificação dos 
grupos de consumo, com a modernização que permite os ganhos de escala, etc.
A quantidade a ser atendida pelo produto é determinante para que o produtor 
maximize o seu lucro, evite os desperdícios e atenda satisfatoriamente a demanda.
como pRoduziR?
Por quem serão produzidos, com quais recursos e utilizando que processo técnico? 
Os bens e os serviços são produzidos utilizando recursos produtivos 
denominados fatores de produção (recursos naturais, capital, trabalho, a capacidade 
empresarial e tecnológica também são consideradas). Cada um desses fatores é 
remunerado de maneira diferente e as diferentes combinações de fatores devem ser 
consideradas para a decisão de como produzir.
O conhecimento tecnológico, por exemplo, é um fator fundamental 
na decisão de como produzir, pois ele pode ser comprado de outros países em 
forma de royalties (direito à tecnologia oriunda de outro país), ou a empresa pode 
investir mais em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Países considerados menos 
desenvolvidos investem menos em P&D por insuficiência de recursos financeiros 
ou mesmo técnicos, preferindo importar técnicas já utilizadas por outras nações.
Na decisão da produção, é importante, o preço dos recursos aplicados, ou 
seja, se a mão de obra for barata e o custo do capital alto, as empresas tenderão a 
optar por mais trabalho e menos capital. Nesse caso, o processo de produção será 
mais manual e menos mecanizado, serão utilizadas técnicas de trabalho intensivo. 
Nos países desenvolvidos, por exemplo, ocorre que o salário dos trabalhadores será 
mais elevado, portanto, as empresas optam pela mecanização do processo produtivo.
Nos países desenvolvidos, emprega-se alta aplicação do capital e consequente 
mecanização, utiliza-se técnicas de capital intensivo. A mecanização ou robotização 
31
já é uma realidade em países em desenvolvimento como o Brasil. Indústrias como 
a automobilística, por exemplo, é bastante mecanizada em seu processo produtivo 
para ter competitividade no mercado internacional e garantir sua redução de 
custos no processo.
pARA quem pRoduziR?
A quem se destina a produção? 
O destino da produção está diretamente ligado ao fator da renda. Isso é 
decidido pelo empresário, que sempre vislumbra a maximização dos seus lucros, 
pois é ele quem escolhe qual camada da sociedade quer atingir. Na decisão do 
seu público-alvo, como uma empresa de sapatos, por exemplo, ele define se quer 
destinar sua produção para um público mais humilde, com sapatos mais baratos, 
produzindo em larga escala, ou destinar a classeA, com produtos caros e exclusivos.
Claro que essa decisão do público-alvo depende da disponibilidade dos 
recursos produtivos e da tecnologia aplicada. 
1.2 ESCASSEZ E NECESSIDADE NA ECONOMIA
O objetivo das Ciências Econômicas é o estudo da escassez de produtos 
e serviços e dos problemas dela decorrente, ao mesmo tempo, tenta sanar as 
necessidades humanas, que são ilimitadas.
Nesse processo (escassez de bens e necessidades do consumidor), o 
indivíduo busca satisfazer suas necessidades básicas ou mesmo biológicas, para 
isso, existe uma produção contínua de bens para a satisfação desses desejos do 
ser humano. Satisfeitas as necessidades básicas e com a perspectiva de elevação 
do padrão de vida e constante evolução tecnológica, surgem novas necessidades, 
como uma roupa melhor, uma viagem mais cara, um carro mais confortável, etc. 
Isso demonstra o fato de que as necessidades humanas são ilimitadas. 
A escassez dos produtos surge, então, por essas necessidades ilimitadas e os 
recursos econômicos, incluindo os bens, são limitados. Destaca-se que essa escassez é 
denominada relativa justamente pelo fato de ser diferenciada entre distintos países, 
pois a necessidade é também diferenciada em cada nação. Por exemplo, em um 
país menos desenvolvido, há escassez de produtos de primeira necessidade, como 
alimentos, vestuário, habitação, etc. Já em países desenvolvidos, os bens de luxo é 
que são escassos, portanto as necessidades básicas estão satisfeitas e as secundárias, 
como fazer uma viagem internacional, ter um carro de luxo, entre outras, ainda não.
AULA 2 TÓPICO 1
Matemát ica Bás ica I I3232 Fundamentos de Economia
Neste tópico, estudamos as principais perguntas que norteiam os problemas 
econômicos fundamentais, bem como os aspectos da escassez dos recursos diante 
das necessidades surgidas na economia. Agora vamos ao próximo tópico, nele, 
estudaremos os bens e serviços.
33AULA 2 TÓPICO 2
TÓPICO 2 Bens e serviços
• Discutir os conceitos de bens e serviços
• Classificar os bens econômicos
ObjetivOs
No tópico anterior, estudamos os problemas fundamentais que norteiam a economia, conhecemos, ainda, a relação entre escassez e a necessidade na economia. Neste tópico, continuaremos nossos 
estudos discutindo bens e serviços.
Bem é algo que, quando consumido ou utilizado, satisfaz uma necessidade 
sentida pelo indivíduo. Sempre que esses bens existem na Natureza, em quantidade 
ilimitada ou pelo menos superior à quantidade necessária para satisfazer as necessidades 
existentes (ar que respiramos ou luz do Sol), são denominados Bens Livres. 
Entretanto, a maioria dos bens existe em quantidade limitada ou insuficiente 
para satisfazer todas as necessidades humanas, esses são bens escassos ou 
econômicos. Eles são tangíveis, oriundos de atividades primárias (provenientes 
da agricultura) ou secundárias (atividades industriais).
Os serviços são provenientes de atividades terciárias de produção, não 
são materiais, mas são derivadas do trabalho humano para a satisfação de suas 
necessidades, por exemplo, dentista, vendedores, agentes de turismo, etc.
1. CLASSIFICAÇÃO DOS BENS ECONÔMICOS
Bens duráveis ou duradouros: quando podem ser utilizados mais do que 
uma vez, permitindo o uso prolongado como carro, geladeira, casa, fogão, etc.; 
e bens não duráveis ou não duradouros, que são aqueles que apenas podem ser 
utilizados uma vez tais como os alimentos, combustíveis, serviços, etc.
Matemát ica Bás ica I I3434 Fundamentos de Economia
 - Quanto à sua função: Bens Intermediários são os bens que passam por 
transformação para tornarem-se bens de consumo ou capital, constituem-
se nas matérias-primas ou nos equipamentos, são bens capazes de 
produzir outros bens que atendem as necessidades finais, nos serviços 
também existem os intermediários que dão suporte para as atividades de 
produção; os Bens Finais são bens destinados ao consumo direto, dentre 
podemos citar os alimentos, calçado, medicamentos, etc.
 - Quanto às suas relações podemos ter: Bens Substitutos e Suplementares: 
Quando é possível a sua substituição para satisfação da mesma necessidade 
(exemplo de águas de marcas diferentes, gasolina ou álcool em carro 
flex); e Bens Complementares, quando a satisfação da necessidade só 
é atingida quando se consumidos dois bens em simultâneo (exemplo do 
carro e a gasolina). 
 - Quanto a sua natureza: Bens de Consumo: utilizados para a 
satisfação das necessidades humanas. Podem ser de uso não-durável 
ou de uso durável. Bens de Capital (ou Bens de Produção) 
não atendem às necessidades humanas diretamente, são aqueles 
que permitem produzir outros bens. Dentre eles podemos citar 
as máquinas, equipamentos de infra-estrutura, ferramenta, etc. 
Bens de Consumo e Bens de Capital são classificados como Bens Finais, 
pois já passaram por todos os processos de transformação.
 - Quanto ao Uso: Bens Privados são produzidos e possuídos privadamente. 
Como exemplo, temos os automóveis, geladeiras etc. e os Bens Públicos 
que são os bens fornecidos pelo setor público, como a educação, 
segurança, transporte coletivo, etc. 
2. RECURSOS PRODUTIVOS
São também denominados de fatores de produção de uma nação, vale ressaltar 
que qualquer uma dispõe de algum tipo de recurso, seja ela desenvolvida ou não. 
Os recursos produtivos são os elementos utilizados no processo de fabricação 
das mercadorias, que serão utilizadas na satisfação de nossas necessidades; esses 
elementos podem ser de origem natural, humana, bens capital, tecnológica e 
empresarial. “Os recursos produtivos devem ser utilizados da forma mais racional e 
eficiente possível, para evitar desperdício e ociosidade, no turismo, essa ociosidade 
pode ser exemplificada no apartamento de hotel não ocupado, no acento vago de 
35
um ônibus de turismo ao avião, na mesa desocupada de um restaurante, etc.” 
(FERNANDES, COELHO p. 52)
Para melhor esclarecer esse assunto, a seguir, trataremos de cada um dos 
recursos produtivos em particular. Confira!
Terra (recursos naturais) - Inclui não apenas o solo propriamente dito 
disponível para a agricultura, mas outros recursos naturais existentes, florestas, 
recursos minerais, recursos hídricos, fauna, clima, entre outros.
Trabalho - É a parcela da população economicamente ativa, é todo o esforço 
humano, físico ou mental, despendido na produção de bens e serviços.
Capital (bens de capital) - É o conjunto de riquezas fabricadas pela 
sociedade e que se destina à fabricação de bens de consumo. O capital inclui 
máquinas, equipamentos, ferramentas de trabalho, edifícios e todos os estoques 
de materiais dos produtores, incluindo bens parcialmente ou completamente 
acabados. O fator capital é utilizado na formação da riqueza de um país e é de 
extrema importância no processo de fabricação dos bens de consumo.
Tecnologia - Esse fator é definido como o conjunto de habilidades e 
conhecimentos que sustentam o processo de produção. A tecnologia é uma 
ferramenta de grande importância para que o processo produtivo tenha obtenção 
de lucro e seja competitivo.
Capacidade empresarial - São as decisões tomadas no processo de 
produção. O empresário deve ter capacidade organizacional, visão estratégica, 
competitividade. Exerce função fundamental, pois decide o rumo que empresa 
toma dentro do processo.
No próximo tópico, continuaremos nossos estudos, conheceremos os 
elementos básicos em que o sistema econômico é dividido. Até lá!
AULA 2 TÓPICO 2
36 Fundamentos de Economia
TÓPICO 3 Sistemas econômicos e curva FPP
ObjetivOs
• Conhecer os três elementos em que o sistema 
econômico é dividido
• Compreender os conceitos ligados à Curva FPP
• Conhecer as três formasde organização institucional 
econômica
Neste tópico, compreenderemos o sistema econômico e como ele está ligado às formas políticas, sociais e econômicas de uma sociedade. Conheceremos, ainda, alguns conceitos ligados à 
Curva FPP (Fronteiras das Possibilidades de Produção). Vamos lá, então!
Um sistema econômico representa a forma política, social e econômica de 
como se organiza uma sociedade Do ponto de vista econômico, é a maneira de 
se organizar a produção, a distribuição e o consumo de todos os bens e serviços 
produzidos, em busca de um melhor padrão de vida e do bem-estar do indivíduo.
Esse sistema econômico é dividido em três elementos básicos, que nós 
especificamos a seguir. Vejamos!
Estoque de fatores de produção - Constituem-se a base da atividade 
econômica, tais como as reservas naturais, os recursos humanos, o capital, a 
capacidade tecnológica e a capacidade empresarial.
Agentes econômicos - São divididas em famílias, que são as proprietárias 
dos fatores de produção que fornecem às unidades produtoras através do mercado 
de bens de produção, as empresas que produzem bens e serviços e fornecem às 
famílias no mercado de bens de produção e, o governo que interagem com as 
unidades familiares e empresas e são produtores de bens e serviços públicos.
Instituições - São os complexos de instituições jurídicas que disciplinam os 
direitos e os deveres do sistema, as políticas que definem as esferas e as competências 
dos agentes econômicos e sociais, que estabelecem as regras de conduta e valores de 
referência para a sociedade.
37
Esses três agentes econômicos estão sempre interagindo entre eles 
ininterruptamente, as razões dessas interações são a diversidade das necessidades 
humanas. Agora vamos conhecer as três formas de organização institucional 
econômica que têm a finalidade de dar eficiência econômica.
3.1 ORGANIZAÇÕES ECONÔMICAS
Há três formas de organização institucional econômica, que objetivam a 
eficiência econômica, a alocação dos recursos com eficácia e uma melhor distribuição 
do resultado do esforço social de produção. A seguir, confira cada ema delas em 
particular.
1. economiA de meRcAdo (deScentRAlizAdA ou cApitAliStA)
É fundamentada na liberdade de ação dos agentes econômicos, ou seja, 
pela livre iniciativa. Nessa organização, esses agentes gozam de ampla liberdade, 
quanto à destinação de seus recursos e quanto à escolha dos bens e serviços que 
serão ofertados.
Os agentes econômicos interagem entre si, prevalecendo as forças da 
competição entre eles, sendo que a coordenação e alocação dos recursos são 
atribuídas à livre manifestação das forças de mercado.
Nesse tipo de economia, os economistas do século XVIII acreditavam na “Mão 
Invisível”, que regulava o mercado sem interferência externa (fora do mercado), 
contribuindo para o bom funcionamento do sistema econômico.
2. economiA plAnificAdA (SociAliStA)
No caso da economia planificada ou socialista, os 
agentes econômicos não são regulados pela Mão Invisível 
de mercado. Nessa organização econômica, o órgão 
central de planejamento define a alocação de fatores de 
produção com vista à satisfação da necessidade e exerce 
autoridade no comando, com o poder de controlar a 
economia.
Historicamente, acompanhamos várias formas 
de ampla intervenção da autoridade pública, desde a 
idade média, passando pelo feudalismo, chegando até os 
socialistas do século XIX. O sistema socialista propunha a 
AULA 2 TÓPICO 3
Na economia Planificada, há 
restrições quanto à liberdade dos 
agentes econômicos e submissão 
do interesse individual ao 
interesse social. Com relação ao 
mercado, este está sob o poder 
regulatório da autoridade pública.
at e n ç ã o !
Matemát ica Bás ica I I3838 Fundamentos de Economia
implantação de um novo ordenamento objetivado o beneficio social em detrimento 
dos interesses individuais. 
Os socialistas acreditavam que a centralização das decisões manteria a 
eficiência produtiva e a produção seria mais eficaz, pois evitaria a superprodução e 
os desperdícios indesejáveis. Por fim, a propriedade coletiva dos meios de produção 
acarretaria numa repartição mais justa e igualitária entre os agentes econômicos.
Hoje vemos essa forma de organização econômica em sua forma mais atuante 
em países como Cuba e China, apesar de que, neste último, existe uma abertura 
maior aos mercados internacionais.
3.economiA miStA
No sistema de economia mista, há restrições à plena liberdade. As escolhas 
sociais se originam de determinações da central de comando ou do próprio mercado, 
dependendo das determinações políticas existentes no sistema. Trata-se de posição 
intermediária entre o liberalismo de mercado e o socialismo revolucionário.
Dadas as inúmeras formas de economia mista, suas 
práticas não são definidas com precisão, mas o sistema 
prevalece na maior parte das nações.
cuRvA fpp
Antes de apresentarmos o modelo das Curvas (ou 
Fronteiras) das Possibilidades de Produção, que é utilizado 
para comparar a capacidade que uma nação tem de produzir 
dois bens, dados os fatores de produção e a tecnologia 
disponível naquele país, vamos apresentar alguns conceitos 
para o melhor entendimento do assunto. 
1. Pleno emprego - Engloba todos os fatores de 
produção, não apenas o trabalho. Parte do pressuposto de que 
é preciso manter ocupada toda a população economicamente 
ativa, utilizando os bens de capital disponíveis plenamente e 
operar os processos produtivos seguindo padrões tecnológicos 
elevados.
2. Eficiência produtiva - Operar em pleno emprego. 
3. Limite máximo de eficiência - Operando em plano emprego, esse limite 
é alcançado quando não existe mais capacidade ociosa a ser aproveitada, Quando 
AT E N Ç Ã O !
Na economia Mista, há restrições 
seletivas à liberdade dos agentes 
econômicos, que são incentivados 
a realizar a satisfação das 
necessidades coletivas sociais. 
O locus do processo decisório, 
assim como na economia 
descentralizada, é o mercado, 
porém a autoridade pública atua 
com poder regulatório.
39
o limite máximo de eficiência é alcançado, ao acrescentarmos uma unidade de 
produção de determinado bem ou serviço, implicará em reduções na produção do 
outro bem.
4. Expansão das fronteiras de produção - Apresentam acréscimos dos 
fatores de produção trabalho, terra, capital ou desenvolvimento de tecnologias 
mais avançadas, que permite um acréscimo da produção com menos recursos 
disponíveis.
5. Possibilidades de produção - Existem várias combinações de diferentes 
categorias de bens e serviços, essas combinações são frutos de decisões dos 
governantes ou resultantes da livre atuação das empresas e famílias.
Feitos os esclarecimentos, destaca-se que, embora as possibilidades sejam 
múltiplas, há sempre limites determinados pela curva de produção, esses limites 
são representados pelos recursos, que dada sua escassez, não é possível produzir 
quantidades infinitas de bens.
A ideia da Fronteira de Possibilidades baseia-se no conceito de renda 
limitada; se um produtor pode escolher entre produzir bermudas ou bonés, por 
exemplo, ele terá que escolher qual parte de recursos vai para bermudas e qual 
parte será destinada à produção de bonés. Quando ele atinge o limite de produção 
de bermudas, não produz bonés e vice-versa. Nesse caso, será produzido apenas 
um produto, com a economia operando em pleno emprego.
Portanto, não há como aumentar a produção se qualquer um dos bens, 
sem sacrificar a produção do outro bem, significando que qualquer combinação 
envolve o custo de oportunidade.
A mesma decisão quanto à escolha podemos perceber no governo; com o 
orçamento limitado, as câmaras locaispodem decidir entre construir uma escola ou 
empregar o dinheiro na construção de uma praça pública.
Custo de Oportunidade é resultante do processo de escolha, que é inevitável 
diante da escassez dos recursos, e claro, como qualquer escolha pode significar 
perdas. Eu posso escolher, por exemplo, comprar um pacote de viagem para 
conhecer o nordeste em detrimento de trocar o carro por um mais novo. Esse foi 
o meu custo de oportunidade, tendo em vista que meus recursos estavam escassos 
naquele período de tempo; essas alternativas de escolhas valem também para as 
empresas e para o governo.
A seguir, no quadro 1, podemos visualizar o modelo que estudaremos. 
Por meio dele, vemos que, para diferentes combinações dos bens produzidos, no 
AULA 2 TÓPICO 3
Matemát ica Bás ica I I4040 Fundamentos de Economia
caso bermudas e bonés, as possibilidades máximas de produção da economia, em 
milhões de unidades/ano. Considerando 6 alternativas de A a F, sendo a primeira 
A e a ultima F. 
Note que as possibilidades máximas de produção de apenas um dos dois bens 
são alcançadas quando se sacrifica totalmente a produção do outro. Nas unidades 
intermediárias, vemos combinações diferentes para os produtos. No caso de D, 
por exemplo, os limites máximos possíveis serão de 3 milhões de unidades/ano de 
bermudas e 5 milhões de unidades/ano para bonés. Nessa condição, a economia 
poderá aumentar a produção de qualquer bem, sacrificando a do outro. Partindo-se 
da mesma alternativa D, se aumentarmos a produção de bermudas para 4 milhões/
ano, a quantidade de bonés deverá ser reduzida para 3 milhões/ano.
Esses movimentos decorrem da hipótese teórica de que a economia sempre 
estará operando em pleno emprego, em todas as alternativas consideradas (de A 
a F). Portanto, não há como aumentar a produção de qualquer um dos bens sem 
sacrificar a produção do outro bem, com isso, concluímos que qualquer combinação 
envolve custo de oportunidade.
Com os dados do quadro 1, podemos criar uma curva resultante dos pontos 
coordenados de A a F, essa curva é denominada de Curva (ou fronteira) das 
possibilidades de produção – FPP.
Quadro 1: Quantidades produzidas de bermudas e bonés (em milhões)
41
Na nossa Curva (ou fronteira) das possibilidades de produção – FPP, 
identificamos quatro pontos em que a economia pode se situar. Vamos conferi-los!
• Ponto O - Ponto em que se produz zero (não há produção) tanto para 
bermudas quanto para bonés. Nesse ponto, a economia não utiliza os recursos 
de produção de que dispõe. Logicamente, nenhuma economia se encontra nessa 
situação, pois, nessa situação teórica, nem a produção de subsistência para 
atender às necessidades básicas e fisiológicas do indivíduo estaria funcionando. 
Nesse caso, identificamos também uma situação de pleno desemprego.
• Ponto Z - Neste ponto, identificado em nosso gráfico, a economia opera 
com capacidade ociosa de produção, ou seja, existem postos de trabalhado 
para serem “preenchidos”. Isso ocorre em posição intermediária entre o pleno 
emprego e o pleno desemprego. No ponto Z, existem máquinas paradas à espera 
de operadores que estão desempregados. Os níveis de produção estão aquém da 
sua capacidade de operação.
• Ponto P - Dificilmente alcançado na prática, é um ponto considerado 
ideal na economia. É denominado ponto ótimo de produção, com os fatores de 
produção plenamente empregados. Em nosso exemplo, conseguimos produzir 
bonés e bermudas, se nos deslocarmos sobre a curva para cima, produziremos 
menos bermudas e aumentaremos a produção de bonés, para baixo. Ainda 
sobre a curva, diminuiríamos a produção de bonés, aumentando a produção 
de bermudas, ou seja, aumentar a produção de bermudas tem um custo para a 
sociedade em termos de bonés que se deixou de produzir e vice-versa.
AULA 2 TÓPICO 3
FRONTEIRAS DE POSSIBILDAES DE PRODUÇÃO
Fo
nt
e:
 d
ea
d/
ifc
e
Matemát ica Bás ica I I4242 Fundamentos de Economia
1. Quais são os problemas econômicos considerados fundamentais na 
sociedade?
2. De que forma podemos mensurar o desperdício e a ociosidade dos 
recursos produtivos no campo turístico? FERNANDES.COELHO p.61
3. Quais as diferenças básicas entre os sistemas econômicos de mercado 
e o socialista?
4. O que significa Curva de Possibilidade de Produção?
5. O que significa um ponto fora da curva de possibilidade de produção?
6. Considerando a tabela abaixo (FERNANDES, COELHO p. 147), faça o 
que se pede:
a. Represente graficamente a Curva de Possibilidade de Produção.
b. Marque um ponto qualquer dentro da curva e mostre as hipóteses 
referentes a cada produto e suas perdas.
AT I V I D A D E S D E A P R O F U N D A M E N T O
• Ponto R - É chamado nível impossível de produção. É uma posição 
inalcançável, pois está situado além da fronteira de produção da economia. 
O ponto R só será alcançado se houver um deslocamento da curva para a 
direita, que é obtido graças à expansão dos recursos produtivos, aos avanços 
tecnológicos, ao aumento do contingente humano economicamente mobilizável, 
ao melhor aproveitamento das reservas naturais, às alterações verificadas em 
fases de crescimento econômico.
Chegamos ao final desta aula. Por meio dela, analisamos os problemas 
econômicos, a escassez, os bens e suas características, bem como os recursos 
produtivos. Conhecemos, também, os sistemas econômicos, entre outros assuntos 
importantes para a compreensão das próximas aulas.
Na próxima aula, estudaremos a microeconomia, estudo da demanda, da 
oferta e do equilíbrio.
43AULA 2 TÓPICO 3
44 Fundamentos de Economia
AULA 3 Introdução à microeconomia
A partir desta aula, estudaremos dois grandes ramos da economia: a 
microeconomia e a macroeconomia. A microeconomia estuda o comportamento 
das unidades econômicas, como consumidores e empresas se comportam ante 
a variação comportamental de ambas, como é estruturado o mercado e suas 
formas de concorrência.
Estudaremos os conceitos econômicos oferta, demanda, equilíbrio de mercado, 
elasticidade e como podemos exemplificá-los dentro do cenário turístico, que é 
o nosso foco de estudo.
Finalmente, no tópico 3, analisaremos o comportamento do consumidor para 
que possamos visualizar suas preferências e necessidades dentro do contexto 
econômico.
Objetivos
• Estudar a microeconomia
• Compreender o funcionamento da oferta e da demanda
• Discutir os conceitos de mercado, sua classificação e estrutura
• Aplicar o conceito de elasticidade de preço da oferta e da demanda
• Compreender o conceito de elasticidade-preço-renda
• Conhecer o comportamento do consumidor na economia de mercado
45AULA 3 TÓPICO 1
TÓPICO 1 O mercado: estruturas e mecanismos básicos
• Conhecer a Teoria dos Preços (Microeconomia)
• Compreender o funcionamento da oferta e da demanda
• Discutir os conceitos de mercado, sua classificação e 
estrutura
ObjetivOs
A Microeconomia, ou Teoria dos Preços, analisa a formação de preços no mercado. Assim, é objeto de sua observação a forma como consumidores e empresas interagem e decidem qual preço 
e quantidade ofertada de determinado bem ou serviço. Assim, estudaremos, 
neste tópico, o funcionamento da oferta e da demanda na formação do preço no 
mercado e suas variações, ou seja, o preço obtido a partir da interação das ações 
de consumidores e produtores que demandam e ofertam um dado bem ou serviço, 
respectivamente.
Ainda neste tópico, conceituaremos o mercado, suas tipologias e estruturas, 
bem como o comportamento do consumidor e suas variáveis.
3.1 MERCADO
Em sua forma tradicional, o mercado caracterizava-se por ter um lugar 
determinado onde se realizavam transações econômicas. Esse conceito econômico, 
nos dias atuais, assumeuma definição marcada pelo entrechoque de forças 
antagônicas de oferta e procura, representada pelos compradores e vendedores, 
em que estes obtêm informações e realizam negócios uns com os outros.
Existem vários tipos de mercado dentro da economia, dentre eles: mercado 
de bens (carros, frutas, sapatos); mercado de serviços (dentista, médico, agências 
de turismo, aula de dança); mercado de recursos (programadores de computadores, 
operadores de escavadeiras); insumos (algodão, chips de computadores), moedas 
(dólar, euro, libra), entre vários outros tipos de mercado.
Matemát ica Bás ica I I4646 Fundamentos de Economia
O resultado do entrechoque das forças de oferta e procura que regem esses 
mercados estabelece os padrões de desempenho. Em determinada circunstância, diz-
se que o mercado está firme quando as forças da procura parecem superar as forças 
de oferta; estável, quando as duas forças se mantêm equilibradas; e frouxo, quando 
as forças da procura parecem ter menor intensidade do que a capacidade de oferta.
Existem, ainda, outras qualificações importantes relacionadas com o mercado. 
Ele pode estar em expansão quando estão ocorrendo deslocamentos simultâneos 
para mais, tanto na procura quanto na oferta. Por outro lado, o mercado pode estar 
em contração, nesse caso, a procura e a oferta estão contraindo-se.
3.2 ESTRUTURAS DE MERCADO
Os mercados variam na intensidade da concorrência que os vendedores e 
os compradores enfrentam. Vejamos, a seguir, alguns exemplos especificadamente. 
concoRRênciA peRfeitA
É considerada uma situação econômica ideal. Entretanto, em uma realidade 
complexa, os mercados sempre apresentam algum grau de imperfeição.
Uma estrutura de mercado descrita como concorrência perfeita apresenta 
algumas condições. A seguir, especificamos cada uma delas em particular. 
1. O mercado atomizado possui número de compradores e vendedores, 
onde qualquer ação isolada de um agente não influencia no equilíbrio 
de mercado.
2. Os produtos transacionados são homogêneos, sendo rigorosamente 
iguais, portanto indiferente para o consumidor.
3. Os produtores e os consumidores, mesmo isoladamente, não têm o poder 
de influenciar no preço do produto, mesmo porque, os produtos são 
atomizados e homogêneos, o que garante a igualdade de valores.
4. A perfeita transparência é o completo conhecimento dos compradores 
e dos vendedores, de tudo o que passa no mercado. Não há restrição de 
informações, nem agente que tenha acesso a informações privilegiadas 
ou diferentes daquelas que os agentes normalmente detêm. 
5. As barreiras financeiras, técnicas, legais ou de qualquer outra ordem 
não existem em situação de concorrência perfeita, é o que chamamos de 
permeabilidade. Nesse caso, não há restrições ou barreiras às entradas e 
saídas das empresas no mercado. 
47
6. A perfeita mobilidade dos recursos produtivos significa a inexistência 
de qualquer tipo de acordo ou ordem entre os agentes, nem restrições 
governamentais.
Pelas características do modelo, percebemos que o mercado de concorrência 
perfeita dificilmente é encontrado na prática.
monopólio
Na estrutura monopolista, existe um único produtor que realiza toda a 
produção, portanto ele domina totalmente a oferta de mercado, sendo um modelo 
extremamente oposto ao da concorrência perfeita. 
Nesse caso, a empresa detentora do monopólio produz um produto do qual 
não existe um substituto próximo. Nessa condição, ou os compradores se submetem 
às condições impostas pela empresa, ou simplesmente não consomem o produto.
O monopolista apresenta algumas características. A seguir, confira a nossa 
relação!
1. Unicidade: apenas um vendedor dominando o mercado.
2. Barreira: a entrada de um concorrente torna-se impossível, do contrário, 
descaracterizaria o modelo imposto.
3. Extra-preço: preços elevados e lucros extraordinários.
4. Insubstitutibilidade: o produto não tem substitutos próximos.
5. Poder: denominado poder do monopólio, pois o monopolista controla 
preço e quantidade produzida. 
6. Opacidade: os resultados alcançados ou mesmo os processos de produção 
realizados pela empresa monopolista dificilmente são divulgados.
Do ponto de vista social, o monopólio deve ser evitado como estrutura de 
mercado predominante, já que privilegia somente uma marca ou modelo de cada 
produto e impede que o próprio consumidor tome decisões e tenha mais opções 
em suas compras.
oligopólio 
O oligopólio é uma estrutura onde poucas empresas dominam a oferta de 
mercado, elas chegam a controlar em torno de 80% a 90% da oferta total. Trata-se 
da estrutura de mercado prevalecente nas economias. Podemos citar a economia 
brasileira com muitos exemplos de oligopólios, como na indústria automobilística, 
eletroeletrônica, farmacêutica e muitas outras.
AULA 3 TÓPICO 1
Matemát ica Bás ica I I4848 Fundamentos de Economia
Identificamos a presença de oligopólios entre empresas de produtos 
diferenciados, como a indústria automobilística, e até mesmo entre empresas com 
produtos homogêneos, como ferro ou cimento, por exemplo.
Assim, no oligopólio, os produtos são substitutos próximos entre si com 
pequenas diferenças entre eles. Dessa forma, a concorrência entre preços é evitada 
para que não haja perdas para as empresas dominantes. Para ganhar mercado, cada 
empresa tenta sobressair-se com inversões de novas tecnologias, lançamentos de 
produtos no mercado e investimento em propaganda e publicidade.
O modelo oligopolista é caracterizado também pela rivalidade entre as 
empresas, barreiras para o ingresso de novas empresas e o excessivo controle dos 
preços realizados pela prática de acordos e conluios entre as empresas participantes.
concoRRênciA monopolíSticA (impeRfeitA) 
A concorrência monopolística caracteriza-se pelo fato de que as empresas 
produzem produtos diferenciados. Embora sendo substitutos próximos, nessa 
estrutura, o número de concorrentes é grande. Contudo, cada um deles possui 
sua própria patente e procura diferenciar seu produto sobre os demais, seja nas 
características físicas, seja nas embalagens, ou mesmo pela promoção de vendas do 
produto.
Com relação às barreiras à entrada, por tratar-se de mercados altamente 
competitivos, são baixas, sendo relativamente fácil o ingresso de novas empresas.
No quadro a seguir, podemos visualizar melhor as principais características 
entre as quatro estruturas clássicas de mercado. Vamos conferi-las!
49
3.3 DEMANDA
Define-se a procura (ou demanda) como sendo a quantidade de bens que 
os consumidores estão aptos e dispostos a adquirir, em dado período de tempo, 
levando em conta os vários preços alternativos, considerando as variáveis de preço 
e de quantidade.
Analisando o comportamento padrão dos consumidores, as variáveis de 
preço e quantidade do produto relacionam-se inversamente, ou seja, quanto mais 
baixo os preços, maior a quantidade procurada, ou, quanto mais alto for o preço, 
menor a sua procura, mantidas as demais influências constantes.
As principais condições determinantes da demanda são: o preço do bem, 
os preços dos outros bens, a renda do consumidor e a preferência (gosto) do 
consumidor.
Supondo que os preços dos outros bens, a renda e a preferência do consumidor 
não se modifiquem, permaneçam constantes (condição “ceteris paribus”), podemos 
estabelecer uma relação inversa entre quantidade demandada e preço do bem, 
como mostra o gráfico abaixo. 
AULA 3 TÓPICO 1
Quadro 1 - Principais características das quatro estruturas de mercado: síntese de 
atributos diferenciadores. 
Fonte: Rossetti, Introdução à Economia. (2007 p. 407)
Matemát ica Bás ica I I5050 Fundamentos de Economia
Obviamente, você deve

Mais conteúdos dessa disciplina