A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
PCC 1 SEMESTRE - A DIVERSIDADE CULTURAL NA ATUALIDADE E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELA INTOLERÂNCIA E PELA XENOFOBIA

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIP
 UNIVERSIDADE PAULISTA
 INTERATIVA
 ANA PAULA LIMA DIE – RA 1802674
TÍTULO DO TRABALHO: A DIVERSIDADE CULTURAL NA ATUALIDADE E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELA INTOLERÂNCIA E PELA XENOFOBIA
 SUBTÍTULO:
 Atividade de Prática como Componente Curricular - PCC - 
 Referente às disciplinas “Interpretação e Produção de Textos”,
 “Homem e Sociedade”, “História do Pensamento Filosófico” ,
 “Fundamentos da Ciência Política”, “Fundamentos da Sociolo-
 -gia da Educação”, “Prática de Ensino: Introdução à Docência”
 Cursadas no 1º Semestre de 2018 do Curso de Licenciatura em
 Sociologia.
 POLO: SÃO BERNARDO DO CAMPO
 2018 
 SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 3
1.1 A DIVERSIDADE CULTURAL NA ATUALIDADE E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELA INTOLERÂNCIA E PELA XENOFOBIA ................................................................... 3
2. DESENVOLVIMENTO ....................................................................................................... 3
2.1 RESENHA CRÍTICA DOS TEMAS ABORDADOS ..................................................... 3
3. CONCLUSÃO ...................................................................................................................... 6
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................ 6
1. INTRODUÇÃO
1.1 A DIVERSIDADE CULTURAL NA ATUALIDADE E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELA INTOLERÂNCIA E PELA XENOFOBIA
A proposta desta introdução é apresentar conteúdos de livros didáticos de sociologia para o ensino médio, desde as diversidades culturais, envolvendo crenças, valores, costumes, globalização, etnocentrismo, preconceitos étnicos e o problema com a xenofobia.
Temas estes que constroem a história das pessoas, dos grupos e das classes sociais.
Afinal, vivemos em sociedade e devemos respeitar e compreender as transformações do dia-a-dia em nossas vidas e no mundo.
2. DESENVOLVIMENTO
2.1 RESENHA CRÍTICA DOS TEMAS ABORDADOS 
 
Analisando o tema diversidade cultural nos livros didáticos de sociologia para o ensino médio, os autores nos trazem conceitos e definições e se questionam se seria possível uma diversidade cultural mais complexa, mais significativa e menos preconceituosa.
A questão da diversidade cultural, aparece, por exemplo, na origem de situações marcadas por preconceito, discriminação e intolerância. 
Esses fenômenos nada mais são que maneiras perigosas de lidar com a diversidade. Quando se relata diversidade cultural, se reporta à convivência entre culturas diferentes, em muitas ocasiões a sobrevivência de uma cultura se vê ameaçada pelo avanço de outra hegemonia (como a cultura indígena diante da chegada do homem branco).
Nesses casos, as Ciências Sociais podem contribuir com algumas medidas de modo que se garanta a sobrevivência da cultura em risco, como crença, arte, moral, lei, costume e quaisquer capacidade e hábitos adquiridos pelo homem na condição de membro da sociedade, garantindo assim a diversidade cultural. 
Em meio a essa era globalizada e desenfreada nos dias atuais, a globalização não é somente econômica, são várias as questões envolvidas, como aspectos políticos, comerciais, culturais, ambientais, é a fase mais avançada do capitalismo, depois do declínio do socialismo. 
A globalização também interfere na diversidade cultural, pois há um intenso intercâmbio econômico e cultural entre os países, engloba o conjunto de culturas que existem e esses fatores de identidade, reforçam as diferenças culturais que existem entre os seres humanos. 
No geral a globalização é a intensificação de relações sociais mundiais que ligam os países tentando oferecer soluções para problemas globais.
Hoje em dia, as organizações internacionais e os movimentos sociais globais, procuram criar regras, acordos e instituições para regulamentar as relações entre si, pois a governança global é necessária, pois não existe um governo mundial.
Retrata também o etnocentrismo que é um conceito antropológico que ocorre quando um determinado indivíduo ou grupo de pessoas, que não tem os mesmos hábitos e caráter social, discrimina e julga em ser melhor ou pior, rejeita-os como inferiores, resultando em preconceitos de várias ordens, gênero, étnico, crenças e assim por diante.
Observa-se a dificuldade na aceitação das diversidades em uma sociedade ou entre elas, pois os seres humanos, tendem a pensarem e agirem de forma extremamente egoísta. 
O etnocentrismo é um dos responsáveis pela indiferença e pelo preconceito cultural, religioso e até mesmo político. 
Manifestações de etnocentrismo podem ser facilmente observadas em nosso cotidiano, o autor Nelson Dacio Tomazi, descreve um exemplo constante de etnocentrismo, que é quando lemos ou assistimos as notícias sobre crises enfrentadas por povos de outros países, frequentemente se estabelece a comparação entre a cultura deles e a outra, considerando a outra superior, principalmente se as diferenças forem muito grandes.
Essa forma de etnocentrismo leva a consequências sérias na convivência e relações entre os povos. 
Clifford Geertz, antropólogo norte-americano, afirmou que “o homem é um animal amarrado em teias de significados que ele mesmo teceu”. 
Essas teias seriam a cultura, entendida por ele como a própria condição da espécie humana, dando sentido as suas ações.
A diversidade cultural é uma realidade aos nossos olhos e tem se constatado um aumento da intolerância, racismo e xenofobia entre os povos.
Abordando o tema xenofobia, destaca-se um contexto de ódio e discriminação na origem étnica das pessoas, de origem migratória, é um tipo de preconceito caracterizado pela aversão, hostilidade, repúdio ou até mesmo o ódio aos estrangeiros.
Esses fatos estão fundamentados em diversos fatores históricos, culturais, religiosos, etc.
Corresponde a um problema social baseado na intolerância, discriminação social, gera violência entre as nações do mundo, desde humilhação, constrangimento, agressão física, moral, psicológica, consequentemente em alguns casos até à morte, fatores esses pela não aceitação das diferentes identidades culturais.
Um exemplo abordado no livro Sociologia Hoje, destaca-se o fanatismo religioso, no ataque ao World Trade Center, em Nova Yorque (bem como ao Pentágono), em 11 de Setembro de 2001, atribuído a extremistas islâmicos da Al-Qaeda.
Na França, o Front National (Frente Nacional), partido fundado por Jean-Marie Le Pen, defende o fechamento do país aos imigrantes, proposta semelhante à do Partido da Liberdade na Áustria, também na Grécia e na Hungria, partidos xenófobos fascistas, utilizam nítida inspiração. 
Alguns partidos xenófobos, não aceitam a convivência com pessoas de cultura diferente é um problema que está difícil desaparecer.
Vale a pena citar, que para o filósofo grego Sócrates (469 a.C – 399 a.C) o conceito de “estrangeiro” não existe, na medida em que analisamos sua célebre frase: 
“Não sou nem ateniense, nem grego, mas sim um cidadão do mundo”.
Sócrates define assim alguém que abdica de sua nacionalidade e pensa na humanidade como um todo, não importando com a cultura, religião, costume, tradição, raça, e assim por diante.
A humanidade precisa de mais