A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
AD2 Botânica - Iara Quirino 15114020131

Pré-visualização | Página 1 de 2

Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro
Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas – UENF/CEDERJ 2ª Avaliação à Distância – AD2
Disciplina: Botânica I Professora: Maura Da Cunha
Período: 02/2017
Nome : Iara da Silva Quirino Matricula : 15114020131
Pólo : Campo Grande - CGR
 Questão 1 (2,0): Na aula 18 (Botânica I – Modulo CEDERJ), você estudou sobre os níveis de organização da parte vegetativa das plantas vasculares com sementes (Gimnospermas e Angiospermas). Existe uma grande diferença com relação ao desenvolvimento da radícula entre esses dois grupos vegetais. Explique.
 R : A Raiz tem seu início na radícula do embrião. E cresce distintamente em relação as Gimnospermas e Angiospermas.
 Nas Gimnospermas a radícula cresce formando a raiz principal que,após,dará origem a raízes laterais , formando assim um sistema radicular axial ou pivotante.Esse sistema radicular pode (ou não) gerar um crescimento secundário ou mesmo em espessura.
 Já nas Angiospermas ,a raiz principal tem vida curta e o sistema radicular é formado por raízes adventícias e suas respectivas raízes laterais irão dar origem ao sistema radicular fasciculado ou em cabelereira.Esse sistema radicular não sofre um crescimento secundário.
 Questão 2 (1,0): Na aula 18 (Botânica I – Modulo CEDERJ), você estudou sobre organização estrutural da raiz. Uma importante diferença entre caules e raízes pode ser observada na origem dos órgãos laterais. Descreva detalhadamente como ocorre o desenvolvimento das raízes laterais.
 R: As raízes laterais se originam endogenamente da raiz principal e com uma distância do ápice radicular,em resposta ao estímulo hormonal.
 As raízes laterais estão depostas em círculos opostos ao pólo protoxilema da raiz principal;Em algumas Monocotiledôneas essas raízes laterais estão opostas aos pólos do floema.Por isso,faz se necessária a divisão celular anticlinal precoce e a subsequente divisão anticlinal do periciclo programada e ordenada,tendo a célula do primórdio da raiz lateral definindo sua identidade cedo.
 Questão 3 (1,5): Na aula 19 (Botânica I – Modulo CEDERJ) você estudou sobre as adaptações desenvolvidas pelas raízes, e que da mesma forma que os caules e folhas, elas apresentam adaptações a condições em diferentes habitats. Assim, explique e exemplifique pelo menos quatro tipos de adaptações de raízes.
 R: As raízes se adaptam de diversas formas nos habitas. Podendo ser adaptações ocorrentes de raízes aéreas, subterrâneas e aquáticas. 
 As raízes aéreas se originam do caule ,sendo assim adventícias . Possui função de acordo com o tipo de adaptação ao habitat. Exemplificado pelas plantas parasitas,trepadeiras,epífitas,paludosas,rupículas e etc. Sugadoras ou Haustórios é um tipo de adaptação em raízes aéreas;Onde são encontradas em plantas parasitas ou semi-parasitas, servindo para a retirada de seiva orgânica e inorgânica . Exemplo : Erva-de-passarinho.
 Grampiformes são adaptações de raízes aéreas também. Ocorre em plantas trepadeiras,apresentando-se em forma de gancho permitindo assim sua fixação no substrato (sendo uma outra planta ou não). Exemplo : Hera.
 Tubulares são raízes lateralmente achatadas como tábuas e atingem enorme desenvolvimento.Aumentam a superfície de fixação partindo do caule até o solo Exemplo : Figueira.
Estranguladoras são que envolve o substrato ao decorrer se seu crescimento. Exemplo : Mata-Pau
 Ocorre adaptação em raízes subterrâneas também. Onde o principal mecanismo de adaptação é a tuberização,ou seja, o armazenamento de reservas da planta é a raiz.
 Raízes tuberosas apresentam consistência e são carnosas e volumosas ,tornando forma especiais . Atingindo tanto raízes primárias quanto secundárias.
 Como as plantas terrestres as plantas aquáticas apresentam um bom desenvolvimento das raízes ,levando em conta todo seus graus de especialização.Possuem pouca necessidade de suporte mecânico e de eficiência na condução resultando assim nas raízes hidromórficas, que possuem o aerênquima com a funcionalidade de armazenamento de gases e auxilio da flutuação.
 Questão 4 (1,0): Ainda sobre o conteúdo da aula 19 (Botânica I – Modulo CEDERJ) explique quais as mudanças adaptativas as raízes podem desenvolver em situações de estresse?
R : As raízes podem promover grandes mudanças adaptativas durante alguns períodos de transição entre as secas e encharcamento,levando assim ao extresse. As plantas que não são supridas devidamente com água. Levam a morte celular para as raízes ,começando na epiderme para o centro no sistema vascular. Esse processo pode ser detido na endoderme.
 No caso de raízes em zonas encharcadas, é desenvolvido o arênquemia no córtex e a suberização da exoderme para a endoderme.
 Questão 5 (1,0): Na aula 20 (Módulo I do Cederj) você estudou sobre a absorção de água em plantas. Sabendo disso diferencie rota simplástica de rota apoplástica de entrada de água na célula.
R : Quando a água migra para as proximidades da raiz ela pode fluir para dois caminhos entrando ou não no protoplasma. Na via apoplástica a água move-se exclusivamente pelo continuun formado pelas paredes celulares e pelos espaços intercelulares ,fora do protoplasma;Ou seja, na rota apoplástica ele se move no decorrer do espaço livre da raiz. Em relação a rota simplástica a água passa necessariamente pela membrana plasmática , entrando no protoplasma e passando de uma célula a outra por via plasmodesmo.
Questão 6 (1,5): Na aula 21 (Módulo I do Cederj) foi abordado o tema sobre a Translocação de solutos orgânico nas plantas. O principal tipo celular envolvido nesse processo é o floema. Baseado no que você estudou, explique o processo de carregamento e descarregamento do floema.
R: O carregamento do floema pode se dividido em transporte de longa distancia e de curta distancia. Quando a sacarose do mesofilo se movimenta até as vizinhanças do floema, simplasticamente, de célula a célula. Sendo assim uma fase de transporte que envolve pequenas distâncias, denominado assim de transporte de curta distância, a qual é provavelmente simplástica. Já em um processo chamado de carregamento do floema, os açúcares são transportados para os elementos crivados e células companheiras. Uma vez dentro dos elementos crivados, a sacarose é exportada. O transporte pelo sistema vascular é denominado de transporte de longa distância. 
 O descarregamento é basicamente o inverso do carregamento,quando a sacarose deve sair das células do floema para as células dreno;Acontece o descarregamento dos elementos crivados e de suas células associadas. 
 No carregamento e descarregamento de sacarose no floema ocorrem gasto de energia. Esse fenômeno de carregamento e descarregamento do floema tem por base uma grande eficiência .
Questão 7 (1,0): Em relação à Nutrição Vegetal estudada na aula 22 (Botânica I – Módulo CEDERJ) explique o que diferencia os micronutrientes dos macronutrientes.
 R : As plantas retiram do solo a água conjuntamente com elementos químicos que são essências a sua manutenção. São subdivididos em macronutrientes e micronutrientes.Não classificados assim por tamanho do elemento ou por importância ,mas sim por concentração. Os macronutrientes (nitrogênio,potássio,magnésio, fósforo e enxofre) são constituintes estruturais de aminoácidos ,proteínas e ácidos nucléicos sendo assim usados em maior quantidade. Os micronutrientes ( cloro,ferro,boro,manganês,zinco ,cobre,níquel e molibdênio ) exercem a função de co-fatores enzimáticos,sendo utilizados em menores quantidades em relação aos macronutrientes.
Questão 8 (1,0): Ainda sobre a aula 22 do Módulo CEDERJ, aprendemos no tópico “mecanismos de absorção dos nutrientes” como as plantas fazem para que os nutrientes entrem na célula, para então desempenhar as funções estudadas. Sabendo disso, explique como os elementos minerais entram na célula vegetal?
R: Os minerais entram na