SLIDES - 1 Impostos da União
36 pág.

SLIDES - 1 Impostos da União


DisciplinaDireito Tributário I22.837 materiais269.496 seguidores
Pré-visualização6 páginas
1
Tributos de
competência 
da União
1. Impostos
1.1 Imposto sobre
importação de produtos
estrangeiros
(II)
2
1.1 Imposto sobre Importação
Dispositivos legais
Art. 153, inciso I e § 1ºCF/88
CTN Art. 19 a 22
Decreto nº
6.759, de
05/02/2009
Dispõe sobre o imposto de importação
Regulamento Aduaneiro
Decreto-lei
nº 37, de
18/11/1966
1.1 Imposto sobre Importação
Entrada definitiva, real ou ficta, de produto estrangeiro no território nacional.
Fato gerador
1.1 Imposto sobre Importação
Entrada definitiva, real ou ficta, de produto estrangeiro no território nacional.
Notas:
1. Por ficção jurídica, considera-se que o fato gerador ocorre quando do
início do despacho aduaneiro, assim entendido o momento da apresentação ou do registro da Declaração de Importação (DI), ou dedocumento que lhe faça as vezes, perante a autoridade aduaneira, com oobjetivo de liberar a mercadoria estrangeira entrepostada ou depositada.
2. O imposto incide, inclusive, sobre bagagem de viajante e sobre bensenviados como presente ou amostra, ou a título gratuito.
Fato gerador
3
1.1 Imposto sobre Importação
Entrada definitiva, real ou ficta, de produto estrangeiro no território nacional.
Notas:
1. Por ficção jurídica, considera-se que o fato gerador ocorre quando do
início do despacho aduaneiro, assim entendido o momento da apresentação ou do registro da Declaração de Importação (DI), ou dedocumento que lhe faça as vezes, perante a autoridade aduaneira, com oobjetivo de liberar a mercadoria estrangeira entrepostada ou depositada.
2. O imposto incide, inclusive, sobre bagagem de viajante e sobre bensenviados como presente ou amostra, ou a título gratuito.
Fato gerador
TIPOS DE DESPACHO ADUANEIRO
\u2022 Despacho normal: o registro da DI é realizado após a chegada damercadoria no recinto alfandegado, onde o despacho é processado;
\u2022 Despacho antecipado: a DI relativa a mercadoria é registrada antes da sua descarga na unidade da RFB de despacho.
1.1 Imposto sobre Importação
Entrada definitiva, real ou ficta, de produto estrangeiro no território nacional.
Notas:
1. Por ficção jurídica, considera-se que o fato gerador ocorre quando do
início do despacho aduaneiro, assim entendido o momento da apresentação ou do registro da Declaração de Importação (DI), ou dedocumento que lhe faça as vezes, perante a autoridade aduaneira, com oobjetivo de liberar a mercadoria estrangeira entrepostada ou depositada.
2. O imposto incide, inclusive, sobre bagagem de viajante e sobre bensenviados como presente ou amostra, ou a título gratuito.
Fato gerador
1.1 Imposto sobre Importação
Base de cálculo
\u2022 Alíquota específica: a quantidade de mercadoria expressa na unidadede medida estabelecida.
Fato gerador
Entrada definitiva, real ou ficta, de produto estrangeiro no território nacional.
\u2022 Alíquota \u201cad valorem\u201d: o valor aduaneiro apurado segundo as normas do Acordo Geral sobre Tarifas Aduaneiras e Comércio \u2013 GATT (em regra,o valor de transação, isto é, o preço efetivamente pago ou a pagar pelasmercadorias em uma venda para exportação para o país de importação,ajustado de acordo com o art. 8º do referido Acordo).
4
1.1 Imposto sobre Importação
Base de cálculo
\u2022 Alíquota específica: a quantidade de mercadoria expressa na unidadede medida estabelecida.
Fato gerador
Entrada definitiva, real ou ficta, de produto estrangeiro no território nacional.
\u2022 Alíquota \u201cad valorem\u201d: o valor aduaneiro apurado segundo as normas do Acordo Geral sobre Tarifas Aduaneiras e Comércio \u2013 GATT (em regra,o valor de transação, isto é, o preço efetivamente pago ou a pagar pelasmercadorias em uma venda para exportação para o país de importação,ajustado de acordo com o art. 8º do referido Acordo).
Acordo internacional celebrado entre o Brasil e países
como Austrália, Bélgica, Estados Unidos, China, Nova
Zelândia, França, Noruega, Inglaterra, Irlanda, etc.
1.1 Imposto sobre Importação
Alíquotas
A alíquota aplicável para o cálculo do imposto é a correspondenteao posicionamento da mercadoria na Tarifa Externa Comum - TEC,na data da ocorrência do fato gerador, uma vez identificada suaclassificação fiscal segundo a Nomenclatura Comum do Mercosul.
Nota:
No Brasil, a tabela das alíquotas correspondentes à TEC foi instituída pela
Resolução CAMEX nº 94, de 08/12/2011. 
1.1 Imposto sobre Importação
Alíquotas
5
1.1 Imposto sobre Importação
Alíquotas
Taxa de câmbio
Para efeito de cálculo do imposto, os valores expressos em moedaestrangeira deverão ser convertidos em moeda nacional à taxa decâmbio vigente na data em que se considerar ocorrido o fatogerador.
A alíquota aplicável para o cálculo do imposto é a correspondenteao posicionamento da mercadoria na Tarifa Externa Comum - TEC,na data da ocorrência do fato gerador, uma vez identificada suaclassificação fiscal segundo a Nomenclatura Comum do Mercosul.
1.1 Imposto sobre Importação
Sujeição passiva
\u2022 O importador ou quem a lei a ele equiparar.
\u2022 O destinatário de remessa postal internacional indicado pelorespectivo remetente
\u2022 O adquirente de mercadoria em entrepostos aduaneiros
Contribuinte
1.1 Imposto sobre Importação
Sujeição passiva
\u2022 O transportador, quando transportar mercadoria procedente doexterior ou sob controle aduaneiro, inclusive em percurso interno.
\u2022 O depositário, assim considerada qualquer pessoa incumbida dacustódia de mercadoria sob controle aduaneiro.
Responsável
\u2022 Qualquer outra pessoa que a lei assim designar.
6
1.1 Imposto sobre Importação
Especificidades
2ª) A alteração de suas alíquotas não se submete ao princípio daanterioridade anual ou nonagesimal (CF, art. 150, § 1º);
1ª) Quando não sujeitas à TEC, suas alíquotas podem ser alteradaspelo Poder Executivo, nas condições e nos limites estabelecidos emlei (CF, art. 153, § 1º), a fim de ajustar o imposto aos objetivos da polí-tica cambial e do comércio Exterior;
3ª) É imposto de natureza extrafiscal, utilizado para a geração deefeitos econômicos, cambiais e monetários (Ex. controle de inflação,estímulo de consumo, indução a investimentos, desenvolvimento da indústria nacional, proteção aduaneira, etc.).
1.2 Imposto sobre 
exportação, para o exterior, 
de produtos nacionais 
ou nacionalizados
(IE)
1.2 Imposto sobre Exportação
Dispositivos legais
CF/88 Art. 153, inciso II e § 1º
CTN Art. 23 a 28
Decreto-lei
nº 1.578, de
11/10/1977
Dispõe sobre o imposto de exportação
Regulamento AduaneiroDecreto nº6.759, de
05/02/2009
7
1.2 Imposto sobre Exportação
Fato gerador
Saída de produtos nacionais ou nacionalizados do território nacional.
1.2 Imposto sobre Exportação
Fato gerador
Saída de produtos nacionais ou nacionalizados do território nacional.
Notas:
2ª) Por ficção jurídica, considera-se que o fato gerador ocorrena data do registro de exportação no Sistema Integrado de Comércio Exterior - Siscomex;
1ª) Produto \u201cnacionalizado\u201d é o importado a título definitivo.
O Siscomex é um instrumento administrativo que integra as
atividades de registro, acompanhamento e controle das 
operações de comércio exterior.
1.2 Imposto sobre Exportação
Base de cálculo
A base de cálculo do imposto é o preço normal que a mercadoria, 
ou sua similar, alcançaria, ao tempo da exportação, em uma venda 
em condições de livre concorrência no mercado internacional, 
observadas as normas expedidas pela Camex - Câmara de Comér-
cio Exterior.
A Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho 
de Governo, tem por objetivo a formulação, adoção, 
implementação e a coordenação de políticas e 
atividades relativas ao comércio exterior de bens e
serviços.
8
1.2 Imposto sobre Exportação
Alíquota
30% (trinta por cento) sobre a base de cálculo.
Nota:
Para atender aos objetivos da política cambial e do comércio exterior, a
Camex poderá reduzir (até 0%) ou aumentar