A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
30 pág.
teorico (2)

Pré-visualização | Página 1 de 6

Análise de Projetos e 
Investimentos
Material Teórico
Responsável pelo Conteúdo:
Prof. Dr. Marcos Crivelaro
Revisão Textual:
Profa. Esp. Márcia Ota
Gerenciamento de Custos
5
• Introdução
• Escopo e o tempo em projetos
• Qualidade e custos em projetos
• Gerenciamento de Custos
 · A proposta desta unidade é apresentar os conceitos e as práticas empresariais 
relacionadas nos principais modelos e práticas de gerenciamento de custos.
Iniciaremos nossos estudos explicando as diferenças existentes entre as práticas de gestão 
de projetos de qualidade e de custos. Em seguida, serão apresentadas as aplicabilidades de 
cada modelo.
Para ajudá-lo, realize a leitura dos textos indicados, acompanhe e refaça os exemplos resolvidos.
Não deixe de assistir, também, à apresentação narrada do conteúdo e de alguns 
exercícios resolvidos.
Finalmente, e o mais importante, fique atento às atividades avaliativas propostas e ao 
prazo de realização e envio. 
Gerenciamento de Custos
6
Unidade: Gerenciamento de Custos
Contextualização
A tarefa de gerenciar os custos do projeto engloba, além do minucioso processo de 
planejamento e definição dos custos e de seu gerenciamento, a definição e escolha de bons 
orçamentos que tragam valor agregado ao processo, e ainda, o controle de tais recursos de 
forma a cumprir com aquilo que foi definido inicialmente.
Segundo o Guia de conhecimento PMBOK, são quatro os elementos necessários para o 
gerenciamento de custos de um projeto: o plano de gerenciamento de custos, a estimativa de 
custos, a determinação de orçamentos e o controle de custos.
Em pequenos projetos de desenvolvimento, alguns desses processos podem estar sobrepostos, 
sendo executados de uma só vez como, por exemplo, o planejamento do gerenciamento e 
a estimativa de custos, resultando no desenvolvimento de orçamentos a serem feitos. Nesta 
unidade, eles serão mostrados isoladamente, para que um entendimento amplo de cada 
processo possa ser obtido. Ressaltamos que existem outros detalhes e ferramentas utilizadas 
que são muito importantes para o bom gerenciamento.
As tarefas de estimar custos e controlá-los são as que demandam maior esforço do gerente, 
já que, em projetos de desenvolvimento de software, as medições são complexas de serem 
feitas e tornam-se uma área à parte de estudos para que um bom gerenciamento de custos 
possa ser feito. Para a execução dos processos referentes ao gerenciamento de custos, três 
itens são importantes: as entradas, as ferramentas e técnicas e as saídas.
7
Introdução
O sucesso empresarial e a maximização do retorno para o acionista são os “alvos” 
almejados pelos gestores em um cenário cada vez mais concorrido. Para as empresas, 
saber onde gastam, como e quando gastam, fazer o devido controle de todas essas 
atividades não é apenas uma necessidade contábil: pode ser a diferença entre o sucesso e 
o fiasco de uma corporação. 
Sem o controle adequado e preciso de gastos, uma empresa não terá como saber que 
preço deve cobrar pelos seus produtos, qual desconto pode dar para pedidos especiais em 
grandes quantidades. Além disso, a empresa, também, não conseguirá eliminar de sua linha 
de produção os produtos que causam prejuízos, não saberá se é mais vantajoso terceirizar 
algumas atividades, não conseguirá fazer uma estatística para saber a viabilidade da aquisição 
de novos equipamentos, se necessita fazer adaptações nos seus processos de fabricação entre 
outros detalhes bastante importantes.
E quais seriam os riscos de uma situação dessas? Se a empresa conseguir alcançar bons 
resultados, irá certamente concluir que não precisa fazer nenhum tipo de investimento num 
sistema de gestão de custos, e nesse caso, a tomada de qualquer decisão que exija informações 
precisas do sistema de custos poderá ser um verdadeiro desastre corporativo. 
A assertividade decisória está pautada em três decisões básicas: 
 � Operacional;
 � Investimento;
 � Financiamento. 
São estas decisões que orientam a preparação estratégica e a condução operacional 
do negócio, visando o alcance do diferencial corporativo. No planejamento, o gestor tem, 
basicamente, três funções essenciais: 
 � Conhecer, com detalhe, sua logística operacional e as condições para torná-la competitiva; 
 � Definir o montante de recursos financeiros necessário para viabilizar seu processo 
operacional e gerar retorno para os investidores; e 
 � Conhecer a fonte e as condições de captação de recursos para realizar os investimentos 
necessários.
A razão mais importante da gestão financeira é de garantir que a organização empresarial 
tenha disponível a qualquer momento a informação de quanto dinheiro vai necessitar como 
obter ou financiar o dinheiro de que necessita e como deve utilizar esse dinheiro para alcançar 
as suas metas de forma ética, responsável e sustentável. 
Na literatura existente, encontram-se as propostas para se estruturar as operações financeiras 
por meio de modelos de custeamento, de preço, de ponto de equilíbrio e de orçamento. Também, 
encontram-se modelos sobre a decisão de investimentos como por exemplo, (VPL e TIR) e de 
financiamento como (CAPM, WACC, EVA, entre outros). Esses modelos visam encontrar a 
melhor decisão que maximize a riqueza do acionista. Entretanto, na prática empresarial, pouco 
se estuda sobre a eficiência do montante a ser investido por uma companhia.
8
Unidade: Gerenciamento de Custos
As ações dos gestores financeiros têm, essencialmente, os seguintes objetivos: 
 � Assegurar à empresa a estrutura financeira mais adequada;
 � Manter a integridade do capital e promover o seu investimento;
 � Permitir a constante solvibilidade da empresa; e
 � Assegurar a rentabilidade dos capitais.
A gestão financeira mostra a sua importância no passado (monitoramento financeiro), 
presente (controle financeiro) e futuro (planejamento financeiro) das pequenas, médias e 
grandes empresas:
 � Planejamento Financeiro: Estar sempre com o olhar nas atividades futuras ajudando a 
planejar os novos desafios empresariais. Quanto será necessário de recursos financeiros 
para a concretização desses desafios?
 � Controle Financeiro: Preocupa-se no momento presente apresentando com a 
máxima precisão os recursos financeiros disponíveis. Três atribuições pertencem ao 
controle financeiro:
Fixar uma Política Estabelecer normas e procedimentos que devem ser seguidos para assegurar que o dinheiro seja gasto adequadamente.
Fixar atribuições Decidir quem será permitido a gastar recursos financeiros, quanto lhes será permitido gastar e quando poderão gastá-lo.
Fixar a responsabilidade Definir quem é responsável pelos recursos financeiros da organização.
 � Monitoramento Financeiro: Vínculo com o passado sendo responsável pelo registro 
de todos os recursos que a organização empresarial já recebeu ou gastou. Registrar a 
informação financeira (executada pelo tesoureiro); preparar demonstrações e relatórios 
financeiros e auxiliar nas suas respectivas análises.
Diante da crescente complexidade do mercado empresarial, o gestor financeiro não deve 
ficar restrito apenas ao seu departamento. As decisões financeiras devem ser levadas em 
consideração pela empresa como um todo. Isto porque todas as atividades empresariais são 
avaliadas em termos econômicos e financeiros.
A gestão financeira possui dois princípios muito importantes que devem ser conduzidos 
pelos profissionais da área:
 � Responsabilidade Financeira: Preocupação com a administração das entradas e 
saídas de recursos monetários oriundos da atividade operacional da empresa (função 
produção). Objetiva encontrar o equilíbrio entre a “liquidez”(que se refere à capacidade 
de a empresa honrar seus compromissos nos prazos contratados) e a “rentabilidade” 
(maximização dos retornos dos proprietários da empresa). Negócios bem administrados 
financeiramente geram maiores lucros. Isso, no entanto, demanda envolvimento e 
dedicação por parte do administrador.
 � Pretação de Contas: Explicação de onde recebe o

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.