A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
920 pág.
Fundamentos da Homeopatia

Pré-visualização | Página 26 de 50

necessário dar um 
remédio paliativo. Isso era precisamente a hora (como na escarlatina ou difteria) quando era 
especialmente importante dar o medicamento correto: “A primeira prescrição médica nestes casos é 
preciso estar correta ou as prescrições subsequentes podem ser de muito pouca valia .Pois pode não 
haver tempo ou oportunidade para corrigir erros se feitos aqui.”(146) Quando nós somos chamados 
por um paciente, é nosso dever aliviar sua dor o mais rápido possível, mas devemos dar Morfina? 
Qual é o efeito da Morfina? Seu efeito é atenuar o sistema nervoso de modo que o paciente não possa 
sentir dor. Dor é a voz da Natureza implorando por alívio, e o verdadeiro guia dos médicos para 
detectar e caracterizar a causa da dor. Atenuando o sistema nervoso com Morfina ou qualquer 
equivalente é um choque contra a voz da Natureza apontando para o lugar onde estaria o problema , e 
assim nos deixando trabalhar no escuro. 
Melhor deixar o paciente sofrer um pouco do que complicar os problemas e retardar a recuperação 
final, ou arriscar a vida do paciente paralisando o sistema nervoso, com Morfina ...(147) 
Se a lei da homeopatia de cura é verdadeira, é justamente nestes casos difíceis que devemos 
depender da lei, e procurar com nosso melhor conhecimento aplicar a lei com exatidão. Não temos 
tempo, nesses casos, para desperdiçar com empirismo, enquanto temos uma lei que nos guia. Casos 
menos perigosos responderão a tais experimentos. Se você tem um caso sério de pleurisia, sem 
dúvida trate com homeopatia, adotando seus remédios com grande cuidado mesmo na hemorragia 
uterina. Homeopatia não me deixou em apuros ainda. Eu ainda não perdi um caso de hemorragia 
uterina, e eu tive casos desesperados o suficiente para assustar qualquer um.(148) 
Eles insistiram com os “baixas” que: “teorias de fisiologia , patologia, etc., são meras 
interpretações humanas de coisas vistas e não tem a certeza e infalibilidade da lei da Natureza.”(149) 
Eles citaram Hahnemann de novo: “Prevenir, abrandar, e curar são as funções dos médicos, não para 
posar ao mundo como expositores do inexplicável e mestres de tudo o que é impenetrável no 
universo. Ser capaz de explicar tudo é a função do impostor – curar é a função do verdadeiro 
médico.” 
43 
Em seus esforços para evitar o trabalhoso e fatigante estudo necessário para dominar a Materia 
Medica , os “baixas” recorreram ao recurso – muito utilizado pela medicina ortodoxa – de usar 
medicamentos baseados na autoridade de algum médico bem conhecido e que diz ter ‘muita 
confiança ‘em tal medicamento em particular: 
O Dr John Manning afirmou ter curado 45 casos de inflamação da bexiga (estrutura muscular ) 
com Elaterium... eu tentei e tive sucesso ...(151) 
Em bronco pneumonia Tartar Emetic é homeopático e é suficiente , mas em casos agudos dessa 
perigosa doença ele perde em eficácia para o phosphorus . Em pleuropneunomia eu não pensaria ser 
ele aplicavel mas Kafka o tem em alta estima . A droga tambem provou ser eficaz várias vezes nas 
mãos do Drs. Wurmb e Caspar, para edema agudo nos pulmões. Eu tenho muita confiança no seu 
poder de extinguir essa condição quando ocorre no curso da hidropisia geral.(152) 
Para os “altas” era uma heresia – substitui uma lei da natureza por uma autoridade humana. 
O especialista receita ,em geral , baseando-se no que disse uma autoridade supostamente estudiosa 
(talvez).Alguns relatam tantos casos de tais e tais doenças curadas por este ou aquele ou aquele outro 
medicamento ,sem um único fracasso ...e todos os outros tentam aquele medicamento , resultado: 
fracasso. Eles então procuram outro remédio. Fracasso atrás de fracasso não os ensinam que o 
método é falacioso; eles ainda alegam que têm sucesso...(153) 
A única razão para receitar uma droga é a semelhança entre as experimentações (nos saudaveis )e 
os sintomas (dos doentes). Não porque Dr. A. recomenda, não porque Dr. B. exalta uma droga 
específica, mas somente por causa dessa grande semelhança entre as experimentações e os sintomas 
dos pacientes ...(154) 
Quando um homeopata anunciou que ele tinha “mais confiança” em limão clorado e álcool como 
remédio para difteria, um jornal dos “altas” comentou: 
Quando e sob quais circunstâncias ele encontrou as indicações individualizantes de limão clorado 
e álcool? Perdão senhor! – a indicação dada por esse homeopata é “mais confiança”. Um fraseado 
elegante realmente ... 155 
Em um contraste radical, alguns dos Hahnemannianos, quando publicavam casos e curas, 
evitavam o nome do remédio usado – com medo que pudessem empregar impropriamente em seus 
próprios casos em nome da autoridade que o fez . Eles se limitavam a fornecer o sintoma guia. 
Em resposta a uma pergunta de um leitor confuso, um médico o preveniu contra a prescrição 
porque uma determinada autoridade tem usado o medicamento em uma doença do mesmo nome: 
Todos nós freqüentemente nos encontramos em um estado de indecisão e incerteza. Qual das 
várias drogas que mostram os sintomas em suas patogenias semelhantes àqueles do nosso caso 
deveríamos usar para a cura ? Como devemos decidir? E para uma resposta, nós nos voltamos para o 
que aquele , este e aquele outro escreveu e talvez após tudo , somos deixados .... com a indagação 
insatisfatória – “Quem é nosso guia, e onde devemos encontrá-lo?” 
A primeira resposta que temos para essa pergunta é que , se por esse “quem” você pretende 
perguntar pelo homem que deve ajudar você em sua dificuldade, não há tal homem, e portanto ele não 
deve ser encontrado em nenhum lugar. Em uma frase um pouco diferente, a pergunta deve ser melhor 
formulada: “ Onde está e quem é o homem que irá fazer o meu trabalho, por mim? Não pergunte 
mais, porque ele nunca poderá ser encontrado. Esse mundo é tão especialmente preparado e 
principalmente esse nosso mundo da homeopatia em que, cada homem pertencente a ele, deve fazer 
seu próprio trabalho, ou provavelmente o trabalho ficará por ser feito... 
Há um guia, mas ele não é encontrado como um homem e sim somente na forma de lei, e se o for 
será só no Organon de Medicina Homeopática ... Esse conhecimento só vem como resultado de um 
trabalho duro, e muito dele ... 
O erro desse escritor é seu desejo de que alguém mais deva fazer esse trabalho por ele ... Ninguém 
pode fazer o trabalho de outro homem por ele e não lhe causar ao mesmo tempo um sério dano ... não 
é minha intenção mostrar, no relato desse caso, um modelo a ser imitado pelos outros em casos que 
eles possam considerar similares a esse. A idéia de ser vantagem para qualquer um relatar casos como 
44 
modelos de imitação é inteiramente enganosa e maliciosa. Não é parte do dever do professor, fazer o 
trabalho de aprendiz por ele. Ele terá feito o melhor possível e o seu máximo quando mostrar ao 
novato como fazer isso por ele próprio.(156) 
Os esforços dos “baixas “ para reformular o Hahnemannismo em linhas “científicas” – como o seu 
louvor à liberdade do médico de praticar medicina de sua propria maneira – refletiram um desejo 
subjacente de simplificar a terapeutica. O efeito de suas mudanças na doutrina era reduzir o número 
de sintomas e de síndromes e tornar a matéria médica menos complexa. E isso é como isto era 
percebido pelos “altas”: 
Podem ter sugerido estas declarações sobre a liberdade para se desrespeitar a lei para se 
protegerem da auto convicção e da consciencia da incapacidade de lidar com as enormes e numerosas 
dificuldades da maneira como a lei dos semelhantes funciona com perfeição ,ou de sua prática 
negligente habitual...... Se esse for o motivo não é de se surpreender que a auto complascencia dos 
autores e seus pares tenham necessitado do apoio da Medical Science...... pode- se suspeitar que a 
vergonha natural que acompanha a consciencia da preguiça foi o que foi interposto para a 
preservação do respeito próprio, ou para manter as aparências, com respeitável

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.