A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
PROJETO DE ARQUITETURA - PARTE 3

Pré-visualização | Página 1 de 2

Portaria que define e classifica as áreas hospitalares de acordo com suas criticidades:
A RDC-50 da ANVISA estabeleceu uma estratégia de controle de infecção de serviços de saúde, classificando zonas de risco em áreas
críticas, áreas semicríticas e áreas não críticas. Quanto às áreas críticas, NÃO podemos afirmar:
Ao analisar o projeto para construção do hospital de sua empresa, a gestora Juliana, responsável pelo empreendimento, criticou a forma
como as instalações foram disponibilizadas. Ela acha que a localização dos ramais dificultará uma futura manutenção e pede uma solução
para um edifício mais flexível. O que o Escritório de Arquitetura pode sugerir para que a manutenção das instalações seja feita no futuro
de forma econômica, rápida e sem maiores transtornos?
ARQUITETURA HOSPITALAR
CCE0910_A7_201703322401_V1 
Lupa Calc.
 
 
Vídeo PPT MP3
 
Aluno: KAMILA LIMPI DE SOUZA TAVARES Matr.: 201703322401
Disc.: ARQ. HOSPITALAR 2020.1 (G) / EX
Prezado (a) Aluno(a),
Você fará agora seu TESTE DE CONHECIMENTO! Lembre-se que este exercício é opcional, mas não valerá ponto para sua avaliação. O
mesmo será composto de questões de múltipla escolha.
Após responde cada questão, você terá acesso ao gabarito comentado e/ou à explicação da mesma. Aproveite para se familiarizar com
este modelo de questões que será usado na sua AV e AVS.
 
1.
CONAMA 05
RDC 222 de março de 2018
RDC 426 de agosto de 2018
Portaria 3.214 de junho de 1978
Portaria Nº 3.201 de dezembro de 2009
Explicação:
Portaria Ministerial Nº 3.201 de 1º de Dezembro de 2009 apresenta a seguinte redação: ¿Torna pública a
proposta de Projeto de Resolução - Regulamento Técnico Mercosul para Produtos com Ação Antimicrobiana
Utilizados em Artigos Críticos e Semi-críticos, Áreas Críticas e Semi-Críticas e Esterilizantes" e dá outras
providências¿.
 
2.
São ambientes onde se realizam procedimentos de risco, necessariamente com pacientes.
São ambientes onde se realizam procedimentos de risco sem pacientes.
São ambientes onde existe risco aumentado de transmissão de infecção.
São ambientes onde se encontram pacientes imuno deprimidos.
São ambientes onde se realizam procedimentos de risco, com ou sem pacientes.
 
3.
javascript:voltar();
javascript:voltar();
javascript:diminui();
javascript:aumenta();
javascript:calculadora_on();
javascript:abre_frame('1','7','','8PU3YL3Y2GEKUI8FB76O','314369065');
javascript:abre_frame('2','7','','8PU3YL3Y2GEKUI8FB76O','314369065');
javascript:abre_frame('3','7','','8PU3YL3Y2GEKUI8FB76O','314369065');
Em relação as alternativas a seguir, indique aquela onde o Conceito de Imperícia está melhor representado:
 
Levando em consideração às áreas hospitalares de infecção ou colonização por patógenos de importância epidemiológica,
compreendemos que, em relação a área semicrítica é correto afirmar:
¿Possui as enfermarias e os apartamentos localizados apenas de um lado do corredor ou
circulação, utilizando-se o outro lado para a localização de ambientes de apoio e dos componentes
A redução do número de instalações, trabalhando com uma carga menor e adaptando as demandas do edifício.
O registro de todo o sistema de instalações por meio de arquivo digital, possibilitando a quebra das paredes somente nos trechos
em que a manutenção for necessária.
A criação de shafts (armários visitáveis), disponibilizados estrategicamente pelo edifício, de modo a permitir a passagem das
principais prumadas verticais das instalações prediais, facilitando a visitação e manutenção regular do sistema.
Continuar com a diretrizes estabelecidas no projeto, pois não há necessidade de se fazer manutenção periódica de instalações de
grande porte.
A criação de forros fixos de gesso, para as instalações horizontais provenientes dos principais ramais, permitindo a manutenção por
meio de aberturas pontuais no forro que funcionarão como visitas provisórias.
 
4.
 quando não houve qualificação para executar o serviço.
 
 quando houve qualificação para executar o serviço, mas o erro foi acidental.
 
 quando o profissional não toma os cuidados necessários quando executou o serviço, como por exemplo, quando não observou as
leis, posturas e normas.
 
 quando o profissional é omisso de forma voluntária com a intenção de prejudicar a outra parte.
 quando o profissional deixa de executar o que deveria ter sido executado ou o realiza sem os cuidados necessários.
 
Explicação:
O conceito de Imperícia está relacionado às situações em que o executor de alguma ação não atuou em relação aos aspectos técnicos
esperados por sua qualificação e que resultou em erro ou imperfeição ( sanável ou não ) do objeto de sua ação, ou seja, quando não
houve qualificação para executar o serviço por aplicação do conhecimeno técnico presumidamente existente.
 
 
5.
A área semicrítica é aquela em que não existe nenhum risco de transmissão de doenças e não existe a
presente de pacientes contaminados, tais como: recepção, almoxarifado, elevadores, administração, raio-X,
ultrassom e área de tomografia.
A área semicrítica é aquela que possui um menor risco de transmissão de agentes infecciosos, mas que
mesmo assim precisam de todo o cuidado para que não haja contaminação. Podemos considerar como
áreas semicríticas: enfermaria, ambulatório, farmácia de medicamentos e banheiros.
A área semicrítica é aquela em que possui muitos riscos de transmissão de doenças e não existe a presente
de pacientes contaminados, tais como: recepção, almoxarifado, elevadores, administração, raio-X,
ultrassom e área de tomografia
A área semicrítica é aquela que representa o maior risco de transmissão de doenças e enfermidades num
ambiente hospitalar.
A área semicrítica é aquela que apresenta alto risco de transmissão de doenças infecciosas por conta da
realização de procedimentos invasivos ou manuseio de equipamentos contaminados. Podemos considerar
como áreas críticas: UTI neonatal, laboratório de patologia clínica, unidade de queimados, banco de
sangue, área de lavanderia e farmácia.
Explicação:
A área semicrítica é aquela que possui um menor risco de transmissão de agentes infecciosos, mas que mesmo
assim precisam de todo o cuidado para que não haja contaminação. Podemos considerar como áreas semicríticas:
enfermaria, ambulatório, farmácia de medicamentos e banheiros.
 
6.
da circulação vertical¿. Estamos tratando de:
O mais recomendável para áreas críticas em relação a piso e rodapé é:
Gerir uma instituição de Saúde não é uma tarefa simples e requer conhecimento e boas práticas de gestão. O ambiente hospitalar é
constituído por situações de pressão e estresse, que exigem uma boa resposta, e por isso, é necessário um profissional responsável pela
análise de cada etapa dos trabalhos para ser possível oferecer um serviço de excelência. Diante do descrito, marque abaixo, a única
opção que NÃO REPRESENTA a real função do gestor hospitalar:
Corredor não carregado.
Corredor triplamente carregado.
Corredor nulo.
Corredor duplamente carregado.
Corredor simplesmente carregado.
Explicação:
A definição do enunciado acima, reflete claramente o enquadramento dos corredores simplesmente carregado, ou
seja, utiliza-se apenas um dos lados da circulação para enfermarias e leitos.
 
7.
Piso e rodapés cerâmicos com índice de absorção de água igual a 4%.
Piso em placas, tipo vinílico, com rodapé arredondado no mesmo material, alinhado com a parede, evitando-se o tradicional ressalto
do rodapé.
Piso e rodapés de porcelanato rústico para evitar escorregões. Deverão ser aplicados com rejunte de índice de absorção de água
superior a 4%.
Piso e rodapés em granito com cantos boleados para permitirem a limpeza local. Por ser material altamente resistente e de longa
duração exige o uso de rejuntes com índice de absorção de água superiores a 6%.
Piso vinílico e rodapés em cedro levemente arredondado para permitirem a limpeza local.
 
8.
Punir severamente os trabalhadores que não seguirem suas ordens
Garantir segurança também para clientes e fornecedores
Propor capacitação

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.