DIREITO CONSTITUCIONAL 2 - PROF LUCIMAR
13 pág.

DIREITO CONSTITUCIONAL 2 - PROF LUCIMAR


DisciplinaDireito Constitucional II9.597 materiais125.834 seguidores
Pré-visualização5 páginas
DIREITO CONSTITUCIONAL 2 \u2013 1º BIMESTRE 
Organização do Estado 
- Os artigos 1º e 18 da Constituição do Brasil indicam que a forma de governo e a forma de Estado 
correspondem respectivamente a uma República Federativa. 
*Vide art. 2º do ADCT e EC 2/92 
- A organização e estrutura do Estado pode ser analisada sob três aspectos: 
a) forma de governo; 
b) sistema de governo; 
c) forma de Estado. 
- As formas de Estado referem-se à projeção do poder dentro da esfera territorial, tomando como critério 
a existência, a intensidade e o conteúdo de descentralização político-administrativa de cada um (Luiz A. D. 
Araujo e Vidal S. Nunes Jr.). 
- Além do Estado Federal existe outra forma de Estado, que é o Estado Unitário ou Estado Simples no qual 
encontramos um único centro de poder, modelo adotado pela maioria dos Estados na atualidade, 
principalmente os Europeus: 
A. Estado Unitário Puro: absoluta centralização do exercício do Poder, tendo em conta o território do 
Estado; 
B. Estado Unitário Descentralizado Administrativamente: ainda concentra a tomada de decisões 
políticas nas mãos do Governo Nacional, descentralizando a execução das decisões políticas já 
tomadas, mediante delegação. Criam-se pessoas para, em nome do Governo Nacional, como se 
fossem uma extensão deste (longa manus), executar, administrar, as decisões políticas tomadas. 
C. Estado Unitário Descentralizado Administrativamente e Politicamente: é a forma de Estado mais 
comum hoje em dia, principalmente nos países europeus. Há descentralização administrativa e 
também políticas. No momento da execução das decisões tomadas pelo Governo Central, as pessoas 
jurídicas passam a ter certa autonomia política para decidir no caso concreto a melhor atitude a ser 
empregada para a execução daquele comando central. 
*Palavras chaves: subordinação e delegação. 
- Exemplo de aplicação da teoria do Estado Unitário no Brasil: 
\uf0b7 Roraima e Amapá; Fernando de Noronha: arts. 14, 15 do ADCT; 
\uf0b7 Possibilidade de criação de outros territórios: art. 12 do ADCT. 
- Conceito de Estado Federal: 
 Forma de Estado no qual se encontra a união de entidades públicas dotadas de autonomia decorrente de previsão 
constitucional. 
- A federação como espécie de Estado composto, consiste numa forma especial de Estado politicamente 
descentralizado, cuja competência política de seus órgãos parciais não decorre de uma simples 
delegação do poder central, mas de uma previsão constitucional. 
*Palavra chave: autonomia e repartição de competência e previsão constitucional. 
- Evolução Histórica: 
\uf0b7 EUA: surgiu como resposta à necessidade de um governo eficiente em vasto território, que, ao 
mesmo tempo, assegurasse os ideais republicanos que vingaram com a revolução de 1776. 
Inicialmente as antigas colônias britânicas firmaram um tratado de direito internacional, criando uma 
confederação, que tinha como objetivo básico preservar a soberania de cada antigo território 
colonial. 
 
- Circunstancias que levaram a transformação da confederação dos EUA em Federação: 
\uf0b7 Cada entidade retinha a sua soberania, enfraquecendo o pacto; 
\uf0b7 As deliberações nem sempre eram cumpridas pelas entidades; 
\uf0b7 Dificuldades na obtenção de recursos financeiros e humanos para as atividades comuns; 
\uf0b7 Não podia legislar para os cidadãos, dispondo apenas para o Estado, não podendo impor tributos; 
\uf0b7 As deliberações do Congresso acabavam por ser meras recomendações; 
\uf0b7 Não havia um supremo tribunal para unificar a interpretação do direito comum aos Estados ou que 
resolvesse as diferenças entre eles. 
\uf0b7 Cada entidade retinha a sua soberania, enfraquecendo o pacto; 
\uf0b7 As deliberações nem sempre eram cumpridas pelas entidades; 
\uf0b7 Dificuldades na obtenção de recursos financeiros e humanos para as atividades comuns; 
\uf0b7 Não podia legislar para os cidadãos, dispondo apenas para o Estado, não podendo impor tributos; 
\uf0b7 As deliberações do Congresso acabavam por ser meras recomendações; 
\uf0b7 Não havia um supremo tribunal para unificar a interpretação do direito comum aos Estados ou que 
resolvesse as diferenças entre eles. 
- Primeiro Estado Federal: EUA: 
Com o propósito de aprimorar a união entre os Estados redundou na original forma federativa, inscrita pela 
Convenção de Filadélfia de 1787 na constituição elaborada, conforme se observa do próprio preâmbulo: \u201cNós, o 
povo dos Estados Unidos, a fim de formarmos uma União mais perfeita (...)\u201d 
- ESTADO FEDERAL X CONFEDERAÇÃO: 
\uf0b7 FEDERAÇÃO 
1. ESTADOS Federados AUTÔNOMOS (União desempenha competência sobre assunto de interesse 
nacional) 
2. Constituição escrita (rígida) 
3. Pacto indissolúvel (cláusula pétrea) 
\uf0b7 CONFEDERAÇÃO 
1. ESTADOS confederados SOBERANOS 
2. Tratado internacional 
3. Direito de secessão 
*De acordo com o art. 11, da Lei 7170/83, tentar desmembrar parte do território nacional para constituir 
país independente é crime contra a segurança nacional, ordem política e social, punido com a pena de 
reclusão de quatro a doze anos. 
- Soberania é o caráter supremo de um poder; poder que não admite outro que lhe seja superior, ou 
mesmo concorrente, dentro de um mesmo território. 
- Autonomia significa independência dentro dos limites traçados pelo poder superior e soberano. 
- Sistemas de Repartição de Competências: 
- Como no Estado Federal há mais de uma ordem jurídica incidente sobre um mesmo território impõe-se 
a adoção de mecanismo que favoreça a eficácia da ação estatal, evitando conflitos e desperdício de 
esforços e recursos, razão de ser da repartição de competências entre as esferas do federalismo, incluindo 
a de rendas. 
- Dizem os autores que a formação da Federação dos EUA decorreu de um movimento centrípeto, ou seja, 
os Estados Soberanos abriram mão de sua soberania, de fora para dentro. 
- Já no Brasil, decorreu de um movimento centrifugo, de dentro para fora, ou seja, o Estado Unitário, 
centralizador, passou a descentralizar o poder. 
 
- Tipologia do Federalismo: 
- Por agregação: os Estado soberanos abrem mão de parcela de sua soberania para agregarem entre si e 
formar um novo Estado, agora Federal. Ex: EUA, Alemanha, Suíça; 
- Por desagregação (segregação): surge a partir de um Estado Unitário que decide descentralizar o poder. 
Ex: Brasil. 
- Dual: a separação de atribuições entre os entes federativos é extremamente rígida. Ex: EUA em sua 
origem; 
- Cooperativo: as atribuições serão exercidas de modo comum ou concorrente, havendo maior 
aproximação entre os entes federativos. Ex: Brasil. 
- Simétrico: homogeneidade de cultura, desenvolvimento, língua e etc. Ex: EUA; 
- Assimétrico: decorre da diversidade. Ex: Suíça e Canadá. 
- Orgânico: o Estado deve ser considerado como um organismo. Busca-se, dessa forma, sustentar a 
manutenção do todo em detrimento da parte. Busca-se o estabelecimento da homogeneidade e a 
formulação de concepções centralistas. Ex: Governos federais socialistas e da América Latina; 
- Integração: em nome da integração nacional, passa a ser verificada a preponderância do Governo 
central sobre os demais entes, atenuando-se, assim, as características do modelo federativo. Será um 
federalismo meramente formal, aproximando-se do Estado unitário descentralizado. 
- Equilíbrio: traduz a ideia de que os entes federativos devem se manter em harmonia, reforçando-se as 
instituições. 
- De segundo grau: o Município deverá observar tanto a CR como a Constituição do Estado-membro. 
- Sistemas de Repartição de Competências: 
- O modo como se repartem as competências indica que tipo de federalismo é adotado em cada país. 
- A concentração de competências no ente central aponta para um modelo centralizador (centrípeto); 
- Uma opção pela distribuição mais ampla de poderes em favor dos Estados-membros configura o 
modelo descentralizador (ou centrífugo). 
- Havendo uma dosagem contrabalançada caracteriza o federalismo de equilíbrio. 
- Motivo