A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
93 pág.
TEORIA DA LITERATURA FIXAÇÃO (1)(2)(3)

Pré-visualização | Página 1 de 17

FIXAÇÃO 1/2/3
Teoria da Literatura
Teoria da Literatura
Atividade anterior
Próxima atividade
	Iniciado em
	sábado, 2 Mai 2020, 09:19
	Estado
	Finalizada
	Concluída em
	sábado, 2 Mai 2020, 09:20
	Avaliar
	1,00 de um máximo de 10,00(10%)
Parte superior do formulário
Questão 1
Incorreto
Marcar questão
Texto da questão
Sobre a diferença entre discurso literário e não literário, podemos dizer que:
I – o discurso literário, enquanto objeto linguístico, está apoiado na conotação, na plurissignificação, enquanto o discurso não literário é monossignificativo, de sentido mais fixo e comum a todos os leitores;
II – o discurso literário está apoiado na denotação, no monossignificativo, de entendimento de poucos;
III – o discurso literário, enquanto objeto linguístico, está apoiado na denotação, na plurissignificação, enquanto o discurso não literário é monossignificativo, de sentido mais fixo e comum a todos os leitores;
IV – tanto o discurso literário, quanto o não literário é uma escolha do leitor dar tal significado, tornando-o plurissignificativo;
V – o discurso literário sempre será monossignificativo.
Leia atentamente as questões acima e marque a alternativa correta:
Escolha uma:
a. Todas as alternativas estão corretas.
b. As alternativas I, II e III estão corretas.
c. Apenas a alternativa III está correta.
Gabarito: A resposta correta é a letra “a”, referente à questão I (capítulo 1, página 15, do Livro da Disciplina). Refere-se à diferença entre discurso literário e não literário, assunto exaustivamente debatido na área e com ainda muitas nuances. Entretanto, pode-se de antemão afirmar que: “uma das distinções entre o discurso literário e o não literário é que o primeiro, enquanto objeto linguístico, está apoiado na conotação, na plurissignificação (em que os sentidos se multiplicam pela força da interpretação do leitor), enquanto o texto não literário é monossignificativo, de sentido mais fixo e comum a todos os leitores”.
d. Apenas a alternativa I está correta.
e. A alternativa IV está correta.
Feedback
A resposta correta é: Apenas a alternativa I está correta..
Questão 2
Incorreto
Marcar questão
Texto da questão
“Todorov (1980), ao tratar do gênero lírico, apresenta quatro teorias para explicar a natureza do discurso lírico: a ornamental, a afetiva, a simbólica e a sintática”. Qual delas é uma teoria pragmática que considera o poema como um artefato retórico, isto é, destinado a agradar e não a instruir?
Escolha uma:
a. Teoria Renascentista
b. Teoria Sintática
c. Teoria Simbólica
d. Teoria Afetiva
e. Teoria Ornamental
Feedback
A resposta correta é: Teoria Ornamental.
Questão 3
Incorreto
Marcar questão
Texto da questão
De acordo com o segundo capítulo de Costa (2016), há quatro fatores que concorrem para o agrupamento dos textos literários em gêneros. Assinale a alternativa abaixo que não contém um destes fatores.
Escolha uma:
a. estrutura.
Justificativa: Costa (cap. 2; 2016 p.26) apresenta estes quatro fatores: discurso, estrutura, finalidade e efeitos no leitor. O tamanho não é mencionado, e geralmente não é levado em consideração, embora certos gêneros tenham a propensão a ser mais ou menos extensos.
b. discurso.
c. finalidade.
d. tamanho.
e. efeitos no leitor.
Feedback
A resposta correta é: tamanho..
Questão 4
Incorreto
Marcar questão
Texto da questão
Houve, a partir da segunda metade do século XX, uma valorização crescente do papel do leitor nos estudos literários. Em 1967, na Alemanha, uma corrente de pensamento preconizava que o texto já contém, na sua organização verbal, a pressuposição do trabalho do leitor. Assim, ao escrever a obra o autor já visualiza sua recepção. Marque a alternativa que indica a qual corrente teórica esta assertiva se refere:
Escolha uma:
a. Carnavalismo.
GABARITO: Quanto ao leitor, seu lugar é o da compreensão e da interpretação do discurso literário. A evolução histórica da importância atribuída ao papel do leitor demonstra que houve, a partir da segunda metade do século XX, a valorização cada vez mais intensa de sua atividade. Surge em 1967, no discurso de Hans Robert Jauss, na abertura do ano letivo da Universidade de Constança, na Alemanha, a estética da recepção, uma corrente da teoria que reavalia a história da literatura a partir dos modos de ler e do desempenho interpretativo do leitor. O aspecto mais significativo dessa teoria é o de que o texto já contém, na sua organização verbal, a pressuposição do trabalho do leitor. Em outras palavras, ao escrever a obra o autor já visualiza sua recepção, já compõe no próprio texto literário uma figura de leitor, prevê as reações dele no modo como descreve, por exemplo, uma cena romântica, ou de suspense, ou de humor. Há, quando se considera a organização verbal da obra, um certo controle sobre o modo como o leitor entenderá o texto e reagirá a ele. Esses componentes de previsão da recepção do texto, outro teórico da estética da recepção, Wolfgang Iser (1996), denominará leitor implícito, (ISER, 1996). Cap 01, P. 10
b. Impressionismo.
c. Formalismo Russo.
d. New Cristicism norteamericano.
e. Estética da Recepção.
Feedback
A resposta correta é: Estética da Recepção..
Questão 5
Incorreto
Marcar questão
Texto da questão
Domício Proença Filho (1986) procurou definir as especificidades dos discursos literários e não literários. Para o autor a literatura se manifesta como tal por agregar seis componentes básicos. Identifique nas colunas abaixo cada um desses componentes e relacione-os às suas correspondentes definições.
1-Complexidade.
2-Ênfase no significante e variabilidade.
3-Liberdade na criação.
4-Multissignificação.
5-Predomínio da conotação.
6- Variabilidade.
( ) É a capacidade da literatura ultrapassar a reprodução da realidade e atingir espaços de universalidade.
( ) É a força da literatura para criar e amplificar tanto os significantes (por exemplo, a palavra enquanto letras e sons) e os significados (isto é, as ideias que as palavras expressam).
( ) A criação verbal está relacionada diretamente à potencialização dos recursos linguísticos: o som, o desenho da letra, a musicalidade da frase, a ambiguidade e multissignificação de palavras e frases, etc.
( ) Diz respeito às mutações que o discurso literário e seu entendimento sofreram e sofrem em diferentes culturas e épocas, e na mesma cultura em diferentes épocas da história.
( ) A linguagem literária transcende o sentido informativo para atingir o nível poético e estético da linguagem, sem que a informação ou a poeticidade existam separadamente.
( ) Essa qualidade diz respeito à ruptura de normas historicamente estabelecidas pelo discurso literário e a inserção de novas formas de dizer.
Escolha uma:
a. 1, 2, 4, 6, 5, 3.
b. 1, 4, 2, 5, 6, 3.
GABARITO: Cap. 01. A complexidade – por complexidade, Proença Filho entende a capacidade da literatura ultrapassar a reprodução da realidade e atingir espaços de universalidade.
Multissignificação – também denominada em alguns outros estudos como plurissignificação. Domício Proença quer entender como tal a força da literatura para criar e amplificar tanto os significantes (por exemplo, a palavra enquanto letras e sons) e os significados (isto é, as ideias que as palavras expressam; A ênfase no significante – novamente, retorna a discussão sobre a importância da linguagem no texto literário. A criação verbal está relacionada diretamente à potencialização dos recursos linguísticos colocados à disposição do escritor: o som, o desenho da letra, a musicalidade da frase, a ambiguidade e multissignificação de palavras e frases, etc.
Variabilidade – a noção de variabilidade integra indissociavelmente o modo de ser da literatura e diz respeito às mutações que o discurso literário e seu entendimento sofreram e sofrem em diferentes culturas e épocas, e na mesma cultura em diferentes épocas da história; Predomínio da conotação – quanto ao predomínio da conotação, a reflexão de Proença Filho se detém a expor o quanto a linguagem literária transcende o sentido informativo para atingir o nível poético e estético da linguagem, sem que a