A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
168 pág.
DIREITO CIVIL SUCESSOES - SIMULADOS

Pré-visualização | Página 7 de 50

a transmissão imediata da propriedade, da posse dos bens e das dívidas do de cujus, no momento da 
abertura da sucessão, independentemente da vontade e do conhecimento dos herdeiros. 
 
O período entre a abertura da sucessão e a aceitação da herança é denominado delação. 
 
O direito positivo brasileiro veda, expressamente, ao sucessor por um mesmo e único título, a aceitação parcial da 
herança. 
 
Caso o herdeiro seja casado, a aceitação de herança independe da anuência do seu cônjuge. 
 O direito de aceitar ou renunciar à herança tem natureza de direito subjetivo. 
Respondido em 23/05/2020 18:31:31 
 
 
Explicação: 
O direito de aceitar ou renunciar à herança tem natureza de direito subjetivo. 
 
 
 
 
 4a Questão 
 
 
Morrendo a pessoa, sem testamento, a herança: 
 
 
transmite-se desde logo aos herdeiros legítimos, em tantas frações quantos forem os herdeiros. 
 
transmite-se desde logo aos herdeiros necessários, em tantas frações quantos forem os herdeiros. 
 transmite-se desde logo aos herdeiros legítimos, como um todo unitário, ainda que vários sejam os herdeiros. 
 
transmite-se desde logo apenas aos herdeiros necessários, como um todo unitário, ainda que vários sejam os 
herdeiros. 
 
é administrada, provisoriamente, pelo representante do espólio, transmitindo-se aos herdeiros com a homologação 
da partilha. 
Respondido em 23/05/2020 18:31:18 
 
 
Explicação: 
GABARITO- Art. 1788 CC - Morrendo a pessoa sem testamento, transmite a herança aos herdeiros legítimos; o mesmo 
ocorrerá quanto aos bens que não forem compreendidos no testamento; e subsiste a sucessão legítima se o testamento 
caducar, ou for julgado nulo.Art. 1.791, CC: "A herança defere-se como um todo unitário, ainda que vários sejam os 
herdeiros". 
 
 
 
 
 
 
 5a Questão 
 
 
(FCC 2014/DPE-PB DEFENSOR PÚBLICO)Francisco faleceu deixando R$ 10.000,00 em dívidas no Banco Bom Pagador e R$ 
8.000,00 em bens. A partilha foi feita, em partes iguais, a seus 4 filhos. Realizada a partilha, o Banco Bom Pagador ajuizou 
ação de cobrança contra os filhos de Francisco, que: 
 
 respondem, individualmente, até o montante de R$ 2.000,00 cada. 
 
respondem, solidariamente, até R$ 8.000,00. 
 
não respondem pelas dívidas deixadas pelo pai, cuja personalidade se extinguiu com o falecimento. 
 
respondem, solidariamente, até R$ 10.000,00. 
 
respondem, individualmente, até o montante de R$ 2.500,00 cada. 
Respondido em 23/05/2020 18:32:17 
 
 
Explicação: Vide arts. 1792 e 265, CC 
 
 
 
 
 6a Questão 
 
 
Assinale a alternativa incorreta: 
 
 O co-herdeiro poderá ceder a sua quota hereditária a pessoa estranha à sucessão, sem anuência dos demais, por se 
tratar de direito próprio. 
 
A sucessão é regulada pela lei vigente ao tempo da abertura da sucessão; 
 
O prazo de abertura da sucessão é de 2 meses, na forma do art. 611 do CPC/15. 
 
Os herdeiros recebem a herança como um todo unitário formando um condomínio sobre os bens; 
 
A cessão de direitos hereditários pode ser realizada através de escritura pública com conhecimento prévio do juiz de 
inventário; 
Respondido em 23/05/2020 18:32:06 
 
 
Explicação: 
Art. 1.794. O co-herdeiro não poderá ceder a sua quota hereditária a pessoa estranha à sucessão, se outro co-herdeiro a 
quiser, tanto por tanto. 
 
 
 
 
 7a Questão 
 
 
(TJ/SP) Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários. Tal regra é 
decorrente do princípio conhecido como: 
 
 
transmissibilidade imediata. 
 
herança instantânea. 
 
sucebilidade incondicional. 
 saisine. 
Respondido em 23/05/2020 18:31:57 
 
 
Explicação: 
Princípio de origem francesa e introduzido pelo legislador no Art. 1.784 CC que informa "Aberta a sucessão, a herança 
transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários." 
 
 
 
 
 8a Questão 
 
 
Segundo o Código Civil de 2002, em relação à ordem da vocação hereditária na sucessão legítima, assinale a assertiva 
INCORRETA. 
 
 O Código Civil assegura ao cônjuge sobrevivente, casado sob o regime da comunhão universal de bens, o direito à 
herança do de cujus em concorrência com os descendentes do falecido. 
 
A sucessão legítima defere-se ao cônjuge sobrevivente, casado no regime de comunhão parcial de bens, em 
concorrência com os descendentes do cônjuge falecido somente quando este tiver deixado bens particulares. A referida 
concorrência dar-se-á exclusivamente quanto aos bens particulares constantes do acervo hereditário do de cujus. 
 
Na falta de descendentes, são chamados à sucessão os ascendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente. 
 
No regime de separação legal ou obrigatória de bens, o cônjuge sobrevivente não tem direito à sucessão causa mortis 
em concorrência com os descendentes do autor da herança. 
 
No regime de separação convencional de bens, o cônjuge sobrevivente concorre na sucessão causa mortis com os 
descendentes do autor da herança. 
Respondido em 23/05/2020 18:31:47 
 
 
Explicação: 
Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: ( 
I - aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da 
comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art. 1.640, parágrafo único); ou se, no regime da comunhão 
parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares; 
 
1a Questão 
 
(2016/SEGEP-MA) Sérgio, domiciliado durante toda a vida em São Luís, faleceu, em um acidente de trânsito em Bacabal, em 
20 de outubro de 2014. Seu inventário foi aberto em 19 de dezembro de 2014 e a partilha de seus bens foi homologada em 15 
de março de 2015. De acordo com o Código Civil, a herança de Sérgio foi transmitida a seus herdeiros no momento da 
 
 
abertura do inventário, em 19 de dezembro de 2014, e sua sucessão será aberta no local do falecimento, Bacabal. 
 
sua morte, em 20 de outubro de 2014, e sua sucessão será aberta no local do falecimento, Bacabal. 
 
homologação da partilha, em 15 de março de março de 2014, e sua sucessão será aberta no local do falecimento, 
Bacabal. 
 sua morte, em 20 de outubro de 2014, e sua sucessão será aberta no local de seu último domicílio, São Luís. 
 
homologação da partilha, em 15 de março de 2014, e sua sucessão será aberta no local de seu último domicílio, 
São Luís. 
Respondido em 23/05/2020 18:37:10 
 
 
Explicação: 
Trata-se do princípio da saisine, que estabelece que a herança se transmite assim que ocorre o evento morte. (Código Civil: 
Art. 1.784. Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários.) 
 
Será em São Luis por tratar-se do último domicílio de Sérgio. (Código Civil: Art. 1.785. A sucessão abre-se no lugar do último 
domicílio do falecido.) 
 
 
 
 
 
 2a Questão 
 
 
Assinale a alternativa correta a respeito do direito das sucessões no Código Civil 
 
 O herdeiro não responde por encargos superiores às forças da herança; incumbe-lhe, porém, a prova do excesso, 
salvo se houver inventário que a escuse, demonstrando o valor dos bens herdados. 
 
O direito à sucessão aberta, bem como o quinhão de que disponha o coerdeiro, não pode ser objeto de cessão por 
escritura pública. 
 
O herdeiro necessário, a quem o testador deixar a sua parte disponível, ou algum legado, perde o direito à legítima. 
 
Somente as pessoas já nascidas no momento da abertura da sucessão legitimam-se a suceder. 
 
A incapacidade superveniente do testador invalida o testamento, e o testamento do incapaz se valida com a 
superveniência da capacidade. 
Respondido em 23/05/2020 18:37:10 
 
 
Explicação: 
Art. 1.792. O herdeiro não responde por encargos superiores às forças da herança; incumbe-lhe, porém, a prova do excesso, 
salvo se houver inventário que a escuse, demostrando o valor dos bens herdados. 
 
 
 
 
 3a Questão 
 
 
(PGE/PE - 2009) Acerca da disciplina jurídica da sucessão

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.