Fundamentos da Economia - Atividade 3
8 pág.

Fundamentos da Economia - Atividade 3


DisciplinaFundamentos da Economia16.931 materiais218.313 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Pergunta 1
Resposta Selecionada: 
Resposta Correta: 
Feedback
da resposta:
Conforme Vasconcellos e Garcia, \u201cos objetivos da política macroeconômica são buscar meios de melhorar o nível do emprego, manter a estabilidade dos
preços, adotar ações para que a distribuição de renda seja socialmente justa e, principalmente, promover o crescimento econômico\u201d.
VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de Economia . 4º ed. São Paulo: Saraiva, 2008.
Sem dúvida que o desemprego é a grande preocupação dentre as apontadas, pois o impacto é direto sobre a distribuição e renda e, consequentemente, sobre
a estabilidade dos preços e o crescimento econômico. Nesse sentido, a literatura econômica aponta três tipos de desemprego:
I. O desemprego friccional é resultado direto do desenvolvimento tecnológico, que, por tornar determinadas atividades obsoletas, acaba promovendo a perda
do emprego.
II. Desemprego estrutural é aquele ocasionado quando o trabalhador abandona seu emprego para buscar um outro que esteja mais alinhado às suas
perspectivas pessoais de desenvolvimento econômico e social.
III. Desemprego cíclico é aquele ocasionado por questões que estão relacionadas à situação econômica do país.
É correto o que se afirma em
III, apenas.
III, apenas.
Resposta certa. O desemprego cíclico é derivado do nível da atividade econômica, que, em situações de crise, gera aumento dos preços,
desabastecimentos entre outros problemas que promovem a retração da atividade econômica nesse momento.
Pergunta 2
BC simplifica recolhimento obrigatório e libera R$ 2,7 bilhões
Publicado em 22/11/2018 - 11:05 Por Kelly Oliveira \u2013 Repórter da Agência Brasil Brasília
O Banco Central (BC) simplificou as regras dos recolhimentos compulsórios e, com isso, liberou no mercado R$ 2,7 bilhões. As alterações produzirão efeitos
no final do ano. O compulsório é a parcela dos depósitos que os bancos são obrigados a manter em uma conta no BC e representa uma das ferramentas da
autoridade monetária para regular a quantidade de dinheiro em circulação na economia. Em nota, o banco informou hoje (22) que fez ajustes nos
recolhimentos compulsórios sobre depósitos à vista (dinheiro disponível para saque pelo cliente a qualquer momento) e a prazo (quando o dinheiro fica parado
no banco, rendendo por determinado período). \u201cAs mudanças estão no âmbito do pilar Crédito mais Barato da Agenda BC+ [formada por medidas para tornar o
crédito mais barato, aumentar a educação financeira, modernizar a legislação e tornar o sistema financeiro mais eficiente] e fazem parte do trabalho de
simplificação das regras do recolhimento compulsório, permitindo uma redução dos custos para o sistema financeiro\u201d, diz o BC. Segundo BC, foram editadas
duas circulares que consolidaram regras antes dispersas em 17 documentos. Foi antecipado para dezembro de 2018 o fim de deduções nos compulsórios que
acabariam no final de 2019. Para compensar as alterações nas deduções, a alíquota sobre recursos a prazo foi reduzida de 34% para 33% e a sobre recursos
à vista de 25% para 21%, gerando uma liberação residual da ordem de 0,6% do recolhimento total (R$ 435,906 bilhões). Além disso, acrescenta o BC, foram
atualizados os valores de algumas deduções como as baseadas no nível I do Patrimônio de Referência das instituições financeiras nos recolhimentos sobre
recursos a prazo e como as que incidem sobre os valores médios do recolhimento compulsório sobre recursos à vista (sobe de R$ 200 milhões para R$ 500
milhões). De acordo com o BC, as alterações nos compulsórios sobre recursos à vista e a prazo fazem com que oito instituições de menor porte passem a não
ter mais obrigatoriedade desses recolhimentos. Ainda segundo o BC, diminui também a exigência mínima diária de cumprimento da exigibilidade de 80% para
65% sobre os montantes de exigibilidade sobre recursos à vista, permitindo maior flexibilidade aos bancos e garantindo melhores condições de funcionamento
do mercado monetário. 
Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-11/bc-simplifica-recolhimento-obrigatorio-e-libera-r-27-bilhoes acessado em 09/04/2019 às 15:25
 
A partir do texto, avalie as asserções a seguir e a relação proposta entre elas.
 
I. O texto mostra uma disposição do governo em realizar ações que buscam de alguma maneira promover o reaquecimento da economia visto o elevado
1 em 1 pontos
1 em 1 pontos
http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-11/bc-simplifica-recolhimento-obrigatorio-e-libera-r-27-bilhoes
Resposta Selecionada: 
Resposta Correta: 
Feedback
da
resposta:
contingente de desempregados no Brasil, que estavam a época da notícia em mais de 12 milhões de pessoas. Para tal, a proposta foi adotar uma política fiscal
de caráter expansionista
PORQUE 
II. Somente através desse ajuste seria possível reduzir o custo da moeda de tal forma a gerar impacto significativo que pudesse reconduzir o país a uma
situação de investimento, crescimento econômico e consequentemente melhora na situação do nível do emprego.
 
A respeito dessas asserções, assinale a opção correta.
As asserções I e II são proposições falsas.
As asserções I e II são proposições falsas.
Resposta certa. Isso mesmo! O texto fala do recolhimento compulsório, que é uma porcentagem de todos os depósitos que as instituições
financeiras são obrigadas a recolher ao Banco Central diariamente. Os bancos utilizam o que chamam de \u201csaldo médio\u201d desses depósitos como
lastro para suas operações de crédito e, quanto menor for esse percentual, maior a quantidade de recursos financeiros disponível para o banco
emprestar, o que seria uma política monetária expansionista. Cumpre observar que apenas o recolhimento compulsório não é suficiente para
conduzir o país ao crescimento econômico: é importante observar que outras ações são necessárias, como redução dos impostos, investimentos
em infraestrutura e redução das taxas de juros.
Pergunta 3
BC corta juros para 6,5% ao ano e indica nova redução em maio
É o menor piso histórico da taxa; queda ocorre em cenário de inflação controlada
 
Na 12ª redução seguida da taxa básica de juros, o Banco Central decidiu, nesta quarta (21), cortar a Selic em 0,25 ponto percentual, para 6,5% ao ano. Com
isso, o juro atinge um novo piso histórico no país. No comunicado, o BC prevê mais uma redução na próxima reunião em maio. O Copom vê como
"apropriada" uma flexibilização monetária moderada adicional, de modo que a inflação convirja para a meta. 
 
1 em 1 pontos
Resposta Selecionada: 
Resposta Correta: 
 
Fonte: Banco Central
 
A decisão veio em linha com o esperado pelo mercado. Dos 43 analistas e casas ouvidos pela agência Bloomberg, 41 apostavam na queda da Selic para
6,5%. Apenas dois viam a taxa estável em 6,75% ao ano.
 
Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/banco-central-corta-juros-pela-12a-vez-e-selic-cai-para-65-ao-ano.shtml acessado em 04/04/2019 às 10:54
 
A partir do texto, avalie as asserções a seguir e a relação proposta entre elas.
 
I. O governo reduziu as taxas de juros porque observou uma situação de controle da inflação; assim, ao analisar o gráfico, durante todo período estudado,
desde a atuação do ex-ministro Armínio Fraga, pode-se dizer que a política monetária tem sido expansionista.
PORQUE 
II. A política monetária expansionista se dá com reduções esporádicas das taxas de juros, sempre diante de uma situação de perspectiva de inflação tendendo
a se elevar.
 
A respeito dessas asserções, assinale a opção correta.
As asserções I e II são proposições falsas.
As asserções I e II são proposições falsas.
https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/banco-central-corta-juros-pela-12a-vez-e-selic-cai-para-65-ao-ano.shtml%20acessado%20em%2004/0/2019
Feedback
da
resposta:
Resposta certa. Ambas as assertivas são falsas. Em primeiro lugar, no gráfico se verifica que os ex-ministros Henrique Meirelles e Alexandre
Tombini elevaram as taxas de juros, o que se faz diante de uma perspectiva de alta inflacionária, o que