A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Pensamento Pós Formal

Pré-visualização | Página 1 de 2

Pensamento pós-formal 
 
Tipo de pensamento maduro que recorre: à experiência subjetiva à intuição, à lógica e 
dá espaço para: a ambiguidade, a incerteza, a inconsistência, a contradição, imperfeição 
e tolerância. 
O pensamento maduro é mais rico e mais complexo do que Piaget descreveu. 
Ele é caracterizado pela capacidade de lidar com inconsistência, contradição, 
imperfeição e tolerância. 
É de certa forma tanto um estilo de personalidade quanto um modo de pensar: as 
pessoas diferem no quanto se sentem confortáveis com a incerteza. 
Este estágio superior da cognição adulta é chamado às vezes de pensamento pós-formal, 
e geralmente começa no início da vida adulta, com frequência pela exposição à 
educação superior (Labouvie-Vief, 2006 citado por Papalia & Feldman, 2013). 
O pensamento pós-formal é: flexível, aberto, adaptativo e individualista. Ele 
recorre: à intuição e à emoção. Para ajudar as pessoas a lidarem com um mundo 
aparentemente caótico à lógica. Ele aplica os frutos da experiência a situações 
ambíguas. Como o pensamento reflexivo, ele permite aos adultos: transcenderem um 
único sistema lógico; 
Como o pensamento reflexivo, o pensamento pós-formal com frequência desenvolve-se 
em resposta a eventos e interações que revelam maneiras inusitadas de ver as coisas e 
contestam uma visão simples e polarizada do mundo. 
O pensamento pós-formal frequentemente opera em um contexto social e emocional. 
Diferentemente dos problemas que Piaget estudou, que envolvem fenômenos físicos e 
requerem observação e análise isentas e objetivas, os dilemas sociais são menos 
estruturados e frequentemente são carregados de emoção. 
Nesses tipos de situação é que os adultos maduros tendem a recorrer ao pensamento 
pós--formal (Berg e Klaczynski, 1996; Sinnott, 1996, 1998, 2003, citado por Papalia & 
Feldman, 2013). 
As pesquisas encontraram um progresso rumo ao pensamento pós- formal durante o 
início e a metade da vida adulta, principalmente quando emoções estão envolvidas. 
Os adolescentes e jovens adultos tendiam a culpar pessoas, ao passo que as pessoas de 
meia-idade tinham mais propensão a atribuir o comportamento à interação entre pessoas 
e o ambiente. 
Schaie: modelo de desenvolvimento cognitivo para o ciclo vital 
O modelo de desenvolvimento cognitivo para o ciclo de vida de K. Warner Schaie 
(1977-1978; Schaie e Willis, 2000) observa o desenvolvimento dos usos do intelecto 
dentro de um contexto social. 
Os sete estádios são os seguintes: Schaie: modelo de desenvolvimento cognitivo para o 
ciclo vital 
Estágio aquisitivo (infância e adolescência). As crianças e os adolescentes adquirem 
informação e habilidades principalmente por seu próprio valor ou como preparação para 
participação na sociedade. 
Estágio realizador (final da adolescência ou início dos 20 anos até o início dos 30). Os 
jovens adultos não adquirem mais o conhecimento por seu próprio valor: utilizam o que 
sabem para atingir metas como carreira profissional e família. 
Estágio responsável (final dos 30 anos até início dos 60). As pessoas de meia-idade 
utilizam a mente para resolver problemas práticos associados a responsabilidades com 
os outros, como os membros da família ou empregados. 
Estágio executivo (dos 30 ou 40 anos até a meia-idade). As pessoas no estádio 
executivo, que pode sobrepor-se aos estádios realizador e responsável, são responsáveis 
por sistemas sociais (organizações governamentais ou comerciais) ou movimentos 
sociais. Lidam com relacionamentos complexos em múltiplos níveis. 
Estágio reorganizativo (final da meia-idade e início da vida adulta tardia). As pessoas 
que entram na aposentadoria reorganizam suas vidas e energias intelectuais em torno de 
propósitos significativos que ocupem o lugar do trabalho remunerado. 
Estágio reintegrativo (vida adulta tardia). Adultos mais velhos podem estar 
vivenciando mudanças biológicas e cognitivas e tendem a ser mais seletivos em relação 
às tarefas a que dedicarão esforço. Concentram-se no propósito do que fazem e nas 
tarefas que têm mais significado para eles. 
Estágio de criação de herança (velhice avançada). Próximo do fim da vida, tão logo a 
reintegração tenha sido concluída (ou juntamente com ela), as pessoas muito idosas 
podem criar instruções para a distribuição das posses de valor, tomar providências para 
o funeral, contar histórias oralmente ou escrever a autobiografia como um legado para 
seus entes queridos. 
Nem todos passam por esses estádios dentro das estruturas de tempo sugeridas. 
Críticas 
Os estádios da idade adulta de Schaie podem aplicar-se menos amplamente numa era de 
escolhas e caminhos variados e de mudanças rápidas, quando os avanços médicos e 
sociais mantêm muitas pessoas ativas e envolvidas em esforços construtivos e 
responsáveis até a velhice, e podem não ser característicos de outras culturas. 
Por outro lado, pessoas expostas à guerra (Haskuka, Sunar e Alp, 2008) ou que sofrem 
de transtorno de estresse pós-traumático como resultado de experiência de combate 
(Taylor, 2007) mostram uma tendência reduzida a alcançar os níveis mais altos de 
raciocínio moral no modelo de Kohlberg. 
Pouco antes de sua morte em 1987, Kohlberg propôs um sétimo estágio de raciocínio 
moral, que vai além das considerações de justiça. 
No sétimo estágio, os adultos refletem sobre a questão “Por que ser moral?” (Kohlberg 
e Ryncarz, 1990, p. 192). 
A resposta, dizia Kohlberg, reside em obter uma perspetiva cósmica: “um senso de 
unidade com o cosmo, com a natureza ou com Deus”, que possibilita a uma pessoa ver 
as questões morais “do ponto de vista do universo como um todo” (p. 191, 207). 
A realização de uma perspetiva desse tipo é tão rara que o próprio Kohlberg tinha 
dúvidas a respeito de denominá-la um estágio do desenvolvimento. 
Ele notou que ela correspondia ao estágio mais maduro da fé que o teólogo James 
Fowler (1981) identificou no qual “a pessoa experimenta uma unicidade com as 
condições últimas de sua vida e do seu ser” (Kohlberg e Ryncarz, 1990, p. 202). 
Estágio 6: Fé universalizante (velhice). 
Nesta categoria rara Fowler colocou líderes morais e espirituais como Mahatma Gandhi, 
Martin Luther King Jr. e Madre Teresa, cujas visões ou compromissos inspiram a outros 
profundamente. Visto que eles ameaçam a ordem estabelecida, eles podem tornar-se 
mártires; e embora amem a vida, eles não se apegam a ela. Este estágio corresponde ao 
sétimo estágio de desenvolvimento moral proposto por Kohlberg. 
(ver Desenvolvimento da fé ao longo da vida, p. 472 no livro da Papalia & Feldman, 
2013) 
A teoria de Kohlberg: uma perspetiva desenvolvimentista 
Lawrence Kohlberg descobriu que o carácter moral se desenvolve e que ocorre de 
acordo com uma sequência específica de estádios, independentemente da cultura, 
subcultura, continente ou país. 
Também aqui, como para Piaget, cada estádio tem as seguintes características: 
- É qualitativamente diferente do estádio precedente; 
- Representa um sistema de organização “mental” novo e mais compreensivo; 
- Ocorre de acordo com uma sequência invariante; 
Os estádios são limitados quando aplicados a: 
- Mulheres, raparigas (veem a moralidade não tanto em termos de justiça e de igualdade, 
mas sim em termos de responsabilidade em mostrar cuidados e evitar danos); 
- Pessoas de culturas não ocidentais (raramente pontuam acima do estádio 4). 
Presta pouca atenção às influências do ambiente (ex. família). 
Estudos mais recentes enfatizam a contribuição dos pais nos domínios cognitivo e 
emocional. 
Ausência de uma clara relação entre o raciocínio moral e o comportamento. 
Regra de ouro (Kohlberg, in Sprinthall e Sprinthall, 1993, p. 188): 
 
Procede para com os outros como gostarias que procedessem para contigo; 
Ama o próximo como a ti mesmo. 
 
Estádios de desenvolvimento moral segundo Gillian 
 
A moralidade feminina centra-se no bem-estar individual e nas relações sociais em vez 
de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.