A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Prova substitutiva (A6) Fundamentos da economia FMU

Pré-visualização | Página 1 de 3

· Pergunta 1
1 em 1 pontos
	
	
	
	Leia a reportagem:
 
Em um ano, queixas sobre buracos crescem 32% na cidade de São Paulo
 
Embora tenha sido eleita uma das prioridades da Prefeitura na zeladoria urbana, com o programa Asfalto Novo, as reclamações sobre pavimentação e asfalto cresceram 32% na cidade de São Paulo em 2018, em relação ao ano anterior. Nos serviços de atendimento ao cidadão da capital paulista, esses tipos de queixa lideram. Foram 198,7 mil reclamações ao longo do ano, ou mais de 22 a cada hora no ano passado. Em 2017, haviam sido 147,6 mil. São relatos como o do funcionário público Aparecido Firmino da Silva, de 55 anos. Por duas semanas, ele esperou que agentes da Prefeitura fossem tapar um buraco na frente da sua casa, na Lapa, zona oeste paulistana. Até que eles vieram. "Foi no dia de uma tempestade", lembra ele. "(Os agentes) tiraram a água de dentro do buraco com um rodo e ficaram trabalhando", afirmou. "Eu não sou engenheiro, mas imagino que isso não vai durar nada."Outros aguardam muito mais. "Faz mais de dois meses que estou esperando. Tenho reclamação, número de protocolo, e nada. O buraco só aumenta", diz a aposentada Sueli Florindo Zanini, de 64 anos, que tem uma cratera na frente de seu condomínio, no Brás, zona leste, que foi aberta no ano passado e até agora atrapalha o trânsito. Na Rua Cerro Corá, no Alto de Pinheiros, zona oeste, a aposentada Neusa Guerreiro de Carvalho, de 88 anos, passou a cobrar o conserto no asfalto na frente do seu prédio pelas redes sociais. "Coloquei no Facebook", conta a moradora.
Fonte: https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2019/02/15/interna_nacional,1030877/em-um-ano-queixas-sobre-buracos-crescem-32-na-cidade-de-sao-paulo.shtml acessado em 12/05/2019 às 17:27
 
A partir do texto, avalie as asserções a seguir e a relação proposta entre elas.
 
I. O estado possui três funções básicas, a saber: função alocativa, distributiva e reguladora, sendo que o texto faz menção ao fato de estar negligenciando uma dessas funções, que seria função alocativa.
 
PORQUE
 
II. A função alocativa está associada a obrigação que os governos possuem de oferecer bens e serviços que não são de interesse da iniciativa privada, os denominados bens e serviços públicos, que podem ser tangíveis, como citado no texto, e intangíveis, como serviços de segurança pública.
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa correta da I.
	Resposta Correta:
	 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa correta da I.
	Feedback da resposta:
	Resposta certa: muito bem, a função alocativa realmente é a obrigação que os governos municipais, estaduais e municipais – que é o caso do texto – de oferecerem bens e serviços públicos.
	
	
	
· Pergunta 2
1 em 1 pontos
	
	
	
	A transferência dos fatores de produção X para a produção de um bem Y implica em um custo de oportunidade, que é igual ao sacrifício de deixar de produzir um bem X para se produzir um Y. É também chamado de custo alternativo.
VASCONCELLOS, Marco Antônio Sandoval de. Fundamentos de Economia, 4º ed. São Paulo: Saraiva, 2008.
Observe o gráfico abaixo
 
Fonte: VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de Economia. 4º ed. São Paulo: Saraiva, 2008, p.7”
Ao analisar o gráfico é possível concluir que:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
no ponto F temos um custo de oportunidade de 15 mil máquinas
	Resposta Correta:
	 
no ponto F temos um custo de oportunidade de 15 mil máquinas
	Feedback da resposta:
	Resposta certa. O exercício buscou verificar a sua compreensão do conceito de custo de oportunidade. No ponto F temos a produção de 30 toneladas de alimento (custo de oportunidade de 40 toneladas) e 10 mil máquinas (custo de oportunidade de 15 mil máquinas).
	
	
	
· Pergunta 3
1 em 1 pontos
	
	
	
	Um dos objetivos dos condutores de política macroeconômica é o controle da inflação. Conforme nos ensina Mochón, “conseguir uma inflação baixa ou um nível geral de preços estável é um objetivo macroeconômico chave, pois as disparadas nos preços distorcem as decisões econômicas das empresas e dos indivíduos, impedindo, portanto, uma alocação mais eficiente de recursos”
MOCHÓN, Francisco. Princípios de Economia . São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007, p. 148-149
É importante observar dessa maneira que para obter o crescimento econômico, o Estado precisa lidar com esse problema que é para a Economia de um país analogamente falando o mesmo que um câncer para o corpo humano. Para solucionar esse problema o governo pode:
I. Adotar uma política monetária restritiva, aumentando juros e, dessa forma, encarecendo o crédito.
II. Adotar uma política monetária restritiva, reduzindo juros e dessa forma encarecendo o crédito.
III. Adotar uma política fiscal restritiva, aumentando gastos e, dessa forma, diminuindo o déficit fiscal.
IV. Adotar uma política fiscal restritiva, reduzindo gastos e, dessa forma, diminuindo o déficit fiscal.
 
É correto o que se afirma em
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
I e IV
	Resposta Correta:
	 
I e IV
	Feedback da resposta:
	Resposta certa. Isso mesmo, as políticas monetária e fiscal devem atuar de forma combinada encarecendo os empréstimos e reduzindo do déficit fiscal como sendo uma forma de combater a inflação. É importante lembrar que não é possível o desenvolvimento econômico em um ambiente inflacionário.
	
	
	
· Pergunta 4
1 em 1 pontos
	
	
	
	Conforme nos ensinam Vasconcellos e Garcia, moeda é “um instrumento ou objeto aceito pela coletividade para intermediar as transações econômicas, para pagamento de bens e serviços. Essa aceitação é garantida por lei, ou seja, a moeda tem “curso forcado [...] Com a evolução da sociedade, certas mercadorias passaram a ser aceitas por todos, por suas características peculiares ou pelo próprio fato de serem escassas. Por exemplo, o sal, que por ser escasso era aceito na Roma Antiga como moeda. Em diversas épocas e locais diferentes, outros bens assumiram idêntica função” .
VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de Economia. 4º ed. São Paulo: Saraiva, 2008, p. 198.
Sabemos que a moeda é o meio pelo qual famílias e empresas estabelecem as trocas de fatores de produção por bens e serviços. Ao longo dos séculos as moedas tiveram várias características sendo que:
I.    O tipo de moeda citado no texto seria a moeda mercadoria, uma fase posterior ao escambo, onde mercadorias eram trocadas por outras, no caso do texto, de aceitação geral.
II.   A moeda que vem caracterizando as relações de trocas nos últimos anos é a moeda sofisticada, que seriam as “moedas virtuais”, como as bitcoins.
III. A fase posterior a moeda mercadoria seria a moeda escritural, onde as trocas são realizadas por moedas feitas de metais preciosos e cuja circulação seria reforçada pela lei.
É correto o que se afirma em
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
I e II, apenas.
	Resposta Correta:
	 
I e II, apenas.
	Feedback da resposta:
	Reposta certa. Isso mesmo, a moeda escritural é aquela onde ouro e prata ficavam em guarda de terceiros, como os ourives, e em troca os depositantes recebiam um certificado; as moedas feitas de metais preciosos seriam as simbólicas.
	
	
	
· Pergunta 5
1 em 1 pontos
	
	
	
	Vasconcellos e Garcia explicam que a política fiscal “refere-se a todos os instrumentos de que o governo dispõe para arrecadar tributos (política tributária) e controlar suas despesas (política de gastos). A política tributária, além de influir sobre o nível de tributação, é utilizada, por meio da manipulação da estrutura e alíquotas de impostos, para estimular (ou inibir) os gastos de consumo do setor privado.”
VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de Economia. 4º ed. São Paulo: Saraiva, 2008, p. 130.
Considere que o país está passando por um período suficiente para caracterizar uma situação inflacionária: empregos vem sendo perdidos pela retração da

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.