A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
88 pág.
62 - APOSTILA - MERCADO DE CAPITAIS

Pré-visualização | Página 5 de 20

a emitiu. Os tomadores destes títulos os adquirem com a expectativa de receber juros 
periódicos e o reembolso específico do valor principal (valor nominal da debênture) quando 
do seu vencimento.
Tabela 1: Operação com debêntures
Fonte: Elaborado pelo autor (2020)
3.1.5. Tesouro Nacional ou Tesouro Direto
Os títulos públicos são instrumentos financeiros de renda fixa, com o objetivo principal 
21UNIDADE I Mercado Financeiro e o Sistema Financeiro Nacional
de captar recursos para o financiamento da dívida pública, ou para financiar programas do 
governo federal. A captação de recursos pelos títulos públicos é feita pela secretaria do 
Tesouro Nacional. Todos os títulos de emissão do Tesouro Nacional, cujas características 
serão descritas no Decreto 3.859 de 04/07/2001 (FORTUNA, 2005; ASSAF NETO, 2014)
3.2. Instrumentos Financeiros de Renda Variável 
É comum ler e assistir nos noticiários sobre o mercado de capitais, pois sempre que 
é mencionada a frase “renda variável”, logo vem à mente do investidor a bolsa de valores, 
e com a lembrança da bolsa de valores, logo se pensa em cassino. 
Observando-se os instrumentos de renda variável, percebe-se que a grande maioria 
desses instrumentos são negociados na Bolsa de Valores. Se um pessoa deseja investir 
seu dinheiro em um fundo de investimento em ações, logo, o fundo compra e venda ações 
na bolsa de valores, caso essa pessoa decida investir em um contrato futuro de dólar, ou 
mesmo comprar e vender dólares fisicamente, os mesmos passaram pelas mãos de um 
corretor que os negociam na bolsa de valores. Porém, os instrumentos financeiros de renda 
variável, como o próprio nome já enfatiza, pode variar para ganho ou até inclusive para 
perdas, pois diferentemente da renda fixa, não pode-se calcular o grau de rentabilidade de 
um produto de renda variável, estes por sua, possuem maior liquidez e por isso são mais 
especulados do que os de renda fixa. (ASSAF NETO, 2014; CVM; 2019)
3.2.1. Ações 
Uma ação representa a menor parcela (fração) do capital social de uma sociedade 
por ações. As ações podem ser emitidas com e sem valor nominal, de acordo com o regido 
no estatuto da companhia (ASSAF NETO, 2014). As empresas que estão habilitadas a 
emitir ações no mercado devem ser constituídas sociedades anônimas de capital aberto. 
As ações são classificadas em duas espécies: as ações preferenciais e as ações 
ordinárias. As ações preferenciais podem ser de uma ou mais classes, e em sua maioria 
não asseguram direito a voto. Para o acionista preferencial, o lucro é mais importante que 
o controle, ou seja, este acionista prioriza a distribuição de resultados. As ações ordinárias 
são aquelas que conferem ao seu titular o direito a voto na assembleia de acionistas e, 
portanto, de determinar o destino da empresa. Logo, a diferença entre as ações preferenciais 
e ordinárias é que a primeira tem preferência na distribuição de dividendos, porém não 
lhe dá direito a voto nas assembleias de acionistas, enquanto a segunda também recebe 
dividendos, porém em menor escala e após os acionistas preferenciais, mas, dando direito 
a voto nas assembleias. (CAVALCANTE, MISUMI e RUDGE, 2005)
22UNIDADE I Mercado Financeiro e o Sistema Financeiro Nacional
Segundo Assaf Neto (2014) no mercado de ações a rentabilidade não é garantida, 
podendo inclusive resultar em perdas para o investidor, seja por que a empresa que ele 
comprou a ação não esteja bem financeira e economicamente, seja por crises internas 
ou externas, ou seja, por especulação. Por isso o investidor que deseja comprar e vender 
ações deve ter estes riscos em mente. Todo o investidor que deseja participar do mercado 
de ações deve procurar uma corretora ou distribuidora de valores mobiliários. 
3.2.2. Derivativos
De acordo com Assaf Neto (2014) os derivativos são instrumentos financeiros que 
se originam do valor de outro ativo, tido como ativo de referência. Um contrato derivativo 
não apresenta valor próprio, derivando-se do valor de um bem básico (commodities, ações, 
taxas de juros etc.) Esses ativos objetos dos contratos de derivativos devem ter seus preços 
estabelecidos pelo mercado. As transações devem ser realizadas no mercados futuros, a 
termo, opções, swaps entre outros.
3.2.3. Commodities 
Commodities é uma palavra derivada do inglês que tem como significado 
‘mercadorias’. É utilizado para indicar produtos primários negociados entre importadores 
e exportadores. Uma commodity costuma ter características muito parecidas com as de 
outros produtores, permitindo que sejam cotadas nas Bolsas de Valores. Os produtores, 
permitindo que sejam cotadas nas Bolsas de Valores. Os produtores de commodities são 
considerados “price takers”, ou seja, são tomadores de preços, não podendo individualmente 
afetar as cotações dos produtos produzidos. Café, soja, milho, trigo e petróleo são exemplos 
de commodities. No Brasil, as commodities são negociadas na B3: Brasil, Bolsa, Balcão. 
(CVM, 2019)
REFLITA
Em 2019, com a queda da taxa Selic, houve um crescimento de investidores autônomos 
no mercado de capitais. Com a mínima histórica da taxa Selic, você acredita que o mer-
cado tende a atrair o público investidor, permitindo que o mercado privado possa com-
petir em condições mais favoráveis e reduzindo o custo do financiamento corporativo?
Fonte: CVM (2020) 
23UNIDADE I Mercado Financeiro e o Sistema Financeiro Nacional
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Caro estudante nesta Unidade entendemos a extrema importância Sistema 
Financeiro Nacional, demonstramos a estrutura e o funcionamento do sistema financeiro 
nacional. Expondo de que forma consiste sua composição e como atua cada segmento. 
O sistema financeiro nacional compreende: órgãos normativos, entidades supervisoras e 
operadores, o primeiro expedindo as diretrizes, o segundo controlando, desenvolvendo e 
fiscalizando o sistema financeiro e o terceiro responsável pela execução das concessões 
de crédito às empresas. Verificamos como o mercado financeiro é estruturado por meio 
das instituições privadas e públicas e das entidades governamentais tendo como objetivos 
a aplicação e a captação de recursos financeiros, a distribuição e a circulação de títulos 
e valores mobiliários e a regulamentação desse processo. Identificamos que o mercado 
financeiro pode ser segmentado em mercados: Cambial, Monetário, Crédito e de Capitais, 
cada um com suas especificidades. Abordamos também sobre os tipos de investimentos, 
na qual podem se dar de diversas maneiras, além das tradicionais que são no mercado 
financeiro e em companhias, existem outros instrumentos que são utilizados pelos 
investidores.
Na próxima unidade veremos mais detalhadamente os tipos de títulos financeiros 
públicos e privados, debêntures, opções de compra e venda de ações, ações ordinárias e 
preferenciais, e fundos de investimentos.
24UNIDADE I Mercado Financeiro e o Sistema Financeiro Nacional
MATERIAL COMPLEMENTAR
LIVRO
Título: Análise de Investimentos: Histórico, Principais Ferramentas 
e Mudanças Conceituais Para o Futuro
Ano: 2017
Sinopse: Quando falamos em Análise de Investimentos, 
primeiramente vêm à mente perguntas como qual o ativo objeto 
de análise, qual o momento mais adequado para formação de 
posição em tal ativo e para quem estamos analisando? Visando a 
difundir os conhecimentos sobre a Análise de Investimento, desde 
suas vertentes mais tradicionais, como a Análise Técnica, até as 
metodologias mais modernas que estão no caminho da integração 
das questões ambientais, sociais e de governança ao contexto 
da análise de investimentos, dando continuidade a série TOP, a 
APIMEC lançou o livro TOP Análise de Investimentos.
Link para download no site da CVM (Comissão de Valores 
Mobiliários):
https://www.investidor.gov.br/portaldoinvestidor/export/sites/
portaldoinvest idor/publ icacao/Livro/ l ivro_TOP_anal ise_
investimentos.pdf
FILME/VÍDEO
Título: Grande Demais Para Quebrar (Too Big To Fail)
Ano: 2011