A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Pré Projeto SERVIÇO SOCIAL - Elaíse

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL
ELAÍSE OTÁVIA DE MELO COSTA 
SERVIÇO SOCIAL E EDUCAÇÃO
SANTARÉM - PARÁ
2011
UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL
ELAÍSE OTÁVIA DE MELO COSTA
SERVIÇO SOCIAL E EDUCAÇÃO
Pré-Projeto apresentado a disciplina de TCC I do Curso de Graduação em Serviço Social como requisito para obtenção de nota G1, sob a orientação da prof.ª MS. Regina Teodósio.
SANTARÉM - PARÁ
2011
TÍTULO: Serviço Social e Educação: A necessidade do Assistente Social nas Escolas Municipais de Santarém.
TEMA: Serviço Social nas Escolas Municipais de Santarém.
DELIMITAÇÃO DO TEMA: 
O S. S. e a questão social da educação na Escola Princesa Izabel, bairro Nova República Santarém-Pará, com os alunos envolvidos nos conflitos de violência física, alunos da 8ª série, turno vespertino (somente em duas turmas) incluindo o sexo feminino e masculino, englobando a equipe técnica (diretor, secretário e pedagogo) juntamente com o grupo interdisciplinar e com os professores que trabalham com os alunos das referidas turmas.
PROBLEMATIZAÇÃO:
Dentro das limitações do A. S., de que maneira o mesmo estaria atuando nas questões sociais enfrentadas pelos alunos? E até onde essas questões podem estar afetando a vida escolar do mesmo?
Os alunos sabem da necessidade do A. S., no âmbito escolar, e da importância do meso para o processo de identificação e mediação dos conflitos escolares?
Existe em Santarém projetos para que o S. S., seja inserido nas escolas, e de que forma essa questão está sendo articulada entre os profissionais da área, e a questão escolar do município?
De que forma os conflitos ocasionados no âmbito escolar, são resolvidos, quais métodos usados para se resolver esses problemas, sem a intervenção do A. S.?
OBJETIVOS:
Geral:
Analisar a necessidade da inserção do Assistente Social no âmbito escolar, para que este some esforços frente às múltiplas expressões da questão social que os alunos vivenciam nas escolas municipais de Santarém, e estudar ainda os motivos pelo qual hoje, na sociedade complexa em que vivemos não se tem o Assistente Social no grupo interdisciplinar escolar.
Específicos:
· Conhecer as problemáticas sociais que se configuram no âmbito escolar;
· Identificar a relação da questão social na escola e o processo de trabalho do Assistente Social;
· Focar na questão da violência professor aluno, aluno professor e entre os próprios alunos.
JUSTIFICATIVA:
Diante da grande precariedade da educação em todo o Brasil, mais principalmente em Santarém, vise a necessidade de aprofundar um estudo e pesquisa, sobre as questões sociais que crescem em Santarém e geram problemas que se desencadeiam na escola e a extrema necessidade de se ter na equipe interdisciplinar um Assistente Social, que pode contribuir para minimizar esses problemas gerados por toda uma sociedade deficiente.
As instituições educacionais sofrem, uma profunda redefinição e reorganização na atualidade escolar, família e escola tornam-se instrumentos cada vez mais diretos nas experiências formativas dos indivíduos e na própria reprodução cultural, ideológica e profissional da sociedade. Ambas são responsáveis por um papel cada vez mais decisivo, não só no que está relacionado ao cuidado e ao crescimento do sujeito em processo evolutivo ou ligados à instrução formal, mas também a formação social e pessoal ao mesmo tempo.
É importante que no bojo dessa nova configuração escolar de ensino educativo, social e político, na qual os sujeitos são preparados para uma vida em sociedade, que se alcance como espaço ocupacional dos processos de trabalho do Assistente Social no âmbito escolar, por este ter como particularidade de seu fazer profissional, desvendar e apontar soluções viáveis frente às múltiplas expressões da questão social vivenciadas pela comunidade escolar (professores, alunos, familiares), no sentido de uma formação educativa de vanguarda.
Legitimar o espaço escolar como espaço ocupacional dos processos de trabalho do Assistente Social, possibilita que este profissional subsidie as ações dos demais profissionais que fazem parte do processo educativo da escola, assim como na contribuição para a efetivação da legislação social nos espaços e as demais problemáticas que possam ocorrer no processo de ensino-aprendizagem no âmbito escolar do município de Santarém.
METODOLOGIA:
Universo: Participavam desta pesquisa adolescente que já sofreram violência física por alunos ou por professores, ocasionando conflitos no âmbito escolar, serão pesquisados os alunos da 8ª série do turno vespertino, serão alvo desta pesquisa a equipe técnica, diretor, secretário, pedagogo e professores que trabalham diretamente com as devidas na escola Princesa Izabel.
Amostra: Utilizar-se-á a pesquisa de campo descritiva de forma aleatória e estratificada. Serão pesquisados 20 (vinte) alunos, ou seja, mais de 60% do universo.
Procedimentos: Os instrumentos utilizados na pesquisa serão na forma de questionários, também serão aplicados com a equipe técnica da escola e os professores que trabalhavam com os alunos já mencionados.
Será utilizado como aspectos éticos um termo de consentimento para garantir aos pesquisados o sigilo de seu nome em relação as informações fornecidas, acrescentando-lhes o direito para que as suas informações sejam retiradas a qualquer momento do devido projeto.
REFERENCIAL TEÓRICO:
A educação sempre esteve voltada a atender os interesses do homem e as exigências dos paradigmas sociais num determinado período histórico. Ele faz parte de um processo de socialização que transforma o ser humano em um ser social interagindo-o com o meio em que vive. As escolas hoje assumem uma nova configuração quando foge do ensino meramente executivo e possibilita a interação com ensino e pesquisa da realidade social, no objetivo de preparar o aluno para atender as exigências da sociedade vigente, mas a educação também dá suportes para uma configuração que reforça uma estrutura de mínimas sociais. A contemporaneidade é também a época da educação e de uma educação social, meramente executivo e possibilita a interação com ensino e pesquisa da realidade social, no objetivo de preparar o aluno para atender as exigências da sociedade vigente.
A educação também dá suportes para uma configuração que reforça uma estrutura e mínima sociais. “A contemporaneidade é também a época da educação e de uma educação social que dá substância ao político (enquanto a política é governo dos e sobre os cidadãos)…” (Cambi, 1999), reforçando assim as desigualdades sociais presentes no cotidiano a implementação de políticas educativas.
Em outras palavras:
Um âmbito também e fundamental é o das políticas educativas, escolares, formativo-profissionais que se coloca em estreita simbiose com historiado Estado e dos movimentos políticos, das estruturas administrativas das várias sociedades etc. (CAMBI, 1999).
Levando em considerações que em todo o ciclo da vida do ser humano a educação é constante no dia a dia de todos. E no que se refere ao direito à educação, nota-se que inicialmente a Carta de 1988 possui um caráter eminentemente social, constituindo um “divisor de águas” na área social, pois o art. 6º da CF/88 reza que “são direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados”, reconhecendo assim a educação como direito fundamental social.
A própria Constituição Federal de 1988, promulgou o Estado Democrático de Direito, apontando para uma educação pautada na formação cidadã, destacando os artigos abaixo:
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.
Art. 206. (*) O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
(*

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.