A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
RESUMO- LIBERALISMO NAS RI'S

Pré-visualização | Página 3 de 3

lastreado em 
normas jurídicas negociadas que levavam em conta uma 
visão do bem-estar da humanidade; os beligerantes não 
têm direito ilimitado quanto à escolha dos meios de 
prejudicar o inimigo 
 
Ele nunca afirmou que a Guerra tinha se tornado impossível, apenas que 
ela não trazia lucros 
: Aos olhos de muitos observadores, o início da 
Guerra desacreditou Angell e seus seguidores; os argumentos econômicos 
não tinham evitado a conflagração maciça. 
 – a devastação sem precedentes causada 
pela Guerra acabou por confirmar a tese de Angell de que a Guerra 
economicamente não fazia mais sentido. Assim, as tentativas de Angell de 
desromantizar a Guerra e seu apelo por uma política esclarecida não saíram 
de moda (war-preventing power of economic interdependence) 
 – aumento dos regimes autoritários – mais atenção de 
Angell ao princípio da segurança coletiva, que incluía o uso potencial da força 
contra um agressor (pacifista realista) 
 
 ILUSÃO 
Vantagens 
Materiais 
da Guerra 
 
 TRIUNFO DA PAZ 
 CORRIDA ARMAMENTISTA 
Foi usado na guerra fria 
Acabou sendo um confronto pela supremacia política e 
ideológica que envolveu aas duas superpotências da 
época que eram EUA e URSS 
Incentivo da pesquisa e desenvolvimento de armas 
 
 
 
Tivemos o Alfred Thayer Mahan que foi o principal pensador 
sobre estratégia marítima nos EUA 
Alfred acabou por criticar Angell por ele ter ignorado fatores 
não quantificáveis, mas também concordou com Angell sobre o 
custo-benefício que era questionável das grandes guerras, mas 
avisou que elas não se originavam apenas por razões 
econômicas: “Nations are under no illusion as to the 
unprofitableness of war in itself; but they recognise that different 
views of right and wrong in international transactions may 
provoke collision, against which the only safeguard is armament.” 
Ele concordou com Angell que o rompimento do sistema 
econômico internacional que era causado por uma grande 
Guerra também afetaria o próprio aggressor. Mas, até mesmo 
isso não significaria o fim da Guerra, pois “... ambition, self-
respect, resentment of injustice, sympathy with the oppressed, 
hatred of oppression” eram razões mais do que suficientes para 
a Guerra não desaparecer. 
 
Aqui nós temos a transformação das relações internacionais, adaptando-
as aos modelos de paz, liberdade e prosperidade à semelhança das 
sociedades liberais nacionais, onde teremos a situação de estado de 
natureza e de estado civil e entre eles, nós teremos regras, que precisam 
ser seguidas. 
 
“
”
 
“ ”
 
Sua vertente 
Anos 1950 e 1960 
 Autores Principais nós temos: David Mittrany, Karl Deutch, Ernst Haas 
 Estudo do funcionamento das Organizações internacionais (OI’s) e análise de como a criação de agências especializadas poderia conduzir ao 
aprofundamento da cooperação 
 “ ” (a maneira como uma OI funciona depende da função específica que desempenha) 
 – separação entre técnica e política 
 OIs assumem funções que os governos nacionais não poderiam desempenhar sozinhos – ex. organização do tráfego aéreo 
 – efeito de transbordamento; quando o sucesso de uma forma de realização eficiente de uma função se 
transfere para outra – 
 O progresso da técnica produz resultado político desejável PAZ (PEACE BY PIECES) 
 
 
 
LIBERDADE 
INDIVIDUO 
IDÉIAS 
INTERDEPENDENCIA 
FORMAS DEMOCRÁTICAS DO GOVERNO 
COMÉRCIO INTERNACIONAL 
GUERRA JUSTA 
 
Robert Keohane 
Michael Doyle 
Joseph Nye 
John Kenberry 
 
Situações caracterizadas por efeitos recíprocos entre países ou 
entre atores em diferentes países 
Pode ser fonte de conflito ou recurso de poder 
Seus efeitos recíprocos geram custos aos envolvidos, então ela nem 
sempre vai aproximar países, uma vez que estes buscam conservar 
o controle sobre os fatores que condicionam seu desempenho 
econômico e tendem a encaram negativamente as incertezas 
geradas pela dependência extrema 
Seu aprofundamento é inevitável, devido ao grau de integração e 
complexidade da economia internacional, forçando os Estados a 
buscarem mecanismos para lidar com seus efeitos negativos 
Caso do mercado do petróleo. 
 
São processos transnacionais que moldam o caráter das relações 
internacionais 
Economias mais interligadas pelo avanço das comunicações 
Problemas causados por decisões ou fatos que ocorreram em outros locais 
sobre os quais não se tem controle 
O protagonismo é por parte de atores não estatais 
Temos assimetrias que são distribuídas em cada área (assunto/tema) 
específica de negociação 
A intensificação das conexões entre Estados tornou mais complexa a forma 
como as decisões políticas são tomadas e quais as variáveis que determinam o 
resultado das interações 
 
 
 
 
 
◦ Contatos informais agências – governos – atores privados 
◦ Diversidade de atores 
◦ OI com papel enquanto arena de negociação 
 
◦ Diversidade de questões 
◦ Ausência de hierarquia entre os temas 
◦ Fronteira difusa entre doméstico e internacional 
 
◦ Envolvimento recíproco 
◦ Dificuldade em vincular negociações sobre a baixa política com questões de segurança 
◦ Poder militar não tem uso indiscriminado 
 Diminuição da autonomia – interesses nacionais – interesses podem ser alterados, quais interesses estão 
sendo defendidos em cada contexto pelos representantes do Estado 
 Interdependência assimétrica: 
 Recurso de poder 
 Fonte de conflito 
 
 
 
Regimes 
Internacionais (1980) 
 
 Resultado de escolhas feitas pelo Estado 
 Função de resolver problemas que os formuladores de políticas reconhecem 
depender de outros Estados 
 Reduzem os custos da interdependência 
 Criam condições favoráveis à cooperação 
 Rede complexa de processos e atores e efeitos recíprocos da interdependência – 
busca de soluções comuns (coletivas)