A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Resumo de ergonomia

Pré-visualização | Página 1 de 3

RESUMO 
 
A ergonomia procura reduzir o que chamamos de custos humanos, concentrando seus estudos na solução 
dos problemas e sugerindo melhorias. Atualmente, muitas das atividades profissionais requisitam intenso 
processamento mental. Assim, a ergonomia deve ser aplicada naquilo que de fato promove um resultado 
positivo exigindo menor investimento de energia e atenção da nossa parte, naquilo que não agrega valor à 
atividade em si. Portanto, a ergonomia pode ser aplicada a qualquer ambiente. → são situações 
previamente conhecidas, servem para auxiliar os estudos e discutem aspectos específicos, que em geral são 
encontrados nas empresas. São em si mesmas resultados já sistematizados, permitindo uma compreensão 
mais imediata das possíveis situações a serem enfrentadas durante as ações ergonômicas. 
 
Abordagem Ergonômica – Ação Ergonômica → As demandas são os estágios iniciais para se iniciar 
uma ação ergonômica. Podem ser percebidas pelos próprios atores envolvidos na atividade, pelo setor de 
higiene e segurança do trabalho ou pela própria equipe de ergonomia se houver. A partir do 
reconhecimento dos motivos que levaram a demanda, o ergonomista elabora uma proposta. Ele poderá 
ouvir dos próprios empregados a confirmação de algo inadequado. A isenção é a melhor estratégia, além 
de estabelecer um diálogo orientado para que possa conduzir a origem do problema. Deve se observar um 
sistema global, assim toda as atividades que de alguma forma interagem com o setor ou estação estudada 
deverá ser considerada. 
Dimensão da Ação Ergonômica A delimitação campo de estudo é fundamental, uma vez que o ponto 
focal se altera em função das relações impostas no sistema, por exemplo, se o estudo considera o taxista 
como alvo do estudo ou o próprio passageiro. 
Análise da Atividade→ A Análise da Atividade prevê uma abordagem sistêmica, isto quer dizer global, 
permitindo que sejam compreendidas não somente as questões quantitativas, mas especialmente as 
qualitativas. 
psicologia do trabalho ou industrial → desenvolveram, a partir de experiências em laboratórios, modelos 
de testes que permitem avaliar o perfil e as aptidões dos candidatos. 
psicologia diferencial das populações, abordagem aplicada de forma mais ampla → busca 
conhecer os comportamentos populacionais (visão geral). As motivações que movem as populações 
podem influenciar o comportamento dos empregados de uma empresa. 
Discuta a afirmação: um posto de trabalho, que não possuir a presença humana estará dispensado 
da Ação Ergonômica → Errado. A atividade humana poderá ser requisitada para a manutenção ou 
mesmo por motivos relacionados de reiniciação de um sistema, paradas emergenciais, etc. A dinâmica do 
mercado exige ajustes constantes dos postos, seja pela mudança das máquinas e ferramentas e inclusive 
no ajuste da produção. 
Parâmetros ou variáveis da atividade de pesquisa da Ergonomia: 
Interfaciais (layout)→ Alcances; Dimensões; Falhas na distância oferecida entre os manípulos e o 
operador etc. Instrumentais→ Incongruência na configuração de painéis de informação, mostradores e 
comandos; Conformação, arranjo físico e topologia. Informacionais / Visuais → Visibilidade; 
Legibilidade; Componentes sígnicos - caracteres alfanuméricos e símbolos iconográficos; Da ciência na 
detecção, discriminação e identificação das informações nos: mostradores, painéis, telas e sinalizações de 
segurança. 
 Acionais→ Configuração; Conformação; Apreensibilidade; Dimensões; Movimentação e resistência de 
comandos manuais, pediosos e acabamentos inadequados à manipulação; Empunhaduras inadequadas, 
ângulos e movimentos impróprios. Comunicacionais → Articulação e padronização de mensagens 
verbais por alto-falantes; microfones e telefonia. Cognitivos → Compreensibilidade; Consistência da 
Lógica – codificações e representações; Compatibilização de repertórios; Significação das mensagens; 
Processamento das informações. Movimentacionais → Limites de peso (considerando altura da carga em 
relação ao solo – movimento vertical e deslocamento horizontal; Qualidade da pega; Frequência de 
manipulação da carga. Espaciais / Arquiteturais → Iluminação, Ruído; Temperatura; Vibração; 
Radiação; Pressão, dentro dos limites da higiene e segurança do trabalho. Químicos-ambientais → 
Toxicidade; Vapores e aerodispersóides; Agentes biológicos. Securitários → Controle de riscos e 
acidentes; supervisão constante dos dutos, alarmes e da planta industrial em geral. Operacionais → 
Programação da tarefa; Interações formais e informais; Ritmo; Repetitividade; Autonomia; Pausas. 
Organizacional → Isolamento; Participação; Gestão; Avaliação; Jornada; Horários, turnos e escala de 
trabalho. Instrucional → Programas de treinamento; Procedimentos. Urbanos → Sinalização urbana e 
de transporte, terminais rodoviários, ferroviários e metroviários; Áreas de circulação e integração. 
Psicossociais → Conflitos entre indivíduos e grupos sociais; Dificuldades de comunicações e 
interações sociais interpessoais. 
Domínios da Ergonomia: 
Ergonomia Física → trata do aspecto anatômico, antropométrico, psicológico e biomecânico. Incluem-se 
estudos posturais, materiais e cargas manuseadas, movimentos repetitivos, desordens musculoesqueletais. 
Ergonomia Cognitiva → trata do processamento mental (percepção, memória, razão, coordenação 
motora), interação entre humanos e outros elementos do sistema, sobrecarga mental, tomada de decisão, 
interação humano-computador, stress profissional e treinamento. Ergonomia Organizacional → trata da 
otimização do sistema sócio técnico (estruturas organizacionais, políticas e processos, estudos sobre 
comunicação, gestão das equipes, planejamento do trabalho, planejamento dos horários de trabalho, times 
de trabalho, etc) 
Campos da ergonomia: 
Ergonomia das Posturas de Trabalho → Relaciona-se aos estudos antropométricos, explorados nas 
dimensões dos produtos e dos postos de trabalho. Ergonomia da Atividade Muscular → A fisiologia e a 
biomecânica interferem no arranjo físico colaborando para a prevenção de doenças ocupacionais. 
Ergonomia dos Ambientes → Aspectos como: pressão sonora, comunicação visual (excesso e 
ausência de informação), temperatura, etc. Ergonomia da Reabilitação → Diferentes especialidades da 
biologia (biomecânica, neurofisiologia, fisiologia sensorial) podem colaborar nas ações de reeducação, 
reabilitação e adequação do ambiente. Ergonomia dos Equipamentos de apoio ao Trabalho → 
pesquisas e ações ergonômicas na área de robótica, manipulação à distância, representação do espaço de 
trabalho. Ergonomia e Avaliação do Custo da Atividade → Avaliação das medidas da fadiga da carga de 
trabalho, do estresse (medidas do consumo de energia, oxigênio, frequência cardíaca etc.) 
O ergonomista deverá ser capaz de analisar a diversidade existente resultante da complexidade 
quando se pretende avaliar todas as possíveis relações sistêmicas em um determinado ambiente 
profissional. Diversidade pode ser compreendida como diferença e diferença é um tipo de informação, logo 
se um sistema possui diferenças é um sistema informacional, assim “Informação é diferença 
que faz diferença”. 
 
 
A empatia na ergonomia → é uma forma de se buscar as informações, é ir além daquilo que se aprende 
na teoria, experimentar o que outro vive (as condições vivenciadas permitem que os ergonomistas sintam 
mais próximos de si mesmos algumas das variáveis que podem interferir nas atividades desempenhadas 
pelos trabalhadores, como temperatura, sanitários distantes, excessos de deambulações, etc.). O 
ergonomista assim pode colaborar para uma análise muito mais realista e sistêmica do que simplesmente 
ver um vídeo as atividades desenvolvidas, calcular o número de movimentos, posturas assumidas etc. 
Mapa da Empatia8 (ME) → prevê 4 áreas principais nas quais o interlocutor poderá registrar as percepções 
durante a experiência e contato com o entrevistado. O que foi dito;