A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
EPIFISIÓLISE DA CABEÇA FEMORAL

Pré-visualização | Página 1 de 1

EPIFISIÓLISE DA CABEÇA FEMORAL
Deslocamento para trás e para baixo da cabeça femoral. Localizada nos deslocamentos epifisários. Ocorre durante a fase de crescimento rápido, quando a placa de crescimento está enfraquecida.
SEQUELAS PRECOCES: necrose avascular da cabeça femoral; condrólise (acetabular e femoral). TARDIAS: incongruência articular e osteoartrose.
ETIOLOGIA/ FATORES PREDISPONENTES IDADE:
Período de crescimento rápido (10 a 17 anos). 
SEXO: masculino. 
BIOTIPO: pessoas altas e magras, ou obesidade Fröhlich (hipodesenvolvimento da genitália). 
LOCALIZAÇÃO: quadril esquerdo mais afetado, bilateral em 25 % dos casos.
PATOLOGIA: Pela ruptura da epífise cabeça do fêmur se desloca para trás e para baixo, produzindo deformidade em rotação externa e adução. Se o deslizamento persiste, surgem alterações degenerativas e necrose avascular.
QUADRO CLÍNICO
Início insidioso e lentamente progressivo; 
Deslizamento pode variar de leve a extremo; 
Sintomas surgem quando há pouco ou nenhum deslizamento.
EVOLUI EM 3 ESTÁGIOS: 
1- Estágio pré-deslizamento: desconforto na região inguinal, geralmente após atividade, melhora com repouso. Pode vir acompanhado de alguma rigidez e claudicação.
2- Estágio de deslizamento crônico: dor aumenta em intensidade. Há claudicação antálgica; Sensação de dor no quadril e limitação de movimentos, primeiro em rotação interna e abdução e depois também em flexão e extensão. MI entra em deformidade. Encurtamento do MI e trendelemburg positivo.
3- Estágio de deformidade fixa: dor e espasmo muscular desaparecem; Persiste a claudicação, a rotação externa, adução e encurtamento do MI.
TRATAMENTO
Ausência de carga no MI, utilização de muletas e engessamento para tentar impedir deslizamento. 
Tração longitudinal para contrapor-se ao espasmo muscular. 
Abdução forçada é contra-indicada pois leva à necrose. 
Cirurgia indicada para todos os casos.
FISIOTERAPIA
 PO IMEDIATO: Diminuir dor, edema e inflamação; Controlar espasmo muscular; Prevenir aderências cicatriciais e teciduais; Preservar MI contralateral, coluna, joelho, tornozelo e pé do MI operado. Minimizar atrofia muscular. 
AMBULATÓRIO INICIAL: Controlar dor, edema e inflamação; Restaurar ADM e quebrar aderências periarticulares. Recuperar FM; Iniciar descarga de peso. 
AMBULATÓRIO FINAL: ADM máxima; FM máxima; Descarga de peso total; Treino de equilíbrio, marcha, coordenação e propriocepção. Treino funcional.