A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
Aula 1 Parasito Imepac 2018

Pré-visualização | Página 1 de 2

INTRODUÇÃO A PARASITOLOGIA VETERINÁRIA – CONCEITOS GERAIS 
PROFA. DRA. BRENDA CARLA LUQUETTI
Fevereiro/2018
1ª Unidade
Introdução à Parasitologia: Conceitos gerais e Regras Internacionais de Nomenclatura Zoológica.
Helmintologia Geral –Filo Nemathelminthes – Classe Nematoda- Ordem Ascarididea – Familias Ascarididae Toxocaridae Heterakidae. Ordem Oxyuridea - Familia Oxyuridae.
Filo Nemathelminthes – Classe Nematoda – Ordem Rhabditida – Familias Strongyloididae Ancylostomatidae Metastrongylidae Molineidae Chabertiidae, Strongylidae Cooperiidae Dictyocaulidae 
2ª Unidade
Filo Nemathelminthes – Classe Nematoda – Ordem Rhabditida – Familias Dictyocaulidae, Haemonchidae Trichostrongylidae.
Filo Nemathelminthes – Classe Nematoda – Ordem Spirurida - Onchocercidae Habronematidae. Ordem Enoplida. Familia. Dioctophymatidae. Ordem Trichocephalida. Familia Thichuridae
Filo Platyhelminthes - Classe Trematoda – Familia Fasciolidae
Filo Platyhelminthes – Classe Cestoda – Anoplocephalidae, Taeniidae, Dilepitida
 Primeira Etapa: 50,0 pontos:
 TDE 01: Atividade no portal blackboard. Resenha de artigo cumprindo carga-horária de 3 horas, no valor 6,00. No dia 22/02 e entrega dia 22/03
TDE 04: Atividade no portal Blackboard. Seminários cumprindo carga-horária de 4 horas, no valor 6,00. Sorteados no dia 26/04, a serem realizados nos dias 07 e 14/06.
 Bibliografia Básica
 
BOWMAN, D.D. Parasitologia Veterinária de Georgis. 8. ed. Barueri, SP: Manole, 2006. 422 p
 FORTES, E. Parasitologia Veterinária. 4.ed. São Paulo: Icone, 2004. 608p.
.MONTEIRO, S.G. Parasitologia na Medicina Veterinária. 1 .ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. 368 p.
URQUART/ TAYLOR, M.A., COOP, R.L, WALL, R.L. Parasitologia Veterinária. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. 768 p
 
Bibliografia Complementar
 TAYLOR, M.A.; COOP, R.L.; WALL, R.L. Parasitologia Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017
FOREYT, W.J. Parasitologia Veterinária - Manual de Referência. 5. ed. São Paulo: Roca, 2005. 240 p.
SERRA-FREIRE, N.M.; DE MELLO, R.P. Entomologia & Acarologia na Medicina Veterinária. Rio de Janeiro: L.F. Livros, 2006. 199 p
Principais parasitos (Nematódeos, cestodeos, trematódeos, )
Helmintologia veterinária
PARASITO
É todo ser vivo, animal ou vegetal, que implantado na superfície externa ou interna de um outro ser vivo, retira deste, alimento para sua subsistência e reprodução.
HOSPEDEIRO
Animal ou planta pelo qual vive o parasito.
Parasitismo
Prejuízos das parasitoses animais
Queda de produção de carne, leite e ovos
Danificação do couro
Gasto com medicamentos
Assistência médico veterinária
Perda de crias
Morte do animal
Relação parasito-hospedeiro
Relações entre os indivíduos
Parasitismo
Especificidade
Ciclos
Hospedeiros
Morfologia, identificação, taxonomia e biologia dos principais endoparasitas e ectoparasitas
 Hospedeiro é indispensável ao parasita, que vive às suas custas
Parasita retira do hospedeiro o que necessita para sua sobrevivência
O parasita tem um enorme grau de dependência metabólica (metabolismo do parasita vinculado ao hospedeiro)
FATORES QUE FAVORECEM O PARASITISMO
Má alimentação
Falta de mineralização
Falta de higiene
Umidade, chuvas e calor
Alta concentração de animais
HABITAT DOS PARASITOS
É necessário que o parasito se instale no seu habitat para poder sobreviver, crescer e multiplicar
Tubo digestivo
Mucosa e epitélio
Órgãos internos 
Sistema fagocítico mononuclear
Sangue, linfa
O estabelecimento do parasitismo se dá por ingestão, injeção ou penetração
Conceitos Epidemiológicos
Fonte de infecção: Organismo vertebrado onde o agente pode sobreviver e multiplicar-se, tendo acesso ao meio exterior. 
Via de eliminação: Meio ou veículo pelo qual o parasita é eliminado da fonte de infecção (secreções, excreções, sangue, exsudatos/descargas purulentas, descamações de pele, leite, placenta)
Via de transmissão: Meio ou veículo pelo qual o parasita alcança o novo hospedeiro (água, ar, poeiras, solo, fômites, alimentos, vetores)
Porta de entrada: Via pela qual o parasita penetra no novo hospedeiro (pele, mucosas, via oral)
Suscetível: Hospedeiro passível de sofrer a infestação/infecção
Períodos Clínicos
Período de Incubação: Período que se interpõe entre o espaço de tempo de invasão do parasita no hospedeiro e o aparecimento dos primeiros sinais clínicos
Período Agudo: Espaço de tempo, após a invasão do parasita, onde os sinais clínicos são mais acentuados. O hospedeiro pode se restabelecer, entrar no período crônico ou morrer
Período Crônico: Após o período agudo. Os sinais clínicos diminuem, mas os parasitas permanecem nos hospedeiros
Períodos Parasitológicos
Período Pré-Patente (PPP)
Tempo que decorre a partir da penetração/ingestão do estágio infectante do parasita no hospedeiro até o aparecimento de ovos, larvas ou oocistos (formas jovens iniciais) da geração seguinte, evidenciados por processos laboratoriais específicos
Período Patente (PP)
Período de tempo pelo qual os parasitas podem ser demonstrados, por diversas técnicas. Termina quando os ovos, larvas ou oocistos não podem mais ser revelados
Período Sub-Patente
Aquele em que não é possível revelar a presença do parasita através de seus ovos, larvas ou oocistos. A este período segue-se um novo período patente
CLASSIFICAÇÃO DOS
PARASITAS
Segundo o local do parasitismo:
Endoparasitas - permanecem no interior do organismo hospedeiro: INFECÇÃO
Ectoparasitas - permanecem na superfície corpórea do hospedeiro, na pele, pêlos e cavidades naturais.: INFESTAÇÃO	
Segundo o tempo de permanência no hospedeiro:
Periódicos ou provisórios - somente são parasitos em uma fase do desenvolvimento. Ex.: Berne (larva da mosca)
Permanentes - passam a vida, em todos os seus estágios, espoliando o hospedeiro. Ex.: ácaros do gênero Demodex, 
Temporários – procura o hospedeiro apenas para se alimentar:
Intermitente – Abandona o hospedeiro após se alimentar. Ex.: mosquito
Remitente – Permanece no hospedeiro após se alimentar. Ex.: pulga, piolho
Quanto à especificidade parasitária:
Estenoxênicos - afetam somente uma espécie hospedeira. Ex.: Taenia saginata
Eurixênicos - apresentam ampla variedade de hospedeiros, parasitando grupos zoológicos distintos. Ex.: Toxoplasma gondii parasita desde mamíferos a aves
Oligoxênicos - apresentam especificidade restrita, parasitando hospedeiros da mesma família ou gêneros próximos. Ex.: Echinococcus granulosus em cão e raposa
CICLO
O desenvolvimento de um parasito se dá pela instalação no hospedeiro 
Ciclo biológico → é a passagem de fases de um hospedeiro para outro, ou no mesmo, durante o desenvolvimento do parasito que obedece um programa regular de acontecimentos
O conhecimento do ciclo permite que se entenda a biologia do parasito e relações com os hospedeiros, e a sua patogenicidade, fornecendo uma visão de pontos de prevenção, tratamento e controle das parasitoses
Quanto ao nº de hospedeiros para realização do ciclo de vida:
Monoxênicos – Apenas um único hospedeiro para completar seu ciclo de vida (Ascaris spp).
Heteroxênicos – Mais de um hospedeiro para completar seu ciclo de vida. Fase larval/ fase adulta (Schistosoma spp).
Quanto ao habitat:
Errático – parasita que não consegue atingir o órgão de eleição em seu hospedeiro habitual, localizando-se em outro lugar. Ex.: O Ascaris suun parasita ID do suino, podendo introduzir-se no canal colédoco, causando hepatite obstrutiva
Extraviado - pode ocorrer em outro hospedeiro e fora do seu habitat natural. Ex.: Ancylostoma braziliense, parasita do ID de cães e gatos, parasita o homem como larva migrans cutânea. O Toxocara canis, também parasita do ID de cães, parasita o homem como larva migrans visceral
AÇÃO DOS PARASITOS
AÇÃO MECÂNICA
Quando há lesão diretamente no órgão, se manifestando por obstrução, compressão e traumatismo 
AÇÃO TÓXICA
Ocorre devido